sábado, março 28, 2020

Há um grande silêncio dentro de mim.




EU QUERIA FICAR CALADA

"Tantos querem a projeção. Sem saber como esta limita a vida. Minha pequena projeção fere o meu pudor. Inclusive o que eu queria dizer já não posso mais. O anonimato é suave como um sonho. Eu estou precisando desse sonho. Aliás eu não queria mais escrever. Escrevo agora porque estou precisando de dinheiro. Eu queria ficar calada. Há coisas que nunca escrevi, e morrerei sem tê-las escrito. Essas por dinheiro nenhum.
Há um grande silêncio dentro de mim. E esse silêncio tem sido a fonte de minhas palavras. E do silêncio tem vindo o que é mais precioso que tudo: o próprio silêncio."



Clarice Lispector, in Crónicas no 'Jornal do Brasil (1968)'

sexta-feira, março 27, 2020

Fechem as máquinas de falar...




SILÊNCIO, SILÊNCIO!

 "Fechem as máquinas de falar, desandem os botões da verbosidade, façam má cara aos visitantes, despeçam os oradores oficiais, cancelem o contrato dos conferencistas. Silêncio, silêncio… Escondam o rosto um momento, desçam as cortinas, preguem as janelas, chorem, se quiserem, mas silêncio! Dai tempo a ouvir um anjo que passa, uma cigarra que canta, uma pedra que rola, uma flor que morre. Também isto é sério, também isto é justo, também isto é revelação, e caridade, e inteligência. Dai tempo a vós próprios, que sois vivos e que o podeis saber. E silêncio."


 Agustina Bessa Luis in Embaixada de Calígula

O ESPIRITO LIVRE DA MULHER - É AMOR



A FUNÇÃO PROFÉTICA DA MULHER

"Se a função profética da mulher realizada é de permitir que a Liberdade sopre, tal acontece por via característica essencial do Espirito, que desperta em todos uma liberdade imensa, indestrutível, inaudita que torna tudo possível.

 Por fim quero deixar bem clara e precisa a forma como a autoridade espiritual feminina se reveste , que é a forma de guia, do transmissor, não a do mestre ou do director de consciência. Isto permite explicar a razão pela qual tantas figuras femininas de alto valor permanecem desconhecidas e porque foi debelada a sua palavra inspirada, por homens sombrios ciosos do seu poder.

Nem a profetisa nem a mística, querem tornar-se mestres, mas é seu dever dar testemunho de uma Realidade eterna, de um Amor infinito. Elas são guias e mediadoras. Um guia orienta a caminhada, ilumina o caminho, acompanha o caminhante, e depois apaga-se quando a sua presença deixou de ser indispensável. Um guia não cria dependências; um mestre estabelece, ainda que contra a sua vontade, uma superioridade ou um apego. Um mestre tem forçosamente discípulos, ou pior ainda imitadores e servidores; um guia tem amigos ou fiéis, está com o outro numa relação de liberdade, pode inspirar benevolência e reconhecimento, mas jamais culto de sua pessoa."

CARTA DE UMA DAMA...
Jacqueline Kelen

quinta-feira, março 26, 2020

NÃO VAMOS COMETER O MESMO ERRO

 
 
“Qualquer reparação do nosso mundo fracturado tem de começar com indivíduos que tenham a visão e a coragem de admitir a posse da sombra que lhes pertence. Nada “lá fora” ajudará se o mecanismo de projecção interior da espécie humana estiver fortemente operante.

A tendência para ver a nossa sombra “lá fora” nos vizinhos ou noutra raça ou cultura é o aspecto mais perigoso da psique moderna. Já criou duas devastadoras guerras neste século e ameaça a destruição de tudo que se tem construído de bom no nosso mundo moderno. Todos detestamos a guerra mas colectivamente movemo-nos na direcção dela.

Não são os monstros do mundo que fazem o caos mas a sombra colectiva para a qual cada um de nós contribui e tem contribuído. A segunda guerra mundial deu-nos exemplos sem fim da projecção da sombra.
Uma das mais altamente civilizadas nações do mundo, a Alemanha, tombou no idiotismo de projectar a sua mais virulenta sombra sobre o povo judeu. O mundo nunca dantes vira igual tipo de destruição e no entanto nós ingenuamente pensamos que já ultrapassamos isso. (...)”


In OWNING YOUR OWN SHADOW

Robert A. Johnson

A Terra sente os vossos desejos e sentimentos...




É AQUI NA TERRA


“É aqui na Terra que a vida é construída. Neste sistema solar, a Terra é o lar da vida, o grande laboratório onde a vida é criada. Por favor compreendam o propósito de amar a Terra, pois a resposta dela será a libertação de tudo o que os humanos precisam para se sentirem em casa.

A Imaginem a Terra restituída à sua beleza régia. As Árvores majestosas parecendo varrer o céu imenso e as nuvens elevar-se em picos grandiosos. Os cânticos dos pássaros enchendo o ar, como uma sinfonia a seguir à outra, cada uma orquestrada para o momento. Aprendam a sentir-se vivos e em plenitude. Descubram o significado profunda das vossas vidas, explorando os aspectos que se encontram escondidos no vosso inconsciente. Enviem a raiz do vosso ser, como uma serpente, para os registos atávicos da Terra e tragam de volta à consciência essa Terra deslumbrante e majestosa, como um lugar maravilhosos para todos, pois vocês são os legítimos habitantes desse lugar.

...O ensinamento da Terra está pronto para se revelar a quem se lhe abre e neste momento é urgente que tentem compreender o seu real valor. É preciso redefinir o valor da Terra como vosso lar e se o fizerem ela sentirá isso e começará a transmitir os seus códigos e memória ancestral...

 A Terra sente os vossos desejos e sentimentos. Ela conhece os seres humanos porque é uma entidade viva, biológica....A vitalidade da Terra está à espera de ser descoberta por vocês. Ela pode dar-vos a maior abundância se compreenderam quem Ela é. Pode pensar-se nela como a DEUSA-MÃE - como um aspecto a existência, que os nutre alimenta e embala. Ela é o vosso lar e a vossa mãe, a fonte de onde vieram.”


TERRA - CHAVES PEIADIANAS PARA A BIBLIOTECA VIVA

Barbara Marciniak


A TERRA ESTÁ DOENTE…

"A TERRA está cansada de alimentar homens que se matam uns aos outros, a Terra está cansada de alimentar seres que não podem passar uma hora da sua vida sem emitir um pensamento nefasto. As pequenas criaturas verticais que aí vivem tomam-se por reis da Criação sem mesmo compreender o seu funcionamento. Elas nem sequer se aperceberam que o corpo humano e o seu encéfalo emitem vibrações que são captadas por tudo o que as rodeia.

 A Terra está saturada de absorver as correntes negativas engendradas pelo ser humano e é isso que a perturba na sua vida profunda, é disso que ela sofre. É todo o ódio contido pela raça humana que ela rejeita na sua triste Aura. Se os homens persistirem neste caminho que escolheram até ao momento presente, a luz do planeta tornar-se-à cada dia que passa em maior obscuridade, até à saturação completa. Uma catástrofe final será necessariamente a conclusão de tudo isso. A Terra dará UM SUSPIRO e partirá para novas bases! Isso já aconteceu e corre-se o risco de que volte acontecer muito rapidamente.
(…)
Um corpo doente perde as suas defesas naturais, um organismo enfraquecido abre as suas portas às influências do exterior. Da mesma maneira, um planeta doente dá o flanco a todas as agressões vindas do cosmos. Da mesma forma, se ela estiver na plena posse das suas forças, ela não saberá resistir às influências dos cometas, dos enormes meteoritos, que o seu curso cíclico a faz periodicamente encontrar.
Pela acção dos homens, a Terra do século XX é obrigada a preparar-se para catástrofes de origem cósmica e ao mesmo tempo de origem terrestre.” (…)

in Viagens no Astral de Meurois Givaudan


O PODER DA MÃE



“Para caminhar pela vida protegido contra todo medo, perigo e desastre, só duas coisas são necessárias, duas que andam sempre juntas — a Graça da Mãe Divina e, a par disso, um estado interior composto de fé, sinceridade e entrega.
(...)
Que a sua sinceridade e entrega sejam genuínas e inteiras. Quando se der, dê-se completamente, sem exigência, sem condições, sem reserva, de modo que tudo em si possa pertencer à Mãe Divina e nada seja deixado ao ego ou dado a algum outro poder.

Quanto mais completas forem a sua fé, sinceridade e entrega, tanto mais a graça e a protecção da Mãe Divina estarão consigo. E quando a graça e a protecção da Mãe Divina estão consigo, o que é que pode atingi-lo, ou quem é que deve temer? Mesmo que consiga só um pouco de tudo isto é suficiente para o conduzir através de todas as dificuldades, obstáculos e perigos; rodeado pela Sua presença plena, pode seguir seguramente o seu caminho porque é esse o Seu Caminho, despreocupado de qualquer ameaça, não será afectado por nenhuma hostilidade por mais poderosa que ela seja, seja deste mundo ou de mundos invisíveis. O seu tocar pode mudar dificuldades em oportunidades, fracasso em sucesso e fraqueza em força que não vacila. Porque a graça da Mãe Divina é a sanção do Supremo, e, cedo ou tarde, seu efeito é certo, uma coisa decretada, inevitável e irresistível.
SRI AUROBINDO

AS MÁSCARAS E SUBMÁSCARAS



Ah quantas máscaras e submáscaras,
Usamos nós no rosto de alma, e quando,
Por jogo apenas, ela tira a máscara,
Sabe que a última tirou enfim?
De máscaras não sabe a vera máscara,...
E lá de dentro fica mascarada.
Que consciência seja que se afirme.
O aceite uso de afirmar-se a ensona.
Como criança que ante o espelho teme,
As nossas almas, crianças, distraídas,
Julgam ver outras nas caretas vistas
E um mundo inteiro na esquecida causa;
E quando um pensamento desmascara,
Desmascarar não vai desmascarado.


FERNANDO PESSOA (1888-1935)
Tradução: Jorge de Sena.


Não Sou Mestre de Ninguém

" Não Sou Mestre de Ninguém. Ninguém é discípulo meu. Sou como a Flecha na encruzilhada, cuja missão é apontar o caminho certo. E depois ser Abandonada...
Se o viajante parar diante de mim, contemplando a minha forma de cores, se, em vez de demandar a invisível longinquidade, se enamorar da minha visível propinquidade, não compreender a minha mensagem, que aponta para alem de mim, rumo ao infinito...
 

Ai de MIM, SE FOR O ESPELHO, perante o qual os homens parem para se contemplarem a si mesmos, em mortífero narcisismo! Feliz de mim se for janela aberta, que permita visão de horizontes longínquos, passagem fraca para o infinito!
Não sou Mestre de ninguém, ninguém é discípulo meu!
Indico a todos os mestre invisível, que habita na alma de cada um e para além de todos os mundos. Sinto-me feliz, quando o viajante, orientado pela legenda da minha seta, me abandona e vai em demanda da indigitada meta em espontânea liberdade, rumo à longínqua felicidade...."


Do Livro: A Voz do Silencio de Huberto Rohden

terça-feira, março 24, 2020

A CEGA CENSURA NO FACEBOOK

O QUE DIZ O FACEBOOK a uma mensagem que tentei enviar: "Não foi possível enviar a tua mensagem porque esta inclui conteúdo que outras pessoas no Facebook denunciaram como abusivo."
O mente pidesca de pessoas medíocres e ressabiadas está  vir a tona como o Virus…

A CENSURA CEGA E PIDESCA OBEDECE A DENUNCIA DE GENTE RASTEIRA E SEM QUALQUER NIVEL HUMANO:

As infrações de administradores colocaram o teu grupo em risco Os administradores do teu grupo publicaram ou aprovaram conteúdos que desrespeitam os nossos Padrões da Comunidade. Se isto continuar a acontecer, o teu grupo pode ser desativado.
  • A tua publicação foi removida pelo Facebook por desrespeitar os Padrões da Comunidade.
    Administrador · Hoje

 

A CAPA DO MEU LIVRO TEM SIDO SUCESSIVA E ALEATORIAMENTE CENSURADA NO FACEBOOK

Peço as amigas que leiam este poste que partilhem esta foto no seu perfil no facebook com o aviso de que fui bloqueada apenas por uma pintura que nada tem de ofensivo e é considerada uma obra de arte…
rlp  
 


à SALVAÇÃO ESTÁ NO NOSSO CORAÇÃO



O ELETROMAGNETISMO DO CORAÇÃO


"O coração é o primeiro órgão formado no útero. Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é ...mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo. Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurónios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral.


O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinal eletromagnético que se irradia para além da célula. Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de frequência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele!

A freqüência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração estende-se desde o solo pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo.

O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma freqüência. A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficas. Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anel universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de freqüência de um único anel.

Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos aceder a todas as informações dentro dele a qualquer momento. Quando ficamos quietos para aceder ao que temos nos nossos corações, estamos literalmente conectados à fonte ilimitada de Sabedoria do Universo, de uma forma que percebemos como “milagres” entrando nas nossas vidas."

Rebecca Cherry

O SENTIR DAS LEITORAS


O LIVRO: LILITH A MULHER PRIMORDIAL

"Lilith representa na minha vida o fim de um ciclo, o término do caminho onde eu finalmente uni os pontos. Sempre soube que havia algo que me escapava, um sentido que eu apenas aflorava mas não adentrava, talvez por não estar ainda preparada para abrir a arca dos meus fantasmas de vidas inteiras. Abri-la sem preparação seria ficar sob o comando da revolta e do ódio, uma vez mais, mas abri-la neste momento do meu processo foi conquistar o domínio sobre esse ódio e essa revolta que em tempos me conduziram ao abismo da negação. Eu que nunca tive ajuda para absolutamente nada, de repente, ao ler Lilith, senti que alguém tinha caminhado por mim, senti que estava a ser-me dada a chave da minha própria obra alquimica. Esta noite sonhei com a Lilith, na forma do livro, e quem o segurava era o meu pai. Para mim, esta metáfora simboliza o meu triunfo sobre o arquétipo paterno, finalmente subjugado pelo poder da palavra e da compreensão. Senti que finalmente eu tinha conseguido fazer passar a minha mensagem, não ao meu pai biológico, que esse é mera representação física de um aspecto arcaico, mas ao meu pai psicológico, aquele que vive nas minhas falsas crenças moldadas ao longo de milénios por uma história patriarcal. A minha relação com este livro é muito pessoal, nem sei se outros terão lido o mesmo livro que eu. Bem sabemos que nada é igual, que ninguém recebe a mensagem da mesma maneira, mas o que quero dizer vai para além disso. Esta obra faz parte da minha memória antiga, ainda que só agora tenha sido publicado, este livro já existia de algum modo no meu sentir. É como no meu sonho dos livros que nunca foram escritos mas que já existiam há muito. Duvido da consistência disto a que chamamos realidade, para mim a vida é só um recordar de algo mais antigo. Lilith sempre esteve presente de muitas formas, ela é intemporal, o seu mito é futurista, ourobórico, o que foi, assim voltará a ser. A libertação é já uma realidade porque nunca deixou de ser uma possibilidade. Eu acredito num mundo matriarcal que escapa aos sentidos físicos, e é para ele que nos movemos. O patriarcado dilui-se para todos os que quiserem partir para um mundo novo.

Completando o que disse no meu comentário sobre livro, aquela ansiedade que eu vivi nas semanas pré covid e aquela sensação de poder vir a perder o acesso ao livro, eram muitas vezes questionadas pelo meu lado racional que me dizia "como podes estar a reagir assim a um livro que não conheces? Sabes lá se vais gostar, já leste tantos na tua vida, este é só mais um!", mas o meu lado intuitivo respondia com sintomas físicos, o coração acelerava cada vez que na livraria me respondiam que ainda não tinham chegado os livros da zefiro, ou quando vi a livraria de portas fechadas! Havia uma ampulheta no meu espírito que contava cada grão de tempo que me escapava. E quando finalmente tive o livro nas mãos e o li, reconheci o seu conteúdo, era como se já o tivesse lido e precisasse com urgência de o recordar antes que o cerco se fechasse. Não é fácil explicar isto, mas eu não vejo o tempo de uma forma linear (só mesmo fora de uma universidade me atreveria a dizer isto!). Só houve até hoje um outro livro com o qual tive também uma relação estranha. Certo dia vi umas imagens de um filme que estava a dar na televisão e fiquei como que hipnotizada, mas não consegui ver até ao fim e nem saber o título do filme, porque tive de ir apanhar o autocarro para a escola. Tinha eu 16 anos. Mas saí de casa com urgência em ler Os Miseráveis de Victor Hugo, sabendo eu quase nada a respeito desta obra. Quando li o livro uns meses mais tarde, reconheci as cenas do filme, e só anos depois reencontrei o filme e soube que se tratava de facto de Os Miseráveis. Podemos assumir que neste caso eu já teria lido esta obra numa vida anterior, mas como explicar o que senti com Lilith senão através dos mundos quânticos? Ou toda a nossa vida não será mais do que um recordar? Escrevi certa vez "passado, presente e futuro caminham de mãos dadas na curva da roda".

 PS Peço desculpa por usar uma linguagem tão subjectiva, mas não consigo ser objectiva quando falo de um sentimento para o qual o patriarcado nunca criou qualquer termo ou definição."

Texto de Isabella  Garnecho









 

A NOSSA HUMANIDADE


Após enormes problemas para a humanidade,
Um maior se prepara.
O grande motor os séculos renova:
Chuva, sangue, leite, fome, ferro (armas)
E peste,...

Visto fogo no céu, uma longa faísca correndo.


NOSTRADAMUS

QUE LAS HAY LAS HAY

 VOZES LUCIDAS…


EU QUERO QUE VOCÊS ENTREM EM PÂNICO!

"A frase não é minha. Lembram-se? foi uma menina sueca que a pronunciou. Muita gente aplaudiu: uau, tanta gente disposta a entrar em pânico, pensei na altura, para com os atacadores dos meus sapatos (botões, já se sabe, nunca usei).

E sim, entrei em pânico! não com o que a menina disse mas por ter...como direi isto? por ter...talvez por ter captado o desejo de pânico de tanta gente que julgava lúcida. Mas tenho saudades desse tempo (foi ontem, parece que foi há anos). E vou explicar-vos por quê!

Nunca vi o pânico como um ''estado ideal a atingir''. O pânico não salva ninguém! é irracional, implica o ''estouro da manada'' que mata mais do que salva.

Bom, a menina passou de moda. Temos uma nova estrela no palco, chamaram-lhe COVID-19. Sim, mata muita gente. E infecta muito mais. Como - e nisso a menina tinha razão - os desastres ambientais. Eles também mataram e matam muita gente. E infectaram e infectam muito mais.

Só que agora -oops, sorry Greta, já não serves. Tu prometias o apocalipse dentro de 11 anos. Não tinhas pressa. O COVID-19 (que sim, infecta e mata) é mais eficaz. E coloca o cenário da extinção mais próximo.

Mas - mais importante que o cenário da extinção em massa - torna mais urgente ''um novo paradigma económico''. Não será tão novo assim, receio. Seguirá mais ou menos os passos da grande revolução económica pós crise de 2008. Com algumas inovações, algumas de monta, parece-me.

Por exemplo, por sugestão de alguns gatos gordos de Wall Street - devidamente secundados em Washington, Londres e Berlim - as notas (o dinheiro de papel) são perigosas. Vamos converter isso em dígitos informáticos? boa!!! esses não transmitem vírus marados. Podem ser atacados por vírus informáticos, claro, mas estaremos todos livres de morrer por falta de um mísero ventilador! que sorte a nossa hein?

Claro, isto implica um enorme investimento! mas é para nosso bem, os senhores do mundo não querem que a gente apanhe vírus com notas bancárias!

Então permito-me expor este cenário hipotético: numa certa sexta feira que ainda não saberás ser negra, vais à caixa do multibanco e a máquina diz-te, com aquela cara triste que faz quando te manda pró caralho, que até à segunda feira seguinte não pode atender o teu pedido.

Ficas fodid@, claro. Mas vais tentar noutra caixa multibanco que te diz o mesmo. E noutra. E nas que quiseres, Passado da carola vais pra casa e pensas: ''oh que se lixe, na próxima segunda feira levanto o dinehiro e entretanto -como sou cidadão fiável - lá no café vão entender. Na padaria também.

Na segunda feira seguinte, voltas ao multibanco e ele diz-te que não há notas bancárias pra ninguém. Doravante pagas com o cartão. Mas a tua conta bancária mantém os mesmos dígitos, confirmas tu ao pedir o saldo. Menos mal -pensas tu - não te gamaram.

Não te dizem - é claro - que mantens a quantia mas a quantia não tem o mesmo valor. Isso só vais descobrir da forma que descobriste quando percebeste que com o mesmo dinheiro (fazendo a conversão directa entre escudos e euros) estás a pagar o dobro do que pagavas antes, pelas mesmas merdas.

Ficas revoltado, é claro: apetece-te assaltar até a Assembleia da Republica (impulso certamente idiota, já nada se decide aí) mas entretanto declara-se uma segunda vaga, ainda mais perigosa do que a primeira, de coronavírus. Lei marcial: quem sair de casa arrisca-se a ser abatido a tiro.

Isto é bizarro? é! mas olha que já aconteceu; foi baptizado com o nome de Corralito e ocorreu na Argentina em 2001: numa sexta feira os argentinos tinham X pesos na sua conta bancária, na segunda feira seguinte tinham o mesmo número de pesos, mas a valerem menos de metade.

E nessa altura os argentinos estrebucharam (nunca tanto como deviam) mas o regime resolveu isso na boa e até sem precisar (excepto em casos pontuais) de nenhuma lei marcial.

Agora é contigo...fica em casa por estes dias, sim. Mas pensa bem no que farás se um dia isto acontecer. Mesmo que não acredites em bruxas fica sabendo: que las hay, hay!

(ninguém vai contestar que Greta desapareceu do mapa - como previ há poucos meses - pois não? era o que faltava.

Fica este conselho de ''macaco velho'' da próxima vez que os media de massas ''cantem em coro'' sobre algo ou alguém, seja Greta seja o corona, desconfiem. Só pode vir aí tragédia. E se for grega, nem é das piores, a anglo-saxónica +e mais devastadora)"

 Obrigada Antonio Gil

A CENSURA FACEBOOKIANA EM NOME DA FALSA "MORALIDADE"




PARA ONDE ESTAMOS A CAMINHAR?

HÁ MUITOS, MUITOS, ANOS QUE NÃO SENTIA NA PELE A ESPADA DA CENSURA…

No  principio achei esquisito, caricato, talvez até risível o FACEBOOK censurar textos e imagens de Arte e de Cultura. Sou  contra o Nu abusivo e gratuito da Mulher e sempre escrevi e lutei contra a publicidade abusiva e a pornografia e agora ironia sou acusada e censurada por ter publicado uma Foto "imprópria" de uma amiga com o meu livro nas mãos…??

Sim, a capa do livro Lilith, a Mulher Primordial,  é a de um quadro famoso e belíssimo de Lilith pintado em 1887 por Jonh Collier um pintor romântico, sobejamente conhecido.

Acontece que a editora do meu livro fez a escolha do quadro  e quanto a mim perfeita para a sua capa mas desde a sua publicação em várias situações que o facebook censurou não só a capa como neste caso fotografias em que aparece a capa do livro. Sim, o ridículo de se censurar até pessoas com o livro nas mãos, e por fim HOJE censurou não só o meu perfil como  todas as paginas e o grupo  que eu coordeno sem apelo nem agravo.

Mas isso hoje não é o importante.

O que eu queria escrever HOJE é o CHOQUE de voltar a SENTIR  aquilo que vivi nos anos 60 em Portugal, a CENSURA PIDESCA de Salazar e a impossibilidade de se falar e comunicar o que quer que fosse por escrito e as pessoas serem condenadas a prisão e à perseguição policial e a serem presas e torturadas…
Essa foi a sensação hoje ao ver que do nada tinha sido impossibilitada de escrever o que penso e dizer o que sinto.
O que é grave não é a penas a IGNORÂNCIA dos controladores do Sistema facebookiano, assim como de textos que nada tem a ver com moral ou costumes… eles facultam e divulgam paginas abusivas de toda a espécie de perfis falsos e gente abominável, mal formada e tendenciosa mas que não vão contra as suas  regras? Ou seja... pedófilos, machistas, narcisistas ou sado-masoquistas - o Facebook está cheio de gente ignorante e má, estupida e mesquinha como o são as pessoas de baixo grau de cultura e fundamentalistas, sem qualquer civismo e educação ou humanismo.
Inicialmente pensei que fossem só denuncias mal intencionadas feitas por gente rancorosa e má. Mas hoje verifico que o  facebook não tem qualquer critério verdadeiramente deontológico e a censura ou escrutínio é feito por gente sem qualquer nível cultural, imatura e preconceituosa.
O que me revolta e assusta, para além da injustiça e aleatório desta censura, é ELA voltar aos nossos dias e ver a censura imperar de novo e  face ao caos que se adivinha (em nome do COVI-19)  não me admira nada que ela volte com toda a força e depois o resto dá para adivinhar…

PARA ONDE ESTAMOS A IR???

rlp

O FACEBOOK CENSURA O MEU LIVRO

Não podes publicar nem comentar durante 3 dias

Isto aconteceu porque publicaste anteriormente algo que desrespeitava os nossos Padrões da Comunidade.
Esta publicação desrespeita as nossas normas sobre nudez ou atividade sexual, por isso mais ninguém a pode ver.

Bom dia Rosa 📷
Espero que esteja bem e que ontem tenha sido um dia auspicioso 📷

Vou enviar a foto a frase, são duas:
"A ferida da Mulher é a ferida da Alma do Mundo."...
E eu juntaria outra frase sua
"Lilith é a Mulher do inicio e da origem e, pouco ou nada sabemos ao certo dela."


E nas minhas palavras ao juntar estás duas frases, pegando no fim da outra frase," e pouco ou nada, sabemos ao certo dela,"

É indicação do caminho como se o seu chamamento dissesse: vem criar o início.
Ver mais
Esta é a imagem que NÃO RESPEITA A MORAL DO FACEBOOK. o Facebook CENSURA qualquer texto ou imagem DENUNCIADA sem qualquer critério se é literatura ou Arte. Neste caso trata-se de um quadro célebre de Lilith…
Uma coisa é publicar mulheres nuas, outra coisa é a capa de um livro que é publico. E que se quer publicitar!! Não tem nada de censurávela não ser que a PIDE tenha voltado a mente das pessoas!
rlp

sábado, março 21, 2020

O PODER DO SILÊNCIO


O oposto da morte é o nascimento. A vida é eterna.

Se prestar mais atenção, vai descobrir que o tronco de árvore em decomposição e as folhas apodrecendo não só dão origem a nova vida, como estão cheios de vida. ...Há microorganismos em ação. As moléculas estão se reorganizando. Portanto não há morte em parte alguma da floresta. Há apenas a transformação da vida. O que pode aprender com isso? Aprende que a morte não é contrário da vida. A vida não tem oposto. O oposto da morte é o nascimento. A vida é eterna.

A cultura ocidental ainda nega amplamente a morte. Quando se nega a morte, a vida perde a profundidade. A possibilidade de saber quem somos para além do nome e da forma física – a nossa dimensão transcendental – desaparece, pois a morte é a abertura para essa dimensão. Sempre que uma experiência termina, a “forma” que essa experiência tinha na sua consciência desaparece. Muitas vezes isso faz com que você sinta um vazio do qual a maioria das pessoas tenta fugir.

Se você aprender a aceitar e até acolher os pequenos e grandes fins que acontecem em sua vida, pode descobrir que o sentimento de vazio que a princípio causou tanto desconforto se transforma num espaço interno profundamente cheio de PAZ.

Eckhart Tolle (O Poder do Silêncio)

Quando vier a Primavera,



Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.
Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma
Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.
Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.


Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando

¿Y cómo lo podemos hacer?




Drunvalo Melchizedek:

"Los rápidos cambios que ocurran en la conciencia humana eventualmente superarán la idea de la guerra como medio para lograr la paz. La paz verdadera puede ser alcanzada sólo desde el interior, y esta verdad pronto será una parte de la perspectiva mundial de los miles de millones que viven en este planeta. Pero no requiere el entendimiento previo de que todos estos miles de millones cambiemos nuestra conciencia. Sólo se necesitan unos pocos. Ustedes saben quiénes son. Son los que están leyendo esto.

Antes de que ustedes viniesen a la Tierra, sabían que esto no iba a ser fácil. Sabían que el futuro tenía que ser cambiado. Sabían que tenían que cambiar las imágenes de la guerra y el dolor por imágenes de amor y compasión. Y estamos haciendo eso exactamente. También sabían que lo que ocurriese aquí tendría un efecto en toda la Creación.

Este no es el tiempo para rendirse. No es el tiempo para entrar en debilidad, oscuridad y miedo. En estos tiempos finales, podremos ver cada posible fuerza oscura reclamando nuestra atención, tratando de hacer que nos enfoquemos en el miedo. Tratando de hacer que nos volvamos una parte del miedo.

Es un tiempo para volverse más fuerte que nunca. Es un tiempo para hacer conexión directa con la Madre Tierra y con nuestro universo Creador. Es un tiempo para convertirse en una clase distinta de guerrero, un guerrero que marcha por los corazones de la humanidad, por lo que es correcto. Por los niños y nuestro futuro.

¿Y cómo lo podemos hacer?

Entrando simplemente en nuestros corazones y usando el asombroso poder que reside ahí. Pensamos: "Soy débil, sólo soy una persona." Pero sólo somos débiles si creemos y sentimos en la forma que los que buscan la guerra quieren que pensemos y sintamos. Si nos unimos en nuestros corazones, todas las cosas son posibles.

El poder de la intención y la imaginación humanas, centradas desde adentro del corazón y no sólo de la mente, es el poder de crear la paz en la Tierra. Cuando creamos imágenes de paz dentro de nuestros corazones, alteramos la vibración de todos los corazones. Porque todos los corazones están enlazados. Nosotros creamos un Sueño Unificador que eventualmente alcanzará al inconsciente colectivo, haciendo posible que el La paz y el amor vuelvan a tomar posesión de ese mundo. Este Sueño Unificador nacerá en el Corazón Uno de la humanidad. Este Sueño Unificador tiene un poder más poderoso que el mando de cualquier dictador. Es un sueño que dará vuelta la marea de la tiranía y cambiará el mundo exterior sin que nadie apunte siquiera un solo rifle.

Ustedes tienen ese poder en su interior, en su corazón. Hay un Espacio Sagrado en su corazón que tiene la capacidad de alterar al mundo externo por completo. Sólo necesita que ustedes se vuelvan intrépidos y entren en su propio corazón con esperanza y cuidados. Nuestros mayores deseos residen en el corazón y las formas y medios para manifestarlos en este mundo también están ahí. Ese poder ha estado en su corazón desde antes de la Creación de este Universo.
No se necesita que sean expertos en meditación o tengan un conocimiento especial para crear desde adentro de su corazón. Sólo se necesita que amen y deseen que haya una nueva forma en la Tierra. En ese Espacio Sagrado, un niño puede mover montañas. En ese Espacio Sagrado, hasta un bebé en su cuna puede cambiar el curso de la historia.

Así que mi mensaje para ustedes es: No se dejen abrumar por el noticiero de la noche y los miedos que trae. Necesitamos saber acerca del Lado Oscuro sólo lo suficiente como para comprender cuán necesarios somos. Sólo lo suficiente como para comprender que debemos tomarnos el tiempo para crear nuestro propio sueño de Luz. Crean en sí mismos. Sepan de su relación directa con el universo.

A todos los que me preguntaron, "¿Qué puedo hacer en estos tiempos?", ésta es mi respuesta. Hay una sola cosa por hacer. Nuestra única tarea es entrar en el Espacio Sagrado del corazón, unirnos con todos los otros que están allí y soñar un nuevo sueño. Entonces el nuevo sueño se volverá realidad en la Tierra.

Gracias por preocuparse tanto por la vida. Gracias a ustedes, la Tierra está destinada a ser libre, y el Universo los aplaudirá mientras entran en los mundos superiores de Vida habiendo llevado a cabo su propósito sagrado en la Tierra.

Gracias, Queridos, por estar vivos en la Tierra. Los amo y honro."

En Amor y Servicio 🙏
Drunvalo Melchizedek

sexta-feira, março 20, 2020

Não precisamos de ser freiras...

FICAR EM CASA E ISOLADA

Dez conselhos de uma monja de clausura para viver na “cela” de casa

 Sabem de confinamento e reclusão mais do que ninguém: as carmelitas descalças de Cádiz oferecem os seus conselhos baseados na sua experiência de vida aos que, agora, se veem obrigados a ficar em casa.

1. Atitude de liberdade

O mais importante é a atitude com que se vive, a interpretação pessoal que se faz da situação, a consciência de que não se trata de uma derrota. Paradoxalmente, esta pode ser uma oportunidade para descobrir a maior e mais genuína liberdade: a liberdade interior que ninguém pode tirar, e que procede da própria pessoa. Num contexto em que as autoridades “obrigam” a estar em casa, a liberdade consiste na adesão voluntária, sabendo que é por um bem superior. É livre aquele que tem a capacidade de assumir a situação porque quer fazer o correto. Não se está encerrado em casa, antes, optou-se por nela permanecer “livremente”.

2. Paz onde a alma se amplia

Olhe para dentro de si próprio, o espaço mais amplo para a pessoa se expandir e ser feliz está no seu coração. Não são necessários espaços exteriores, mas andar folgadamente no próprio mundo. Dê asas à criatividade, escute as suas próprias inspirações, e encontre a beleza de que é capaz. Talvez ainda não tenha descoberto que da paz da alma brota vida… a vida é criação de mais vida, comunicação de alegria e amor. Quando se acostumar a viver em si, já não quererá sair.

3. Não se descuide, a paz requer trabalho

Exercite virtudes que requerem concentração e autoconhecimento, essas que normalmente se descuidam quando se está ocupado nos mil e um afazeres “externos”. De como se encara as próprias emoções e pensamentos, da gestão dos sentidos e paixões, depende se se vive no céu ou no inferno. Observe-se e domine-se, porque se se deixar levar pelo medo, pela tristeza ou pela apatia, dificilmente se sairá delas, já que não há muitas evasões. Exerça disciplina sobre o seu coração: quando algum pensamento não lhe fizer bem, rejeite-o. Procure inclinar-se para tudo aquilo que note que lhe dá paz e alegria... a harmonia tem de trabalhar-se.

4. Ame

A questão de fogo destes dias será a convivência. Perante a crise causada pela pandemia as pessoas ficam mais suscetíveis e, inclusive, irritáveis. É preciso ser-se muito paciente e usar muito o senso comum. Somos diferentes, cada qual tem uma sensibilidade distinta por múltiplas circunstâncias. Aceite e respeite as opiniões e sentimentos dos outros. É muito normal, quando se está em casa, a tendência para querer controlar tudo… Procure não o fazer, seria causa de muitos conflitos e frustrações. Não dê importância às diferenças, potencie as coisas que unem. O único terreno que realmente lhe pertence é a sua própria pessoa: os seus pensamentos, palavras e emoções; não controle, controle-se. A partir do amor extrairá compreensão e empatia, vontade de dar e agradecimento ao receber. Respeite, acolha a fragilidade, desdramatize, viva e deixe viver.

5. Não mate o tempo

Nada poderá criar-lhe uma sensação tão grande de vazio e fastio como passar o tempo inutilmente. É um inimigo gravíssimo que lhe poderá roubar a paz, e até colocá-la em depressão. Faça um plano para estes dias, e tente vivê-lo com disciplina. Descanso e ocupação não são antagónicos, aproveite para descansar realizando atividades que a relaxem ou que estimulem um ânimo positivo. Dê tempo nas coisas simples: que o grão-de-bico se torne tenro, que o assado demore a ficar cozinhado… temos tempo! Mesmo que um guisado lhe leve duas horas, desfrute de o fazer, e empenhe-se em que as coisas que faz, por simples que sejam, tenham valor e uma finalidade. Nada de perder tempo sem sentido, “matar o tempo” é matar a vida.

6. Alargue as suas fronteiras

Quantas vezes se deixou de fazer o que se devia por falta de tempo. Pois bem, agora temo-lo! Esse livro que lhe ofereceram há três anos e que não leu, aquele que ainda não devolveu porque ficou pela metade. Se gosta de música, procure novos artistas, descubra novos géneros. Apetece-lhe uma viagem? Pense num país exótico e aprenda sobre a sua cultura e tradições… temos internet também para isso. Se é pessoa de fé e oração, talvez não saiba o que rezar porque já esgotou tudo o que sabia. Por que não experimenta a liturgia das horas? Descarregue-a no seu telemóvel; procure os escritos de algum santo, seguramente vai encontrar muitas coisas que lhe encherão a alma de novas luzes. Não se conforme com o que conhece e sabe… agora que há oportunidade, abra-se a novidades que lhe acrescentem sabedoria e a encham de alegria.

7. Para as mais sensíveis

Nem todos dominam as emoções de igual maneira. Haverá pessoas para quem, pela sua psicologia, lhes custará muito mais este confinamento do que a outras. As emoções não só provêm do interior; também aquilo que se vê, escuta, toca, etc. influencia. Por isso, é preciso ser-se seletivo com aquilo que se recebe do exterior, para evitar entrar em círculos viciosos que envolvam em desespero ou façam perder o controlo. Evite-se, na medida do possível: conversas pessimistas, discussões, más caras, excesso de informação, filmes de terror ou intriga, desordem dentro de casa. Como não há muitas evasões que façam mudar de “chip”, tudo o que entra no cérebro nele permanecerá mais tempo do que o habitual; por isso, é preciso ter cuidado para não se ficar obcecado, ou permitir aninhar uma emotividade negativa no interior. O excesso de ecrãs também é mau porque estimula em demasia e o cérebro, e provoca mais nervosismo. Há que dormir bem, mas em excesso pode causar a sensação de fracasso ou derrota. Um remédio muito bom para canalizar a energia e relaxar é dançar. Ponha boa música e divirta-se a dançar. Nada como rir e divertir-se para reiniciar o sistema interior.

8. Não está isolada

É importante compreender que não há motivo para se sentir só, pois não se está. O amor e o carinho dos teus continua, mesmo que o contacto físico se tenha distanciado. Esta é uma oportunidade para viver a comunicação a um nível mais profundo, mais íntimo. Fale com quem está em casa com tranquilidade, sem pressas, escute-os até que terminem, deixe que o diálogo faça crescer a confiança e as confidências construam cumplicidade. Diga aquilo que nunca tem tempo de dizer, conte o que sempre quis contar, fale de tudo e de nada, mas com carinho, que é o que chega à alma e nela se aninha. Responda àquela mensagem de Natal que não agradeceu, a carta que a emocionou e à qual estava a preparar uma resposta, àquele “e-mail” de uma velha amizade. Procure palavras com beleza, tente dar expressão aos seus sentimentos mais nobres… Fale com o coração e crie laços muito mais profundos com os seus. Descobrirá que a distância não é ausência.

9. Dia de reflexão
Para não se angustiar, também é conveniente procurar momentos de silêncio e solidão. Na organização do tempo para estes dias, inclua espaços de “oxigenação” individual. Quantas pessoas já alguma vez disseram: «Como gostaria de me retirar alguns dias para um mosteiro». Pois bem, a ocasião está aqui, em casa. Habitualmente as pessoas cansam-se por causa da aceleração das suas horas, como se a rotina diária não desse tempo para assimilar o que se vive. Esperamos mudanças substanciais na sociedade, «isto não pode continuar assim». Agora temos esta oportunidade para nos metermos num casulo como a lagarta que se converte em borboleta. Reflita, pense, medite… Que posso mudar em mim para ser melhor depois destes dias?... A separação das coisas que normalmente temos entre mãos ajudará a ver se realmente se está a pôr o acento naquelas que importam, em vez daquelas que podem ser secundarizadas, quais são as insubstituíveis, etc. Um bom discernimento para melhorar fará com que estes dias sejam de muito proveito. Homens e mulheres novos depois desta crise.

10. Reze

Só a oração (que é o vínculo de amizade com Deus) pode sustentar a vida em todas as situações, especialmente nas adversas. Oração, que como diria Santa Teresa, «ainda que a diga à sobremesa, é o principal». Orar é abrir-se a esse “Outro” que pode sustentar-nos quando se precisa de ajuda; mas também quando se está bem, orar é sustentar outros que precisam. É a experiência mais universal do amor. Ore, fale com Deus, as horasa passarão sem que se dê conta: fale-lhe de tudo, Ele não se cansa de a escutar, desafogue-se com Ele quando necessitar, e, porque não?, deixe que também Ele se desafogue consigo, é o seu Pai, seu Irmão, seu Amigo. Exercite a sua fé e a sua confiança. Se deixou a relação com Deus no vestido da sua primeira comunhão, volte a experimentá-lo, agora há tempo e serenidade para conversar com Ele. Talvez não acredite porque nunca o experimentou. E se tentar?...
In Carmelitas Descalças de Cádiz

quarta-feira, março 18, 2020

Carta do COVID19 para a Humanidade (LEGENDADO PT-BR)


O HOLOCAUSTO DAS MULHERES


MULHERES LEMBREM-SE... porque esses tempos obscuros estão de volta. Seja nos meios sociais seja nas redes sociais seja na televisão - publicidade e filmes e séries - e em todo o lado… É preciso mesmo estar alerta com o que se passa na rua e onde vamos...
(…)
“Algures nas nossas almas, rememoramos o tempo das fogueiras, em que as mulheres eram perseguidas e queimadas vivas como feiticeiras. Aconteceu em três séculos de Inquisição. Quando nos referimos, nos nossos tempos, ao “holocausto das mulheres”, sabemos que houve m...ais mulheres queimadas numa estaca do que assassinadas com gás nos fornos nazis do holocausto da Segunda Guerra Mundial.

 Primeiro, queimavam-se vivas as parteiras por abrandarem as dores do parto (que iam contra o preceito bíblico de que as mulheres deviam sofrer), depois, as curandeiras que sabiam usar as ervas medicinalmente, as mulheres que comemoravam a chegada das estações, as mulheres excêntricas, as mulheres com posses que alguém cobiçava, as mulheres que falavam sem medo, as mulheres inteligentes, as mulheres desprotegidas.
Essa memória colectiva tem um efeito igual ao de um trauma pessoal reprimido: torna as mulheres ansiosas quando descobrem as suas experiências sagradas e acham as palavras para as designar.
Precisamos de coragem para contar o que sabemos.
Algures nas nossas almas, lembramos uma época em que a divindade era chamada Deusa e Mãe. Quando nos transformamos em iniciadas nos mistérios femininos, então passamos a saber que somos portadoras de um cálice sagrado, que o Graal se manifesta em nós.

IN TRAVESSIA PARA AVALON
De Jean Shinoda Bolen

Abrir os olhos e o coração é preciso!


ESTE POSTE E ESTA IMAGEM FORAM CENSURADOS HOJE PELO FACEBOOK - COMO ATENTADO A SUA MORALIDADE…OU A SUA CEGUEIRA?

Ou o Facebook está a marcar as pessoas "suspeitas " (por qualquer razão) ou a censurar toda qualquer coisa sem sentido. Já ontem tinha acontecido o mesmo mas não me impediram de ter acesso ao meu perfil, coisa que hoje aconteceu do nada como veem…
Enfim, há males que vem por bem… talvez seja altura de sair de um lugar perfeitamente contaminado pela imbecilidade e o ódio… um lugar onde  as pessoas são de facto VIRULENTAS  vingativas e más… salvo raras excepções obviamente.


AVISO A AMiG@S:


Não sou consensual nem vejo as coisas num único prisma. Posso parecer contraditória e paradoxal, mas não o sou por escolha, é a própria vida sempre dual que assim é e nos obriga a ver tudo dos mais diferentes ângulos! Não podemos confiar nas ideias feitas nem nas construções mentais de mundos idealizados, inventar finais felizes nem catastróficos...

Com o nosso idealismo e "boa vontade" estamos sempre a alienarmo-nos da realidade. E hoje mais do que nunca é preciso olhar SEM MEDO a nossa realidade.

Não ando aqui a pregar nem a convencer ninguém de nada. Apenas expresso o que sinto e acredito no momento e vou mudando de opinião conforme as coisas se me apresentam, tendo em conta que tudo está sempre a mudar...

Abrir os olhos e o coração é preciso!

rlp

segunda-feira, março 16, 2020

VAMOS DE MAL A PIOR...


SÓ A DEUSA MÃE NOS PODE SALVAR…

"Não existe nenhuma outra maneira de reviver o culto do Deus o Pai, ascético ou epicuriano, autocrítico ou comunista, liberal ou dogmático, capaz de resolver os nossos problemas; eu não prevejo nenhuma mudança para melhor até que tudo NÃO VÁ DE MAL A PIOR. Somente depois de uma completa desorganização política e religiosa é que os desejos reprimidos das raças ocidentais (de acordo com qualquer forma de prática e culto da Deusa que se reporte a uma forma de amor ilimitado no cuidado maternal e a um outro mundo em que a Mãe não esteja ausente) encontrarão enfim a sua satisfação. "

in A Deusa Branca de Robert Graves

O CAOS ACTUAL




“O coronavírus, pondo em perigo qualquer um, independentemente da sua riqueza ou estatuto, torna todos iguais – não perante a morte, mas perante o direito à vida, à saúde e à justiça.”

"O que vem aí, ninguém sabe. Adivinha-se, teme-se que seja devastador. Em número de mortes, em sofrimento, em destruição. Mas, como não temos uma ideia clara do que poderá ser uma tal catástrofe, a ignorância e a confusão amplificam o nosso medo. Será um desastre planetário e regional, colectivo e individual, já presente e ainda futuro, conhecido e familiar, mas sempre longínquo e estrangeiro, destinado aos outros mas cada vez mais perto. Não é o simples medo da morte, é a angústia da morte absurda, imprevista, brutal e sem razão, violenta e injusta. Rebenta com o sentido e quebra o nexo do mundo.


