segunda-feira, março 12, 2018

escrevo da parte das mulheres feias...


Virgínia Despentes - escritora e realizadora francesa

Escrevo  da parte  das feias, para as feias, as velhas, as camionistas, as frígidas, as mal fodidas, as inrabavéis, as histéricas, as malucas, todas as excluídas do grande mercado à mulher certa. E começo por aqui para que as coisas fiquem claras: Não peço desculpa de nada, não venho reclamar. Eu não trocaria o meu lugar por nenhuma outra, porque ser Virgínia Despentes parece-me ser um tema mais interessante para  abordar  do que qualquer outro caso.

Acho fantástico que também haja mulheres que gostam de seduzir, que saibam seduzir, outras se casam, que  gostam de sexo e outras de bolos para o lanche das crianças que saem da escola. É bom que haja umas muito doces, outras desabrochando na sua feminilidade, que haja jovens, muito bonitas, outras simpáticos e radiantes. Francamente, estou muito feliz por todas as pessoas a quem as coisas são adequadas. Isso é dito sem qualquer ironia. Acontece que eu não faço parte destas. Claro que não escreveria o que escrevo se fosse bonita, linda e  mudar a atitude de todos os homens que encontro. É como a proletária da feminilidade que eu falo, que falei ontem e que vou começar de novo hoje. Quando estava no RMI, não sentia vergonha de ser excluída, apenas raiva. É o mesmo como mulher: Não sinto a menor vergonha de não ser uma super boa miúda. Por outro lado, estou verde de raiva que, como rapariga que não interessa aos homens, é sempre preciso dizer-me que eu nem devia estar aqui. Sempre existi. Mesmo que não fosse sobre nós nos romances de homens, que só imaginam mulheres com quem gostariam de dormir. Sempre existimos, nunca falámos. Mesmo hoje em  que as mulheres publicam muitas novelas, raramente se encontram personagens femininas com físicos ingratos ou medíocres, incapazes de amar os homens ou de se fazer amar / ao contrário, as heroínas contemporâneas gostam de homens, encontram-se facilmente, dormem com eles em dois capítulos, elas gozam em quatro linhas e amam todas o sexo. A figura da falhada da feminilidade é-me mais do que simpática, é-me essencial. Tal como a figura do falhado social, económica ou política. Prefiro aquelas que não conseguem, pelo certo e simples motivo de eu não conseguir muito bem. E que, de um modo geral, o humor e a criatividade estão mais do nosso lado. Quando não se tem o que é preciso para se peidar, somos muitas vezes mais criativos. Sou mais o King Kong do que a Kate Moss, como filha. Eu sou esse tipo de mulher que não se casa, com quem não se tem bebés, falo do meu lugar de mulher sempre demais tudo o que ela é, muito agressiva, muito barulhenta, muito gorda, muito brutal, muito despenteada,  muito viril, dizem-me. No entanto, são as minhas qualidades viris que fazem de mim algo mais do que um caso social entre os outros. Tudo o que amo da minha vida, tudo o que me salvou, o devo à minha masculinidade. Portanto, é aqui como mulher incapaz de chamar a atenção masculina, satisfazer o desejo masculino, e satisfazer-me com um lugar à sombra do que escrevo. É aqui que escrevo, como mulher não atraente, mas ambiciosa, atraída pelo dinheiro que ganho eu mesmo, atraída pelo poder, de fazer e recusar, atraída pela cidade em vez de por dentro, sempre Excitada com as experiências e incapaz de me satisfazer com a história que me vão contar. Estou-me a cagar para seduzir homens que não me fazem sonhar. Nunca me pareceu óbvio que as raparigas atraentes se esforçassem assim tanto. Sempre me senti feia, e sinto-me tão mais acomodada  tanto quanto melhor percebo como isso me salvou de uma vida de merda a lidar com tipos simpáticos que nunca me teriam levado mais longe do que a linha azul dos Vosges. Estou contente por mim, de modo mais desejante do que ser desejável.

- Virgínia despentes, king kong teoria


Sem comentários: