terça-feira, maio 08, 2018

MINHA ALMA


Minha alma ergueu-se para além de ti...
Tive a ânsia de mais alto
— abri as asas, parti!
Judith Teixeira

"Quero confessar, pois, á vossa inteligência, que toda a luxúria em que ritmei certas attitudes nos meus poemas representa sobretudo a forma mais pomposa e elegante que poderia corresponder a uma atitude interior mais comandada pela Arte do que pelos avisos duma moral que uma sociedade se cansa em recomendar aos outros á força de a infringir.
Vivi nas horas dessa ardente concepção, esta luxúria, que era a forma de minha Sinceridade.16
(...)
Para os que reduzem a vida a um sistema de simulação e mentiras, desde os actos mais íntimos do seu carácter até á negação duma dívida na mercearia vizinha, o público, é o seu pânico irreprimible. Parece que a estas boas almas que o público lhes lê nos olhos o forro torpe da sua vida.
Desta minha alta concepção dos processos morais da existência, desta minha singular lealdade de «afirmar», nasceu, pois, o desacordo entre mim e a Maioría."

JUDITH TEIXEIRA - Escritora portuguesa vanguardista dos anos 20

Sem comentários: