quarta-feira, maio 25, 2022

A MORTE DA MÃE...



AQUILO QUE AS MULHERES NÃO QUEREM VER: que "A mulher sempre foi vista como incompetente. Diziam que elas tinham um cérebro humido, e por isso eram fracas, débeis, lerdas de raciocínio. A desvalorização dela foi tão absurda, que na Idade Média houve uma grande discussão para decidir se a mulher tinha alma ou não."
Regina Navarro Lins


AS MULHERES NÃO SE RESOLVEM POR MAGIA NEM MILAGRES, OU POR FÉ...
As mulheres por aderirem a grupos ou movimentos de mulheres ou terapias de grupo ou mesmo yogas, ou por outra maneira qualquer, por quererem mudar um registo que nelas diria é uma programação quase celular e antiga - que a mulher comum é exemplo - não conseguem libertar-se dele senão com muito tempo e trabalho ou a não ser que se mentalizem ou idealizem de si o que melhor lhes apetecer ou gostariam que fosse e isso não é real.
Este poste é para as mulheres que tantas vezes me leem de raspão ou superficialmente e sem me conhecer, e fazem juizos precipitados - certamente não se dão ao trabalho de pensar! - e por isso quero dizer-lhes que, como é obvio, eu acredito e sei que há mulheres bem intencionadas a percorrer seriamente os caminhos que as levam a si, mas também sei que na maioria dos casos e das vezes a falta de consciência psicológica e da cisão interior da mulher, que é algo entranhado nela,- a divisão secular da mulher entre a santa e a prostituta ou ainda a pecadora - e que a meu ver só se altera através de um trabalho interior constante e do olhar de frente a nossa sombra.
Percorri muitos caminhos e convivi em mais de 20 anos, com alguns grupos de mulheres ao vivo e virtuais, e encontrei de tudo: coisas maravilhosas, muita beleza, muita alegria, mas de forma subliminar, muita dor, muito ciúme e raiva e competição, sobretudo muita inconsciência de si mesmas enquanto mulheres plenas. Qual é o drama, é que as próprias mulheres não se dão conta disso nem percebem nem veem algo que é muito subtil e subterrâneo e que faz parte da educação patrista da mulher e que nos marca a todas!
Não confundo pois a teoria e as ideias bonitas e tudo o que idealizamos só porque sonhamos e queremos ver essa sororidade, e não olhamos para as sombras e até defeitos e complexos (quem os não tem?) nem aceitamos que essa sororidade é rara (nem entre irmãs de sangue) e portanto não é ainda uma realidade relevante na nossa sociedade. O facto de eu apontar isso e querer trabalhar esses aspectos do inconsciente e sombra...isso não significa um afastamento nem uma separação, bem pelo contrário, e é o que acontece quando as mulheres são honestas e sinceras consigo mesmas e se querem ver como um todo.
Sei que há mulheres capazes, sinceras e honestas, como sei que há mulheres oportunistas e falsas que se servem dessas outras para fins bem egoistas. Portanto para quem me lê superficialmente devo frisar que ao dizer estas coisas sei que é muito ingrato, é...mas eu simplesmente no que escrevo tento alertar para o que falta fazer e para que possamos ir mais fundo nessa consciência de si como mulheres e que só nos une verdadeiramente e não embarcar numa idealização qualquer... E esta é minha maneira - no meu livro eu explico tudo e quem o ler compreenderá melhor o que quero dizer - e sei que pago o preço por apontar o lado que se nunca quer ver...e ser persona não grata para essas mulheres pois não louvo apenas o belo e o bom, mas aquilo que em nós é ainda espelho de uma educação patriarcal e que como disse não é com duas cantigas que vamos ficar conscientes de nós como mulheres plenas...de resto lamento que não percebam... e mais ainda que se sintam feridas por eu dizer o que penso e sinto!

Enquanto seguirmos as leis do patriarcado, seja na sociedade, na educação, na filosofia ou na religião, esse sentimento de vazio existencial e destruição da nossa essência estará sempre presente - é como diz a Isabel Barreno no livro A Morte da Mãe: "A Mãe foi cuidadosamente embalsamada: retiram-se todas as tripas, e rechearam-na com o falo transcendente” e as filhas, à imagem da mãe embalsamada andam todas em busca do "falo transcendente" para preencher a sua culpa e o seu vazio...
rlp
“A Mulher, a Mulher autêntica, reintegrada a sua plenitude e poder faz medo a esses sub-produtos que são os homens numa sociedade paternalista.”
Jean Markale


O ESTADO CAÓTICO DO MUNDO



O QUE SE PASSA COM AS PESSOAS???

ISTO TRADUZ o que realmente sinto quando olho a minha volta...
Nunca vi tanta estupidez tanta ignorância tanta alienação e tanto convencimento...
rlp

Socorro

Socorro, eu não estou sentindo nada.
Nem medo, nem calor, nem fogo,
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir.
Socorro, alguma alma, mesmo que penada,
Me empreste as suas penas.
Já não sinto amor nem dor,
Já não sinto nada.
Socorro, alguém me dê um coração,
Que esse já não bate nem apanha.
Por favor, uma emoção pequena,
Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos,
Deve ter algum que sirva.
Socorro, alguma rua que me dê sentido,
Em qualquer cruzamento,
Acostamento, encruzilhada,
Socorro, eu já não sinto nada.
~

Alice Ruiz 

domingo, maio 22, 2022

O mundo é incerto e confuso,



DÁ-NOS A TUA PAZ


Dá-nos a Tua paz,
Deus Cristão falso, mas consolador, porque todos
Nascem para a emoção rezada a ti;
Deus anti-científico, mas que a nossa mãe ensina;
Deus absurdo da verdade absurda, mas que tem a verdade das lágrimas
Nas horas de fraqueza em que sentimos que passamos
Como o fumo e a nuvem, mas a emoção não o quer,
Como o rasto na terra, mas a alma é sensível…

Dá-nos a Tua paz, ainda que não existisses nunca,
A Tua paz no mundo que julgas Teu,
A Tua paz impossível tão possível à Terra,
À grande mãe pagã, cristã em nós a esta hora
E que deve ser humana em tudo quanto é humano em nós.
Dá-nos a paz como uma brisa saindo
Ou a chuva para a qual há preces nas províncias,
E chove por leis naturais tranquilizadoramente.

Dá-nos a paz, porque por ela siga, e regresse
O nosso espírito cansado ao quarto de arrumações e coser
Onde ao canto está o berço inútil, mas não a mãe que embala,
Onde na cómoda velha está a roupa da infância, despida
Com o poder iludir a vida com o sonho…

Dá-nos a tua paz.
O mundo é incerto e confuso,
O pensamento não chega a parte nenhuma da Terra,
O braço não alcança mais do que a mão pode conter,
O olhar não atravessa os muros da sombra,
O coração não sabe desejar o que deseja
A vida erra constantemente o caminho para a Vida.

Dá-nos, Senhor, a paz, Cristo ou Buda que sejas,
Dá-nos a paz e admite
Nos vales esquecidos dos pastores ignotos
Nos píncaros de gelo dos eremitas perdidos,
Nas ruas transversais dos bairros afastados das cidades,
A paz que é dos que não conhecem e esquecem sem querer.

Materna paz que adormeça a terra,
Dormente à lareira sem filosofias,
Memória dos contos de fadas sem a vida lá fora,
A canção do berço revivida através do menino sem futuro,
O calor, a ama, o menino,
O menino que se vai deitar
E o sentido inútil da vida,
O coveiro antigo das coisas,
A dor sem fundo da terra, dos homens, dos destinos
Do mundo…


ÁLVARO DE CAMPOS - Livro de Versos . Fernando Pessoa.
(Edição crítica. Introdução, transcrição, organização e notas de Teresa Rita Lopes.)
Lisboa: Estampa, 1993′.

segunda-feira, maio 16, 2022

Conferência da Deusa em Portugal, 13, 14 e 15 de Maio de 2022





O TESTEMUNHO DE UMA MULHER 
QUE MUITO ME HONRA...


Mais do que um Sonho, um Chamamento e um Legado.
Fica o registo, para quem o sentir e desejar viver ou reviver desta forma.
Ela
No Caminho que me levava para os braços da Deusa, a partir de casa, enquanto me dirigia para a Conferência em seu Nome, senti o ímpeto de colher flores. Flores para Ela. Colhi-as então, de cor rosa, branca, azul-lilás, compondo um lindo ramo que coloquei, em reverência, no solo que me acolheu. Foi assim a minha chegada, numa sentida homenagem ao Seu Colo e ao Seu Seio, que tanto me nutriram nestes dias.
Dias indubitavelmente mágicos, irreais, mas, paradoxalmente, muito mais reais do que tantos outros. Dias plenos de fascínio e beleza.
Entrei no espaço em plena consciência, procurando honrar cada Altar com a minha atenção muda e respeitosa.
Foram intensas todas as experiências que se seguiram, vibrantes de Vida, fazendo com que eta e Ela pulsasse por todo o nosso ser: o sangue correndo mais quente nas veias, o coração batendo ao ritmo das vivências, umas vezes descompassado, outras envolto na mais profunda paz.
Entreguei-me a Ela o mais que consegui, deixando que me conduzisse por tempos, espaços e códigos repletos de significado.
Inolvidável, mais além do esperado, tudo o que vivi! A honra que me coube junto a uma das senhoras mais distintas já conheci, Rosa Leonor Pedro Lilith. O poema dito e tão visceralmente sentido por Amala e por todas e todos os que o recebiam, tendo a Sacerdotisa cumprido e honrado subliminarmente a missão oferecida por uma das maiores escritoras e defensoras da Mulher.
As pessoas que conheci - porque assim estava escrito - pessoas cuja afinidade e amor fraterno se refectiu nos abraços que consolam e chegam até à alma.
Ainda não desci o suficiente até este plano, talvez. Continuo imersa em beleza, embevecida por tudo o que recebi. Tudo foi perfeito, desde o afago envolvente das árvores, o lago de nenúfares com o leve coachar pela noite fora. A mensagem que recebi à chegada, que me disse, em tom preciso, exactamente, o que precisava ouvir. Os Altares. O Grupo Cerimonial. As Sacerdotisas. Toda a equipa, que tão gentilmente me acolheu. As Mensagens essenciais das Oradoras. A Música. O Som do Gongo. O Som do Tambor. O Som das nossas Vozes. As Danças Círculares. A Cerimónia Noturna. Os desafios. Os pirilampos que me acompanharam pela caminhada noturna na serra, para ver o Castelo dos Mouros iluminado. As confidências trocadas, a cair de sono, com os parceiros de camarata. A cerimónia de Aurora ao Nacer do Sol!
Que almas tão grandes e generosas conheci ou revi. Vindas e vindos de vários pontos do país, da Espanha, da Irlanda, do Brasil... Nas mulheres, no menino de 12 anos que ficou no meu grupo, no outro elemento do sexo masculino, já de barbas brancas, ambos representantes do sexto masculino no mesmo. A colega de Português com uma sucessão de mestrados, devotada à magia e a uma sabedoria muito antiga, uma sábia e talentosa artesã com uma força e generosidade inequívocas.
O Mago perito em Herbalismo e Medicina Tradicional Oriental, perito também na Arte do Gongo, emanando uma simplicidade e discrição que não conseguiram ocultar a sua mestria e saber sublime. A meditação. A união.
Tudo na mais mágica terra do nosso país, vivendo tanto, tanto do que a minha Alma sempre quis, realizando sonhos antigos e satisfazendo vontades emergentes das minhas entranhas, como a Dança Na Floresta, com a Bênção da Lua quase cheia e da Chuva que começou a cair enquanto os nossos pés descalços honravam o solo ancestral e o nosso Coração se abria à Deusa, ao Céu, à Terra e a nós próprias.
A Conexão com a Deusa ao longo destes dias, neste Evento que tanto a louvou, foi, sim, real e sagrada, a fazer-se sentir no mais simples e no mais profundo, na verificação de que tudo em redor se acabou por harmonizar e se harmonizou para mim.
No momento mais solene, senti, intrinsecamente, a sua Voz e Presença em cada fibra do meu ser, o que fez com que as minhas águas deslizassem pela face, de pura emoção, gratidão, reconhecimento e entrega.
Também aqui a perfeição e o sentido, na sacerdotisa que me conduziu, assim como na que me recebeu.
Sei que o que vivi me aconchegará, exponenciando a minha e a Sua força, e que o meu enlevo acalentará os meus dias, fazendo-me sorrir secretamente nos momentos mais inesperados.
Sei que longamente o esperava, tal como Ela por mim, tal como a Vida Plena e a Abundância por nós, a cada instante.
Vou voltar. Sei que estou com Ela, que por Ela ansiava. E que Ela sempre me buscará.
Obrigada.
Fátima


sábado, maio 07, 2022

CONFERÊNCIA DA DEUSA EM PORTUGAL


 Conferência da Deusa Portugal
"Será que dá para imaginar a azáfama, a excitação, o esmero na preparação de tudo isto, as horas e horas que já foram despendidas por todas as pessoas envolvidas... as dores (de parto!), alegrias, tristezas e até as frustrações?...
Mas estamos orgulhosas de, apesar de tudo, estarmos juntas nesta aventura! Aho!...
A nossa maior alegria é óbvio que está reservada para o momento da abertura em que vos veremos lá, celebrando connosco, neste momento tão especial da nossa história humana em que precisamos tanto de afirmar os valores da VIDA!"
Luiza Frazão

UMA MULHER É UMA MULHER




SÓ a MULHER é mãe...

 
Só a mulher tem o dom de conceber e é enquanto mulher que possui um utero que ela pode conceber e dar a Luz um filh@. Nunca o "homem" (transgenero) pode ser Mãe senão for afinal mulher e ter utero - portanto dizer que um homem deu a luz é a cosia mais infame que se pode anunciar. E quando são as mulheres por suposto emancipadas e livres a colaborar nesta ignominia defendendo a "liberdade" individual é uma Mentira global que está a querer, mais uma vez, apenas a DESTRUIR A IDENTIDADE da MULHER-mãe! Sou contra esta aberração trans - qualquer alteração foçada, seja ela quimica seja ela cirurgica - , em nome da nossa Humanidade macho-fêmea e da biologia e da integridade do Ser Humano enquanto género, masculino e feminino. Por outro lado, o travesti, seja ou não homossexual, ou seja bissexual ou homossexual, não significa ter de mudar de sexo ...
Haver uma identificação maior - seja ela sexual ou afectiva - com o uma pessoa do mesmo sexo, falo de homo-emocionalidade, não obriga nem força uma pessoa a operar-se e a transfigurar-se para ser um outro que nunca será. Acima do género e do sexo, está a alma humana e essa naõ tem sexo! Nascemos muitas vezes, e encarnamos umas vezes homens outras mulheres, de acordo com leis superiores e não por vontade de um ego ...
rlp

A Nova Escravatura da Mulher : A Nova Era

A NEW AGE usa a mulher para a desemponderar, para a alienar de si mesma! A mulher sem consciência de si, como um subproduto da sociedade patriarcal, deixou-se cair na armadilha do Sistema que monopolizou as mulheres de um suposto "sagrado feminino" para as usar e assim afastar do seu núcleo central.
"A centralidade da mulher confere-lhe uma identidade estável. Ela não tem que tornar-se, basta-lhe ser. A sua centralidade é um grande obstáculo para o homem, cuja busca de identidade é bloqueada pela mulher."
Essa armadilha da falsa transcendência e do falso universo espiritual "new age" (toda essa parafernália de conceitos e ideias e mundos inatingíveis que afastam a mulher de si mesma e dessa consciência) foi criada e muito bem orquestrada para nos afastar uma vez mais, sobretudo a nós mulheres, do caminho da Mulher Integral. E mais uma vez impedir-nos o acesso à nossa grandeza intrínseca como mulheres enraizadas na Terra; Ela foi criada para nos impedir de descobrir a Força da Vida em nós (de iniciadoras do amor, geradoras de vida, senhoras dos oráculos) pela nossa ligação à Terra Mãe e à Natureza! Ela foi programada para nos impedir de aceder à nossa própria espiritualidade que é soberana e está ainda por redescobrir dentro de nós.
A cisão da Mulher e a sua divisão (em duas) teve como fim impedir a mulher de ser a digna representante da Deusa na Terra. Por isso creio que a mulher integral tem uma espiritualidade própria - quero dizer: ela tem acesso directo ao divino. A mulher encarna a Deusa que é a Mãe Terra e as nossas raízes nesta vida devem assentar nela. Somos mediadoras das forças cósmico telúricas, fazemos a união entre a Terra e o Ceu, mas perdemos o nosso poder de mediadoras e sacerdotisas; Fomos afastadas da nossa fonte de sabedoria interna - fomos quase destruídas...fomos divididas e usadas e anuladas na nossa essência primeira durante milhares de anos e AGORA temos de conquistar esse poder que é nosso, não o de competir e conquistar o mundo do Homem, mas de unir os seres à Mãe e a Filha, e de Unir o Mundo através do nosso núcleo central e só quando formos nos próprias unas em nós poderemos então de forma segura nos aventurar em caminhos escarpadas e armadilhados na conquista da terra sagrada e semear novos ventos, novos oráculos...

rosa leonor pedro

 CONTRA ESTA DEFINIÇÃO ABSURDA DA MULHER 

"Cisgênero é o indivíduo que se identifica com o sexo biológico com o qual nasceu. Um exemplo de cisgênero é uma pessoa que nasceu com genitália feminina e cresceu com características físicas de “mulher”, além disso adotou padrões sociais ligados ao feminino, comumente expressados em roupas, gestos, tom de voz.

Transgênero é uma pessoa que nasceu com determinado sexo biológico, e não se identifica com o seu corpo. Um exemplo é o indivíduo que nasceu com genitália masculina, cresceu com as transformações causadas pelos hormônios masculinos, mas sua identificação é com o físico feminino."



A QUESTÃO DO FEMININO



A TERRA E A MULHER

(...)
"A questão do feminino está entre aqueles temas que não se prestam tão facilmente a uma discussão, porque se situam no fundamento da cultura, para além daquilo que é imediatamente manifesto. Esse é um assunto basilar, constitutivo do próprio fundamento de onde tudo deriva, a trama primeira sobre a qual os outros fios são dispostos. De certa forma, pode-se dizer que tais temas nos possuem e nos dirigem e são insuficientemente visíveis, pois estão submersos por nossas criações. Talvez se possa dizer que é a partir dessas imagens primordiais, como a da Terra-Mãe, que todo o nosso imaginário é montado, em camadas, uma mesma idéia se diferenciando em inúmeras variações, vinculadas, entretanto, àquele desenho elementar, e que só ao olhar acurado ela se revela.
Na verdade, as nossas relações com o mundo, de modo geral, são reflexo da nossa relação com essas imagens primordiais, destacando-se, entre elas, a Terra e o Feminino. Tudo o mais seria como um jogo de espelhos, em que nos perdemos com imensa facilidade. De forma que, ao contrário do que é sugerido de imediato, uma visão cabal do feminino não se tece sem uma enormidade de elementos e, pelo menos para começar, torna-se imprescindível escolher uma fresta apenas, para olhar esse complexo quadro sem tanta dispersão."
(excerto) de A TERRA E A MULHER
de Josina Roncisvalle & Lais Mourão


O MUNDO QUE QUEREMOS É NA TERRA

..."A reivindicação da condição da mulher é a reivindicação de um outro mundo. Por isso a mãe, a maternidade, a mutterlich e a Muttertum são incompatíveis com a família e com o trabalho assalariado; nós, as mulheres, somos, na verdade incompatíveis com ela, com o Estado e com o Capital. Somos o real-impossível.
Quando formos capazes de ver o que foi destruído dentro de nós mesmas, a nossa sexualidade que perdemos, e por outro lado o vazio, essa falta interior, o sofrimento que a nossa anulação desencadeia, seremos a maior força revolucionária jamais vista ou imaginada, impulsionadas por um caudal infinito de energia libidinal liberta."


(in REFLEXIONES SOBRE LA VIOLENCIA INTERIORIZADA EN LAS MUJERES)
Casilda Rodrigáñez Bustos.


sexta-feira, maio 06, 2022

Acolham a realidade


... antes que seja estupidamente tarde...

«É às religiões que se deve esta inédita disparidade entre o homem e a mulher»
Taslima Nasrin
 
"Que se lixem as “consciências ascendidas”, não somos pássaros.
Que se lixe a transcendência disfarçada de evolução.
Que se lixe a “não-dualidade” que remove convenientemente todo o desconforto do campo unificado.
Que se lixe a “iluminação” sem integridade.
Que se lixem os desapegados modelos patriarcais que se apresentam como a via real para o “Reino” de Deus – e o Reino da Rainha?
Que se lixe a “Nova Terra” descrita por dissociativos e desencarnados anuladores da dor.
Que se lixe a “indústria” do yoga.
Que se lixe a espiritualidade vertical que ignora o que esta a acontecer em frente aos nossos próprios olhos.
Que se lixem as celebridades que se estão a cagar para a humanidade.
Que se lixe o guru que se imagina realizado.
Que se lixo o movimento da “Nove Escravatura”( Nova Era) e a sua trilha de mentiras. Que se lixem todas as versões de espiritualidade que não SERVEM a humanidade.
Que se lixem os carniceiros históricos.
Que se lixe a sangrenta mentira espiritual.
Acolham a realidade – antes que seja estupidamente tarde.
 
Jeff Brown




O VAZIO DA MÃE...



O VAZIO DA MÃE... é incomensurável, a ferida é tão grande e tão vasta que a mulher perante o seu vazio esconde e recalca todo o amor frustrado pela mãe...e odeia, e é desse fundo que ela odeia ou ama em excesso os filhos e o amante...
Por outro lado é por causa desse vazio que a mulher mostra tão puco interesse em si própria; isso revela-se nos espaços que a mulher frequenta, e não só ao não estamos presentes, simulando um aoutra que não somos ou apenas de maneira a fugirmos de nós. A dor do vazio é imensa...

Este é um texto clarissimo e que nos fala dessa dor e desse vazio 

"A falta de reconhecimento dos nossos desejos é uma falta de reconhecimento da nossa existência, posto que 242 que é o nosso impulso vital não encontra resposta. E isto produz-se depois do nosso nascimento no qual sofremos muito e nos sentimos morrer. Todo ele produz um sentimento de que a nossa existência está seriamente ameaçada. A Falta Básica, no âmbito mais profundo da nossa psique, guarda essa angústia existencial, a angústia do questionamento da existência.
O vazio da mãe, como vemos neste livro, é o vazio que fica na mulher que foi excluída, proibida, enviada para os infernos; um vazio cheio de medos e de angústia, porque a mulher desnaturada não é capaz de reconhecer e de saciar os desejos do seu bebe e de lhe impulsionar a sua vitalidade.
A reivindicação da condição da mulher é a reivindicação de um outro mundo. Por isso a mãe, a maternidade, a mutterlich e a Muttertum são incompatíveis com a família e com o trabalho assalariado; nós, as mulheres, somos, na verdade incompatíveis com ela, com o Estado e com o Capital. Somos o real-impossível.
Quando formos capazes de ver o que foi destruído dentro de nós mesmas, a nossa sexualidade que perdemos, e por outro lado o vazio, essa falta interior, o sofrimento que a nossa anulação desencadeia, seremos a maior força revolucionária jamais vista ou imaginada, impulsionadas por um caudal infinito de energia libidinal liberta."
(in REFLEXIONES SOBRE LA VIOLENCIA INTERIORIZADA EN LAS MUJERES)
Casilda Rodrigáñez Bustos.


quarta-feira, abril 27, 2022

A obsolescência do homem

 

Foi em 1956 que o filósofo judeu alemão Günther Anders escreveu esta reflexão:




′′Para sufocar antecipadamente qualquer revolta, não deve ser feito de forma violenta. Métodos arcaicos como os de Hitler estão claramente ultrapassados. Basta criar um condicionamento coletivo tão poderoso que a própria ideia de revolta já nem virá à mente dos homens. O ideal seria formatar os indivíduos desde o nascimento limitando suas habilidades biológicas inatas...
Em seguida, o acondicionamento continuará reduzindo drasticamente o nível e a qualidade da educação, reduzindo-a para uma forma de inserção profissional. Um indivíduo inculto tem apenas um horizonte de pensamento limitado e quanto mais seu pensamento está limitado a preocupações materiais, medíocres, menos ele pode se revoltar. É necessário que o acesso ao conhecimento se torne cada vez mais difícil e elitista... que o fosso se cave entre o povo e a ciência, que a informação dirigida ao público em geral seja anestesiada de conteúdo subversivo.
Especialmente sem filosofia. Mais uma vez, há que usar persuasão e não violência direta: transmitir-se-á maciçamente, através da televisão, entretenimento imbecil, bajulando sempre o emocional, o instintivo. Vamos ocupar as mentes com o que é fútil e lúdico. É bom com conversa fiada e música incessante, evitar que a mente se interrogue, pense, reflita.
Vamos colocar a sexualidade na primeira fila dos interesses humanos. Como anestesia social, não há nada melhor. Geralmente, vamos banir a seriedade da existência, virar escárnio tudo o que tem um valor elevado, manter uma constante apologia à leveza; de modo que a euforia da publicidade, do consumo se tornem o padrão da felicidade humana e o modelo da liberdade.
Assim, o condicionamento produzirá tal integração, que o único medo (que será necessário manter) será o de ser excluído do sistema e, portanto, de não poder mais acessar as condições materiais necessárias para a felicidade. O homem em massa, assim produzido, deve ser tratado como o que é: um produto, um bezerro, e deve ser vigiado como deve ser um rebanho. Tudo o que permite adormecer sua lucidez, sua mente crítica é socialmente boa, o que arriscaria despertá-la deve ser combatido, ridicularizado, sufocado...
Qualquer doutrina que ponha em causa o sistema deve ser designada como subversiva e terrorista e, em seguida, aqueles que a apoiam devem ser tratados como tal.′′




- Günther Anders, "A obsolescência do homem′′, 1956

quinta-feira, abril 21, 2022

A PERSONALIDADE DIABÓLICA




"A maldade e a destrutividade passam a ser vistas no outro; o outro é condenado, e contra ele pode ser dirigido o ódio sem implicar o sentimento de culpa”.
- Melaine Klein e Joan Riviere


MOBING (PERSONALIDADE DIABÓLICA)

- Agora há uma situação que está muito na moda e se chama mobing mas sempre existiu. O mobing, é o assédio moral que alguns companheiros exercem sobre uma vítima.

- Sim, até porque, de um modo espontâneo, eles se unem para atacar a vítima. Há muitas pessoas envolvidas.

