quarta-feira, maio 25, 2022

A MORTE DA MÃE...



AQUILO QUE AS MULHERES NÃO QUEREM VER: que "A mulher sempre foi vista como incompetente. Diziam que elas tinham um cérebro humido, e por isso eram fracas, débeis, lerdas de raciocínio. A desvalorização dela foi tão absurda, que na Idade Média houve uma grande discussão para decidir se a mulher tinha alma ou não."
Regina Navarro Lins


AS MULHERES NÃO SE RESOLVEM POR MAGIA NEM MILAGRES, OU POR FÉ...
As mulheres por aderirem a grupos ou movimentos de mulheres ou terapias de grupo ou mesmo yogas, ou por outra maneira qualquer, por quererem mudar um registo que nelas diria é uma programação quase celular e antiga - que a mulher comum é exemplo - não conseguem libertar-se dele senão com muito tempo e trabalho ou a não ser que se mentalizem ou idealizem de si o que melhor lhes apetecer ou gostariam que fosse e isso não é real.
Este poste é para as mulheres que tantas vezes me leem de raspão ou superficialmente e sem me conhecer, e fazem juizos precipitados - certamente não se dão ao trabalho de pensar! - e por isso quero dizer-lhes que, como é obvio, eu acredito e sei que há mulheres bem intencionadas a percorrer seriamente os caminhos que as levam a si, mas também sei que na maioria dos casos e das vezes a falta de consciência psicológica e da cisão interior da mulher, que é algo entranhado nela,- a divisão secular da mulher entre a santa e a prostituta ou ainda a pecadora - e que a meu ver só se altera através de um trabalho interior constante e do olhar de frente a nossa sombra.
Percorri muitos caminhos e convivi em mais de 20 anos, com alguns grupos de mulheres ao vivo e virtuais, e encontrei de tudo: coisas maravilhosas, muita beleza, muita alegria, mas de forma subliminar, muita dor, muito ciúme e raiva e competição, sobretudo muita inconsciência de si mesmas enquanto mulheres plenas. Qual é o drama, é que as próprias mulheres não se dão conta disso nem percebem nem veem algo que é muito subtil e subterrâneo e que faz parte da educação patrista da mulher e que nos marca a todas!
Não confundo pois a teoria e as ideias bonitas e tudo o que idealizamos só porque sonhamos e queremos ver essa sororidade, e não olhamos para as sombras e até defeitos e complexos (quem os não tem?) nem aceitamos que essa sororidade é rara (nem entre irmãs de sangue) e portanto não é ainda uma realidade relevante na nossa sociedade. O facto de eu apontar isso e querer trabalhar esses aspectos do inconsciente e sombra...isso não significa um afastamento nem uma separação, bem pelo contrário, e é o que acontece quando as mulheres são honestas e sinceras consigo mesmas e se querem ver como um todo.
Sei que há mulheres capazes, sinceras e honestas, como sei que há mulheres oportunistas e falsas que se servem dessas outras para fins bem egoistas. Portanto para quem me lê superficialmente devo frisar que ao dizer estas coisas sei que é muito ingrato, é...mas eu simplesmente no que escrevo tento alertar para o que falta fazer e para que possamos ir mais fundo nessa consciência de si como mulheres e que só nos une verdadeiramente e não embarcar numa idealização qualquer... E esta é minha maneira - no meu livro eu explico tudo e quem o ler compreenderá melhor o que quero dizer - e sei que pago o preço por apontar o lado que se nunca quer ver...e ser persona não grata para essas mulheres pois não louvo apenas o belo e o bom, mas aquilo que em nós é ainda espelho de uma educação patriarcal e que como disse não é com duas cantigas que vamos ficar conscientes de nós como mulheres plenas...de resto lamento que não percebam... e mais ainda que se sintam feridas por eu dizer o que penso e sinto!

Enquanto seguirmos as leis do patriarcado, seja na sociedade, na educação, na filosofia ou na religião, esse sentimento de vazio existencial e destruição da nossa essência estará sempre presente - é como diz a Isabel Barreno no livro A Morte da Mãe: "A Mãe foi cuidadosamente embalsamada: retiram-se todas as tripas, e rechearam-na com o falo transcendente” e as filhas, à imagem da mãe embalsamada andam todas em busca do "falo transcendente" para preencher a sua culpa e o seu vazio...
rlp
“A Mulher, a Mulher autêntica, reintegrada a sua plenitude e poder faz medo a esses sub-produtos que são os homens numa sociedade paternalista.”
Jean Markale


O ESTADO CAÓTICO DO MUNDO



O QUE SE PASSA COM AS PESSOAS???

ISTO TRADUZ o que realmente sinto quando olho a minha volta...
Nunca vi tanta estupidez tanta ignorância tanta alienação e tanto convencimento...
rlp

Socorro

Socorro, eu não estou sentindo nada.
Nem medo, nem calor, nem fogo,
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir.
Socorro, alguma alma, mesmo que penada,
Me empreste as suas penas.
Já não sinto amor nem dor,
Já não sinto nada.
Socorro, alguém me dê um coração,
Que esse já não bate nem apanha.
Por favor, uma emoção pequena,
Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos,
Deve ter algum que sirva.
Socorro, alguma rua que me dê sentido,
Em qualquer cruzamento,
Acostamento, encruzilhada,
Socorro, eu já não sinto nada.
~

Alice Ruiz 

domingo, maio 22, 2022

O mundo é incerto e confuso,



DÁ-NOS A TUA PAZ


Dá-nos a Tua paz,
Deus Cristão falso, mas consolador, porque todos
Nascem para a emoção rezada a ti;
Deus anti-científico, mas que a nossa mãe ensina;
Deus absurdo da verdade absurda, mas que tem a verdade das lágrimas
Nas horas de fraqueza em que sentimos que passamos
Como o fumo e a nuvem, mas a emoção não o quer,
Como o rasto na terra, mas a alma é sensível…

Dá-nos a Tua paz, ainda que não existisses nunca,
A Tua paz no mundo que julgas Teu,
A Tua paz impossível tão possível à Terra,
À grande mãe pagã, cristã em nós a esta hora
E que deve ser humana em tudo quanto é humano em nós.
Dá-nos a paz como uma brisa saindo
Ou a chuva para a qual há preces nas províncias,
E chove por leis naturais tranquilizadoramente.

Dá-nos a paz, porque por ela siga, e regresse
O nosso espírito cansado ao quarto de arrumações e coser
Onde ao canto está o berço inútil, mas não a mãe que embala,
Onde na cómoda velha está a roupa da infância, despida
Com o poder iludir a vida com o sonho…

Dá-nos a tua paz.
O mundo é incerto e confuso,
O pensamento não chega a parte nenhuma da Terra,
O braço não alcança mais do que a mão pode conter,
O olhar não atravessa os muros da sombra,
O coração não sabe desejar o que deseja
A vida erra constantemente o caminho para a Vida.

Dá-nos, Senhor, a paz, Cristo ou Buda que sejas,
Dá-nos a paz e admite
Nos vales esquecidos dos pastores ignotos
Nos píncaros de gelo dos eremitas perdidos,
Nas ruas transversais dos bairros afastados das cidades,
A paz que é dos que não conhecem e esquecem sem querer.

Materna paz que adormeça a terra,
Dormente à lareira sem filosofias,
Memória dos contos de fadas sem a vida lá fora,
A canção do berço revivida através do menino sem futuro,
O calor, a ama, o menino,
O menino que se vai deitar
E o sentido inútil da vida,
O coveiro antigo das coisas,
A dor sem fundo da terra, dos homens, dos destinos
Do mundo…


ÁLVARO DE CAMPOS - Livro de Versos . Fernando Pessoa.
(Edição crítica. Introdução, transcrição, organização e notas de Teresa Rita Lopes.)
Lisboa: Estampa, 1993′.

segunda-feira, maio 16, 2022

Conferência da Deusa em Portugal, 13, 14 e 15 de Maio de 2022





O TESTEMUNHO DE UMA MULHER 
QUE MUITO ME HONRA...


Mais do que um Sonho, um Chamamento e um Legado.
Fica o registo, para quem o sentir e desejar viver ou reviver desta forma.
Ela
No Caminho que me levava para os braços da Deusa, a partir de casa, enquanto me dirigia para a Conferência em seu Nome, senti o ímpeto de colher flores. Flores para Ela. Colhi-as então, de cor rosa, branca, azul-lilás, compondo um lindo ramo que coloquei, em reverência, no solo que me acolheu. Foi assim a minha chegada, numa sentida homenagem ao Seu Colo e ao Seu Seio, que tanto me nutriram nestes dias.
Dias indubitavelmente mágicos, irreais, mas, paradoxalmente, muito mais reais do que tantos outros. Dias plenos de fascínio e beleza.
Entrei no espaço em plena consciência, procurando honrar cada Altar com a minha atenção muda e respeitosa.
Foram intensas todas as experiências que se seguiram, vibrantes de Vida, fazendo com que eta e Ela pulsasse por todo o nosso ser: o sangue correndo mais quente nas veias, o coração batendo ao ritmo das vivências, umas vezes descompassado, outras envolto na mais profunda paz.
Entreguei-me a Ela o mais que consegui, deixando que me conduzisse por tempos, espaços e códigos repletos de significado.
Inolvidável, mais além do esperado, tudo o que vivi! A honra que me coube junto a uma das senhoras mais distintas já conheci, Rosa Leonor Pedro Lilith. O poema dito e tão visceralmente sentido por Amala e por todas e todos os que o recebiam, tendo a Sacerdotisa cumprido e honrado subliminarmente a missão oferecida por uma das maiores escritoras e defensoras da Mulher.
As pessoas que conheci - porque assim estava escrito - pessoas cuja afinidade e amor fraterno se refectiu nos abraços que consolam e chegam até à alma.
Ainda não desci o suficiente até este plano, talvez. Continuo imersa em beleza, embevecida por tudo o que recebi. Tudo foi perfeito, desde o afago envolvente das árvores, o lago de nenúfares com o leve coachar pela noite fora. A mensagem que recebi à chegada, que me disse, em tom preciso, exactamente, o que precisava ouvir. Os Altares. O Grupo Cerimonial. As Sacerdotisas. Toda a equipa, que tão gentilmente me acolheu. As Mensagens essenciais das Oradoras. A Música. O Som do Gongo. O Som do Tambor. O Som das nossas Vozes. As Danças Círculares. A Cerimónia Noturna. Os desafios. Os pirilampos que me acompanharam pela caminhada noturna na serra, para ver o Castelo dos Mouros iluminado. As confidências trocadas, a cair de sono, com os parceiros de camarata. A cerimónia de Aurora ao Nacer do Sol!
Que almas tão grandes e generosas conheci ou revi. Vindas e vindos de vários pontos do país, da Espanha, da Irlanda, do Brasil... Nas mulheres, no menino de 12 anos que ficou no meu grupo, no outro elemento do sexo masculino, já de barbas brancas, ambos representantes do sexto masculino no mesmo. A colega de Português com uma sucessão de mestrados, devotada à magia e a uma sabedoria muito antiga, uma sábia e talentosa artesã com uma força e generosidade inequívocas.
O Mago perito em Herbalismo e Medicina Tradicional Oriental, perito também na Arte do Gongo, emanando uma simplicidade e discrição que não conseguiram ocultar a sua mestria e saber sublime. A meditação. A união.
Tudo na mais mágica terra do nosso país, vivendo tanto, tanto do que a minha Alma sempre quis, realizando sonhos antigos e satisfazendo vontades emergentes das minhas entranhas, como a Dança Na Floresta, com a Bênção da Lua quase cheia e da Chuva que começou a cair enquanto os nossos pés descalços honravam o solo ancestral e o nosso Coração se abria à Deusa, ao Céu, à Terra e a nós próprias.
A Conexão com a Deusa ao longo destes dias, neste Evento que tanto a louvou, foi, sim, real e sagrada, a fazer-se sentir no mais simples e no mais profundo, na verificação de que tudo em redor se acabou por harmonizar e se harmonizou para mim.
No momento mais solene, senti, intrinsecamente, a sua Voz e Presença em cada fibra do meu ser, o que fez com que as minhas águas deslizassem pela face, de pura emoção, gratidão, reconhecimento e entrega.
Também aqui a perfeição e o sentido, na sacerdotisa que me conduziu, assim como na que me recebeu.
Sei que o que vivi me aconchegará, exponenciando a minha e a Sua força, e que o meu enlevo acalentará os meus dias, fazendo-me sorrir secretamente nos momentos mais inesperados.
Sei que longamente o esperava, tal como Ela por mim, tal como a Vida Plena e a Abundância por nós, a cada instante.
Vou voltar. Sei que estou com Ela, que por Ela ansiava. E que Ela sempre me buscará.
Obrigada.
Fátima


sábado, maio 07, 2022

CONFERÊNCIA DA DEUSA EM PORTUGAL


 Conferência da Deusa Portugal
"Será que dá para imaginar a azáfama, a excitação, o esmero na preparação de tudo isto, as horas e horas que já foram despendidas por todas as pessoas envolvidas... as dores (de parto!), alegrias, tristezas e até as frustrações?...
Mas estamos orgulhosas de, apesar de tudo, estarmos juntas nesta aventura! Aho!...
A nossa maior alegria é óbvio que está reservada para o momento da abertura em que vos veremos lá, celebrando connosco, neste momento tão especial da nossa história humana em que precisamos tanto de afirmar os valores da VIDA!"
Luiza Frazão

UMA MULHER É UMA MULHER




SÓ a MULHER é mãe...

 
Só a mulher tem o dom de conceber e é enquanto mulher que possui um utero que ela pode conceber e dar a Luz um filh@. Nunca o "homem" (transgenero) pode ser Mãe senão for afinal mulher e ter utero - portanto dizer que um homem deu a luz é a cosia mais infame que se pode anunciar. E quando são as mulheres por suposto emancipadas e livres a colaborar nesta ignominia defendendo a "liberdade" individual é uma Mentira global que está a querer, mais uma vez, apenas a DESTRUIR A IDENTIDADE da MULHER-mãe! Sou contra esta aberração trans - qualquer alteração foçada, seja ela quimica seja ela cirurgica - , em nome da nossa Humanidade macho-fêmea e da biologia e da integridade do Ser Humano enquanto género, masculino e feminino. Por outro lado, o travesti, seja ou não homossexual, ou seja bissexual ou homossexual, não significa ter de mudar de sexo ...
Haver uma identificação maior - seja ela sexual ou afectiva - com o uma pessoa do mesmo sexo, falo de homo-emocionalidade, não obriga nem força uma pessoa a operar-se e a transfigurar-se para ser um outro que nunca será. Acima do género e do sexo, está a alma humana e essa naõ tem sexo! Nascemos muitas vezes, e encarnamos umas vezes homens outras mulheres, de acordo com leis superiores e não por vontade de um ego ...
rlp

A Nova Escravatura da Mulher : A Nova Era

A NEW AGE usa a mulher para a desemponderar, para a alienar de si mesma! A mulher sem consciência de si, como um subproduto da sociedade patriarcal, deixou-se cair na armadilha do Sistema que monopolizou as mulheres de um suposto "sagrado feminino" para as usar e assim afastar do seu núcleo central.
"A centralidade da mulher confere-lhe uma identidade estável. Ela não tem que tornar-se, basta-lhe ser. A sua centralidade é um grande obstáculo para o homem, cuja busca de identidade é bloqueada pela mulher."
Essa armadilha da falsa transcendência e do falso universo espiritual "new age" (toda essa parafernália de conceitos e ideias e mundos inatingíveis que afastam a mulher de si mesma e dessa consciência) foi criada e muito bem orquestrada para nos afastar uma vez mais, sobretudo a nós mulheres, do caminho da Mulher Integral. E mais uma vez impedir-nos o acesso à nossa grandeza intrínseca como mulheres enraizadas na Terra; Ela foi criada para nos impedir de descobrir a Força da Vida em nós (de iniciadoras do amor, geradoras de vida, senhoras dos oráculos) pela nossa ligação à Terra Mãe e à Natureza! Ela foi programada para nos impedir de aceder à nossa própria espiritualidade que é soberana e está ainda por redescobrir dentro de nós.
A cisão da Mulher e a sua divisão (em duas) teve como fim impedir a mulher de ser a digna representante da Deusa na Terra. Por isso creio que a mulher integral tem uma espiritualidade própria - quero dizer: ela tem acesso directo ao divino. A mulher encarna a Deusa que é a Mãe Terra e as nossas raízes nesta vida devem assentar nela. Somos mediadoras das forças cósmico telúricas, fazemos a união entre a Terra e o Ceu, mas perdemos o nosso poder de mediadoras e sacerdotisas; Fomos afastadas da nossa fonte de sabedoria interna - fomos quase destruídas...fomos divididas e usadas e anuladas na nossa essência primeira durante milhares de anos e AGORA temos de conquistar esse poder que é nosso, não o de competir e conquistar o mundo do Homem, mas de unir os seres à Mãe e a Filha, e de Unir o Mundo através do nosso núcleo central e só quando formos nos próprias unas em nós poderemos então de forma segura nos aventurar em caminhos escarpadas e armadilhados na conquista da terra sagrada e semear novos ventos, novos oráculos...

rosa leonor pedro

 CONTRA ESTA DEFINIÇÃO ABSURDA DA MULHER 

"Cisgênero é o indivíduo que se identifica com o sexo biológico com o qual nasceu. Um exemplo de cisgênero é uma pessoa que nasceu com genitália feminina e cresceu com características físicas de “mulher”, além disso adotou padrões sociais ligados ao feminino, comumente expressados em roupas, gestos, tom de voz.

