sábado, junho 12, 2021

A tradição obrigou a mulher a ficar dentro de uma caixa...



SER MULHER EM SI E VALIDADE POR SI

O meu foco é este trabalho de SER MULHER inteira e da sua busca identitária – sem precisar ou ter em conta o complemento masculino ou o sexo para ser…mulher! Isto é praticamente inconcebível pela grande maioria das mulheres! E pior ainda da parte dos homens. Para um homem o seu alter ego é o seu poder sobre as mulheres...Contrariar isto é declarar uma guerra surda. E assim, uma mulher sem homem é logo condenada...a tudo o que quiserem de mais ordinário e nefasto.
Na verdade nem as mulheres sabem SER MULHERES APENAS, sem ser em função dos homens, sem serem mães ou amantes ou filhas do papá; elas não se concebem como seres independentes e conscientes de si mesmas enquanto entidades ou indivíduos.
Compreendo perfeitamente o legítimo interesse das mulheres pelo erotismo, pelo homem e pelo sexo...o que é absolutamente natural. Como sei que corro o risco de mais uma vez ser mal interpretada aqui ao contrariar a ideia de que a mulher pode ser sem o homem. Mas isso digo-o porque já passei todas as etapas da vida da mulher e sou velha e sei a importância relativa que o sexo e o dito imperativo do falo na vida da mulher possa ter no somatório de uma vida. E não quero esquecer nem alienar-me um só momento do que seja esse "desejo" como imperativo do prazer num mundo FALOCRÁTICO, e de dominação masculina sobre a mulher, seja a nível económico, intelectual, emocional, seja psicológico e sexual.
Portanto minhas amigas, por tantos séculos de poder falocrático, é tempo de nos ocuparmos unicamente da Mulher essencial, do Feminino Sagrado, da Yoni se quiserem, do Útero, dos Ovários, mas não do falo…nem do masculino sagrado. Porque isso não nos acrescenta nada…e continuaremos presas ao seu domínio disfarçando esta cisão da mulher e a sua dependência secular.
Resgatemos o Feminino Sagrado em nós antes de tudo e no fim…ou no meio, ou como quiserem, vivam e busquem o masculino sagrado mas só se for em plenitude do Ser Mulher inteira e em total reciprocidade, respeito e amor…
Não antes…nem de outra maneira!
rlp 
( escrito em 2012)


A MULHER QUE SE EXPRESSA, GANHA CONFIANÇA EM SI



"A mulher afirma-se pela fala, tem uma capacidade de verbalização característica, tanto pela positiva, como pela negativa. Como o homem sabe disso, manda-a calar. O falar parece ser, às vezes, uma substituição do pensar, mas não: trata-se da expressão de um pensamento. Há um pensar que leva a agir, um pensar que leva a falar, um pensar que leva ...ao silêncio. Esse é o pensar profundo que se transforma em acto e obra. A tagarelice é o pensar que não assentou.
A tradição obrigou a mulher a ficar dentro de uma caixa de vidro na qual era visível, mas não audível. Então ela falou desesperadamente, mas sem qualquer efeito. Quando partiu essa prisão de vidro, a sua voz transformou-se num acto revolucionário. A mulher moderna é o efeito dessa explosão, da saída da clausura que é a casa, a família, a beleza obrigatória. Quando toma a palavra, rompe essa teia que a envolvia numa rede de silêncio e de idealização. A mulher não é a Eva, representativa da origem do mal da humanidade, nem a figura platónica que o petrarquismo elevou a ídolo." - ANA HATHERLY


o saber consciente dói sempre



AS CURAS AS TERAPIAS E @S TERAPEUTAS...


"O que se pretende no fundo, creio, com toda esta avalanche de “curas” e métodos, todo o tipo de abordagens new age do feminino, é que a mulher não se aprofunde na questão do Ser Mulher, seja na depressão seja numa doença, para que ela não vá ao fundo do seu problema, as causas e origens das mesmas, enquanto mulher essência, afastada da sua vida instintiva. E porque a mulher tem e sofre maioritariamente de doenças ditas “de foro feminino” que mais não são do que a alienação de si mesma ou o afastamento do intimo, devido ao alheamento da sua anima e da sua psique cindida, longe que estão da sua verdadeira identidade, elas buscam e aceitam esse “apoio” cegamente sem saber que estão a ser quase sempre manipuladas…
As mulheres sofrem tanto em toda a sua vida que agarram todas e quaisquer promessas para fazer cessar o seu sofrimento, a sua dor…O que elas não sabem é que se não houvesse resistência à dor, se não houvesse esse medo (da morte) a dor poderia ser até passageira e transformar-se-ia rapidamente em saber pois a raiz de sofrer em latim significa justamente conhecer através da experiência e passando essa experiência pela nossa pele…
Sim, o saber consciente dói sempre …e é preciso ir para além dessa dor transformando-a, alquimizando-a e não suprimindo-a, como a medicina alopática faz apagando os sintomas da doença e nunca curando, e assim fazem também as terapias modernas, que afastando as mulheres da sua dor verdadeira, das suas feridas profundas, as mantêm na rama, na superfície do sentir para que elas nunca possam ir ao fundo das suas psiques…
Há gente bem intencionada há...mas cuidado - são raras as curas e só cada pessoa se pode curar a si mesma!"
rlp 
texto escrito em 2017


REVISITANDO O TEMA...

TERAPEUTAS OU NÃO TERAPEUTAS

Queria aqui deixar uma nota para as amigas que por acaso sejam terapeutas...
Eu escrevo muito sobre a abundância de terapeutas e terapias de mulheres que estão longe de estar curadas e muitas longe de entender a sua própria ferida... e que em vez de curar elas contaminam mais do que curam. Ainda que o princípio de cura, Kiron, seja o curador ferido e portanto aquele que sabe profundamente da sua ferida… nem sempre acontece assim. Como sabemos isso passa-se com os psicólogos e psiquiatras, ou médicos e embora sendo a sua missão curar e ajudar, há muito ego e muita falta de honestidade e oportunismo na maioria deles e isto oficialmente dentro do sistema, mas passa-se igualmente com a maioria dos facilitadoras e terapeutas ou mestres dentro de uma suposta espiritualidade (porque ninguém sabe o que é ser espiritual) que visam apenas protagonismo e vantagens económicas, mas com isto eu não nego as mulheres (e homens – como sabem eu aqui falo sempre só para as mulheres - ) que, sendo honestas, sinceras e empáticas, procurem ajudar outras mulheres na sua aflição. Todavia falta quase sempre a consciência de si como mulheres inteiras e das causas das suas feridas para poderem sarar em nome do que quer que seja, mesmo que tenham esse dom.
E claro, esta é a minha visão da questão e eu não quero magoar nem ferir ninguém que o faça em plena consciência. Mas deixemos de lado as nossas profissões e crenças para nos focarmos AQUI na Consciência do nosso ser mulher e perceber o que nos feriu e marcou e impediu de sermos quem somos e podermos expressar o nosso sentir sem medos nem rodeios ou inibições. E enfim, até podermos curar ou ajudar do mais fundo do coração outras mulheres.
Dito isto espero que percebam que o meu trabalho, chamemos-lhe assim, é de algum modo procurar a verdade em nós e as barreiras e mentiras que nos tolhem e impedem de ser quem verdadeiramente somos. Porque o importante é ser-se o que se é sem qualquer pretensão. Aí a primeira batalha a vencer é o Ego… o ego pessoal, e depois o ego espiritual etc.
É como se cada mulher que queira mergulhar em si mesma tivesse que se despir de todas as suas vestes que lhe serviram de protecção e escudo, afirmação ou defesa… e isso é um trabalho difícil e muito doloroso as vezes. Preferimos então fugir para outras dimensões em busca de anjos e hierarquias…e coisas de outros mundos ou fantásticas que nos guiam para lado nenhum… Desculpem o desencanto e o cepticismo!
Lamento se em algum momento vos ofendi ou parece que duvidei, mas nunca escrevi para ninguém em particular no sentido de diminuir essa pessoa…apenas escrevo o que sinto e penso. Ninguém está na minha mira objectivamente como ente (alma), mas como persona talvez, pois não tenho a intenção de atacar alguém em particual, mas sim visar uma atitude em que neste caso a pessoa é a sua própria vitima… e acaba prejudicando as outras…
Precisamos apenas cada uma de nós de ser tão sinceras quanto possível… e eu sei que isto é quase impossível de pedir…mas apesar disso eu creio profundamente nalgumas mulheres aqui presentes… São poucas… mas valem infinitamente muito pela sua capacidade de verdade…
Rlp


"As criaturas que não são amadas não sabem amar a si mesmas."

OS FRACOS SEMPRE CONFUNDEM OS FORTES...



Rachel V. em entrevista  a terapeuta junguiana Marion Woodman.

"As criaturas que não são amadas não sabem amar a si mesmas." 

Rachel V: Em seu livro "The Fruits of Virginity", você diz que a cura só pode vir através da própria ferida que se pretende curar. Esse paradoxo me lembra certos comentários de Cristo sobre como os fracos podem confundir os fortes.

Marion: Os fracos sempre confundem os fortes. O ego consciente pode saber exatamente o que quer, pode mover-se na direção certa ao longo da vida de uma forma muito firme, direcionada a um objetivo claro, mas, inconscientemente, há um lado infantil da personalidade capaz de derrubar o ego. Na verdade, ele afundará o Eu, a menos que seja reconhecido.
Nosso lado fraco é o lado viciante, então a terapia só funcionará se funcionar com aquele lado imaturo / infantil que o indivíduo é no final das contas. A corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco. É esse lado fraco que está envolvido com a divindade, a meu ver. Aquela parte infantil tão incontrolável, tão exigente e tão tirânica, é ao mesmo tempo aquela que dá vida à alegria e à criatividade. Essa parte é a alma que nunca pode ser silenciada e que, enterrada na matéria, anseia pelo espírito. O anseio por álcool simboliza um anseio por espírito. Pense no deus grego Dionísio, o deus da videira; embriaguez e experiência transcendente com aquele deus estavam intimamente conectadas.
Pense no simbolismo da missa cristã, onde o vinho se torna o sangue de Deus e o pão se torna o corpo de Deus, e ambos simbolizam a matéria e o espírito, respectivamente. Os alcoólatras estão tão imersos na matéria que anseiam pelo espírito, mas cometem o erro de perceber essa busca no álcool. Se eles realmente entendessem o que anseiam e pudessem entrar no reino da imagem, o reino da alma, então algo muito diferente aconteceria.
O que é essa fome terrível que se manifesta em qualquer vício? É como se toda a nossa civilização estivesse alimentando essa fome, mas não para nos satisfazer, mas para nos deixar com mais fome. Esse é o significado de "Eu quero mais, quero mais, quero mais de tudo o que estou viciado."
Nos transtornos alimentares, anorexia, bulimia, encontramos a mesma impulsividade. Pessoas viciadas fazem de tudo para se disciplinar e podem fazer um trabalho muito bom das 7 da manhã às 9 da noite. Mas então chega a noite, a força de seu ego entra em colapso e, de repente, o inconsciente emerge. Assim que o inconsciente irrompe com todos os seus impulsos instintivos, o ego perde o controle. Então, o vício toma conta como um tirano. Sua voz é a de uma menina perdida e faminta: "Eu quero, eu quero, eu quero ... e vou conseguir o que quero ..." Há um exemplo do fraco que confunde o forte.

Rachel V: Não sei muito sobre anorexia e bulimia, exceto que parece uma espécie de rejeição profunda do corpo.

Marion: Sim, e portanto uma rejeição profunda da matéria. Freqüentemente, há uma síndrome que varia de bulimia a anorexia, alcoolismo, vício em drogas, fanatismo religioso, vitimização ... Pessoas viciadas tendem a ir de um vício a outro. Enquanto permanecerem em um comportamento viciante, eles apenas substituirão um vício por outro, porque a cura não ocorreu. Pense naqueles alcoólatras que conseguem ficar sóbrios enquanto são workaholics, por exemplo. Essa impulsividade ainda funciona em casa. Nessas situações, os filhos pegam no inconsciente do pai ou da mãe que quer beber desesperadamente e corre para comer, ou corre para o trabalho, só para ficar longe da mamadeira. A criatura capta aquela saudade tácita, aquela vida não vivida e, também, aquela repetição compulsiva que expressa e intensifica a negação. A criança, à sua maneira, se sintoniza com o que está ausente naquele pai ou naquela mãe e corre atrás dele.
Acho que, para chegar à essência do problema, é preciso olhar o que fizemos ao corpo, o que fizemos à matéria em nossa cultura. A palavra latina * mater * significa "mãe". Mãe é quem cuida, nutre, recebe, ama, oferece segurança. Quando a mãe não pode aceitar a criança em seu xixi, em suas fezes, em seu vômito, enfim em sua totalidade animal, a criança também rejeitará seu próprio corpo. Depois dessa rejeição, ele não terá mais nenhum lar seguro nesta Terra e, na ausência desta garantia primária, ele substituirá sua mãe por outras mães: Mãe Igreja, Mãe Alma Mater, Mãe Segurança Social, Mãe Comida 
... Assim, desenvolve-se uma relação desesperada de amor / ódio. O terror de perder sua mãe é igual ao terror de ser comido por ela. Sem a segurança que habitar a casa do corpo nos oferece, os indivíduos não têm escolha a não ser confiar em substitutos para substituir a segurança que perderam.
Além disso, se o corpo for rejeitado, sua destruição se tornará o modus operandi. É por isso que o medo do câncer, por si só, não fará com que uma personalidade viciada pare de fumar. Na ausência de uma mãe carinhosa, pessoal ou arquetípica, as pessoas tentam encontrá-la nas coisas concretas, como se assim pudessem tornar presente o que sabem que está ausente. Ironicamente, eles não conseguem capturar uma presença, mas apenas a própria ausência. Pense naquelas pessoas que tentam fotografar tudo, registrá-lo, capturar um acontecimento e mantê-lo em estado estático. Isso é o que quero dizer com "concreto". 
Fui ver o Papa em Toronto, ele passou por nós, e então uma mulher na minha frente começou a chorar, gritando: "Não pude vê-lo!" Ela tinha uma câmera e estivera tão ocupada tirando fotos que não "viu" o homem que viera ver. Ao * especificar * aquele momento, ele o perdeu. A pessoa que você veio ver foi fotografada, mas essa foto só serve para lembrar que ela estava ausente da experiência. Pense em turistas pulando de um ônibus no Grand Canyon. Eles tiram fotos, mas nunca chegam ao Grand Canyon. Eles não estão abertos à experiência. Interiormente, eles não são nutridos por sua grandeza. São como slides arquivados em uma caixa que ninguém quer ver. William Blake diz que o corpo é "aquela parte da alma que se manifesta pelos cinco sentidos". Eu vivo por essa ideia. Sento-me e olho pela janela, aqui no Canadá, e vejo as árvores douradas do outono sob o céu azul. Posso sentir sua "comida" alcançando meus olhos e como ela desce, desce, desce, interagindo ali e me enchendo de ouro. Minha alma se alimenta dessa maneira. E eu vejo, cheiro, gosto, ouço, toco. Pelos orifícios do meu corpo, dou e recebo. Não estou tentando capturar o ausente. Essa troca entre a alma encarnada e o mundo exterior é um processo dinâmico. É assim que ocorre o crescimento. Assim é a vida. Muitas pessoas não alimentam suas almas porque não sabem como fazê-lo. Nessa cultura, a maioria de nós foi criada por pais e mães que, como o resto da sociedade, estão correndo o mais rápido que podem tentando se sustentar econômica e socialmente. Existe uma impulsividade a que as criaturas estão sujeitas, ainda no útero. Na infância, espera-se que o menino ou a menina atuem. Muitas vezes, as figuras parentais não são capazes de receber a alma do filho, porque não têm tempo para recebê-la, ou porque não gostam de como aquela criatura é. Muitos pais estão extremamente interessados ​​em que seus filhos e filhas assistam a aulas de dança ou patinação, tenham uma boa educação e sejam os melhores da classe. Eles estão tão preocupados com tudo o que querem "dar" à criatura que não podem receber nada disso. Uma criatura, por exemplo, chega correndo com uma pedra, com os olhos maravilhados, e diz: "Olha isso tão lindo que encontrei", e a mãe diz: "Põe de volta no chão onde ela pertence". Essa pequena alma em breve deixará de trazer pedras e se concentrará apenas no que pode fazer para agradar a mamãe. O processo de crescimento torna-se assim um exercício que tenta encontrar uma forma de agradar aos outros, em vez de expandir a sua experiência. As criaturas que não são amadas não sabem amar a si mesmas. Como adultos, eles têm que aprender a se cuidar, a ser mães de seus próprios filhos perdidos. 

Rachel V: A negação de sentimentos e a ênfase na busca de prazer, paz e realização não se limitam apenas às famílias de alcoólatras. 

Marion: Verdade, mas acho que há algum vício na maioria das famílias, pois nossa cultura é viciante. O vício pode abranger uma ampla gama de problemas: pais que estão envolvidos com outro parceiro, vício em relacionamentos, vício em comida, tabaco, jogo, sono, vício em televisão, que é outra maneira de dormir. Tem muitas maneiras de dormir, tenho pacientes que dormem ao mesmo tempo que eu falo algo que eles não gostam. Em um instante, eles caem "adormecidos". Eles não podem aceitar o confronto. Eles não conseguem enfrentar a dor e, assim que a vêem chegando, caem na inconsciência, o que elimina a possibilidade de que possam crescer. Eles não podem enfrentá-lo. A verdadeira força é necessária para o confronto espiritual ou para experimentar um verdadeiro encontro de almas, mas eles não podem nem mesmo receber amor. Eles têm medo do amor, porque os torna vulneráveis. Além disso, o que resta é um bebê, uma criatura abandonada dentro do corpo. O corpo se torna uma imensa cavidade com um pequeno bebê gritando dentro dele. É a criatura abandonada. Em um nível simbólico, poderíamos dizer que é o menino ou a menina divina. Mais cedo ou mais tarde, essa criatura divina começará a gritar e, embora seja tão fraca, derrubará as partes aparentemente fortes da personalidade. Assim, desta forma tortuosa, o vício pode ser tentando se conectar com o deus incorpóreo ou deusa que eles precisam para encarnar em cada pessoa.

Rachel V: Você conhece outras culturas onde encontramos essa imagem de se tornar como uma criança para entrar no reino de Deus? 

Marion: Em muitos mitos, uma mulher humana é engravidada por um deus. Em outras palavras, a matéria é penetrada pelo espírito, e o fruto dessa união de matéria e espírito será o menino ou a menina divina. O que está acontecendo então em uma pessoa que é forçada a se render e dizer: "Sim, eu sou um alcoólatra, sou um viciado, não tenho poder sobre meu vício, tenho que me render a um poder maior"? Nessa pessoa, a matéria está se rendendo ao espírito. Essa é a união que a criatura divina pode criar. O vício tornou a receptividade possível. Muitos de nós não conseguem entender o quão poderosa é a Deusa até que caiamos de joelhos diante dela devido ao vício ou doença. Acho que é importante reconhecer que, em algum nível e de alguma forma peculiar, estamos todos na mesma confusão, quer sejamos alcoólatras, filhos de alcoólatras, anoréxicos, viciados em trabalho, drogas, sexo, dinheiro ... ou tanto faz. Os viciados tentam fugir de Deus o mais rápido possível e, paradoxalmente, estão apenas correndo direto para os braços dele. Somente a consciência poderia fazê-los perceber como a alma está tentando trazê-los à presença do divino, se eles fossem capazes de compreender o simbolismo inerente ao comportamento viciante. Vamos considerar a comida como objeto viciante. O maior problema no tratamento de uma pessoa anoréxica é que, assim que ela começar a comer, o jejum irá parar e quebrar a euforia que estava causando, e então a pessoa sentirá que a vida é entediante. Com o tempo, você terá que assumir que, ao rejeitar comida, está rejeitando sua realidade como ser humano, e que seu comportamento viciante é o desempenho de sua criança interior tirânica determinada a controlar ou escapar do pai ou mãe tirânico, seja que figura parental interna ou externa. Portanto, a pessoa anoréxica, e isso é verdade para todos os adictos, deve criar um novo modo de vida. Se alguém vive dia a dia em contato com o mundo que a rodeia, mesmo que seja apenas um minuto por dia como diz Blake, esse é o único momento diário em que Satanás não poderá nos encontrar, é a única coisa é preciso manter sua própria vida, alma. Nesse momento, a pessoa poderá ver o azul do céu e ouvir naquele silêncio a sua criança interior. Portanto, a vida nunca pode ser entediante. Mas há muitas pessoas que nunca dão origem a essa hora do dia e correm procurando por ela do lado de fora. Esse é o problema: eles tentam encontrar fora de si mesmos e é isso que os joga no vício. Todo o caminho é marcado pelo medo trágico de não sermos amados, e esse terror nos leva a um comportamento autodestrutivo. E, como sociedade, nos leva à autodestruição global. Mas os vícios podem ser o caminho divino que nos leva a abrir nossos corações para o que o amor ama em nós, e esse é o amor que sentimos pelos outros, ou o amor pelo querido planeta em que vivemos. Outras pessoas tentam encontrar o espírito por meio da sexualidade. Eles pensam que por meio de um orgasmo podem se libertar da matéria; naquele breve instante, eles esperam experimentar a extraordinária união de espírito e matéria. Mas se o sexo não inclui o relacional, isso não é alcançado. Com o tempo, torna-se mecânico e desesperador. "Eu tenho que fazer isso. Vai funcionar. Eu preciso da minha dose ”. Sexualidade sem conexão emocional é como matéria sem espírito. Pessoas que são incapazes de amar podem ser viciadas na sexualidade, mas o que elas estão projetando na sexualidade é o desejo pela união divina que elas tão desesperadamente carecem dentro de si. Jung disse que o oposto do amor não é o ódio, mas o poder, e que onde há amor não há vontade de poder. Acho que este é um tema central no trabalho com vícios. Mais cedo ou mais tarde, o Amor, que não é nem mais nem menos do que o rosto feminino de Deus, olha-nos diretamente nos olhos. Podemos aceitar, rejeitar ou morrer. Não sei como são os * muffins * em outras partes do mundo, mas no Canadá eles são fantásticos. Um paciente viciado em comida veio chorando ontem. "Não sei o que fazer", disse-me ele. Eles me dizem que tenho que me conectar com meus sentimentos. Na maioria das vezes não faço o que quero, porque acho que não é certo. Ele estava vindo para cá e eu queria levar um muffin para ele. Então pensei que você não gostaria. Mesmo sabendo que você adora muffins, acho que você não dá um muffin ao seu terapeuta de presente. E aí comecei a suar, porque minha vontade de levar pra ele era muito forte. Parei o carro, comprei e tenho na bolsa, mas agora não sei se devo dar a ela ou não. Eu me sinto uma garota estúpida e não sei o que fazer. " "Bem", eu disse, "quero pegar aquele muffin." O que Eu me dividi em dois e dei metade para ela. Por causa do amor que estava no muffin, e porque nós o compartilhamos, aquele ato foi uma comunhão. É uma história direta, direta, mas nesse nível de sentimento, as pessoas têm tanto medo de serem rejeitadas que um * bolinho * pode revelar a rejeição de uma vida inteira. Exteriormente, essa mulher é muito competente, muito profissional e altamente respeitada. Todos a consideram muito madura e, de fato, ela é, exceto por seu aspecto infantil rejeitado. Aqui podemos ver novamente como o fraco aparece através da menina que diz: "Quero dar um muffin a Marion."Se aquela garota foi rejeitada, e rejeitada, e rejeitada, ela entrará em um estado de quase inexistência. Então, a pessoa experimentará uma perda da alma e se tornará desencarnada, e esse será o momento de vulnerabilidade ao vício. Mas também será o momento em que Deus poderá entrar. A questão espiritual está no centro de tudo. Nossa alma é nosso relacionamento eterno com a divindade. A linguagem da alma é a linguagem dos sonhos. A meu ver, todo sonho é uma comunicação com a divindade. Os sonhos nos oferecem símbolos e imagens, mas como somos tão concretos, não entendemos seus símbolos e acreditamos que os sonhos são absurdos ou loucos. Nós nos isolamos do mundo simbólico e é por isso que esquecemos a linguagem dos sonhos. Assim, cometemos o erro de supor que, se somos inquietos ou inseguros, precisamos de algo concreto. Você sente um vazio no estômago? Você acha que precisa de sexo, comida ou o que quer que possa conseguir. Mas é a alma que o está chamando por meio dos símbolos. É por isso que devemos ter muito cuidado ao interpretar os sonhos. Um sonho sexual, por exemplo, pode ser a maneira da alma expressar sua necessidade de união com o espírito. Precisamos disciplinar nossa própria criança interior para liberar seu enorme poder espiritual. Se nos identificamos com o seu lado infantil que diz: “Sempre fui vítima, sempre serei vítima e tudo é culpa dos meus pais”, então viveremos o resto da vida com o olhar de um cão espancado. Mas podemos, ao contrário, escolher nos identificar com a parte mais sábia da menina, aquela capaz de dizer: “Meus pais foram vítimas de uma cultura, assim como seus pais e os pais de seus pais. Não vou ser uma vítima e vou assumir a responsabilidade pela minha própria vida. Vou viver criativamente. Vou viver no presente ”. Ser como criança é ser espontâneo, capaz de viver o momento, focado, imaginativo e criativo. A maioria de nós se esqueceu de como jogar, esquecemos a alegria da criatividade. Sem alegria, sempre nos encontramos fugindo da dor. Sem criatividade, sempre corremos do vazio. Quanto mais rápido corremos, mais sérios se tornam nossos vícios, incluindo o vício de ser uma vítima. No Novo Testamento, quando o deus menino nasce, o rei Herodes ordena a matança de todos os filhos do reino. Isso é o que acontece quando nossa criança interior nasce. Herodes simboliza atitudes coletivas convencionais, que serão destruídas se a nova vida prosperar. Assim que nossa criança interior ganha vida e diz: “Este é quem eu sou. Estes são os meus valores ”, levantam-se todos os Herodes aterrorizados à nossa volta e dizem:“ Tu és um tolo ”. É preciso muita coragem para determinar os valores de nossa própria criatura divina e ainda mais força para viver de acordo com esses valores. Os vícios afogam, morrem de fome, tentam matá-lo, mas ironicamente eles o mantêm em contato com eles enquanto o fazem correr em volta do buraco onde sua criatura divina está escondida. Os viciados ficam presos em ilusões de seu próprio poder, ilusões que roubam sua vida humana. Eles são movidos por uma voz interior: "Eu tenho que fazer isso ... eu não posso fazer isso ... eu tenho que fazer ... Não, eu não vou ..." Mas o que eles desejam é viver em um paraíso, não nesta Terra. Eles não querem estar aqui, mas estão. Alguns viciados exageram, permitindo que o corpo entre em estupor. Nas noites de sexta-feira, por exemplo, se o corpo estiver blindado e tenso, uma mulher pode dizer para si mesma: “Não vou beber ... não vou ...”, mas outra voz interna lhe diz: “Vou explodir se não ... Já fiz tudo que os outros querem que eu faça a semana toda ... Já chega ... Agora vou mostrar quem manda aqui ... Vou beber até ficar inconsciente ... Eu não quero sentir nada ... ". Tentando ser um deus ou deusa durante toda a semana, você pode virar-se e acabar sendo um animal durante todo o fim de semana. Não há equilíbrio humano no viciado. 

Rachel V: Podemos nos libertar de um vício? 

Marion: Em Alcoólicos Anônimos, mesmo que você não tenha bebido por muitos anos, você continua dizendo: "Eu sou um alcoólatra". Quantas pessoas você conhece que caíram na armadilha depois de uma bebida ou de você Sem cigarro? O inconsciente é como o oceano: a obsessão pode afundar até o fundo do oceano, mas qualquer crise pode fazê-la flutuar. A vida se move em ciclos, a consciência se expande. Cada vez que somos confrontados com uma nova verdade sobre nós mesmos, uma parte de nós morre e outra nasce. Eventualmente, temos que passar por um canal de parto e os canais de parto podem ser perigosos. Em qualquer experiência, as pessoas tendem a repetir o trauma do nascimento original toda vez que tentam sair do útero quente que as continha. Se foram partos cesáreos, podem temer o confronto; Se fossem nascimentos pélvicos, pode ser que as coisas estejam acontecendo ao contrário; e se sua mãe foi drogada, eles tenderão a encontrar algum anestésico (drogas, álcool, comida) para jogar tudo no inconsciente. Esses pontos de transição em que somos chamados a atingir uma nova maturidade são os momentos-chave em que o vício tem maior probabilidade de ressurgir.Mudar o comportamento habitual é extremamente difícil, pois é o único comportamento conhecido e também está ligado ao comportamento inconsciente de um ou de ambos os pais. Se alguém está convencido de que em algum momento de um relacionamento será emboscado e cairá em um buraco negro, então pode ter certeza de que será emboscado antes de saber disso, porque essa é sua tendência inconsciente. Mas se você conseguir aguçar sua consciência e dizer a si mesmo: "Não tenho que cair nessa armadilha", então caminhará em um ritmo cauteloso e será capaz de prever esse perigo. Acredito que é desenvolvendo essa consciência perceptiva que se pode chegar ao ponto imóvel em que se está livre do vício. Nossa cultura não aceita o tempo que leva para processar. A segurança e o * status quo * são valorizados e como vivemos na sombra da aniquilação do planeta, tentamos nos agarrar ao que podemos, ao que parece permanente. A dor de deixar uma vida velha para trás e enfrentar uma nova vida, sem uma compreensão real de quem somos, torna-se insuportável. Algumas culturas têm ritos de passagem que dão às pessoas em transição significado e companheirismo, mas a maioria de nós sente total solidão. Em um estado de desconexão da Terra e das pessoas, o terror absoluto pode nos levar de volta ao vício. As transições são como o inferno. Nossos entes queridos morrem ou vão embora e ficamos sozinhos. Isso é um inferno, mas também é uma oportunidade de crescer. Sozinhos, podemos dialogar com nossos próprios corpos, com nossas almas cuja sabedoria é exatamente o que precisamos para alcançar nossa própria integridade, para ser muito claro sobre o que é real e o que é uma ilusão, para remover camadas de falso orgulho e nos tornarmos verdadeiramente humanos ... Alívio por ser humano, em vez de ser o deus ou deusa que mamãe e papai projetaram em nós! Cada inferno queima ainda mais as ilusões. Entramos no fogo, morremos e renascemos. Para colocar em termos cristãos, carregamos nossa própria cruz, somos crucificados em nossa própria cruz e morremos e nos elevamos novamente a um novo nível de consciência. Encontramos equilíbrio por um tempo e então outro período de crescimento é necessário e, portanto, um novo ciclo começa. O vício, como qualquer doença, pode nos levar a habitar nossos corpos. A cura vem por meio da compreensão da alma, a alma que só vive aqui e agora. O corpo É. A alma encarnada na matéria é o aspecto feminino de Deus. A agonia de um vício pode quebrar um coração que está aberto ao amor. Esse ponto de ruptura tão importante é o limite que os viciados tendem a viver como aniquilação ou apocalipse. Em nossa era tecnológica, a velocidade nos empurra de tal forma que aniquilamos o que está acontecendo conosco. Passamos pelos momentos em que a alma se manifesta. Passamos de um incidente a outro sem estar presentes. Uma pessoa anoréxica em transe eufórico pode literalmente se encontrar à beira da morte, sem ter qualquer consciência do que está acontecendo. Se eu digo a ela: "Ouça-me ... você está morrendo ...", ela me olha com espanto. Nada acontece na alma se você não está ciente do que está acontecendo. O que acontece na alma tem que ser conscientizado, pensado, falado, escrito, pintado, dançado, feito para música ... Ou seja, tem que passar de literal a metafórico, para que possa ser assimilado e suportado fruta. É disso que trata a terapia. 

Como terapeuta, torno-me um espelho que reflete e devolve ao paciente o que ele está me dizendo, o que seu corpo está dizendo sem que aquela pessoa possa ouvi-lo. Sem um espelho, não podemos nos ver. Os pais que estão presos em suas próprias necessidades narcisistas não podem fornecer um espelho para seus filhos e, portanto, não podem desenvolver sua identidade. individualidade. Veja o pequeno incidente do muffin. Se não tivéssemos tido tempo para refletir sobre a necessidade, o amor e a fé incorporados na compra daquele muffin, poderíamos ter matado aquela ação da alma mais uma vez. Uma troca tão pequena * parece * pequena, até que nos lembramos dos momentos da própria infância, quando se esperou e amou e deu tudo e ... não recebeu nada. Isso é como a morte.Acontece repetidamente com meus pacientes. Sua dor é tão profunda que leva muito, muito tempo para que o sentimento REAL apareça. As pessoas têm vergonha do que chamam de infantilidade, mas esses sentimentos bloqueados não podem amadurecer se não tiverem com quem interagir a partir de sua verdade por muito tempo e com frequência. Enquanto permanecermos determinados a avançar em nosso próprio ritmo rápido e lógico, a criança interior permanece oculta, porque os ritmos naturais do corpo são lentos. A pequena alma de pássaro que se escondeu em uma caixa escura na infância, precisa de tempo para aprender a confiar novamente e se abrir para o mundo. "

quinta-feira, junho 10, 2021

MULHERES DE CORAGEM


𝐀 𝐯𝐞𝐫𝐝𝐚𝐝𝐞 𝐬𝐨𝐛𝐫𝐞 𝐚 𝐩𝐚𝐧𝐝𝐞𝐦𝐢𝐚

Cristina Jiménez, nuestra hermana, escritora e doutorada em comunicação e jornalismo cuja tese recaiu sobre o clube de Bilderberg - grupo secreto que compõe a elite mundial - divulga a verdade por detrás da oficializada pandemia no seu livro, comercializado em Portugal desde janeiro deste ano e com prólogo à edição portuguesa onde nomeia alguns elementos da rede de poder como o nosso primeiro ministro e Pinto Balsemão. ( Salienta-se que este último é a personalidade mais influente de Portugal segundo um trabalho de investigação de dois anos conduzida pelo jornalista Frederico Carvalho em Governo de Bilderberg).

À semelhança de muitos escritores, como por exemplo Dr Vernon Coleman, a alegada pandemia é associada a um meio de pressão, manipulação e de imposição por um governo mundial que embora desconhecido, almeja ter a população à sua mercê.

A autora começa por ligar o arranque da "pandemia" ao controlo mundial com auxílio da OMS que considera ser o ministério da saúde da ONU. Descreve um rol de factos entre os quais a corrupção da OMS destacando o plano político de redução/esterilização populacional em África, México e Índia a partir de inoculações gratuitas devidamente financiadas pelo aclamado filantropo Gates. Seguidamente identifica e caracteriza escolas especializadas em manipulação social e explica como o poder concentrado em meia-dúzia de multinacionais do setor dos mass media é capaz de gerar uma única cultura global, unificadora e por conseguinte desfazer a liberdade de imprensa. Termina o livro expondo razões que determinam a resistência e o direito à rebelião.

Fontes:https://www.wook.pt/.../a-verdade-sobre-a.../24575770

DA FICÇÃO À CIÊNCIA - "ABRA SUA MENTE ′′


SÓ PARA PENSAR:
QUEM SÃO  AS PESSOAS ′′ NÃO REAIS ′′ DA MATRIX???...


Prefácio: A ′′ Matrix ′′ é um programa digital de tecnologia extraterrestre, muito antigo e projetado na Terra a partir da Nave Lunar. Tecnologia psicotrônica baseada na consciência, aplicada sob os princípios da interferência destrutiva, atração e véu do esquecimento.
Pessoas não reais, pessoas sem fundo, são as pessoas ′′ falsas ′′ que foram criadas pela consciência das pessoas reais. Eles são como os atores ′′ secundários ′′ de qualquer filme, são pessoas recheadas de ′′ fundo ".
Eles funcionam com uma única mente ′′ colmeia ", colocada em um computador lunar. Essa mente colmeia é uma inteligência artificial em um CPU. É um programa em um computador lunar, programado com os padrões de comportamento que devem ter os não reais, para lhes dar uma personalidade. Só há algumas personalidades diferentes dos ′′ NÃO reais ", por isso há tantas pessoas que se parecem no seu comportamento, e há tantas semelhanças entre os padrões de pessoas básicas.
Eles são conduzidos usando ondas de frequência projetadas de um computador lunar para o seu decodificador integrado. E de 12 ′′ geradores nucleares ′′ que estavam em funcionamento dentro da nave lunar, atualmente só funcionam 4 e estão começando a falhar muito, por isso que hoje em dia há cada vez mais ′′ aparições ′′ de espíritos e de entidades paranormais que habitam o 4 D, ou a densidade astral ou espiritual. Se pudéssemos ver estas entidades, a maioria são parasitas e animais e criaturas astrais, muitos entrariam no estado de ′′ Choque ", pois mucho@s destas ′′ entidades astrais ′′ se alimentam das energias negativas das pessoas neste plano .. Por isso esses parasitas, sempre vão acompanhando, as pessoas que têm grandes dores musculares, como os idosos e desvalidos. Essas Alimanas sugam as energias negativas, de muitos dos nossos abuel@s.
Pessoas não reais não têm alma, não estão vivos, são o mesmo arquivo copiado e colado. Só há um número limitado de personalidades matrix.

Pessoas falsas podem ser encontradas com a mesma voz repetidamente, em lugares diferentes, pois são a mesma voz copiada e colada, só se repetem.

Pessoas não reais não são biologia, são hologramas de alta resolução feitos de energia. Se essas pessoas Matrix NÃO reais, elas se afastam da sua visão temporariamente, por exemplo, cruzando um canto ou se afastando em um carro, elas desaparecem e se preenchem com mais pessoas NÃO reais ao seu redor.
Estima-se que 80 % da população sejam pessoas de fundo, não reais. Os restantes 20 % são pessoas reais, com alma.
Por que surgem pessoas não reais?
Pessoas reais vivas, criam pessoas falsas com a mente, nascem do desejo das pessoas reais por viver algo, por viver uma experiência, criam eventos com as pessoas não reais incluídas nelas.
Pessoas reais criam eventos em sua mente, e inteligência artificial lunar se manifestam em forma de holograma.
Pessoas não reais só existem, se estiverem dentro da abordagem da atenção das pessoas reais.
Exemplo:
Uma pessoa real acorda de manhã; nesse momento só existe o seu quarto e os objetos lá dentro.
Depois, a pessoa olha pela janela, e automaticamente a Matrix se manifesta lá fora, ruas, pessoas andando etc.
Depois tira sua atenção do mundo lá fora, volta a se deitar e de novo nada lá fora existe, desvanece.
Pessoas reais manifestam todo mundo lá fora, Matrix, ilusão, tudo é holograma que só existe se for observado por sua consciência.
Como saber quem é real e quem não é?
Pessoas falsas ′′ nunca ′′ questionam nada a ver com ' espiritualidade, consciência, metafísica, universo, extraterrestres ", etc., pois esses conceitos vão contra o sistema instalado e programado pelos governos dentro da Matrix. Pessoas falsas defendem a Matrix, defendem o sistema, cumprem as regras.
O modelo de vida e o sistema programado pelos governos foram projetados para rejeitar tudo o que for contra a sua sociedade antinatural, e pessoas falsas são o ′′ sistema ". Na trilogia de ′′ Matrix ′′ que contam nas Filmes, tem muito a ver com a realidade que nos rodeia.

Quem agendou a Matrix?

Inicialmente a Matrix Lunar, foi projetada para dar às pessoas, o que as pessoas ′′ Pediam ", isso era a Matrix 3 D original. Mas há décadas, os governos i-lu-mi-nati e os regr-esivos conseguiram chegar à nave lunar (a lua) através de ′′ portais ′′ e conseguiram ′′ hackeá-la ′′ para agendar mais ′′ negativa e caótica ′′ como é Hoje em dia. Eles conduziram o sistema Matrix de dentro, programaram como tem que ser a realidade, o modo de vida dentro da Matrix na Terra. Conseguiram manipular a mente das pessoas reais para que sejam elas que manifestem o mundo e a sociedade do medo que lhes interessa. Atualmente a Federação dos Planetas Unidos, já retomo o controle da nave lunar.

Os governos só precisam manipular, mente criadora das pessoas reais, para poder manifestar o mundo e a realidade que eles querem, não precisam acessar computadores bolinhas.
É por essa razão que há tanto caos na terra, guerras, crimes, escassez, pobreza extrema... Todos são eventos falsos.

Tudo foi criação da mente humana sob a manipulação dos governos ca-bal i-lu-mi-nati."

Mas nem tudo é negativo, se as pessoas ′′ Reais com Alma ′′ (sementes estelares) dão muita atenção e amor aos seus parentes próximos como seus hij@s, irmãos, espos@s... podem ′′ às vezes ′′ nem sempre, conseguir que esses corpos vazios sem Alma, mudem e se transformem em ′′ Walkings ′′ ou Almas de entrada. E assim ao prestar-lhes muita atenção podem-se ′′ Ganhar uma Alma ′′ e fazer com que uma Alma Real entre em ell@s, mas isto é limitado.


NOTA FINAL: este ′′ tema ′′ só o compreenderão e entenderam, as pessoas Reais ou sementes estelares, os outros ou serão pessoas NÃO reais ou sementes dormidas...

domingo, junho 06, 2021

PARA QUEM SENTE...

OS VIRUS E A GRIPE 
E AS PESTES QUE ASSOLAM A HUMANIDADE...

A MÃE (SRI AUROBINDO)


Este texto pode ter tudo a ver com o momento que estamos a atravessar e é evidentemente polémico...

“A Mãe, companheira de Sri Aurobindo, foi acometida pela gripe espanhola que assolou vários países no final da primeira guerra mundial. Em dez meses, cerca de 40 milhões de pessoas (o dobro das que tinham morrido na guerra) faleceram em conseqüência dessa epidemia.

A Mãe descreveu sua experiência:

"O tempo todo eu me perguntava: ‘Que é essa doença? Que há por trás dela?’ Lá pelo segundo dia eu estava deitada, completamente só, quando vi com nitidez um ser com parte da cabeça decepada e restos de roupa militar. Ele se aproximou e precipitou sobre mim para absorver energia. Olhei bem e depois percebi que eu estava morrendo. Aquele ser sugava energia vital do meu peito (em geral, as pessoas morriam de pneumonia em três dias!). Eu estava absolutamente pregada ao leito, imóvel, em transe profundo. Não podia mexer-me mais, e ele me sugava. (...) Então apelei para meu poder oculto, travei uma grande batalha e consegui dominá-lo. E acordei. Quando vieram procurar-me, pedi que me deixassem a sós e fiquei tranqüila na cama. Passei dois ou três dias em concentração, com minha consciência.
Naqueles dois ou três dias não se registaram novos casos da doença, e a epidemia foi dominada. Mais tarde a Mãe esclareceu que aquele militar havia sido morto durante a guerra por uma granada. Seu corpo astral fora retirado do corpo físico de modo violento, e o núcleo de ódio e vingança nele presente passou a absorver forças afins e assim foi se expandindo e fortalecendo. A humanidade estava combalida pelas experiências da guerra, acossada pelo medo, depressão e revolta..

As emanações psíquicas desses estados não só mantinham essa entidade astral, como também predispunham as pessoas a ser assediadas e vampirizadas por ela. A presença da Mãe nesse contexto se deu pela pura intenção de servir a humanidade. Deixou clara a potência de um ser coligado com a linha de Luz que conduz a raça humana e que por isso pode fazer mais que toda a medicina de um planeta. O que a Mãe realizou em escala planetária cada ser humano deve realizar em seu próprio universo individual.
Essa experiência amplia o conceito de imunidade, que resulta não apenas do equilíbrio do organismo físico e da correta interação dele com os corpos emocional e mental, mas, sobretudo do alinhamento com níveis de consciência superiores.
As sintonias com as energias ardentes da alma e do espírito regeneram e fortalecem os corpos.
Segundo Morya, o treino com essas energias será a verdadeira profilaxia da humanidade.
"


Dr. José Maria Campos (Clemente)

quinta-feira, junho 03, 2021

in "Numa Sociedade Saudável, a Loucura É a Única Liberdade Possível"



Uma doença terrível baixou progressivamente sobre a civilização

"Desde o meio do século dezoito que uma doença terrível baixou progressivamente sobre a civilização. Dezassete séculos de aspiração cristã constantemente iludida, cinco séculos de aspiração pagã perenemente postergada – o catolicismo que falira como cristismo, a renascença que falira como paganismo, a reforma que falira como fenómeno universal. O desastre de tudo quanto se sonhara, a vergonha, de tudo quanto se conseguira, a miséria de viver sem vida digna que' os outros pudessem ter connosco, e sem vida dos outros que pudéssemos dignamente ter.
Isto caiu nas almas e envenenou-as. O horror à acção, por ter de ser vil numa sociedade vil, inundou os espíritos. A actividade superior da alma adoeceu; só a actividade inferior, porque mais vitalizada, não decaiu; inerte a outra, assumiu a regência do mundo."
Fernando Pessoa


PELA LÓGICA DOS PSICOPATAS...

"A eliminação da dimensão moral das nossas vidas abre o caminho à lógica dos psicopatas. É isso que eu temo. Estamos a mover-nos rumo a uma guerra entre um gigantesco sistema psicopatológico contra outro gigantesco sistema psicopatológico. É assim que eu vejo o futuro. Uma espécie de luta darwiniana entre dois gigantes psicopatas rivais. O dos atacantes do 11 de Setembro contra o do complexo político-militar americano (...)

Não temos interesse em nenhuma zona para além da nossa esquina do mundo. Estamos armadilhados na nossa história social. Olhe, eu nem sou capaz de lhe dizer o nome do primeiro-ministro português! E sou supostamente um homem culto. Vimos, na televisão, imagens de pessoas a morrerem à fome no Sudão. Que fazemos? Nada. As nossas atitudes são completamente provincianas. As nossas vidas são controladas. Se sou dentista, ou professor, não vou desistir da minha carreira para ir para África. Somos prisioneiros, embora não o saibamos."

[J.G. Ballard, in Público]

in "Numa Sociedade Saudável, a Loucura É a Única Liberdade Possível"

terça-feira, junho 01, 2021

MULHERES QUE LEEM LILITH, A MULHER PRIMORDIAL



MUITO MAIS DO QUE LITERATURA...

Paula Pão Alvo:

Rosa Leonor Pedro o seu livro é deveras apaixonante.
Estou a lê-lo suavemente e sempre que possível leio-o com a minha filha de 9 anos.
Está a ser uma experiência muito especial porque as palavras ressoam nas minhas células, vibram e por vezes rebolam umas lágrimas atrevidas, como se de uma catarse brotassem.
Ali existe muito mais que literatura.
GRATIDÃO

O CAMINHO DO MEIO



OS PODERES DO CORAÇÃO

"O Conhecimento dos poderes do coração é indispensável à prática do Caminho do Meio pois este é só se pode praticar através da preponderância desses poderes e da sua influência. Esta via é um balanço constante entre o egoísmo do Eu e o altruísmo do Si. Só o coração pode realizar o prodígio do equilíbrio, pela sua posição mediadora entre o temporal e o intemporal, entre o organismo mortal e o seu arquétipo imortal. A alternância do seu movimento (dilatação-contracção) é a imagem perfeita desse balançar entre os dois poderes, do qual o pessoal tem de se tornar consciente, para ser transcendido pelo impessoal".

ISHA SCHWALLER DE LUBICZ

A 3ª VISÃO - FERIDA DE MORTE...



A Guerra
 
A guerra que aflige com os seus esquadrões o Mundo,
É o tipo perfeito do erro da filosofia
A guerra, como todo humano, quer alterar.
Mas a guerra, mais do que tudo, quer alterar e alterar muito
E alterar depressa.
Mas a guerra inflige a morte.
E a morte é o desprezo do Universo por nós.
Tendo por conseqüência a morte, a guerra prova que é falsa.
Sendo falsa, prova que é falso todo o querer alterar.
Deixemos o universo exterior e os outros homens onde a Natureza os pôs.
Para o coração e o comandante dos esquadrões
Regressa aos bocados o universo exterior.
A química direta da Natureza
Não deixa lugar vago para o pensamento.
A humanidade é uma revolta de escravos.
A humanidade é um governo usurpado pelo povo.
Existe porque usurpou, mas erra porque usurpar é não ter direito.
Deixai existir o mundo exterior e a humanidade natural!
Paz a todas as cousas pré-humanas, mesmo no homem!
Paz à essência inteiramente exterior do Universo!
 
Alberto Caeiro - Fernando Pessoa