- O mobing é a chamada coligação dos medíocres?
(…)
- Em que é que se traduz?

P. V: Escolhem uma vítima, alguém que normalmente é um trabalhador bom, honrado, criativo e popular, que de alguma maneira faz sombra a alguém ou gera inveja nos outros. Os que fazem mobing são sempre outros trabalhadores medíocres, maus. Em Psicologia falamos de evil personality, uma personalidade diabólica. As pessoas que fazem assédio moral sobre os outros são verdadeiramente más ou muito narcisistas. Sentem que alguém lhes faz sombra quando lhe devolve uma visão menos positiva de si mesmo. Isto acontece, por exemplo, quando o outro está mais preparado, é mais esperto, mais bondoso, mais honrado, mais esforçado ou mais reconhecido no trabalho. O narcisista ataca moralmente a vítima, persiste nesta atitude durante muito tempo e, muitas vezes, consegue que a vítima se vá autodestruindo, que perca as redes de comunicação, que já não faça bem as tarefas, que se sinta inútil, que ponha em dúvida as suas capacidades e até a sua auto-estima, e que saia da organização.
(…)
Entrevista a Pilar Varela
In incalculável imperfeição


O ABOMINÁVEL MUNDO A QUE ASSISTIMOS...


COMO A DEGRADAÇÃO DA MULHER E DA MÃE CHEGA A ESTES EXTREMOS CRIMINOSOS. DÓI, MAS É PRECISO OLHAR - QUE CRIANÇA SE FORMARA A PARTIR DESTA ABOMINÁVEL DESCONSTRUÇÃO DA MULHER?
Para minha estupefacção há muitas mulheres a defender isto e que veem nisto amor e evolução, que me consideram a mim horrivel e preconceituosa, transfóbica, sem a menor compreensão do fenómeno trans a nivel ontologico, biologico e psiquico e também desconhecendo o foro patologico, defendendo este tipo de "maternidade" como algo bonito, achando que esta criança vai ser mais evoluida que as outras - tais foram as afirmações feitas por essas mulheres ao meu poste no fakebook -, sustentando e aceitando este padrão como a normalização  de um ser que não é nem mulher nem homem, como algo natural. 
rlp 


UMA VISÃO LUCIDA DO DRAMA HUMANO - TRANS


..."Muito pessoal sem formação na área da saúde mental a dar palpites sem bases fundamentadas. A transsexualidade (disforia de género), para conhece o DSM-V, livro que trata das patologias mentais, está representada lá, faz parte de cluster de patologias relacionadas com a dismorfia corporal (que pode ocorrer/manifestar-se de diversas formas, mas -para leigos-, trata de abordar o corpo como sendo algo estranho ao seu self "construído", ao seu sentido de identidade interna, ok? Nada está relacionado com a orientação sexual do indivíduo: ele pode ser hetero/homo/bi/pan, etc. etc. E ser transsexual simultaneamente. A pessoa simplesmente não se sente "certa" no corpo com o qual nasceu. Este tipo de dismorfia assenta numa alteração química neuronal. Na década dos anos 80/90, era tratada com medicação, a propósito: com sucesso na maioria dos casos. Aqueles que não tinham sucesso por este reequilíbrio químico eram recomendados para cirurgia. Porquê???? Porque não existia alternativa perante algo ATÍPICO que CAUSAVA SOFRIMENTO AO INDIVÍDUO (isto NÃO está relacionado com construtos sociais, bla bla bla. Mas sim com pura biologia, rede neuro-química, ok?????). Mais... o indivíduo era acompanhado, avaliado psicologicamente, informado de todos os risco, procedimentos interventivos para poder tomar AS SUAS MELHORES DECISÕES. Nada disto era feito contra a vontade da pessoa, capiche gente da secção de comentários???Agora, tal como qualquer doença mental, como a depressão, a psicose, esquizofrenia, etc. etc. etc., esta doença tb não deve ser, e nem pode ser diabolizada. PORÉM, tb não se pode afirmar que existe equilíbrio na rede neuronal destes indivíduos quanto à sua IDENTIFICAÇÃO COM este SELF- contruído - que é um falso self btw- devido a desequilíbrios químicos!!!!!! Não sei se me faço entender... Darei outro exemplo... Existe outro tipo de patologia associada ao espectro da dismorfia corporal, menos conhecida, na qual o/a indivíduo se pode identificar com animais. Sim, com gatos, cães, etc. etc. Mtas das recriações passam precisamente por simular o comportamento animal, vestirem fatos de pelúcia, etc., como forma de se sentirem fisicamente mais integrados. Malta, tb querem ver pessoas de joelhos, a lamber e a urinar pelo chão, como forma de satisfazer o self-contruído???? Bom. Não se fala aqui de "transfobia"(essa palavra anda particularmente na moda, viva a política e lavagem cerebral dos garotos ou dos menos informados). Fala-se de qualidade de vida. Não vou tratar aqui a transsexualidade como uma orientação sexual (que não é DE TODO). Trato-a pelo que é : um desequilíbrio neuro-químico. As pessoas trans merecem compaixão? Absolutamente, como qualquer pessoa que está a passar por um sofrimento psicológico!!!!! Tal como pessoas que sofram: de depressão unipolar, depressão bipolar, suicida, adictos em alcool/drogas, que sofram de esquizofrenia, etc. etc. etc. Mas parou aqui. Para um bom (saudável) construto mental do feminino e do masculino, da sua integração na infância, o bebé precisa de ter mãe e pai. À falta, precisa de uma figura de referência de ambos os sexos. Agora dizem-me: "mas é melhor do que não ter ninguém que ame a criança!". Pois, não vamos comparar laranjas e maçãs, senhoras. Afeto e amor é sempre bem-vindo. Mas estamos a falar da construção da estrutura mental psíquica/emocional NUM BEBÉ. Essa só se constrói uma vez. Qd existe uma aceitação do comportamento (realço a palavra "comportamento", tá?) da doença mental como sendo normativo, algo está mal na sociedade. Devemos aceitar o doente, mas qd o doente está doente, há que ajudar o doente a resolver o que lhe causa sofrimento (ou o que pode causar aos outros). Ponto. Esse senhor trans, parece ser um doce e parece ter mto amor para dar, mas ter um bebé e amamentar um bebé... Precisava antes era de ter apoio psicológico, na minha opinião. A doença mental vê-se desta forma: a) causa sofrimento a si próprio? ( resposta: se não causasse sofrimento a este senhor trans, ele simplesmente deixar-se-ia estar com o seu sexo. b) Causa sofrimento aos que lhes são próximos? ( resposta: vou traduzir, ou seja, aqui mede-se se o impacto é positivo ou negativo na vida do indivíduo e dos que o rodeiam /que alterações pode provocar no comportamento de terceiros/impacto nas suas vidas etc etc etc )? O problema é, quando a malta confunde propaganda de política de esquerda com psicologia, bom... enfim enfim...
...Pouca gente sabe o drama dos que estão a tentar fazer o percurso inverso: jovens que se mutilaram, que tomaram terapia hormonal sem saber dos riscos e dos efeitos adversos, apenas para encaixar na nova narrativa do ser trans está na moda... (muitos que nem eram trans, nem sequer tinham sido acompanhados, avaliados, etc etc!!! Alguns que apenas eram homossexuais ou bissexuais e que baralharam). É importante que se perceba que a falta de cultura no que respeita a saúde mental gera ainda mais desinformação e ignorância. E o que vi nesta secção de comentários deixou-me completamente perplexa. Esta gente não sabe o que um verdadeiro trans sofre, não sabe o que acontece no cérebro destas pessoas para tentarem adquirir/construir falsos selfs!! É algo que acarreta sofrimento, mas não se pode "normalizar" isto, tornar corriqueiro este sofrimento, esta PATOLOGIA. Parece que as pessoas vão no sentido de querer tornar um comportamento atípico (que advém de um desequilíbrio neuronal) comum ao público!!!! Loucura social. Venha lá o Grande Reset."

sábado, abril 16, 2022

QUE CONSCIÊNCIA TEMOS


 


EXISTÊNCIA E ESSÊNCIA

Uma coisa que me parece evidente e da qual não me resta já qualquer dúvida: é de que há vários níveis de consciência, dentro de uma escala de evolução, e que nem todos os humanos - falando só de humanos - estão no mesmo nível de entendimento e realização interior. E digo interior para não confundirmos o "conhecimento" mental-intelectual, o saber de cor, (que nada tem a ver com o saber do coração - ou coração inteligente), a informação ou as crenças em deus ou em outras dimensões e vidas paralelas, com um real estado de consciência, que só é alcançado após o trabalho interior alquímico profundo e a transformação do ser por etapas e  que passa do nível da mera existência "vegetativa" para o nível da essência, quando em contacto com a alma e com o espirito. 
Falo de uma CONSCIÊNCIA para lá dos estados de consciência psicologica  (psique) e até mesmo da metafísica; isto é muito simples e nada tem a ver com o nível de saber escolar ou universitário ou de educação, nem com o analfabetismo...eruditos, doutores e professores e analfabetos e ignorantes estão no mesmo patamar de ignorância quanto à consciência verdadeira do Ser, a consciência da Consciência, a que se tem acesso "magicamente" para lá da mente-intelecto-conceito. Essa é a experiência essencial do Ser como um todo e que se manifesta de forma substancial...

rleonorpedro

TAL É A LEI...

"Não se pode porém ser um iniciado nas formas e maneiras deste mundo sem ser um grande artista, nem ter o comando da inspiração (ou intuição), sem que primeiro se o obtenha da palavra e do raciocínio.
Tal é a lei, tal é a escala, tal é a regra (ou via).
Mais pesa na balança da Alma (ou da Gnose) o verdadeiro poeta que pensa o que não sabe, que aquele falso iniciado que sabe o que não pensou."


FERNANDO PESSOA, in Yvette Centeno,  E A FILOSOFIA HERMÉTICA

PENSAR NA PAZ...





"Quando penso na paz, vejo um mundo em que os seres humanos não são mais violentados por acidentes tais como nascimento, sexo, raça, religião ou nacionalidade. Para mim, a paz é uma maneira de estruturar as relações humanas e um estádio em que acções diárias de bondade e consideração são compensadas de forma tangível. É um modo de pensar, sentir e actuar pelo qual a nossa interconexão essencial de uns com os outros é verdadeiramente honrada.
Oro por um mundo em que possamos viver em associação e não sob domínio; onde a “conquista da natureza pelo homem” é considerada suicida e sacrílega; onde o poder não mais está equacionado com a espada, mas sim com o santo cálice – o antigo símbolo do poder de dar, nutrir e estimular a vida. E, não só rezo, como também activamente trabalho, para o dia em que assim será."


RIANE EISLER

Crime e Castigo



INEVITÁVEL...

"O sofrimento acompanha sempre uma inteligência elevada e um coração profundo. Os homens verdadeiramente grandes devem, parece-me, experimentar uma grande tristeza."


 Fiódor Dostoiévski -in Crime e Castigo


...A INFÂMIA CHAMADA SER FELIZ...






"A loucura chamada afirmar, a doença chamada crer, a infâmia chamada ser feliz — tudo isto cheira a mundo, sabe à triste coisa que é a terra.
Sê indiferente. Ama o poente e o amanhecer, porque não há utilidade, nem para ti, em amá-los.
Veste teu ser do ouro da tarde morta, como um rei deposto numa manhã de rosas, com Março nas nuvens brancas e o sorriso das virgens nas quintas afastadas. Tua ânsia morra entre mirtos, teu tédio cesse então [...] e o som da água acompanhe tudo isto como um entardecer ao pé de margens, e o rio, sem sentido salvo correr, eterno, para marés longínquas. O resto é a vida que nos deixa, a chama que morre no nosso olhar, a púrpura gasta antes de a vestirmos, a lua que vela o nosso abandono, as estrelas que estendem o seu silêncio sobre a nossa hora de desengano. Assídua a mágoa estéril e amiga que nos aperta ao peito com amor."

Bernardo Soares (F. Pessoa)

segunda-feira, abril 11, 2022

Barrigas de aluguer: um negócio que tem de acabar

 


Esperemos que na reconstrução difícil e na reconfiguração que obrigatoriamente toda a Europa vai ter de fazer, consigamos acabar também com este negócio que, afinal, não é mais do que um retrocesso civilizacional.


BARRIGAS DE ALUGUER MADE IN UCRANEA

Assim como as deve alertar a notícia da barriga de aluguer ucraniana que chegou a Portugal por intervenção do casal que contratou os seus serviços, para dar à luz no Hospital de S. João — apenas um dos casos que levou a criar uma suposta adenda extraordinária às regras de registo civil, num complicado imbróglio de legalidade duvidosa. Embora os casos particulares nos toquem sempre, e perante os factos consumados o importante é dar-lhes solução, não nos podemos esquecer que a lei portuguesa considera crime que alguém pague/receba por “emprestar” o seu útero, ou que de forma mais directa ou sub-reptícia um bebé seja transaccionado por dinheiro.
E é de dinheiro que falamos. Em 2020, uma reportagem da TVI referia que a contratação deste serviço valia pelo menos 40 mil euros, dos quais 350 euros/mês eram entregues à “barriga receptáculo”, com um prémio de 13.550 euros depois do parto, 15 mil euros no caso de gémeos. E embora as próprias mulheres entrevistadas referissem que o faziam de livre vontade, ninguém lembrava o telespectador de que, na altura, o salário mínimo na Ucrânia era de 112 euros, tornando incrivelmente aliciante esta nova categoria profissional. Com mais um detalhe arrepiante, Ana: a partir dos sete meses de gestação estas portadoras passavam a modo de “prisão domiciliária” num apartamento da agência, de forma a garantir que o “produto” estaria nas melhores condições no acto da entrega.

A ERA DOS IMBECIS



“O QI médio da população mundial, que sempre aumentou desde o pós-guerra até ao final dos anos 90, diminuiu nos últimos vinte anos. É a inversão do efeito Flynn.

Parece que o nível de inteligência, medido pelos testes, diminui nos países mais desenvolvidos. Pode haver muitas causas para este fenómeno. Um deles pode ser o empobrecimento da linguagem.
Na verdade, vários estudos mostram a diminuição do conhecimento lexical e o empobrecimento da linguagem: não é apenas a redução do vocabulário utilizado, mas também as subtilezas linguísticas que permitem elaborar e formular pensamentos complexos.
O desaparecimento gradual dos tempos (conjuntivo, imperfeito, formas compostas do futuro, particípio passado) dá origem a um pensamento quase sempre no presente, limitado ao momento: incapaz de projecções no tempo.
A simplificação dos tutoriais, o desaparecimento das letras maiúsculas e da pontuação são exemplos de “golpes mortais” na precisão e variedade de expressão.
Apenas um exemplo: eliminar a palavra “menina/senhorita/senhora” (agora obsoleta) não significa apenas abrir mão da estética de uma palavra, mas também promover involuntariamente a ideia de que entre uma menina e uma mulher não existem fases intermédias.
Menos palavras e menos verbos conjugados significam menos capacidade de expressar emoções e menos capacidade de processar um pensamento. Estudos têm mostrado que parte da violência nas esferas pública e privada decorre directamente da incapacidade de descrever as emoções em palavras.
Sem palavras para construir um argumento, o pensamento complexo torna-se impossível.
Quanto mais pobre a linguagem, mais o pensamento desaparece.
A história está cheia de exemplos e muitos livros (George Orwell – “1984”; Ray Bradbury – “Fahrenheit 451”) contam como todos os regimes totalitários sempre atrapalharam o pensamento, reduzindo o número e o significado das palavras.
Se não houver pensamentos, não há pensamentos críticos. E não há pensamento sem palavras. Como construir um pensamento hipotético-dedutivo sem o condicional? Como pensar o futuro sem uma conjugação com o futuro? Como é possível captar uma temporalidade, uma sucessão de elementos no tempo, passado ou futuro, e a sua duração relativa, sem uma linguagem que distinga entre o que poderia ter sido, o que foi, o que é, o que poderia ser, e o que será depois do que pode ter acontecido, realmente aconteceu?
Caros pais e professores: Façamos com que os nossos filhos, os nossos alunos falem, leiam e escrevam. Ensinemos e pratiquemos o idioma nas suas mais diversas formas. Mesmo que pareça complicado. Principalmente se for complicado. Porque nesse esforço existe liberdade.
Aqueles que afirmam a necessidade de simplificar a grafia, descartar a linguagem dos seus “defeitos”, abolir géneros, tempos, nuances, tudo que cria complexidade, são os verdadeiros arquitectos do empobrecimento da mente humana. Não há liberdade sem necessidade. Não há beleza sem o pensamento da beleza.”
Cristophe Clavé


domingo, abril 10, 2022

CANSADA DE MENTIRAS E HIPOCRISIAS



Fico estupefacta como há pessoas, sobretudo mulheres e contra toda as evidências do contrário, que ainda acreditam na FELICIDADE.
Ainda vivem a adiar a realidade e talvez uma vida satisfatória não fora o sonho de uma felicidade absurda que nunca existiu na terra. Não, não há nem nunca houve felicidade na terra nem nada que se pareça. É só miragem e ilusão, uma projecção da vida ideal como uma religião – virados para o futuro e para o alem, seja no ceu ou nas estrelas, seja algures num paraíso artificial. 
A terra nunca foi um Paraiso. A natureza destrói e dizima espécies…Tudo nasce e apodrece… Os animais matam-se uns aos outros para comer, e os homens morrem de doenças por comer cadáveres e também se matam uns aos outros somente por ganância e ódio e crenças. Eles marcam o terreno como cães e gatos…fabricam armas e estão se nas tintas para os humanos que morrem… mulheres e crianças que matam e violam sem qualquer escrúpulo.
Onde é que há felicidade mesmo quando há paz? Paz também é um mito, ela nunca existe na realidade, fora de nós, mas nós ignoramos as guerras e a fome lá longe e fingimos que somos felizes…e amamos o próximo, a maior mentira que já existiu. Quando vem a peste quase nos comemos uns aos outros ou matávamos também se pudéssemos…

Isto de acreditar na felicidade é também uma espécie de romantismo proveniente de idealizações e cultos antigos. Ninguém quer viver nesta realidade… Por isso inventam-se hotéis e férias e descanso para fugir a escravidão do trabalho…cria-se musica e arte e romances para simular realidades enquanto camuflamos os nossos males e sofrimentos. Cantamos e dançamos para exorcizar a dor e o vazio de não haver respostas ou sentido para a nossa vida…

AS pessoas pensam que por pensar coisas bonitas e acreditar no amor ele é verdade… e não percebem que se olhássemos todos a nossa verdade e tivéssemos o reconhecimento desta realidade, ela podia dar-nos muita mais compreensão do fenómeno vida-morte que nos transcende. Penso que se olhássemos a realidade nua e crua e sem medo e não fossemos tão fantasistas e cegos acerca da vida na Terra talvez encontrássemos respostas para o nosso vazio existencial que vem dessa projecção constante com que criamos deuses e anjos e fantasias celestiais e vivemos de idealismos sociais a acreditar no que não existe. Mas só tarde demais vemos isso – sim só a idade nos mostra isso... e eu digo-o porque sou velha...Não me restam mais ilusões nem fantasias… a morte aproxima-se e eu quero a verdade, doa o que doer, em vez de qualquer felicidade fictícia…



rlp


Não vejo solidariedade verdadeira, não vejo irmandade neste mundo...

 


Não tenho escrito nada porque estou a atravessar uma fase drasticamente ceptica ou pessimista. Não consigo levar a sério tantos conselhos celestiais e promessas ascensionais e 5ª dimensões, poemas e lindas frases de sábios e místicos e tantas coisas positivas e espirituais - ah corações ao alto! - ou lives e mais lives com promessas de curas e conselhos disto e daquilo e tanto ego, selfies e euzinhos insuflados com muita paz e muito amor e coisa nenhuma e tantas bajulações, que espremidas dá zero.

Lamento e peço desculpa aos meus amigos e amigas mas neste momento não consigo ver nada a acontecer na nossa realidade – é tudo para depois, amanhã, no ceu, no além, ou com naves ou anjos de asas etc.  Tudo isso de que todos falam, para mim não passam de histórias que ouço há mais de 20 anos e sei que é gente cheia de boa vontade e uma grande dose de ingenuidade, romantismo new age, o ficar a espera que o que quer que seja nos caia do céu…  Sem duvida que esta é uma forma de as pessoas atenuarem a sua dor e sofrimento perante a impotência e o horror da mentira, das pestes e das mortes, diante da crua Guerra.

Nada melhor do que um soporífero para adormecer as consciências alarmadas e confusas perante este caos humano…

Eu entendo que queiram pintar um quadro de cores suaves e alegres quando tudo é negro e feio, que é bom olhar para as estrelas quando o chão está cheio de sangue de inocentes…

Sabem estou à espera de anjos já há 30 anos… em 2000, esperava o fim do mundo… e agora… já não sei. Qualquer dia sou eu que parto para o outro lado… de alma nua e sem ideias nenhumas!

Entretanto, eu não me consigo alhear deste peso, desculpem, porque o que eu vejo é  a nossa humanidade num estado de impotência e de desolação cheia de medo, odiando-se e por outro lado altamente egoista e parasitária apenas concentrada  no dinheiro, cada individuo fixado no seu umbigo e na sua vidinha que vê ameaçada.

Não vejo solidariedade nenhuma, não vejo irmandade neste mundo. Lamento. Não consigo forjar nem simular um mundo a que não assisto nem sinto. Como nunca consegui acreditar num deus bom vivendo num mundo de horrores…

 

rlp

terça-feira, abril 05, 2022

SÓ PARA LEMBRAR DE ONDE TUDO VEIO... e como começou a misoginia!



A MULHER E A MISOGINIA

A mulher no início da Idade Moderna era considerada uma agente de satã. Em algumas sociedades antigas a mulher era venerada, com o tempo o homem passou a ter medo dessa mulher, fato comum nas sociedades patriarcais. A mulher era acusada pelo sexo oposto de ter introduzido o pecado, a desgraça e a morte na terra. A Pandora grega, a Eva judaica teria cometido o pecado original. O homem encontrou na mulher a explicação, o responsável pelo desaparecimento do paraíso terrestre. O antifeminismo é uma leitura errada do Evangelho. A igualdade defendida pelo evangelho cedeu lugar à exclusão da mulher da sociedade, lhe dando um papel secundário. Líderes da Igreja, já possuíam traços antifeministas, desde os primórdios do cristianismo, a mulher era considerada sinônimo de perdição. A sexualidade era pecado. A Igreja tinha uma postura misógina no século XVI, ela exaltava a virgindade feminina. Segundo Santo Agostinho, o ser humano possui uma alma espiritual assexuada e um corpo assexuado. O homem seria a imagem de Deus, a mulher seria inferior ao homem, devendo ser submissa. Tomás de Aquino, também dizia que a mulher era mais imperfeita do que o homem, inclusive sua alma, para ele o homem possuía mais discernimento e razão. A Idade Média Cristã aumentou a misoginia, poucas figuras femininas foram consagradas na Idade Média. 
A Virgem Maria foi posta em um pedestal, mas teve sua sexualidade desvalorizada. As ordens mendicantes, no século XIII, propagaram uma onda de misoginia, que nos século XVI, teve seu impacto aumentado, com as reformas protestantes e católicas. Naquela época existia uma misoginia com base teológica, na qual a mulher seria um ser predestinado ao mal, e deveriam ser tomadas precauções em relação a ela. Os clérigos presos à castidade tinham receio do sexo feminino, por isso escreviam sobre os perigos do sexo feminino, esses escritos oprimiam a mulher, hostilizavam-na. Havia uma guerra santa contra a aliada do diabo. Existia uma literatura misógina na Idade Média, no período moderno surgiu o antifeminismo clerical. O discurso misógino era normal no mundo monástico e foi reproduzido por diversos autores da Idade Moderna. O discurso dos teólogos difundiu a inferioridade da mulher, que representava um perigo para os padres, que constantemente caíam na tentação. A ação antifeminista da Idade Média foi muito difundida. Um trecho do livro Malleus Maleficarum, sintetiza bem o papel da mulher no fim da Idade Média e no início do período moderno: ... A repressão da Igreja ocorrer de várias maneiras (...): na negação da importância central do corpo no qual se expressa a Paixão; (...) na hierarquização patriarcal da Igreja, nos votos patriarcais de pobreza, obediência e castidade para seus sacerdotes, na inferioridade patriarcal da mulher na vida institucional da Igreja, principalmente na sua impossibilidade de ministrar os sacramentos e ocupar cargos em iguais condições com os homens, na paralisia da transformação sócio-política por concessões elitistas para assegurar a obtenção e manutenção do poder exercido dentro do dinamismo patriarcal.

 A Igreja pós-tridentina, impôs novas regras ás confissões para que houvesse mais transparência e os padres não fossem tentados. Os confessores passaram a propagar palavras de desprezo em relação às mulheres. A mulher é colocada no plano de insubmissão e inferioridade, a fundamentação era buscada na Bíblia. Muitos discursos foram produzidos para comprovar a inferioridade da mulher. O discurso médico falava da inferioridade física e biológica da mulher. Elas eram melancólicas, irritadiças e tudo mais que fosse negativo. Na verdade, havia uma falta de conhecimento do corpo da mulher, existia um tabu, fazendo com que o médico não se aproximasse muito dela. A imagem da melancolia da mulher surgiu na Antiguidade Clássica (Teoria dos Humores). Segundo os médicos, as mulheres não possuíam equilíbrio dos humores. Os humores eram os elementos formadores que davam origem a tudo. Os quatro humores eram: o sangue, bílis amarela, bílis negra e fleuma ou linfa. Os humores seriam responsáveis pelo temperamento. Os médicos sustentavam ainda que a mulher fosse um macho imperfeito. O discurso jurídico procurava apoio na medicina e na Igreja. Através disso criavam leis que aumentava a misoginia. Várias interdições surgiram contra as mulheres. O homem era o cabeça da casa, a mulher não possuía poder jurídico, não podia exercer a medicina, magistratura atividades eclesiásticas e educadoras. Os demonólogos leigos combinavam o discurso teológico, médico e jurídico para justificar o comportamento feminino, que era considerado fraco. A atmosfera misógina foi ampliada pela literatura e pelas representações iconográficas, que estavam ancoradas em juristas, médicos e teólogos. Os textos e figuras exaltavam ou detratavam a mulher, havia ambigüidade. Na exaltação o que estava sendo focalizado era a submissão ou a desasexualização, dessa forma a exaltação e a destratação pregavam a misoginia. A carga profundamente misógina e androcêntrica marcaram o período moderno."

Bibliografia: DELUMEAU, Jean. Os Agentes de Satã: a mulher. In: História do Medo no Ocidente, 1300-1800. São Paulo: Cia. das Letras, 1996. KRAMER, Heinrich; SPREGER, James. Malleus Maleficarum – O Martelo das Feiticeiras.

publicado por araretamaumamulher - 2009


E POR ISSO MESMO O MUNDO ESTÁ DIVIDIDO E EM GUERRA




Ontem fiz uma pesquisa no Google e encontrei textos meus em vários sitios, Este é um deles, datado de 2010 e cujo blog penso que deixou de ser actualizado. Vou deixar-vos  um texto talvez sujeito a correcções...

Diz a autora, do Blog cujo nome não consegui ver. 

"Em depoimento pungente, a escritora portuguesa Rosa Leonor fala de sua causa pessoal. As pessoas em geral comentam com ela que sua causa é perdida e ultrapassada pois nosso mundo “civilizado” já alcançou os padrões de igualdade e liberdade. Mas a autora finca a voz e brada em nome das mulheres espancadas e violadas, traficadas e prostituídas, e sem identidade...“Já ninguém sequer fala da minha causa com vergonha”, afirma, “ou, então, fala como se fosse uma anedota velha... uma coisa ridícula que todos querem esquecer, homens e mulheres. Especialmente as mulheres…”.
Em essência, Rosa Leonor nos conta que luta em nome do Ser Uno, o Espírito Santo, a Mãe Original, as águas matriciais, o Espírito de Luz... Focos que dizem de perto ao público do Absoluta, você sabe."

A minha causa
"A opressão sobre as mulheres ainda persiste, e por vezes são as próprias mulheres que tornam o mundo ainda mais difícil para as outras mulheres. Mas este fenômeno tende a desaparecer, à medida que essas mulheres opressoras conquistem a sua auto-estima. Do lado oposto a esta selva, nasce um dia novo e glorioso na terra, o dia em que as nossas filhas deixarão de ser julgadas pelas suas paixões ou postas de lado porque terão poder, força e amor."
in O VALOR DE UMA MULHER de MARIANNE WILLAMSON - 1993

A minha causa é uma causa milenar, a única causa que sempre foi posta fora de todas as causas e disfarçada de causa nenhuma... Passaram séculos, mudanças de regimes e ideologias, desde o escravagismo, feudalismo à democracia, mas nunca nenhum sistema pôs verdadeiramente em causa a causa das mulheres...
A minha causa é a causa perdida de que se riem hoje as pessoas “inteligentes”, pois me garantem que a minha causa não tem causa de ser por ser hoje em dia inútil e ultrapassada... e, que neste mundo “civilizado” e de consumo exacerbado, já não se justifica porque já atingimos todos os patamares de liberdade e igualdade... Já ninguém sequer fala da minha causa com vergonha ou, então, fala como se fosse uma anedota velha... uma coisa ridícula que todos querem esquecer, homens e mulheres. Especialmente as mulheres… É uma causa velha como o mundo, e até dela fazem a mais antiga profissão sem que ninguém tenha problemas de consciência pois é tão velha (e injusta) como o mundo, dizem...

Sim, a minha causa é a das Mulheres, de todas as mulheres. Das mulheres espancadas e violadas, das mulheres exploradas, traficadas e prostituídas e sem identidade! Não um feminismo serôdio, mas o Princípio Feminino que falta ao Mundo onde o Masculino é único e exacerbado em todas as sociedades e que serve, inclusivamente, à própria mulher masculinizada à força para vencer na vida; é o Feminino por excelência, o Arquétipo da Deusa, enterrada durante séculos de barbárie pela violência da espada, ou de armas mais sofisticadas, e que é preciso consciencializar (integrar) tanto por homens como por mulheres.
É o princípio não da igualdade, mas o do equilíbrio que pode superar o abismo da diferença que há entre os dois que se dividem e lutam, e cuja Consciência e Harmonia faz da Mulher e do Homem um ser único e íntegro. Talvez seja o Princípio da Androginia, ou do Ser Uno, o Espírito Santo, a Mãe Original, as águas matriciais, o Espírito de Luz, de que Platão falava antes desta História humana contada só a uma voz e que ele começou... A voz dos homens que dominam e exploram metade da Humanidade - as mulheres - desde o princípio da Barbárie, e que é a mesma que vivemos no século XXI...

Talvez a minha causa não se inclua em nenhuma “causa nossa” nem em nenhuma causa política... Porque não uso a linguagem machista, nem faço salamaleques aos donos e senhores da guerra da Mídia ou da Blogosfera... em que impera o mesmo poder, o falocrático...
Talvez a minha causa seja uma causa metafísica, imprópria para mentes modernas e mentes políticas tão "corretas" dos nossos dias que se dividem em grupos, partidos, e entre homem e mulher e dentro de si mesmos... 
OS SERES HUMANOS ESTÃO TODOS DIVIDIDOS E POR ISSO MESMO O MUNDO ESTÁ DIVIDIDO E EM GUERRA.

Um País - um governo - que NEGA BRANQUEIA ou se opõe à liberdade de consciência de uma mulher, que nega a capacidade de discernimento da Mulher-Mãe e a condena pelas suas leis, expondo-a aos seus juízes e padres, em inferioridade, que a humilha e a prostitui, que a subjuga e desprestigia, que permite que sobre a mulher recaiam as situações mais degradantes e miseráveis, é um país condenado à sua queda, tal como o mundo inteiro entregue à violência masculina e à guerra. Aponta, assim, a falta do Princípio Feminino, ontológico, complementar do Princípio Masculino no mundo e, sobretudo, nos países onde a mulher é ainda quase escrava - são países fundamentalistas e fanáticos, miseráveis, tanto na África como no Iraque, no Afeganistão, na América ou na Europa...

Seja em nome de Jeová, seja de Alá... do senhor Maomé ou do senhor Cristo, são em todo o mundo as mulheres que em primeiro lugar são sempre sacrificadas!



Rosa Leonor Pedro -2010
Escritora

quinta-feira, março 31, 2022

Como os Biodemos se originaram neste universo?



Introdução:


- Jan Val Elam em sua crescente obra, “sentiu” a necessidade de criar termos para “classificar” as inúmeras classes e gêneros de seres extraterrestre e extra físico. Após começar a ter contato e obter novos conhecimentos através das informações que veio gradativamente a receber, pelos próprios, de suas existências. Dentre elas um dos termos criados foi o de biodemo.

Definição:

“Gênero cuja carga mental demo se encontra parcialmente neutralizada e associada à função biológica assexuada, tendo como membros indivíduos normalmente racionais e operativos, variando tão somente os seus padrões de senso crítico e de razão filosófica.” Definição presente no livro: O Dharma e as Castas Hindus. De Jan Val Ellam.


Como os Biodemos se originaram neste universo?

- Biodemo é uma linhagem de seres extraterrestres biológicos que povoam o universo material (Buhloka) criado por um dos “senhores” da antiga Trimúrti que era conhecido por Vishnu (Que se encontrava no Brahmaloka: Universo antimaterial, paralelo ao universo material) que no seu “forno demo” fez-se sua expressão “Mohen So” e dessa, se originou, já no universo material, a personificação biológica conhecida como “Sophia” que foi “engendrado” neste universo para vir a ser o suserano deste universo material até o final do mesmo. Os Biodemos não “nascem” por via sexual. São “engendrados” em Naves espaciais “maternidades” por provável engenharia genética, e já nascem “prontos” não tem período de infância como os seres humanos. Já são criados de uma forma “adulta” com todas suas potencialidades específicas para que cada família biodemica criada, para que “resolva” alguns determinados problemas definidos pelo seu “criador” (do corpo biológico, mais cada um deles também são “vivificados” por um espírito, como os seres humanos e demais seres do universo.


Algumas informações e curiosidades sobre os Biodemos:


- Existem aproximadamente 250.000 famílias biodêmicas.

- Vivem centenas de milhares de anos terrestres, na forma de biodemo.

- São seres biológicos assexuados, “engendrados” por algo parecido com o que conhecemos com engenharia genética em “casulos” dentro de naves espaciais criadas especificamente por Sophia para determinada família biodêmica.

- São “interligados mentalmente” por um aparato conhecido na obra Elaniana, por “Processador” (Um tipo de “computador quântico”) o mais conhecido na obra de Jan Val Ellam é o Processador Val [da Família Val] que atualmente se encontra “astralizado” nos arredores do planeta Terra. Cada família biodêmica tem o seu próprio processador; mais algumas das famílias como, por exemplo, a Família Yel foi destruída durante a “Rebelião de Lúcifer” e acabaram ficando “interligado” através do processador da Família Val.

- São seres radiatas (tem somente um hemisfério cerebral, os seres humanos são bilatérios, tem dois hemisférios cerebrais).

- São extremamente inteligentes, mais desprovidos de emoções. Com exceção de alguns deles que ficaram exilados por milhares de anos no contexto terrestre e submetidos a um estresse extremo, que lhe causaram mutações genéticas em seu corpo biológico, levando os a se “algo” diferenciar dos biodemos que continuam em sua constelação de origem.

