domingo, maio 31, 2020

Mulheres que leem Lilith






Manuela Jorge - Professora



"Encontrar e enfrentar Lilith é pois enfrentar o nosso abismo pessoal como mulheres, é ir ao fundo do nosso Labirinto, seguir o fio de Ariane para atravessar esse vazio que é a falta de identidade mulher, e olhar-nos no espelho de outra mulher no nosso avesso quiçá, e ver- nos do outro lado, o verso é reverso de nós mesmas. "



in Lilith, A mulher Primordial - capítulo VIII página 215

quinta-feira, maio 28, 2020

Mulheres que leem Lilith


Isabella Garnecho , antropóloga e escritora

 - Assinalei dezenas de frases e parágrafos inteiros ao longo do livro, mas decidi partilhar este, porque foi neste ponto que Lilith me prendeu definitivamente, foi nesta passagem que encontrei a minha própria voz e percebi que afinal nunca tinha estado sozinha na minha visão e na minha luta.

"Tudo isto me parece, ainda, um sonho. Qualquer coisa de onírico e feérico. E, aos primeiros risos soltos, eu disse que sim, que esta era a minha via, a minha busca ancestral, e a via das mulheres. Pensei na minha inocência. Pensei que afinal estávamos a viver outra vez aquilo que havíamos perdido, que tínhamos a chave dos mistérios, que éramos elas, as mesmas. Mas, depois, vieram as Vozes do Além... acrescentar fórmulas e espadas. Vieram as iniciações, e os canais pleiadianos e outros, e os anjos e os arcanjos. E muitas se perderam no fumo de mestres xamãs que as exorcizaram em troca de favores e cama, e nos cantares e fumos se foram."

in Lilith A Mulher Promordial

terça-feira, maio 26, 2020

A PERTURBADORA EVOLUTIVA



"A IMORTALIDADE"…

Esta expressão é cara Aquela a quem chamamos MÃE (1878-1973). Ela descreve bem como me sinto desde que escolhi a imortalidade, em vez da sobrevivência e da morte. A minha decisão de viver a todo o custo é definitiva. As pontes da morte estão cortadas, preciso de avançar pelo caminho sem caminho que conduz à imortalidade sem garantias. Diesa oblige!...
Viver é morrer para a sobrevivência, para os meus hábitos, crenças, valores, aquisições, emoções, mentiras, dependências, tudo o que aprisiona Diesa nas profundezas das minhas células e a impede de se manifestar no meu corpo imortal.
Sinto-me como a lagarta que deve passar pelo caldo de lagarta para se tornar borboleta. Para mim, é do meu caldo de carneiro que imergirá a minha jumenta alada. É a receita evolutiva.
Não são nem as orações, nem as meditações que vão realizar a mutação da humanidade. Elas são apenas um bálsamo para o nosso sofrimento milenar, pelo menos enquanto esperamos passivamente pela morte salvadora. Não. Isto não funciona. Estamos sempre no mesmo ponto é pior até do que nunca. É o beco sem saída da morte. Pois bem, façamos o contrário! O que é que temos a perder?


O mundo de ilusão falso e mentiroso que construamos para assegurar a nossa sobrevivência, chama-se Trabalhar, Sofrer, Envelhecer, Morrer. É triste, limitado, sofredor e mortal. Mas conhecemo-lo. Um famoso ditado popular diz: “Há Duas coisas são inevitáveis, os impostos e a morte”. Deste modo os peixes graúdos continuam a comer os pequenos. E chamamos a isto democracia!
Para mim, o jogo não compensa. Acabou-se a sobrevivência e o mundo de ilusão. Especialmente desde que sei quem sou, uma pessoa soberana, criadora ilimitada. Decido fazer STOP & 180 º graus na minha vida. Doravante, farei exactamente o contrário daquilo que fazia desde sempre enquanto ovelha separada, dividida, assustada e mortal. Eu proclamo que “Duas coisas são evitáveis, os impostos e a morte”.
Resta-me portanto aprender a viver como ser divino que sou. À falta de guia, perguntei a mim mesma como é que faz Diesa e treino-me para fazer a mesma coisa. Isto dá lugar a situações espantosas, por vezes são perturbadoras e traz à luz medos que o são ainda com maior intensidade."

Guylaine Lanctot - médica escritora e ensaista

UMA FÁBULA COMPLOTISTA?

 


(Eu li este livro de que o autor fala há quase 20 anos…)


UMA FÁBULA  COMPLOTISTA?

"Amigos leitores,

 25 anos atrás eu estava publicando o livro intitulado "Aquele que vem". Tendo em conta o que todos nós vivemos atualmente..., aqui está um trecho particularmente significativo. Remete-nos para o capítulo 17, páginas 222, 223 e 224 da sua edição francesa.
A cena real que ele descreve fez sorrir mais de um na época...
No entanto, o que está anunciado, estamos vivendo isso atualmente. Consciente bem o que lá está dito... Não se trata de uma "fábula conspiração" mas sim da triste realidade de um plano da Ordem Mundial que se coloca pacientemente há cerca de um século. Hora de encararmos as coisas e acordarmos…"
Daniel Meurois

"Aquele que vem"
(trecho)

" Estamos no centro de uma sala vasta, uma espécie de escritório em que cerca de vinte homens estão montados. A mina austero para a maioria, eles compulsam limas enquanto um deles se expressa. O clássicismo das roupas e o ambiente que isso gera nos faz pensar em um desses conselhos de administração de alguma grande sociedade multinacional.
[Nós] estamos em Genebra, muito exatamente... Em Genebra, onde a noite já está bem avançada e onde, neste momento se fala sobre o futuro do seu mundo.
- O que é " nós Isto é uma reunião política?
- Mais ou menos, se quisermos! Tudo depende do significado dado à palavra "política".
- E que país eles representam?
Eles não representam nenhum estado. Eles estão por trás dos estados, por trás dos governantes que fazem a "primeira página" da mídia. São homens, e outros, que impõem ditadores em tal ponto do globo ou que fazem eleger um presidente nesse outro ponto. Alguns dos seus próprios líderes são enganados por não medir a extensão da sua capacidade de decisão. Estes homens são, de alguma forma, a materialização do subconsciente da humanidade terrestre, a concretização da terrível sede de poder, da ganância do gênero humano.
Eles também, no entanto, são para a maioria bons pais de família, não duvide disso. No entanto, eles têm uma concepção do futuro terrestre que ultrapassa a compreensão de "homem comum". Esta concepção baseia-se na manipulação e escravidão do indivíduo.
Não estaríamos no coração de um mau cenário de ficção científica? O que é isso?
- Não, o que você vê é um dos principais elementos da realidade material terrestre atual. Esses homens estão entre as peças mestras de algum tipo de jogo planetário pelo qual se decide um conflito aqui, uma epidemia lá, ou ainda uma ingestão tecnológica mundial muito preciso e para o objetivo muito específico.
- É preciso ver neles os representantes das organizações ou famílias que dirigem o planeta?
Na verdade, sim, são alguns deles. Uma espécie de elite ' ' ' ' ' de acordo com suas concepções, se preferir, porque eles mesmos, a um certo nível, não estão tão unidos, tão unidos quanto eles pensam.
Assim, existem entre eles " níveis de reuniões " múltiplos, de tal ponto que aqueles que consideram estar no topo desta " hierarquia subterrânea " não são necessariamente. Vês, esta reunião... Bem, se a sua existência fosse conhecida por todos os que participam activamente nesta Organização Mundial, isso criaria improvável agitação. Golpes baixos e manipulações também se praticam na fila desses seres.
Genebra é um ponto central para eles, mas também um ponto entre outros. Obviamente, existem capitais de todo o mundo que abrigam locais sumptuosos que lhes servem como base... e organizações oficiais que eles também utilizam à sua vontade.
Por exemplo...
Organização Mundial de Saúde (OMS), Nações Unidas, Clube de Roma, Instituto Tavistock de Relações Humanas, CIA... Governo Mundial não é um mito nem um projeto para o futuro terrestre. Ele já é realidade. Ele é a concretização da repetida sonolência da consciência humana, das suas perturbações mentais e emocionais, em suma de todas as cave do seu ego.
Portanto, a humanidade encontra-se hoje perante os espectros que gerou desde o amanhecer dos tempos. Estes acabaram por tomar corpo na terra ideal que os arquétipo do poder, do domínio e do orgulho.

É por isso que queremos agitar você, não daqui a um século, mas agora, porque os anos que você vive são decisivos. O mestrado em consciência humana, tanto individual e coletiva, é o que está em jogo.
Materialmente falando, você não pode muito contra essa força que ainda vai fazer e desfazer dos estados, gerar uma crise econômica sem precedentes, agitar as classes sociais, religiões e climas, finalmente tentar governar a confusão.
Pelo contrário, você permanece todo-poderoso ao nível da sua capacidade de reação interior, ao nível da sua preocupação de despertar e vontade de amor incondicional. Embora tudo isto pareça irrisório e desfocado, é por isso que a situação será controlada.
O descondicionamento é o itinerário forçado que cada um vai pedir para sair do beco sem saída. Ele é o gatilho que permite agir em duplo nível, o primeiro lugar da expansão da consciência num plano individual, finalmente o de uma reação coletiva face a uma doutrinação de valores ilusórios.
É por isso que é conveniente hoje mesmo que cada um aceite e decida aprender a se posicionar com precisão. Nós sabemos que ninguém opta pela Sombra voluntariamente, mas não é por isso que a escolha da Luz é feita claramente. Enquanto parte de vocês permanecer em serviço, haverá lugar na Terra para uma organização como você vê aqui.
Esses homens são resultado de suas fraquezas e obscuridade. Eles retiram suas forças na sua incapacidade de perceber a trama do que está acontecendo no plano mundial devido à preguiça e ao infantil do funcionamento do pensamento individual.
Vês aquele homem com gravata azul no final da mesa?
Bem, ele é um representante da Organização Mundial de Saúde. Um homem influente. Ele tem uma palavra a dizer sobre todas as pesquisas médicas feitas à superfície do seu planeta, desde a indústria farmacêutica até genética, passando pela cirurgia cerebral e vacinas. Para ele e para todos os que o ajudaram a conseguir este lugar, a saúde representa uma arma, um meio de controle dos governos, comportamentos individuais e também em massa. Uma arma que funciona com a alavanca do medo e gera, além disso, fortunas colossais..."

"Aquele que vem" D. Meurois / Givaudan (Ed. SEJA)

segunda-feira, maio 25, 2020

MULHERES QUE LEEM LILITH, A MULHER PRIMORDIAL


Maria de Lourdes Oliveira, Farmacêutica.
 

A OPRESSÃO DAS MULHERES




  
Elizabeth Gould Davis, livro The First Sex
 
"Na nova ciência do século XXI, não a força física, mas a força espiritual vai liderar o caminho. Dons mentais e espirituais serão mais necessários do que dons de natureza física. A percepção extra-sensorial terá prioridade sobre a percepção sensorial. E nessa esfera a mulher voltará a predominar. Ela, que foi venerada e adorada pelo homem primitivo por causa de seu poder de ver o invisível será mais uma vez o eixo — não como sexo, mas como mulher divina — sobre o qual a próxima civilização, como antigamente, girará.“

Não é com os homens que a maioria das mulheres se preocupam quando elas se levantam em defesa ao status quo. Seu aparente endosso à supremacia masculina é, antes, um esforço patético por auto-respeito, auto-justificação, e auto-perdão. Depois de mil e quinhentos anos de sujeição aos homens, as mulheres Ocidentais acham quase insuportável encarar o fato de que têm sido enganadas e escravizadas por seus inferiores — que o senhor é menos que a escrava.“  Não é com os homens que a maioria das mulheres se preocupam quando elas se levantam em defesa ao status quo. Seu aparente endosso à supremacia masculina é, antes, um esforço patético por auto-respeito, auto-justificação, e auto-perdão. Depois de mil e quinhentos anos de sujeição aos homens, as mulheres Ocidentais acham quase insuportável encarar o fato de que têm sido enganadas e escravizadas por seus inferiores — que o senhor é menos que a escrava.“

A DESTRUIÇÃO DA ALMA



A DESTRUIÇÃO DA ALMA PELA CIÊNCIA

Mais de cem anos atrás, Rudolf Steiner escreveu o seguinte:

" No futuro, eliminaremos a alma com medicamentos....


Sob pretexto de um "ponto de vista saudável" encontrará uma vacina através da qual o organismo humano será tratado, o mais rapidamente possível, eventualmente diretamente ao nascimento, para que o ser humano não possa desenvolver o pensamento da existência de alma e Espírito.

Aos médicos materialistas serão confiados a tarefa de eliminar a alma da humanidade.

Tal como hoje, as pessoas vacinas contra esta doença ou aquela doença, assim no futuro, as crianças serão vacinadas com uma substância que poderá ser produzida precisamente de modo que as pessoas, graças a essa vacinação, sejam imunes de serem submetidas a A "loucura" da vida espiritual.

Seria extremamente inteligente, mas não desenvolveria consciência e esse é o verdadeiro objectivo de alguns círculos materialistas.

Com tal vacina, você pode facilmente fazer com que o corpo etérico se solte no corpo físico.

Uma vez solto o corpo etérico, a relação entre o universo e o corpo etérico se tornaria extremamente instável e o homem se tornaria um autómato, pois o corpo físico do homem deve ser educado nesta Terra por vontade espiritual.

Então a vacina se torna uma espécie de força arimânica; o homem não pode mais livrar-se de um sentimento materialista dado.
Torna-se materialista de constituição e não pode mais elevar-se ao espiritual." @Rudolf Steiner (1861-1925)

sexta-feira, maio 22, 2020

Lilith A Mulher Primordial no Brasil




GRAÇA AZEVEDO - Suma Sacerdotisa da TRADIÇÃO TELUCAMA

 SOBRE O LIVRO Lilith  A Mulher Primordial ELA DISSE:

 "Gostei tanto da Lillith como você a desmistifica que assim que retomarmos as atividades vou trabalhar com ele no Colegiado."


UMA BRUXA ÉTICA

(…)" Se me perguntarem hoje se existem Bruxas (o) éticas, eu responderei com segurança, sim... Sim, pode até ser um pequeno número, mas existem sim. E direi com certeza absoluta: Que nestes tempos de tolerância zero, de intolerância Religiosa, de preconceito de qualquer espécie, de desonestidade dentro de um sistema corrupto, o descrédito de quem não nos conhece e ignora o que é ser uma Bruxa (o), será sempre a mola impulsionadora dos princípios que nos gesta, conscientes que somos missionários no GRANDE ÚTERO, o Planeta Terra.
A principal lição que tiramos de tudo que é visto, lido e sabido nos últimos tempos é bem antiga, milenar mesmo, vem dos nossos ancestrais: - Se perdermos uma batalha, não significa que perderemos a guerra. Precisamos só de algumas luas, para conhecermos melhor as estratégias do inimigo, em silêncio e em Paz."
Graça Azevedo/ Senhora Telucama

COMENDADORA. CHANCELER DA SOBERANA ORDEM INTERCONTINENTAL. DE CIÊNCIAS. HUMANAS

Mulheres que leem Lilith


VANDA SANTA-RITA - terapeuta da alma e  leitora de Lilith a Mulher Primordial, escolheu do livro este excerto.  
A Grande Serpente

"A serpente está presente em todas as civilizações antigas mas foi, perfeitamente, denegrida pelas religiões patriarcais. E, aos poucos, transformou- se num monstro de sete cabeças tal como a Lilith, afinal de contas, e não sendo por acaso que está sempre associada a ela.
Mas as serpentes são parte integrante do imaginário dos povos, incluindo Portugal, considerado pelos antigos como Ofiusa, a terra das serpentes e onde reinava uma serpente meia mulher meia serpente como Lilith."~


In livro Lilith A Mulher Primordial
O feminino e o Sagrado
de Rosa Leonor Pedro

A "DITADURA SANITÁRIA"




5 G - A VELOCIDADE QUE NOS MATARÁ LENTAMENTE…

 O mundo prepara-se para nos dar o mais vil e cruel dos golpes em ataques – politicas de terror e opressão, vírus e vacinas e chipes – e principalmente um ataque à nossa essência de mulheres e de seres humanos , preparando-nos para um mundo de inteligência artificial e sem existência da alma e menos ainda no coração, onde tudo se tornará virtual e fictício e a nossa natureza profunda ficará cada vez mais a deriva e abalada por este golpe brutal e único na história da humanidade. Claro que eu sei que algumas de vocês vai pensar que estou doida e a exagerar, mas eu senti a premência de vos dizer, por favor não se deixem levar pela mente racional nem pela s aparências das coisas tão caóticas como contraditórias nem pelas noticias “verdadeiras” e todo o sistema montado para nos desviar do propósito da nossa existência, alienando-nos dos valores naturais da vida e da criação! Peço-vos por isso que não abandonem a vossa intuição nem os vosso instinto seguindo as noticias publicas nem as ordem dos estados e as ordens policiais e as noticias e a manipulação dos Mídea que nos querem atemorizar , manter prisoneiras do medo e tornar incapazes de pensar e agir através da criação de uma Pandemia inventada.

As crianças e as mulheres são as mais sugestionáveis e tomadas facilmente pelo terror, mas também, no caso das mulheres  as mais destemidas e capazes de vencer esse medo para defender os filhos…

Eu não digo que o vírus não exista, que não seja perigoso como todos, mas toda esta comédia que derivará em tragédia foi orquestrada por elites politicas e económicas que dominam o Planeta… e o que eles visam, além da diminuição da população do mundo, é suprimir o mundo instintivo e natural, a vida original, pois querem reduzir a nossa humanidade a seres híbridos dominados pela inteligência artificial. Ora as mulheres são também a voz e a natureza mais próxima da verdadeira Natureza Mãe e da Terra e de tudo o que concerne a vida humana no Planeta. É pois às mulheres que compete manter essa consciência de si para se manterem fieis aquilo que é a essência humana e que deve preservada a todo o custo. E não é enfrentando a Besta , lutar contra essas forças ocultas, pensando que as denunciamos (digo isto para mim mesma) nem desatar aos gritos histéricos que vamos salvar a nossa vida e a nossa essência de seres humanos. É mantendo-nos recuadas e atentas a todos esses movimentos de massas mas sem nos alienarmos da nossa força interior a única que nos pode salvar e salvar o planeta: uma consciência humana ligada à vibração mais alta do coração.

Este atentado a vida humana a nível global na forma como está a ser feita é talvez única na história-ficção da Humanidade… porque se trata de alterar o nosso ADN e intervir ao nível das nossas células e cérebro. Nunca se fez nada como isto, penso . E antes as guerras e as pestes que mataram milhões de seres mas nunca acabaram com a essência humana da nossa espécie… como agora nos ameaçam. As tecnologias e as ciências deste mundo a caminhar para inumano, criando seres híbridos de todas as formas, primeiro dessexualizando homens e mulheres confundido as suas naturezas e destruindo a identidade original do macho e da fêmea, estão a dominar totalmente os seres humanos principalmente as gerações mais jovens, totalmente inconscientes desse valor intrínseco do Ser Humano de que eles foram desviados há décadas… através “dos meios de comunicação” de um mundo virtual e completamente alienado da alma e do coração em que tudo se vende e compra e o rei é o dinheiro e o consumo e nada mais tem valor! A velocidade electrónica QUE NOS DESUMANIZA e com que nos matam devagar e lentamente - sobretudo os mais velhos e vulneráveis – como o 5 G e o 6 G que vai paulatinamente destruir as espécies todas e a natureza toda a nossa volta, eles vão aderir em massa e ficar muito felizes com os seus malditos aparelhinhos, PCs tabletes e telemóveis super…. ETC. ainda o inferno não começou!

rlp

No aspecto social o que esta Pandemia fez foi criar uma "DITADURA SANITÁRIA" …

 Como diz a juíza Maria José Morgado de forma “ clara como coloca a liberdade e o inerente risco da mesma acima da obsessão com a segurança sanitária a 100%. “A ditadura sanitária”, diz Maria José Morgado, “pode matar-nos”. Porquê? Porque mata a liberdade, através das restrições físicas e da intrusão electrónica. Porque mata através da pobreza que cria do nada. Porque mata logo no confinamento, as mortes paralelas e esquecidas. Porque mata os ensinamentos da História que têm sido transmitidos pelos virologistas e epidemiologistas sensatos, a saber: aprender a viver com os vírus faz parte da civilização humana, que não pode nunca parar, caso contrário os efeitos da paragem ultrapassam em muito os efeitos do vírus. “O aumento da infecção será o aumento da imunidade, não o fim do mundo”, diz ainda Morgado. E diz bem. Neste ponto, aliás, é preciso fazer uma crítica séria aos média e aos políticos, que não têm transmitido este ponto à população. Fala-se do “número de infectados” como se fosse um número de condenações à morte.“

quinta-feira, maio 21, 2020

Uma mulher árabe



O REGRESSO DE LILITH (excertos)

Joumana Haddad - escritora libanesa

Eu sou Lilith, a deusa das duas noites, que regressa do exílio. Sou Lilith, a mulher-destino. Nenhum macho pode escapar à minha sorte, e nenhum macho lhe quererá escapar.

Eu sou as duas luas Lilith. A negra é complementada pela branca, pois a minha pureza é a centelha do deboche e minha abstinência, o princípio do possível. Eu sou a mulher-paraíso, que caiu do paraíso, sou a arrasa-paraísos.

Sou a virgem, rosto invisível da devassa, a mãe-amante e a mulher-homem. A noite porque eu sou o dia, o lado direito porque sou o lado esquerdo, e o Sul porque sou o Norte.

Eu sou Lilith dos seios brancos. Irresistível é o meu encanto, pois os meus cabelos são negros e longos e de mel os meus olhos. Diz a lenda que fui criada a partir da Terra para ser a primeira mulher de Adão, mas não me submeti.
Sou a mulher-festa e os convidados da festa. Feiticeira alada da noite é o meu apelido, e sou deusa da tentação e desejo. Chamaram-me patrona do prazer gratuito e da masturbação, liberta da condição de mãe para ser o destino imortal.

Eu sou Lilith, que retorna da masmorra do esquecimento branco, leoa do senhor e deusa das duas noites. Recolho na minha taça o que não pode ser recolhido, e bebo-o pois sou a sacerdotisa e o templo. Esgoto todas as intoxicações para que não acreditem que eu posso beber. Faço amor comigo mesma e e reproduzo-me para criar um povo da minha linhhagem, depois mato os meus amantes para dar espaço àqueles que ainda não me conheceram.

Regresso do calabouço do esquecimento branco para quem ainda me não conhece, volto para marcar lugar e para que não creiam que eu posso beber, da brancura do esquecimento para enraizar a vida e para que o número cresça, para matar os meus amantes eu regresso.
Eu sou Lilith, a mulher-floresta. Não vivi uma espera desejável, mas sofri os leões e as espécies puras de monstros. Fecundo todas as minhas costas para construir a história. Agrego as vozes nas minhas entranhas para que o número de escravos esteja completo. Como o meu próprio corpo para que me não tratem como faminta e bebo a minha água para nunca sofrer a sede. As minhas tranças são longas no inverno, e as minhas malas não têm tecto. Nada me satisfaz, nem me sacia, e eis que regresso para ser a rainha dos perdidos no mundo.

Sou a guardiã do bem e do encontro dos opostos. Os beijos no meu corpo são as feridas de quem tentou. Da flauta das duas coxas sobe o meu canto, e do meu canto a maldição espalha-se em água sobre a terra.
Sou Lilith, a leoa sedutora. Mão de cada servidor, janela de cada virgem. Anjo da queda e consciência do sono leve. Filha de Dalila, Maria Madalena e das sete fadas. Nenhum antídoto para a minha condenação. Da minha luxúria, erguem-se as montanhas e abrem-se os rios. Venho de novo para furar com as minhas ondas o véu do pudor, e para limpar as feridas da falta com o perfume do deboche.

Da flauta das duas coxas sobe o meu canto

E da minha luxúria abrem-se os rios.

Como não poderia haver uma maré

de cada vez que entre os meus verticais lábios brilha um sorriso?

Porque eu sou a primeiro e a última

A cortesã virgem

O medo cobiçado

A adorada desprezada

E a velada desnuda

Porque eu sou a maldição do que precede,

O pecado desaparecido dos desertos quando abandonei Adão.

Ele andou aqui e ali, quebrou a sua perfeição.

Desci-o à terra e acendi para ele a flor da figueira.

Eu sou Lilith, o segredo dos dedos que insistem. Quebro caminhos divulgo sonhos rebento as cidades do macho com o meu dilúvio. Não reuno dois de cada espécie na minha arca Em vez disso, volto a eles, para que o sexo se purifique de toda a pureza.
Eu, versículo da maçã, os livros escreveram-me, ainda que não me tenham lido. Prazer desenfreado esposa rebelde o cumprimento da luxúria que leva à ruína total. Na loucura se entreabre a minha camisa. Os que me escutam merecem morrer, e aqueles que me não escutam morrerão de despeito.

Eu não sou nem a rebelde nem a égua fácil.

Antes o desvanecer do pesar último.

Eu Lilith o anjo devasso. Primeira fuga de Adão e corrompidora de Satanás. O imaginário do sexo reprimido e o seu mais alto grito. Tímida pois sou a ninfa do vulcão, ciumenta pela doce obsessão do vício. O primeiro paraíso não pôde suportar-me. E caçaram-me para que eu semeie a discórdia na terra, para que governe nos leitos os assuntos dos meus sujeitos.

Sorte dos conhecedores e deusa das duas noites. União do sono e do despertar. Eu, o feto-poetisa, ao perder-me ganhei a vida. Regresso do meu exílio para ser a esposa dos sete dias e as cinzas do amanhã.

Eu sou a leoa sedutora e volto para cobrir as submissas de vergonha e para reinar sobre a terra. Venho para curar a costela de Adão e liberar cada homem da sua Eva.

Sou Lilith

Regresso do meu exílio

Para herdar a morte da mãe a que dei vida.

Joumana Haddad

MULHERES COM LILITH

 

JOANA SAAHIRAH - International Dancer, Teacher, Choreographer and author of "The Secrets of Egypt - Dance, Life…"

Lendo "Lilith" de Rosa Leonor Pedro
Tão crua e despida como Lilith, avanço por palavras, ideias, perguntas. Avanço pelo livro adentro como quem avança dentro de si.

"A mulher comum continua a reflectir sobre a outra mulher nas mais arcaicas manifestações de inveja e ciúme, raiva e ódio. No fundo, uma paixão por si camuflada de ódio. Afinal, um desejo de si, mal suportado, quando se sente ameaçada perante aquela mulher mais forte, ou mais audaz, que lhe sugere ou espelha o que ela não tenha consciencializado."
 
Excerto do livro Lilith A Mulher Primordial

 

MULHERES QUE LEEM LILITH



Andrea Costa - psicóloga e facilitadora em Constelações Familiares
Escolheu estre trecho do Livro LILITH A MULHER PRIMORDIA

"(...) ao subjugar e diminuir a mulher se destruiu o equilíbrio natural das comunidades humanas do início dos tempos. (...) A mulher que conhecemos hoje não é a mulher verdadeira. Um subproduto da sociedade patriarcal."

quarta-feira, maio 20, 2020

Mulheres que leem Lilith, A Mulher Primordial


Carla Melfe, astróloga, disse:


Olá querida Rosa. Estou a adorar o livro. A cisão. A mulher completa. Está muito forte. Em mim ainda me faz encolher às vezes. Mas sinto-a muito bem. Interessante que foi também em sonhos que ela me falou lembro -me tão bem.
Uma serpente gigante... no sonho senti algo debaixo do sofá. Ia para espreitar mas voltei atrás. E voltei para a cama ( isto tudo a sonhar). Quando fecho os olhos está a serpente mesmo à minha frente. Ao princípio senti medo. Logo ela falou comigo telepaticamente. Eu sou tu. E foi aí que me senti conectada com ela. Deixei de ter medo de serpentes. Aliás adoro.
Ainda vou concluir o livro. Estou realmente a adorar, é uma perspectiva tão profunda quando solta. Muitos parabéns

 

MULHERES QUE SE ERGUEM...




NÓS AS MULHERES PODEMOS MUDAR A REALIDADE..

" Nunca na história da humanidade houve um grupo com tanto potencial para transformar a nossa realidade. Seu poder é tão grande que realmente custa tomar plena consciência dele.
Para começar, as mulheres representam maior e mais longo coletivo oprimido de todo o grupo história humana. Neste não era apenas a subjugação social, econômico e político, mas também mental, sexual e moral, negando o desenvolvimento integral e gratuito a limites inconcebíveis.
A repressão das mulheres não conheceu fronteiras políticas, físicas ou ideológicas. Nem, tão pouco, temporais, culturais ou religiosas."



IN GAZZETTA DEL APOCALIPSIS

Mulheres que leem Lilith

 
Sandra Pereira

O LIVRO QUE A MÃE E A FILHA LEEM...

"Durante centenas e centenas de anos a Mulher foi desautorizada a se exprimir, ser ela mesma expressar a sua Natureza intrínseca, reprimida na sua força interior instintiva, deixando de ser a representante do pólo feminino da Humanidade, deixando de ser a legítima representante da Deusa Mãe, criadora de todas as coisas, impedida de se afirmar e de ter prazer, de ter direito sobre o seu próprio corpo. Ela foi condenada ao descrédito por Apolo, impedida de manifestar o seu dom inato de oráculo, sacerdotisa e vidente, de ser senhora da sua vida em qualquer circunstância."

in LILITH A MULHER PRIMORDIAL de Rosa Leonor Pedro.

 
Silvia Gonçalves
 
“Não, não adianta honrar a Deusa sem honrar a Mulher em nós. E, que mulher é essa que devemos honrar? É esta a nossa busca essencial e não outra. Pois nada serve falar exaustivamente de Lilith, sem integrar as duas faces da mulher, sem que saibamos primeiro quem somos em essência.”

Lilith A Mulher Primordial - Rosa Leonor Pedro

mulheres que leem Lilith A Mulher Primordial


ANA Santos escolheu o seguinte excerto do livro:

LILITH A MULHER PRIMORDIAL

"Vamos tentar evocar Lilith e libertá-la em nós sem medo, ousar dar-lhe voz. Embora, para começar, eu quase preferia associá-la ao nosso lado dito demoníaco, que não é o demoníaco dos homens, sempre a mulher que eles temem, mas sim essa força instintiva da mulher que foi rejeitada por ser temida como tal. É essa força motriz, e matriz, na mulher que o homem teme, como teme a gruta do abismo, o Útero."
 

terça-feira, maio 19, 2020

A GRANDE PROFETISA DO NOSSO TEMPO...

NATÁLIA CORREIA - ESCRITORA E POETISA
 

MULHERES QUE LEEM LILITH



O CRIME CONTRA A HUMANIDADE TEM ROSTOS

Conferência de imprensa do Conselho de Ministros de 7 de
fevereiro de 2020 - MORRER MAIS DEPRESSA
"Ministros de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e Secretário de Estado Aragão Azevedo na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, Lisboa, 7 fevereiro 2020
O Governo aprovou, por via eletrónica, uma resolução que define a estratégia e calendarização para a quinta geração de comunicações móveis (5G). 

Esta estratégia visa assegurar que a quinta geração móvel seja um instrumento de desenvolvimento e competitividade da nossa economia, de coesão social e territorial, de melhoria e transformação do nosso modo de vida, de inovação social e da qualidade dos serviços públicos.

Na Conferência de Imprensa após o final do Conselho de Ministros, o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referiu que «esta é uma evolução tecnológica com um impacto tremendamente grande» na forma como «nos relacionamos» e «trabalhamos».

«Estamos a falar de uma transmissão mais rápida, de um volume de dados de 100 vezes mais rápido» e «de um milhão de dispositivos por quilómetro quadrado», explicou.

Leilão do espectro e incentivo às empresas

Sobre o procedimento de atribuição do espectro - que será definido pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) - Pedro Nuno Santos referiu que a estratégia do Governo será a de «incentivo» às empresas candidatas, para que Portugal não tenha «um 5G coxo».

«Para nós o que é fundamental é que as nossas empresas consigam as licenças, tenham a capacidade e invistam na qualidade do serviço e na cobertura em particular», disse o Ministro, acrescentando que o objetivo principal «não é a maximização das receitas» mas sim que as mesmas «sirvam o propósito de financiar a transição digital», que é um dos pilares deste Governo.

Calendário e Implementação

Relativamente à calendarização de implementação da rede 5G, Pedro Nuno Santos disse que União Europeia definiu que Portugal deve ter «pelo menos uma cidade com cobertura 5G até final de 2020». O Governo pretende contudo que, em igual período, existam duas cidades portuguesas com este tipo de cobertura móvel, uma delas no interior.

A cobertura, até 2023, de todos os estabelecimentos de saúde e aeroportos e a utilização da 5G por 90% da população, até 2025, foram outras das metas apresentadas pelo Ministro.

Garantir a Coesão territorial

O Secretário de Estado da Transição Digital, por sua vez, destacou o facto deste processo garantir a coesão territorial, para que «não haja o acentuar das assimetrias regionais»

André de Aragão Azevedo disse também que há uma preocupação do Governo em permitir que o 5G «permita alavancar a estimular outras tecnologias, nomeadamente, inteligência artificial da Internet das Coisas» aplicada a modelos de negócio das empresas.

Relativamente à cibersegurança deste novo tipo de comunicações, a Ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, afirmou que a mesma estará alinhada «com as melhores práticas europeias», havendo, para o efeito a criação de um grupo de trabalho para avaliar a implementação das recomendações europeias."
                      
      

LILITH É UM PERIGO


A CAPA DO MEU LIVRO CONTINUA A SER CENSURADA PELO FACEBOOK "pelo crime" de mostrar os seios da mulher num quadro secular... assim se censura a excelência da Arte!

A MONICA ISABEL escolheu este excerto do livro:

Lilith, dando a provar a maçã da árvore da sabedoria a Eva, deixou a semente do saber ancestral, e quem sabe da grande sabedoria da mãe do mundo
Essa Mulher não é só uma faceta da mulher, a menina irresponsável, nem a criança ferida, ou a jovem arrojada, ou a mulher sexy , ou a mãe extremosa , mas essa mulher ple...na, que é comum a todas e que não conhecemos ainda.
Mas para isso, precisamos de entender a origem da divisão da mulher, e de ir ao fundo dos nossos medos e abismos, resgatar essa memória atávica , ir ao fundo da nossa psique e entender a nossa sombra milenar que é Lilith.
Temos de unir a mulher de superfície de hoje, a mulher intelectual e mental, a essa mulher sensual e instintiva.
Evocar Lilith, é apontar um caminho para o interior da mulher. Porque só ela poderá fazer a ponte entre a mulher moderna de hoje e ligá -la à mulher ancestral.
Essa mulher é a primeira mulher. Aquela que nos aguarda no futuro.



Excerto do livro Lilith A mulher primordial (2ª edição)
Rosa Leonor Pedro

domingo, maio 17, 2020

A FARSA DA PANDEMIA



A FARSA DA PANDEMIA EXPLICADA EM DETALHES.


"Tenho certeza que já ouviram que os sintomas do " VIRUS " são parecidos com a gripe, mas neste momento estes sintomas chamam-se " Covid-19 ", então, se você tem gripe é Covid-19, se tosses é Covid - 19, se você tem alergias é Covid-19, e foi assim que os números de casos começaram a aumentar. Então eles só tem que ir brincando com os números pra subir e descer quando quiserem, o melhor exemplo é a China, primeiro elevaram as estatís...ticas e de um dia para o outro já não tem problema de Covid-19, isto é matematicamente impossível.


Os testes são outro embuste, estes "PCR" (nome do teste) não podem medir a quantidade de vírus que você carrega no corpo, para adoecer você deve ter uma carga viral muito elevada, na verdade o inventor do teste Kary Banks Mullis em 1994 disse que, "este teste não deve ser usado para diagnosticar doenças infecciosas", já que não mede o fundamental em questões virais, o que faz o teste na verdade é procurar material genético RNA anómalo que é algo muito comum em todos os seres humanos, principalmente porque as células devido à poluição se auto-imunizam e expulsam algo chamado "EXOSOMAS" que é material genético-RNA não útil.

Então temos um suposto vírus novo cujos sintomas são semelhantes à gripe comum que de não se cuidar corretamente derivará em pneumonia, isso aconteceu sempre e todos os dias morrem pessoas em todo o mundo por gripe, o que eles estão fazendo é re-classificar as mortes , por exemplo na Itália 99 % (dito pelo próprio governo) das pessoas falecidas por Covid-19 já tinham mais 2 ou 3 mais problemas de saúde, nenhum morreu " por " Coronavirus senão " COM " Coronavirus, que não é a mesma coisa, portanto as estatísticas estão mal, o que eles estão fazendo é que qualquer pessoa falecida, incluí-la na lista do Covid-19, e como é proibido fazer autópsias e comemorar funerais, pois Eles têm via livre para manipular tudo e quanto quiserem.

Isso chamado de "vírus mortal" é um exosoma natural que a célula expulsa como método de imunização, o teste localiza o exosoma e teremos centenas e milhares de positivos para acomodar com os números de mortes diárias comuns em cada país, você reparou que já ninguém Morre hoje por câncer, por acidente, ou por diabetes?, pois isso, estão re-classificando as estatísticas.

Sob o microscópio a forma do exosoma é exatamente igual a isso que chamam de Covid-19, a OMS tem a manga da frigideira e controla o seu país com esta farsa, dizem que é preciso fechar escolas, shopping e toda a indústria, Eles deixam você sem trabalho, e em breve sem dinheiro para comer, eles quebram a economia do seu mundo livre, para transformá-lo em um fascismo global, e depois virá o FMI com o Banco Mundial para hipotecar seus direitos.

MENTIRAS GIGANTES



“Ex-presidente de um programa da OMS diz que o vírus pode desaparecer antes de encontrarmos uma vacina. E apontou um estudo feito por cientistas portugueses para justificar o cenário "possível".“

"Nas palavras do professor de biologia de Stanford e Prêmio Nobel Michael Levitt: "Quando analisarmos todos os dados, os danos causados pelos confinamentos ultrapassarão enormemente qualquer benefício".

 Hannah Arendt descreveu em The Origins of Totalitarianism como mentira e medo são os dois principais instrumentos de qualquer governo totalitário.

"Mentiras gigantes e falsidades monstruosas são estabelecidas como factos inquestionáveis ​​no momento em que a diferença entre verdade e mentira se torna uma mera questão de poder e astúcia, pressão e repetição infinita", escreveu ela. E graças à inestimável contribuição da mídia alarmista, o medo da morte por um vírus, cuja letalidade real na grande maioria da população é muito baixa, foi suficiente para criar pânico e paranóia induzida por forças que agora parecem interessadas na imposição de formas mais permanentes de restrição de liberdades, controle de pessoas e vigilância de seus movimentos. Eles chamam esse horror que eles estão tentando impor, eu acho,
Caro leitor, o autoritarismo de um governo com vocação totalitária, a opressão, a mentira e a perturbação da polícia são muito preocupantes, mas mais ainda é a possibilidade de que um povo sugerido por um estado de psicose possa menosprezar seu direito a liberdade e tornar-se uma ovelha mansa e burra, levada ao matadouro por alguns baladrons sem coração. Creio que, sob a aparência de um fogo extinto, as brasas do espanhol indomável, orgulhoso e livre subsistem, e que de repente pegam fogo com um vento impetuoso, rebelando-se contra a nova tirania sob a velha bandeira da liberdade."

sábado, maio 16, 2020

DOIS TEXTOS



AS MULHERES E OS CAMINHOS ESPIRITUAIS DO HOMEM…que as negam e subestimam continuamente!

No facebook e em grupos,  tenho verificado o quão difícil é para as mulheres compreenderem e aceitarem a sua divisão intrínseca, psíquica, que as torna rivais e opositoras umas das outras sem saberem porquê na vida real...e ver como é bem mais fácil seguirem processos ditos espirituais, mentoras ou mentores que apresentam as coisas do feminino de forma "construtiva", muito certinhas e bonitinhas e incutem no espírito das mulheres a ideia das "energias positivas", a serem sempre positivas... e não das "energias negativas"...e a estarem sempre do lado do "bem e da luz" etc.

 Ironicamente nem as mulheres se apercebem que elas são e representam o polo dito negativo, o feminino como princípio e que a Sombra e o lado escuro, a Lua, se opõem ao dito positivo e ao Sol, ao princípio masculino...e que em qualquer processo de evolução elas não têm senão que assumir e integrar esse lado escuro e irem ao fundo de si mesmas buscar primeiro essas suas reservas, aparentemente "negativas e escuras", assustadoras, como qualidades intrínsecas e que são as suas e lhes pertencem inerentemente e que só as recusam porque elas foram sempre reprimidas porque associadas ao diabólico...ao selvagem...tal como agora a new age faz...

Assim, verifico que mesmo nos ditos "processos espirituais" as mulheres são desviadas de si mesmas enquanto seres da Sombra...e das profundezas, como seres representante do polo feminino ou negativo, para se associarem ao bem e ao lado diurno e solar em função exclusiva das suas relações com o homem...e não trabalham a relação consigo mesmas, mas sim e mais uma vez em benefício da sociedade patriarcalista, ao serviço da sociedade solar e activa que a domina e perverte a sua natureza instintiva e intuitiva, mantendo-a ao serviço da espécie e do Homem...
 (...)
 rosaleonorpedro




O NEGATIVO E O POSITIVO, O BEM E O MAL
 
"A paz sobre esta Terra não pode ser a supressão das forças opostas, mas a sua conciliação no interesse de um fim comum: a vida indestrutível."*
 
 
O que é um estado de negatividade? O que é o luto e a dor da separação e a morte ou a depressão como experiência comum e normal de vida que nos projecta em estados não positivos?
E o que é o positivismo e a ideia de que é superior ao lado negativo das coisas? Só a própria palavra nos induz à rejeição dela...Porque é a tristeza inferior à alegria?
É que para mim tanto uma coisa como outra, extremos de uma mesma experiência - polos opostos a integrar - posto que os dois extremos são concomitantes na nossa vida e em todos os aspectos da nossa vivência -, ao negarmos um lado e privilegiarmos o outro não estamos a cair apenas para um dos lados da balança?
Sim, eu sei que podemos ficar só do lado negativo a chorar e a reclamar das coisas...mas porque não estranhamos que as pessoas estejam sempre "numa boa"? Não é isso uma alienação da Vida?
Não é a vida ela mesma feita de boas e más coisas, de chuva e de sol, de frio e quente, de alegria e tristeza? Porque é a tristeza pesada e a alegria não? Porque recusamos a tristeza e preferimos a alegria? Não é a tristeza o resultado de um esforço ou de uma dor que vem na integração de uma consciência que depois e na sequência de um despertar traz o alivio e o descanso e a alegria, quando a tempestade amaina? Não é esta a lição mais profunda de vida? Aceitar os dois lados das coisas...saber sofrer e saber desfrutar de tudo o que a vida nos ensina...?
E então será que estou a construir um mundo melhor evitando a tristeza ou escondendo debaixo do tapete a minha dor e fingindo uma alegria forçada ou apenas mentalizando-me negando o lado escuro da Lua ou da lua em mim. Sinceramente não compreendo esta fuga ao negativo…
 
 
Sofrimento e dor, alegria e prazer, nascimento e morte fazem parte da roda da vida para quem está evidentemente sujeito às Leis do Karma, aos ciclos da vida, ao resultado das suas acções passadas e presentes, como todos nós humanos estamos sujeitos...
Todos sofremos o momento actual, a alienação do ser humano dos seus valores mais fundamentais, reflectidos na crise económica e na guerra de interesses e isto é visto como se o mundo se dividisse entre vítimas e culpados…mas não é assim, embora aos nossos olhos desarmados de uma consciência superior nos pareça sempre que há os inocentes e os culpados.
Um dos males está precisamente em olharmos a guerra e a paz como se elas fossem a ausência uma da outra...mas a guerra é apenas a expressão da nossa ignorância, da negação de um lado da vida, queremos o bem a força e destruímos o mal...matando. E assim se quisermos a Paz não é só uma questão de fazer cessar fora de nós a guerra porque mais tarde ou mais cedo ela rebenta noutro lado… mas de olharmos para nós individualmente e aceitarmos a nossa dualidade. Se assim for deixamos de lutar contra um inimigo que se inventa fora e que está bem dentro de nós próprios! Há milénios que assim é e não é uma questão de evolução ou progresso que faz o Homem parar de lutar contra os outros... Enquanto ele não se vir a si mesmo como vitima e culpado ao mesmo tempo...ou por outra, enquanto o homem não deixar de se culpar e de se sentir vitima ele não pode dar um passo para a paz que é o resultado do equilíbrio das forças opostas dentro de si.


PORQUE HÁ UM ESTADO DE CONSCIÊNCIA QUE NOS ELEVA A UMA COMPREENSÃO DO MUNDO ACIMA DA DUALIDADE, ACIMA DO BEM E DO MAL...e ele só acontece quando integramos os opostos complementares...
RLP


 *In « L’OUVERTURE DU CHEMIN » de ISHA s. DE LUBCZ

 

quarta-feira, maio 13, 2020

13 de maio - evocação da Mãe num mundo sem mãe!

 
 
MATTERTUM: 
A EVOCAÇÃO DA MÃE NOSSA, O UTERO E NOSSA CASA...
"Recuperar a mãe verdadeira pressupõe então recuperar o coletivo de mulheres e a sua função coletiva dentro dum determinado grupo social. A recuperação da mãe não é uma recuperação individual (embora tenha uma dimensão individual e corporal), mas a recuperação do feminino coletivo, de todas nós. Segundo Malinowski, as mulheres trobriandesas dum clã (in The Sexual Life of Savages in the Western Melanesia) tinham um nome coletivo, “tábula”, a “tábula” é que se ocupava do parto das mulheres do clã.

Em castelhano há uma acepção do nome "mãe" que é um vestígio dessa mãe ancestral, que se encontra na expressão "salirse de madre", "sair da mãe", que seria sair do Muttertum, que nos faz amadurecer e nos torna consistentes. Há também uma acepção em que a palavra significa "fonte originária de algo" ("a mãe do vinagre", por exemplo), ou como a raiz de algo, quando dizemos que encontrámos a "mãe do cordeiro". Se um rio sai da "madre", tudo se inunda e é o desastre. Pois assim anda a humanidade, "fora da mãe", em permanente estado de esquizofrenia e cada vez com mais ataques de violência..."

Cacilda Rodrigañez Bustos

terça-feira, maio 12, 2020

MEM – 13




O ENCONTRO COM A MÃE DIVINA

“O encontro com a Mãe Divina é uma etapa essencial para a nossa consciência, totalmente incompreensível para o intelecto. Porque a Grande Mãe é o Todo. Ela é o próprio Corpo da criação, Ela sustem o universo, a sua Essência está em todo lado. E a sua Essência é Amor puro. Ela é a Matriz última, da qual somos todos filhos.(…)

Ela levanta para nós o véu da Ilusão, e convida-nos a vê-La em tudo. Ela reina sobre todas as manifestações do elemento água..., quer sejam físicas ou mais subtis.”   MEM – 13


Marie Elia – Rencontres Avec la Splendeur


“Ó Mãe, sê real para todos”...

"Enquanto outros dissipam seu tempo, meditem, e verão que, na meditação, esse Silêncio falará com vocês. (...) Em toda parte vejo o Espírito Divino manifestando-se sob a forma da Mãe. A água condensada transforma-se em gelo, e assim também o Espírito invisível pode congelar-se em uma forma pela “friagem” de minha devoção. Se vocês pudessem ver os lindos olhos da Mãe que contemplei ontem à noite! Meu coração se enche de alegria eterna. A pequena taça de meu coração não consegue conter a alegria e o amor que contemplei naqueles olhos – fitando-me, às vezes sorrindo. Eu Lhe disse: “Oh, e as pessoas Te consideram irreal!” E a Mãe Divina sorriu. Eu disse: “Tu é que és real, e tudo o mais é irreal!” E a Mãe Divina sorriu de novo. Orei: “Ó Mãe, sê real para todos”. - Yogananda

 

O ESTADO INFANTILOIDE DO SER HUMANO


AS MULHERES SEMPRE VIVERAM AMORDAÇADAS..

"Fala-se tanto em "criança interior", quando o verdadeiro problema está no "patriarca interior", que nos trava o passo e nos impede de olhar para o mundo de outras perspectivas. A expressão "criança interior" soa-me sempre patriarcal, uma forma de rebaixar sobretudo as mulheres, sempre apelidadas de histéricas, lunáticas ou infantis. A criança interior é expressão condescendente na boca do patriarcado em relação à mulher." Isabella Garnecho


O ESTADO INFANTILOIDE DO SER HUMANO, sobretudo o da mulher e a sua projecção na autoridade protectora, seja o Pai seja o Estado, a politica, a policia, os bancos ou a religião.
Vemos como tantas vezes a indignação infantil dos seres humanos perante as injustiças socias são quase sempre o sinal dessa infantilidade em que o ser humano é como uma criança criado como um ser dependente do pai, aqui representado pela Autoridade, policia politica e economia, ou de um deus, padres e papas e que vai providenciar ...os cuidados a cada pessoa tal como o pai e a mãe tratam e cuidam da criança. E é assim que se submetem sem discernimento às suas leis e não percebem que o Estado e os Governos não são protectores mas antes exploradores e abusadores dos cidadãos (homens e mulheres) para beneficio não só próprio como das Instituições dominantes que manipulam os povos e cada individuo através dos Mídea e da educação inclusive, ou da informação em geral a fim de controlar as massas. Passa-se exactamente como nos diz Gemma Pitarch, neste trecho:

"Se você ainda não percebeu que a intenção de saúde não é que você se cure. A intenção dos bancos não é ajudá-lo com seu negócio ou economia. A intenção do governo (não importa qual for) não é proteger-te. A intenção do Papa (igreja) pedindo vacinas gratuitas, não é amparar os desfavorecidos. É que você ainda está muito dormindo. Mas não são os quatro paradigmas, ciência, política, economia e religião o problema deste mundo, é a fé cega que o colectivo humano tem neles o verdadeiro problema. É urgente que curemos as feridas com a função paterna para parar de obedecer a qualquer norma sem questionar ou raciocinar. É urgente que curemos as feridas com a função materna para parar de nos vender por qualquer teta simbólica, representada pela paguita que te dão ou te darão e que te mantém confortavelmente dissociado da realidade. Tal como uma criança não é capaz de ver nada de errado em seus pais e se sente culpada e responsável até pelos piores abusos. O adulto infantil torna-se incapaz de ver os excessos do sistema do qual é dependente e justifica com o seu próprio comportamento e o dos seus congéneres, até os abusos de poder mais infames."
 
 
LUTAR CONTRA O SISTEMA a partir de dentro…

Toda a formatação social e humana dentro do sistema visa a manipular e a condicionar o individuo as regras e leis do mesmo e não há nada dentro do sistema capitalista e patriarcal e global que não seja opressor do individuo nomeadamente da mulher. Querer tomar consciência de si como ser humano independente da MÁSCARA DO SISTEMA, do açougue, do açaime, é fugir a todos os parâmetros que esta sociedade manipuladora e exploradora do ser humano nos oferece como saída ou solução ao sofrimento. Aquelas mulheres que vivem entre estes dois mundo querendo agradar a gregos e troianos, ou servir dois mestres, um mundo velho e um mundo novo, acabarão destruídas e sem centro de irradiação, sem se ligar verdadeiramente ao seu feminino profundo, seguindo o rasto do velho paradigma do masculino como imperativo da sociedade falocrática.

Vivemos, nós mulheres,  há séculos dominadas por um pensamento dominador masculino baseado na Razão, no Poder e na Força e na diminuição da Mulher em todos os sentidos e sob a negação de todos os aspectos da feminilidade, exacerbando e valorizando apenas os aspectos do masculino. Como mulher, se eu quiser encontrar-me a mim mesma e aos meus valores intrínsecos, a primeira coisa que eu tenho de fazer para me libertar é deixar de me basear nesses parâmetros sociais, filosóficos e científicos, sejam eles quais forem, e que me converteram numa cobaia da ciência médica ou uma escrava do sexo, uma parideira (barriga de aluguer) sempre  sujeita ao secular padrão de escravidão que foi "evoluindo" de acordo com os interesses do patriarcado, do comércio e das industrias, fossem do cinema  e da moda ou do que quer que fosse a MASCARA do Sistema para enganar as mulheres com uma falsa liberdade e igualdade.

Não perceber isso e querer fazer uma caminho de mulher totalmente original e por descobrir dentro de cada mulher não é compatível com o Sistema de domínio. Mas porque não podemos sair ou fugir dessas amarras, patrão, família, marido, pai irmãos e filhos,  todo o nosso trabalho interior  tem a ver com a forma como começarmos a PENSAR as coisas, originalmente e através do que SENTIMOS e INTUIMOS. Confiar no que sentimos e na nossa intuição é o primeiro passo para nossa libertação de velhas prisões e perceber que toda a forma de resistência a essa Mulher que surge é o nosso patriarca interior a impedir-nos de ter acesso ao nosso ser telúrico e ctónico, ao nosso elo sagrado com a Terra Mãe e a querer impedir de resgatar essa mulher que dorme em nós há alguns séculos...

rlp

LILITH SIBILA-ME AO OUVIDO...



Caminhamos desde há milénios sob o jugo do Grande Impostor...

"Contar-vos-ia a história do mundo, se a soubesse, falar-vos-ia da humanidade do princípio, caso dela existisse registo, dir-vos-ia os nomes dos deuses perdidos, se os houvesse aprendido. Por isso resta-me falar-vos do vento, das montanhas, dos mares, dos rios e das rochas, de tudo o que há de verdadeiro e de sagrado na Terra da qual somos parte.

Caminhamos desde há milénios sob o jugo do Grande Impostor; foi-nos dito que éramos a causa do mal, o cancro do planeta. Fomos divididos inúmeras vezes de inomináveis maneiras, aceitámos carregar o anti-heróico fardo do medo e da culpa sem questionarmos a sua origem ou propósito. Fomos enganados com promessas de paraíso por um secretariado pseudo-espiritual que actua na base de castigos e recompensas. Fomos escravizados pelo marketing bíblico, agora adaptado pela New Age, que continuamente nos vende a ideia de que o sofrimento é a via para uma suposta evolução, como se “evoluir” fosse um verbo aplicável ao infinito que somos, na eterna elipse do não-tempo, onde o passado e o futuro se unem num perpétuo agora. Naufragámos num mar de conceitos errados e de pura subversão, de torpes parábolas repetidas «ad nauseam» por mestres, padres e xamãs. Mas ainda aqui estamos, diante das rochas, dos rios, dos mares, das montanhas e do vento, diante dos símbolos do princípio do mundo até hoje ignorados.

 “Sou aquela que caminha em todos os que caminham, e todos caminham em mim.” («Bruma numa Chávena»)

 Os engenheiros do pecado demonizaram a alma da Terra, retiraram o poder às matriarcas e marcharem sobre as aldeias. Masculinizaram o Sol para através dele poderem reinar; silenciaram a Lua, que tudo vê lá de cima, para assim semearem a discórdia entre homens e mulheres. Por fim, instaurado o seu império de embustes, perseguiram parte da humanidade que não se deixou corromper pela luz fingida dos templos artificiais, nem intimidar pelos seus próprios reflexos distorcidos no espelho das religiões.
Procurei esta humanidade incorrupta nas páginas de incontáveis livros censurados, procurei-a à margem das leis de Saturno e das suas falsas verdades reveladas; procurei-a em sonhos, na vertigem dos momentos roubados a esse Cronos que nos mantém reféns de crenças e mitos. Procurei-a em mim.

O vento varre agora os cumes preguiçosamente, a erva agita-se indistinta acima do chão negro e húmido. Foi aqui que o mundo começou, na fertilidade dos sentidos que serpenteia pelas fragas nuas em busca de nutrição.

 Trebopala, o riacho da aldeia, Trebaruna, a sua fonte, Ilurbeda, a mina dourada, Munidis, o monte, Broeneia, a chuva, Nabia, o vale suave, Ocrimira, o promontório escarpado, Iccona Loiminna, o astro luminoso, Drusuna, o bosque-templo, Fróvida, o rio selvagem, Lacipaea, o lago... As deusas da Ibéria de outrora nada nos impõem ou prometem, são o espírito da paisagem que habitamos. Anteriores ao tempo do Pai, são fruto do imaginal nascido de uma relação de amor entre essa humanidade esquecida e a Terra-Mãe. São o mais íntegro princípio da horizontalidade que não tolera hierarquias ardilosas de pendor fálico e punitivo. Mas não esperemos delas palavras bonitas, verdades óbvias ou frases de enfático consolo, pois só o logro se deixa nestes termos canalizar; não esperemos delas a salvação, porque só se salva quem primeiro se perde no caminho. Para a Grande Mãe Ctoniana jamais nos perderemos, porque todos os caminhos são o seu corpo. Não existe perdição.

Lilith, um nome maldito, tantas vezes exorcizado, outras tantas elevado à condição de deusa ou rainha, veio sumarizar tudo isto, não enquanto divindade, mas enquanto humanidade, a mais divina forma de manifestação cósmica.

“Sonha o rei um poder que não tem; sonha o camponês uma terra que sempre foi sua.”
(«O Grito da Coruja»)

 Não, não somos o cancro do planeta, somos as suas filhas e filhos há muito iludidos por quem tenta vender-nos o que sempre foi nosso, por aqueles que um dia usurparam o nosso lugar no Cosmos e se apropriaram dos paraísos por nós sonhados. Somos os Pioneiros, invejados pelo deus-parasita que a troco da nossa energia finge salvar-nos do medo, da dor e da injustiça por ele próprio instituídos.

As sombras alongam-se no declinar das horas sobre as landes antigas. Lilith sibila-me ao ouvido segredos em flor, enigmas evolados do brilho das águas que correm soltas na sedução do devir. Escuto agora o clamor das aves que regressam aos ninhos; a memória ecoa num toque demorado, reconheço-a finalmente na curvatura das rochas sob o firmamento que eclode pouco a pouco na noite velha. Fecho os olhos, eis-me de volta ao início dos tempos, quando caminhava descalça pelas charnecas que jamais haviam conhecido o ferro, as exigências do homem, que jamais haviam sido espoliadas. Eis-me de volta ao silêncio gotejante das grutas, à profundidade das furnas onde o céu encontra caminho através dos rios de ar ululantes. A Serpente Telúrica sempre aqui esteve, corpo de terra, alma de gente, guardiã dos tesouros da humanidade indómita.

Constança

quinta-feira, maio 07, 2020

UMA AMNÉSIA COLECTIVA



Busco tudo quanto ficou para lá da História, da Geologia e da Mitologia ditas "oficiais". Desde os textos gnósticos de Nag Hammadi à recente descoberta de uma Civilização Mãe, há toda uma estrada a percorrer. Falar desta civilização chega a ser mais temerário que falar da Atlântida e de Lemúria, é suicídio profissional para qualquer arqueólogo, no entanto eu garanto que muitos arqueólogos desejam este suicídio.

A minha investigação incide na Pré e Proto-História, e não é por acaso que decidi escavar tão fundo. Quero entender o tempo antes de Cronos, quero saber quem somos, que Lua é aquela que nos espreita à noite, que Sol é este que outrora, nos tempos do matriarcado, se vestia de mulher. Reuni muita informação ao longo dos anos e continuo a reunir. A Lua estará ali desde o início da formação da Terra? Tenho mais perguntas do que respostas, o que é bom, porque isto incentiva-me a continuar a caminhar.

Sem Lua não há marés, sem marés não há ventos. Sem Lua não há movimento, não há acção. A Lua cria movimentos na terra, o Sol apenas a sustenta e nutre... e há momentos em que quase chego à resposta. Fico com um sentimento de que fomos roubados em algum momento da nossa falsa História. A História é uma «fake new», uma fake old new. E tudo começou há pelo menos 6000 anos. Mas foi a partir de 3000 a.C. que a situação se agravou, após uma derradeira tentativa de reposição do matriarcado através da Deusa-Mãe dos Olhos Solares, a misteriosa divindade calcolítica das placas de xisto. O patriarcado dominou o mundo desde então, e de muitas formas, inclusivamente através das mulheres. O vírus infiltrou-se progressivamente nas nossas consciências ao ponto de gerar amnésia colectiva. Não sabemos mais quem somos, esquecemos a divindade que nos habita, esquecemos que fomos nós os deuses do princípio, esquecemos tudo quando o Grande Impostor nos subjugou, nos roubou a Lua e se mascarou de Sol. E agora o patriarcado, destruidor do conhecimento, rejeita a existência de uma Civilização Mãe que remontará ao Magdalenense, a uma das últimas fases do Paleolítico Superior, e tenta desacreditar os poucos arqueólogos que a investigam.

Antigamente, na Índia, o Sol era feminino e a lua masculina, por isso ainda hoje as noivas se vestem de vermelho e dourado e os noivos de branco... A Índia parece ter mantido, de alguma forma, essa memória dos tempos indo-europeus em que o Sol era a deusa Sehul e a Lua o deus Mehnot. Os mitos encerram a memória que nos foi amputada. São códigos deixados por nós em épocas remotas para que um dia nos lembrássemos do que nos aconteceu e assim nos libertássemos. A nossa visão oficial da História começa quando as populações se deslocaram de Este para Oeste, mas ignora uma migração maior, anterior, talvez atlante, de Oeste para Este. E foi aqui que começou a minha investigação.

Vinda dos confins do tempo, Lilith guarda segredos que quer transmitir-nos. Oculta, maldita, velada, Ela encontrou meios de seguir viagem connosco, e um deles foi através da Astrologia.

"Em trânsito, a Lua Negra indica-nos alguma forma de castração ou frustração, frequentemente nos assuntos relacionados ao desejo; uma incapacidade da psique; ou uma inibição em geral" (Joëlle de Gravelaine in «Lilith und das Loslassen»).

Sim, Ela tenta recordar-nos tudo o que em nós foi amputado, castrado, inibido, escondido, anestesiado, amnesiado! Perseguida pela Igreja, pelo patriarcado, Ela só pode ser o caminho serpenteante de regresso à nossa essência, à essência que o Pai não quer que descubramos, porque no dia em que nos lembrar-nos de quem realmente somos, o seu poder falocrata e tecnocrata cairá por terra sob os nossos pés. E nesse dia veremos quem pisa a cabeça de quem. O lagarto será novamente deposto pela Serpente Verdadeira.

Constança

 

segunda-feira, maio 04, 2020

MENTIRA OU FICÇÃO



OS MÉDIA E A MANIPULAÇÃO GLOBAL

“O Grupo que Governa o Mundo e que actualmente influencia o vosso planeta é composto por um grupo de famílias, que rondam alguns milhares de pessoas. Governam as indústrias bancárias, dos média, educação e da distribuição de conhecimento por todo o vosso globo, e são uma mão cheia de gente que desafia a vossa liberdade. Estão ligadas pelo pensamento a outras entidades, tal como vós todos estais. A diferença é que essas pessoas têm disso consciência, e maioria de vós não, assim elas usam os seus instrumentos e técnicas para vos ligar às entidades que pretendem alimentar.
(...)
"A tirania suprema numa sociedade não é controlada pela lei marcial. É controlada pela manipulação psicológica, através da qual a realidade é definida de tal forma que as pessoas que nela vivem nem mesmo percebem que são prisioneiras." (...)

Os mistérios e segredos escondidos que as famílias mais importantes do Grupo que Governa o Mundo guardam têm de ser expostos e examinados. Entre a actualidade e 2012, todas as cartas serão postas na mesa, os segredos serão revelados. E esses segredos, pistas para um viver multidimensional, ser-vos-ão revelados para que os possais usar na cura.”

IN CHAVES DAS PLEIADES

BARBARA MARCINIAK, Family of Light, Ed.Bear&Co., 1999