As forças que provocam a pandemia pertencem a uma ordem de causas estranha à ordem humana. E, no entanto, põem-na radicalmente em questão. Constatamos agora que a sociedade, as instituições e as leis que criámos para nos protegerem, e nos assegurarem uma vida justa, falharam redondamente. Não construímos uma vida viável para a espécie humana. Os extraordinários disfuncionamentos dos serviços de saúde de tantos países, a falta de coordenação e solidariedade dos estados-membros da União Europeia quando se tratou de ajudar a Itália, a criminosa e leviana arrogância de Trump no caso dos testes, a incapacidade de todos os governos de executar uma política sanitária eficaz sem utilizar meios mais ou menos autoritários, todo esse desnorte que deixou proliferar o vírus mostra de sobremaneira que qualquer coisa de profundamente errado infectou, desde o início, a história dos homens. Emmanuel Macron acaba de descobrir que “a saúde não é uma mercadoria” que tenha um preço. O coronavírus, pondo em perigo qualquer um, independentemente da sua riqueza ou estatuto, torna todos iguais – não perante a morte, mas perante o direito à vida, à saúde e à justiça.
(…)
 Não se trata, como já ouvimos dizer, de pôr em causa a nossa civilização, mas as suas formações de poder e, com elas, o desenvolvimento de laços sociais cada vez menos aceitáveis. Esta terrível experiência que estamos a viver constitui apenas uma antecipação, e um aviso, do que nos espera com as alterações climáticas."
(…)
José Gil
In PUBLICO

CARTA A UMA AMIGA



Minha querida:

Obrigada pelas tuas palavras e pelo teu cuidado. Eu estou bem na medida do possivel. Mas não, nada está fácil neste momento pois iremos chegar ao extremo da loucura humana.Vamos ver o pior e o melhor que a nossa humanidade encerra. Todavia não podemos fazer nada pelo outros ou pelo mundo, a não ser cuidar de nós e dos que nos são próximos, ficar em casa e o mais em paz possível, buscar a maior serenidade em nós mesmas, ficarmos quietas no nosso canto com as melhores coisas que temos, incluindo os nossos gatos... e ter ...os cuidados necessários para tentar escapar ao pior. Sei que não é fácil, pois entre tantas informações desconexas e paradoxais há muitas contradições, mas sinto que as coisas não são tão terríveis como se dizem e ao mesmo tempo são brutais… Esta é uma questão insolúvel de momento. É importante não acreditar em nenhuma noticia veiculada pelos Media e pelas redes sociais… excepto os conselhos de saúde e prevenção da doença, com critério.

É sobretudo preciso ter Foco em nós, no nosso coração e saber esperar melhores dias. Agora sim as pessoas vão ter de re-pensar as suas vidas e as suas prioridades e ver as coisas que são importantes na sua vida… Vamos ter tempo para isso… o que vai acontecer não está na nossa mão… Não adianta a raiva agora… nem culpar ninguém… somos tod@s vitimas de um mundo absurdo e obscuro que tod@s criamos perseguindo coisas sem sentido… destruindo a nossa saude e o equilíbrio da Terra e do Planeta

Tenta ter Fé em ti e no melhor de ti… medita se souberes, reza, pede ajuda ao teu ser interior… à nossa Mãe divina… alguma coisa há-de vir consertar toda esta imundície (como é simbólico a história grotesca do papel higiénico – como mostra o estado anal - obessivo e primário - desta sociedade consumista e materialista) que o ser humano criou na Terra. E se este Virus é um ultimo crime contra a humanidade e foi cometido por assassinos intemporais – os poderosos predadores deste mundo abundante e fértil - ou se foi apenas a consequência dos nossos próprios actos como seres humanos alienados da essência da vida e do sagrado, não saberemos ao certo, mas podemos ter a certeza de que a Justiça Omnipresente se fará um dia e a Terra se libertará dos seus predadores… e talvez, sim, quero crer nisso, finalmente a Humanidade possa ser aquilo que ela é em essência e finalmente possamos ser humanos e solidários e partilharmos tudo o que temos e não é nosso em igualdade e liberdade…não antes de fazer cair e limpar humanidade de tanto lixo tóxico que é o próprio homem, o cancro da Terra.

Cuida-te e preserva a tua lucidez e não te deixes apanhar pela pandemia do medo… esse é o pior vírus de sempre… porque corrói a nossa alma e o nosso espirito e não nos deixa ser sequer humanos…

Abraço-te com carinho e esperança!

rosaleonorpedro

PS - Vou publicar esta carta…se não te importas…

sábado, março 14, 2020

O mundo vai ficar em standby.



Que mensagem o Universo está a passar-nos com o Coronavirus?

A ciência traduz a língua do Universo e o simbólico interpreta-a.

O Coronavirus é uma infeçao respiratória que afeta os nossos pulmões, em termos energéticos corresponde ao nosso chakra cardíaco. O chakra cardíaco lida com o equilíbrio das nossas emoções, com o amor que nutrimos por nós próprios e pelos nossos. O seu desenvolvimento para a escala mundial está a lembrar-nos da interligação que nos une, além fronteiras.


O Coronavirus não veio para ativar os nossos medos, nem para despertar ódios ou desconfianças. Ele veio para te mostrar o que te torna Humano e para olhares para as tuas emoções, pois se o milénio 1000 foi marcado pelo patriarcado e pela racionalidade que se manifestaram pela verticalidade das construções, por uma História escrita e liderada por homens, pela descoberta e expansão do Ego; o novo milénio apela para o matriarcado, dando mais ênfase à sensibilidade, à criatividade e ao papel da mulher, estudando e olhando para as emoções e o inconsciente constitutivo de cada um de nós.

A própria forma do vírus em forma de coroa simboliza essa transição de eras: a coroa, o rei, os reinos conquistados e derrotados ao longo da era patriarcal. O rei que simboliza a autoridade, o poder que foi sendo impostos ao povo. O rei que representa o absolutismo e o egocentrismo do qual todos nos tornamos escravos. É essa Coroa que se aglutina ao nosso chakra cardíaco e nos pede para tratá-la. E para vencê-la, a melhor guerra é pelo isolamento e recolhimento.

Os incêndios florestais da Amazônia foram já um indício. Recorda-te: foi relatado como o incêndio do “pulmão” da Terra. O fogo simbolizava a transmutação das energias e das emoções que a humanidade carregava no seu chakra cardíaco. Tomou proporções desmedidas, do tamanho do nosso desequilíbrio emocional. Os seus fumos expandiram-se pelo ar e é pelo ar que nos chega esta pandemia.

O elemento ar simboliza a mente, a ligação com o divino. Somos extremamente mentais, vivemos governados pela Razão, pelas suas rotinas mecanicistas, pela sua índole separatista.
É altura de deixar a nossa herança racional, a nossa forma compartimentada de ver o mundo e o divino. É momento para despir essa Coroa que nos tornou egocentrados, soberbos e arrogantes, acreditando que a Razão explicaria tudo, que seríamos Deuses. Está na altura de desenvolver a nossa sensibilidade, de ativar a nossa energia feminina comum a todos os seres de forma a olhar para além do divisível, do capitável e do patriarcado.
O divino não está num Homem/ num ídolo/ numa religião só: está em cada um de nós. E cada um de nós faz parte de um todo, um Todo indecifrável é incompreensível à luz da racionalidade humana.

O Coronavirus ativou já a emoção que mais predomina nas nossas sociedades e que nos torna facilmente manipuláveis : o medo.
O medo que nos leva a consumir compulsivamente, a agir irracionalmente e a viver egoísticamente.
Vão fechar-se fronteiras, escolas, serviços que os Estados criaram. A máquina burocrática e organizacional que nos precipitava em afazeres e deveres, criada pelo Homem ao longo do século XX, vai ficar em standby.

O mundo vai ficar em standby.

E tu, no teu lar, aproveita, mergulha para dentro de ti e trata das tuas emoções.
Sim, é momento para te recolheres e olhares para dentro de ti. É momento de silenciares a tua mente e o teu Ego: o “eu quero”, o “eu sei”.