Transgênero é uma pessoa que nasceu com determinado sexo biológico, e não se identifica com o seu corpo. Um exemplo é o indivíduo que nasceu com genitália masculina, cresceu com as transformações causadas pelos hormônios masculinos, mas sua identificação é com o físico feminino."



A QUESTÃO DO FEMININO



A TERRA E A MULHER

(...)
"A questão do feminino está entre aqueles temas que não se prestam tão facilmente a uma discussão, porque se situam no fundamento da cultura, para além daquilo que é imediatamente manifesto. Esse é um assunto basilar, constitutivo do próprio fundamento de onde tudo deriva, a trama primeira sobre a qual os outros fios são dispostos. De certa forma, pode-se dizer que tais temas nos possuem e nos dirigem e são insuficientemente visíveis, pois estão submersos por nossas criações. Talvez se possa dizer que é a partir dessas imagens primordiais, como a da Terra-Mãe, que todo o nosso imaginário é montado, em camadas, uma mesma idéia se diferenciando em inúmeras variações, vinculadas, entretanto, àquele desenho elementar, e que só ao olhar acurado ela se revela.
Na verdade, as nossas relações com o mundo, de modo geral, são reflexo da nossa relação com essas imagens primordiais, destacando-se, entre elas, a Terra e o Feminino. Tudo o mais seria como um jogo de espelhos, em que nos perdemos com imensa facilidade. De forma que, ao contrário do que é sugerido de imediato, uma visão cabal do feminino não se tece sem uma enormidade de elementos e, pelo menos para começar, torna-se imprescindível escolher uma fresta apenas, para olhar esse complexo quadro sem tanta dispersão."
(excerto) de A TERRA E A MULHER
de Josina Roncisvalle & Lais Mourão


O MUNDO QUE QUEREMOS É NA TERRA

..."A reivindicação da condição da mulher é a reivindicação de um outro mundo. Por isso a mãe, a maternidade, a mutterlich e a Muttertum são incompatíveis com a família e com o trabalho assalariado; nós, as mulheres, somos, na verdade incompatíveis com ela, com o Estado e com o Capital. Somos o real-impossível.
Quando formos capazes de ver o que foi destruído dentro de nós mesmas, a nossa sexualidade que perdemos, e por outro lado o vazio, essa falta interior, o sofrimento que a nossa anulação desencadeia, seremos a maior força revolucionária jamais vista ou imaginada, impulsionadas por um caudal infinito de energia libidinal liberta."


(in REFLEXIONES SOBRE LA VIOLENCIA INTERIORIZADA EN LAS MUJERES)
Casilda Rodrigáñez Bustos.


sexta-feira, maio 06, 2022

Acolham a realidade


... antes que seja estupidamente tarde...

«É às religiões que se deve esta inédita disparidade entre o homem e a mulher»
Taslima Nasrin
 
"Que se lixem as “consciências ascendidas”, não somos pássaros.
Que se lixe a transcendência disfarçada de evolução.
Que se lixe a “não-dualidade” que remove convenientemente todo o desconforto do campo unificado.
Que se lixe a “iluminação” sem integridade.
Que se lixem os desapegados modelos patriarcais que se apresentam como a via real para o “Reino” de Deus – e o Reino da Rainha?
Que se lixe a “Nova Terra” descrita por dissociativos e desencarnados anuladores da dor.
Que se lixe a “indústria” do yoga.
Que se lixe a espiritualidade vertical que ignora o que esta a acontecer em frente aos nossos próprios olhos.
Que se lixem as celebridades que se estão a cagar para a humanidade.
Que se lixe o guru que se imagina realizado.
Que se lixo o movimento da “Nove Escravatura”( Nova Era) e a sua trilha de mentiras. Que se lixem todas as versões de espiritualidade que não SERVEM a humanidade.
Que se lixem os carniceiros históricos.
Que se lixe a sangrenta mentira espiritual.
Acolham a realidade – antes que seja estupidamente tarde.
 
Jeff Brown




O VAZIO DA MÃE...