- Um ser biodemo pode passar milhares de anos terrestres focado em resolver, por exemplo, uma equação matemática, sem necessidades físico-biológicas como um ser humano precisa.

- Uma parte destas famílias participou da conhecida “Rebelião de Lúcifer” (Yel Luzbel, membro da família biodêmica Yel).

- A maioria das famílias é proveniente do sistema de Capela.

- Uma pequena parte dos bidemos (alguns milhares) se encontra “encarnados” entre os seres humanos.

- A maioria, segundo Jan Val Ellam, dos detentores de prêmios Nobel e conhecidos políticos e líderes mundiais, seus espíritos em vida passada “vivificaram” também seres das famílias biodêmica.
A grande maioria dos que tomam contato com Revelação Cósmica e permanecem seguindo a obra de Jan Val Ellam, seus espíritos, já “vivificaram” também algum ser extraterrestre de uma das famílias Biodêmicas…

Principais séries de livros e palestras de Jan Val Ellam, que se tem por foco o tema sobre os Biodemos:

Livros:

- Trilogia Terra Atlantis:

1) O sinal de Land´s End

2) A Frota Norte

3) Terra Atlantis — A Era Sapiens

Palestras encontradas no IEEA:

- Algumas das palestras do Módulo 17: Grupo 02 — Temática extraterrestre.

quinta-feira, março 24, 2022

A destruição da humanidade começa pela confusão entre sexo...

 


OS MEDIA SÃO O CANCRO DA HUMANIDADE

A destruição da humanidade começa pela confusão entre sexos. Os géneros são constructos ideológicos e nada têm que ver com cromossomas ou hormonas. Baralharam a linguagem e agora baralham homens e mulheres. Só se perde no jogo deles quem andar mesmo a dormir. Os Jogos Olímpicos, logo para começo de conversa, são rituais satânicos, basta ver os teatros de abertura para termos noção do que de facto se trata. Se desligássemos todos as televisões e não déssemos qualquer crédito ou tempo de antena a estes nonsense, acabaríamos com todos os vjrus e guerras. Os media são o cancro da humanidade.

 JOGOS OLIMPICOS

Nestas cerimónias de abertura (veja também o caso flagrante da cerimónia inaugural do CERN) são passadas mensagens subliminares a par do uso de armas psicotrónicas (tenho um vídeo postado ontem no meu perfil, em que a filóloga Carme Huertas explica muito bem este aspecto). Nestes eventos públicos toda a população espectadora passa por um brain washing muito semelhante ao praticado nos rituais iniciáticos de certas sociedades secretas. A simbologia, o som, a cor e a mensagem cooperam para envolver o público num dado fluxo energético. Inclusivamente, os sacrifícios são encenados através da sua redução a imagens arquetípicas, de claro valor simbólico, de forma a que sejam aceites pelo subconsciente do observador comum. A consciência do espectador é posta em oferenda a uma força abstracta e "demoníaca", ou seja, é instrumentalizada através da sua distorção ou polarização (alteração da percepção do real). Não se trata aqui de acreditarmos em patranhas relativas à existência de um diabo, porque nem os satânicos acreditam em tal coisa. O Diabo é a inteligência artificial, é a distorção da matriz cósmica. O plano em que vivemos é um fractal de uma realidade maior, em que, tal como num holograma, cada uma das suas ínfimas partes contém o todo. As cerimónias de abertura destes eventos desportivos e até da Eurovisão, destinam-se à criação de uma hive mind obediente e padronizada, naquilo a que se dá o nome de Mass Formation Hypnosis.

 NOS CONCERTOS

No mundo musical, então, nem se fala, é por todo o lado. Há artistas que fazem dos seus espectáculos autênticos rituais satânicos, tudo de acordo com a simbologia e os cânones do talmude babilónico criado pela máfia khazariana. Tudo isto se destina ao mind control, à exploração da energia humana através das frequências geradas pelas emoções. Nada neste mundo é aleatório, e até o flúor com que envenenam a nossa água nos predispõe à empatia com determinados padrões energéticos de cunho predatório ou parasitário. Não é por acaso que vamos encontrar parasitas na base de quase todas as nossas doenças, incluindo o cancro, assim como nas vacjnas. Tudo se integra num plano maior, que de tão grande nos escapa.

 Isabella garnesche

Eu vejo todas as pessoas como seres humanos




“Nuestro cuerpo de mujer está colonizado y responde a la ideología del colonizador. La liberación sexual de los años sesenta no fue en realidad para la mujer sino en el sentido masculino del término y en relación a los intereses de os hombres”.
Leonor Taboada

"Mulheres" trans... tornadas!
 
Queria avisar antes de abordar este tema tão delicado e tão na moda que o que eu escrevo aqui nada tem a ver com falta de empatia, diria mesmo de amor que tenho pelo ser humano e os seus dramas existenciais. Sejam homens ou mulheres é-me igual. Eu prezo todas as diferenças e todas as escolhas individuais que cada pessoa adulta e consciente possa fazer na sua vida sem afectar a dos outros. Como no caso de pessoas homossexuais – e para mim isso significa que cada um pode amar seres do mesmo sexo, como do sexo oposto de igual modo -, mas continuo a manter uma posição de que nestes casos o ser humano não precisa de mudar de genitália…
Eu vejo todas as pessoas como seres humanos, sejam a partida homens ou mulheres, como disse, homossexuais e lésbicas, e no caso dos ditos transexuais eu entendo-os e sei o seu drama, sinto-o mesmo de forma muito empática, e até compreendo o seu fascínio pela mulher e o seu “desejo” do feminino. Tenho amigos e amigas desde sempre diferentes. Conheci há 50 anos alguns dos primeiros travestis portugueses incluindo um deles que se operou e depois de se ter tornado “mulher” (belíssima) disse que afinal amava as mulheres…
Eu entendo mas vejo toda esta questão a um nível metafisico e da encarnação das almas; sei que nascem muitos seres que não se identificam a partida com o seu sexo genital, e desse modo eles tem toda a minha compreensão e compaixão, mas como Mulher eu não posso permitir esta propaganda doentia, superficial e volúvel quando se está a dar a estes assuntos um relevo absurdo, sobretudo aceitar como natural e normal estes seres hibridos que se mutilam em nome de um sentir apenas. Na verdade deixam de ser homens e nunca serão mulheres e vice-versa – basta olhar os aspectos biológicos dando-lhe um lugar no pódio, por exemplo, competindo de “igual” com a mulher e onde obviamente é clara a sua superioridade física....
À partida lembro que TODAS AS PROFISSÕES que antigamente eram de MULHERES, como modos de sobrevivência e não tendo acesso a profissões “melhores”, como os homens, elas foram ao longo dos anos apropriadas pelos homens, apesar de “inferiores”...começou com os estilistas, costureiros, cabeleireiros, e cozinheiros, como chefes de cozinha etc. Todos foram privilegiados em termos sociais e obtiveram muito mais renome do que as mulheres. Mas sobretudo foram os estilistas e os cabeleireiros que projectaram uma imagem de mulher ficcionada no seu imaginário e também poetas e escritores gays... o que nada teria a ver com a mulher normal e comum, a empregada ou a dona de casa, mesmo a princesa, mas sim, com as suas producções ficiticias, projectadas da “mulher ideal” no cinema e na música. Eles estilistas e gays, criaram as grandes stars! E eles próprios tornaram-se nesses travestis a imagem do que eles gostariam de ser... se...fossem mulheres. As mulheres fizeram tudo o que eles queriam e seguiram esses padrões durante décadas como se aquilo fossem elas...e cada vez mais ficaram longe de uma imagem digna da Mulher-mulher, a mulher real.
AGORA no desporto, há mais esta forma de o homem se apossar de um campo alternativo de afirmação do feminino... E aqui vemos o despontar do DRAMA, é que eles já não querem ser apenas o travesti nem se vestirem de mulher no carnaval ou como vestiram ou despiram a mulher de deusa ou rainha ou prostituta...eles agora querem TER CORPO e sexo de MULHER, SER MULHER, serem “mães” e tudo isto por se sentirem, dizem, MULHER... e aqui temos o resultado. Uma destruição paulatina da imagem biológica da mulher e do homem.
No caso das mulheres, que não sabem o que é ser mulher de tanto imitar os homens e os homens de tanto fabricarem mulheres querem ser mulheres invertidas… e todos embarcam nesta onda abismal e perversa de aceitarem esta palhaçada toda…
Não, eu não estou a menosprezar o SER HUMANO nem a sua liberdad, como afirmei no inicio. O que eu não tolero é que se adultere tudo em nome de ideologias de género e pressupostos absurdos que nada tem a ver com a realidade biológica do ser. E isto também não significa que eu não saiba e não pense nos seres humanos que nascem com sexo indefinido ou os raros que são “hermafroditas” – agora o drama é psicológico e social sim, e sobretudo político. O drama é que agora eles e elas querem ser mulher ou homem por capricho do momento e isso é manifestamente uma profunda ignorância e pura alienação do ser ontológico.
rlp