Resgata e transmuta memórias ancestrais herdadas da era patriarcal. Essas feridas, essas cicatrizes que te impedem de evoluir; essa visão fragmentada que te limita e impede de ver o Todo que nos une. Dá-te tempo para parares. Transmuta o medo que te impele a acumular, a consumir, a autocentrar-te de forma abusiva. Está na hora de tratares das tuas emoções, de te amares e abandonares a vibração do medo, abrindo-te para o amor como energia orientadora da tua vida e do novo milénio.
Já não temos de aceitar uma relação, uma profissão, uma situação porque a Razão e a sua orientação impositiva nos exige. Aceitamos por amor apenas, pois agora, nesta nova Era é o amor que faz sentido e por amor que nos sentimos plenos.

A medicina incentiva-nos a adotar atitudes de higiene, a isolar-nos, a não mostrar gestos de afetos. O simbólico sugere a limpar as tuas emoções e tudo o que já não te serve, a olhar para dentro de ti e a amar-te.

O Coronavirus surgiu num ano que vibra sob a energia do 4. É um número que remete para as estruturas, para a construção, para o racional. Isso simboliza que está na hora de te reestruturares. Abdica das tuas certezas, flexibiliza a tua mente, abre-te às emoções. O Ego, rei exacerbado que vive do reconhecimento e da aparência material já não faz muito sentido porque é ele que nos divide e nos separa. Uma nova era está a estruturar-se e todos renasceremos após a passagem desta pandemia. Ela não veio para termos medo. Ela veio para tornar-nos humanos e humanizar-nos, pela sensibilidade, pela compaixão e emoção. Ela veio para olhar para o Outro sem medo ou desconfiança mas como parte constitutiva desta rede que nos interliga.

Por isso, não caias no julgamento tipicamente racional. Não vibres no medo. Conecta-te a ti-próprio/a. Faz meditações para o teu chakra cardíaco e age com amor e consciência pois estamos todos conectados.

Prepara-te com amor para esse milénio. Uma nova ordem está a ser formada para que uma nova consciência desperte. Desperta no amor!

Com amor,
Contar’te

sexta-feira, março 13, 2020

FECHADOS EM CASA



O EQUILÍBRIO DO UNIVERSO

Francesca Morelli Psicologa - Psicoterapeuta - Terapeuta EMDR

“Acredito que o Universo tem a sua maneira de equilibrar as coisas e as suas leis quando estão viradas do avesso. O momento que vivemos, cheio de anomalias e paradoxos, dá que pensar. Numa altura em que as alterações climáticas causadas por desastres ambientais chegaram a níveis preocupantes, primeiro a China e depois tantos outros países veem-se obrigados ao bloqueio. A Economia colapsa, mas a poluição diminui consideravelmente. O ar melhora; usam-se máscaras, mas respira-se.

Num momento histórico em que algumas ideologias e políticas discriminatórias, com fortes referências a um passado mesquinho, estão a reativar-se em todo o planeta, chega um vírus que nos faz perceber que, num instante, podemos ser nós os discriminados, os segregados, os bloqueados na fronteira, os portadores de doenças. Mesmo que não tenhamos culpa disso. Mesmo que sejamos brancos, ocidentais e viajemos em classe executiva.

Numa sociedade fundada na produtividade e no consumo, em que todos nós corremos 14 horas por dia na direção não se sabe muito bem de quê, sem sábados nem domingos, sem feriados no calendário, de repente chega o “parem”. Fechados, em casa, dias e dias. A fazer contas com o tempo do qual perdemos o valor. Será que ainda sabemos o que fazer dele?

Numa altura em que o acompanhamento do crescimento dos filhos é, por força das circunstâncias, confiada a outras figuras e instituições, o vírus fecha as escolas e obriga a encontrar outras soluções, a juntar a mãe e o pai com as crianças. Obriga a refazer família.

Numa dimensão em que as relações, a comunicação, a sociabilidade se processam principalmente no “não-espaço” do virtual, das redes sociais, dando-nos uma ilusão de proximidade, o vírus tolhe-nos a verdadeira proximidade, a real: que ninguém se toque, nada de beijos, nada de abraços, tudo à distância, na frieza do não contacto. Até que ponto dávamos por adquiridos estes gestos e o seu significado?

Numa altura em que pensar no próprio umbigo se tornou regra, o vírus envia uma mensagem clara: a única saída possível é através da reciprocidade, do sentido de pertença, da comunidade, do sentimento de fazer parte de algo maior, de que cuidamos e que pode cuidar de nós. A responsabilidade partilhada, o sentir que das nossas ações depende não apenas o nosso destino mas o de todos os que nos rodeiam. E que dependemos das deles.

Por isso, deixemo-nos da caça às bruxas, de perguntar de quem é a culpa ou porque é que tudo isto aconteceu, e perguntemos antes o que podemos aprender com isto. Creio que temos todos muito para refletir e fazer. Porque para com o Universo e as suas leis, evidentemente, temos uma grande dívida. Explica-nos o vírus, com juros muito altos.”

 





Conhecimento cósmico para a Era da Luz

"A alquimia é o processo de transformação de uma coisa comum em algo precioso. As mulheres são as mensageiras da Deusa. Em qualquer sistema, a Deusa, a espécie feminina, governa o lar, a casa – o que está sendo situado – e assim elas são as guardiãs dos lugares. Isso não significa que não possam ser guerreiras e rainhas; significa que elas possuem um conhecimento intuitivo sobre o propósito real dos lugares e devem ser consultadas a respeito e de todas as questões relativas ao lar, à casa e especialmente às guerras. Nas Plêiades, nós, deusas devemos ser consultadas sobre as guerras.
Quando o patriarcado assumiu o poder na Terra, as mulheres passaram a ser consideradas inferiores e foram destituídas como governantes, e isso segundo o nosso ponto de vista é um absurdo. Agora eu Satya, vim ajudar os humanos a lembrarem-se de que são as mulheres que transmutam o sagrado elixir da vida – o óvulo fertilizado – dando vida aos seres humanos que aí encarnam. As mulheres têm uma compreensão intuitiva da alquimia muito superior à dos homens, e nas Plêiades, a Deusa rege a alquimia do espírito. Não há dúvida que a alquimia está totalmente ligada à hora do nascimento. (…)
As mulheres sabem como criar no tempo e activar o espaço para novas vidas e assim, elas irão conduzir os homens rumo à nova alquimia. Isso é exactamente o que vai levar os seres humanos a reinos que os projectarão para além das suas limitações actuais. "(…)

In A Agenda Pleiadiana – Barbara Hand Clow


" Muito antes de Deus o pai, lá estava ela - Deus a mãe. Para onde é que ela desapareceu, esta grande deusa mãe? Como é que nós, mulheres, nos tornamos tão completamente despossuídas de nós mesmas? Não é que eu queria substituir um deus masculino por um deus feminino; não é que eu queria encontrar uma religião de jeito nenhum. Estava simplesmente à procura de algum sentido para que as mulheres possam voltar a ter valor. E eu encontrei: lá nas antigas histórias da minha própria terra nativa, eu encontrei. Cheias de imagens de mulheres criando, mulheres tecendo o mundo em ser, eu comecei a tricotar. Fio a fio, ponto a ponto, comecei a me trazer de volta ao meu ser. Eu nunca tinha pensado em mim mesma como uma alma particularmente criativa, mas descobri que a criatividade era um assunto de grande alcance. Simplesmente pensei no que me trouxe alegria, e comecei a cultiva-la. Eu cavava com as minhas mãos este estranho solo estrangeiro, e comecei a crescer ao fazer as coisas. Eu comecei a me familiarizar com o objeto de animal suave que era o meu próprio corpo. Aos poucos, passando cada vez mais tempo lá fora, focada na sabedoria dos meus sentidos em vez do que no que estava a passar-se dentro da minha cabeça, eu comecei a me voltar a voltar para o tecido da Terra."

Sharon Blackie (If Women Rose Rooted: A Journey to Authenticity and Belonging) (se as mulheres se Rose: uma viagem para a autenticidade e a pertença)