O VAZIO DA MÃE... é incomensurável, a ferida é tão grande e tão vasta que a mulher perante o seu vazio esconde e recalca todo o amor frustrado pela mãe...e odeia, e é desse fundo que ela odeia ou ama em excesso os filhos e o amante...
Por outro lado é por causa desse vazio que a mulher mostra tão puco interesse em si própria; isso revela-se nos espaços que a mulher frequenta, e não só ao não estamos presentes, simulando um aoutra que não somos ou apenas de maneira a fugirmos de nós. A dor do vazio é imensa...

Este é um texto clarissimo e que nos fala dessa dor e desse vazio 

"A falta de reconhecimento dos nossos desejos é uma falta de reconhecimento da nossa existência, posto que 242 que é o nosso impulso vital não encontra resposta. E isto produz-se depois do nosso nascimento no qual sofremos muito e nos sentimos morrer. Todo ele produz um sentimento de que a nossa existência está seriamente ameaçada. A Falta Básica, no âmbito mais profundo da nossa psique, guarda essa angústia existencial, a angústia do questionamento da existência.
O vazio da mãe, como vemos neste livro, é o vazio que fica na mulher que foi excluída, proibida, enviada para os infernos; um vazio cheio de medos e de angústia, porque a mulher desnaturada não é capaz de reconhecer e de saciar os desejos do seu bebe e de lhe impulsionar a sua vitalidade.
A reivindicação da condição da mulher é a reivindicação de um outro mundo. Por isso a mãe, a maternidade, a mutterlich e a Muttertum são incompatíveis com a família e com o trabalho assalariado; nós, as mulheres, somos, na verdade incompatíveis com ela, com o Estado e com o Capital. Somos o real-impossível.
Quando formos capazes de ver o que foi destruído dentro de nós mesmas, a nossa sexualidade que perdemos, e por outro lado o vazio, essa falta interior, o sofrimento que a nossa anulação desencadeia, seremos a maior força revolucionária jamais vista ou imaginada, impulsionadas por um caudal infinito de energia libidinal liberta."
(in REFLEXIONES SOBRE LA VIOLENCIA INTERIORIZADA EN LAS MUJERES)
Casilda Rodrigáñez Bustos.


quarta-feira, abril 27, 2022

A obsolescência do homem

 

Foi em 1956 que o filósofo judeu alemão Günther Anders escreveu esta reflexão:




′′Para sufocar antecipadamente qualquer revolta, não deve ser feito de forma violenta. Métodos arcaicos como os de Hitler estão claramente ultrapassados. Basta criar um condicionamento coletivo tão poderoso que a própria ideia de revolta já nem virá à mente dos homens. O ideal seria formatar os indivíduos desde o nascimento limitando suas habilidades biológicas inatas...
Em seguida, o acondicionamento continuará reduzindo drasticamente o nível e a qualidade da educação, reduzindo-a para uma forma de inserção profissional. Um indivíduo inculto tem apenas um horizonte de pensamento limitado e quanto mais seu pensamento está limitado a preocupações materiais, medíocres, menos ele pode se revoltar. É necessário que o acesso ao conhecimento se torne cada vez mais difícil e elitista... que o fosso se cave entre o povo e a ciência, que a informação dirigida ao público em geral seja anestesiada de conteúdo subversivo.
Especialmente sem filosofia. Mais uma vez, há que usar persuasão e não violência direta: transmitir-se-á maciçamente, através da televisão, entretenimento imbecil, bajulando sempre o emocional, o instintivo. Vamos ocupar as mentes com o que é fútil e lúdico. É bom com conversa fiada e música incessante, evitar que a mente se interrogue, pense, reflita.
Vamos colocar a sexualidade na primeira fila dos interesses humanos. Como anestesia social, não há nada melhor. Geralmente, vamos banir a seriedade da existência, virar escárnio tudo o que tem um valor elevado, manter uma constante apologia à leveza; de modo que a euforia da publicidade, do consumo se tornem o padrão da felicidade humana e o modelo da liberdade.
Assim, o condicionamento produzirá tal integração, que o único medo (que será necessário manter) será o de ser excluído do sistema e, portanto, de não poder mais acessar as condições materiais necessárias para a felicidade. O homem em massa, assim produzido, deve ser tratado como o que é: um produto, um bezerro, e deve ser vigiado como deve ser um rebanho. Tudo o que permite adormecer sua lucidez, sua mente crítica é socialmente boa, o que arriscaria despertá-la deve ser combatido, ridicularizado, sufocado...
Qualquer doutrina que ponha em causa o sistema deve ser designada como subversiva e terrorista e, em seguida, aqueles que a apoiam devem ser tratados como tal.′′




- Günther Anders, "A obsolescência do homem′′, 1956