"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, maio 21, 2012


- PORQUE NUNCA FALO DO  HOMEM,
NEM DO MASCULINO SAGRADO

A visão dos homens sobre o sexo é uma e a das mulheres é outra. O erotismo das mulheres é um, de Vénus, o dos homens é outro, de Marte. Por isso este espaço está exclusivamente reservado se quiserem ao erotismo feminino, ao Feminino Sagrado, mais a Vénus e Afrodite do que Eros e Marte.
Os seres femininos são diferentes dos masculinos. O seu erotismo é diferente e ponto final.
A aprendizagem pode ser a experiência dos dois em UM, mas nunca antes de a mulher ser mulher e o homem ser homem...e aí é que começa a discórdia. porque nem o a mulher nem o homem são seres féis ao Pincípio respectivo, havendo uma total preponderância do princípio masculino em detrimento do princípio feminino. Temos por isso de rever toda a história da Humanidade.
Há séculos que o Falo impera através da guerra, da violação e da violência sexual sobre as mulheres; o Falo é símbolo de domínio, de valor, de supremacia, imperativo até na linguagem: o Homem, a autoridade e jactância masculina plenas. O falo tem sido um sexo de domínio sobre as mulheres, de afronta às mulheres...

Sei que não é simpático dizer isto a mulheres jovens e mulheres na força da Vida e em plenitude sexual ou casadas...mas ainda aí e a risco de me considerarem androfóbica, ou sofrer de misandria, eu defendo e digo que aqui do que se trata É do ÚTERO...do Útero e dos Ovários, centro de poder interior da mulher e correspondente ao "ter tomates". Importante aqui é o Sangue e as Faces da Deusa e da Lua e não do deus cornudo...nem do masculino sagrado, desculpem mas esse é o FOCO, não o Falo.
Já chega: Vivemos numa sociedade absolutamente falocrática, e num sistema que elege o falo como único princípio e expressão/opressão das mulheres...inclusive verbal - Lacan diz: “a linguagem é o falo a mulher é silêncio” – por isso tenho instintiva e naturalmente alguma relutância em dar espaço entre mulheres e deusas a esta questão...que não nos pertence de nascença...e à partida, embora tenham feito de nós seres inferiores por não possuirmos um...

Freud disse isso, que nós mulheres tínhamos inveja do pénis. Nunca tive inveja do Pénis...e achei essa análise um erro crasso, no entanto acabei por constatar, tardiamente, que isso é muito o caso das mulheres que vivem obcecadas pelo dito...e muitas não amam o homem, conheci algumas, mas desejariam ter um órgão de poder e de posse e de violência - a espada...elas querem possuir o homem para se apossar do falo…as ninfomaníacas não são outra coisa senão isso…
Esta sociedade actual de homens é imperativamente dominada pelo...cara....-…A linguagem dos jovens e dos homens começa e acaba com essa maravilhosa interjeição a toda a hora e em qualquer lugar...a das mulheres de hoje em dia também...
Há pouco tempo fiz parte de um grupo - vrtual - no facebook  de suposta “sexualidade sagrada”... que a breve trecho virou pornográfico...o uso e abuso da linguagem falocrática e a exploração da mulher objecto…

Por outro lado Sei como facilmente as mulheres se interessam e viram com muito mais entusiasmo para falar dos homens e do Falo, da sexualidade e erotismo a dois, sobre os homens em geral, do que sobre elas próprias e esse é o risco...
Sei que as mulheres viveram séculos a fugir delas próprias do seu útero, tão abusado, tão mal tratado, tão vilipendiado...do seu sexo tão denegrido, dos seus ovários cortados...dos seus seios feridos, lacerados...
Sei que pareço uma velha controladora, como já me caracterizaram num grupo, uma madre superior a castigar as meninas que falam de sexo; sei que posso parecer retrógrada e talvez reaccionária. Sei que vão ficar aborrecidas ou mesmo  ofendidas por eu tocar nesta questão desta maneira; eu não odeio os homens de per se, mas a sua história e o seu comportamento colectivo em relação às mulheres em todo o mundo. Ainda ontem vi numa reportagem a forma como os homens da resistência francesa - quando a ocupação nazi acabou -, penalizaram de forma horrível as mulheres que tinham tido amantes alemães…a violência atroz dos cidadãos franceses que lutaram contra o nazismo foi tão feroz ou mais nazi do que estes foram com essas mulheres que amaram…As mulheres são sempre as cruxificadas nas guerras e primeiras vítimas dos dois lados das fronteiras…
Eu nasci no fim dessa guerra, mas sinto que vivi isso na pele, não sei como, pois nasci logo após essa obscura idade média que foi o nazismo, mas nazis ou comunistas, liberais ou utópicos, os homens face à mulher são sempre os mesmos…e isso não me permite dar-lhes espaço aqui. Amo os homens como irmãos, como filhos, mas como amantes  eles não o eram e raros ainda o saberão ser…mas o caminho do masculino sagrado é deles e não meu…
Por isso o meu foco é este trabalho de SER MULHER inteira e busca identitária – sem precisar do complemento homem para ser…eu. Isto é praticamente inconcebível pela grande maioria das mulheres! SEREM MULHERES APENAS, sem serem mães nem amantes, mas seres independentes e conscientes de si mesmas enquanto entidades.

Sei bem e compreendo o legítimo interesse das mulheres pelo falo, pelo homem e pelo sexo... Como sei que corro o risco de mais uma vez ser mal interpretada aqui ao contrariar isso...mas sou velha e sei a importância relativa que o sexo e o dito falo possa ter no somatório de uma vida. E não quero esquecer nem alienar-me um só momento do que seja e do que é ainda o imperativo do sexo num mundo FALOCRÁTICO, a dominação das mulheres.
Portanto minhas amigas, por tantos séculos de poder falocrático, é tempo de nos ocuparmos unicamente da Mulher essencial, do Feminino Sagrado, da Yoni se quiserem, mas não do falo…nem do masculino sagrado. Porque isso não nos acrescenta nada…e continuaremos presas ao seu domínio.

 Resgatemos o Feminino Sagrado em nós antes de tudo e no fim…ou no meio, ou como quiserem, vivam e busquem o masculino sagrado mas só se for em plenitude de vocês mesmas e em total reciprocidade, respeito e amor…Não antes…nem de outra maneira!
rlp

3 comentários:

Arielle disse...

http://danielafeli.dominiotemporario.com/doc/A_soberania_patriarcal_artigo_Vera_Andrade.pdf

Esse é um texto de Criminologia que passou por minhas mãos sobre a vitimização e objetificação das mulheres no Sistema Penal Brasileiro... não concordo com tudo que esse artigo diz, mas achei que a Senhora gostaria de lê-lo - se ainda não o leu. Obrigada por mais uma vez insistir... parece que tem mulheres que simplesmente não entendem que o sexo com um homem não as 'torna mulheres'... e sim objetos pertencentes a um homem ou a uma sociedade machista. 'Ele me fez mulher' é uma frase comum em romances água-com-açúcar, mas não podia ser mais machista e violadora do Feminino integral... beijos e bom dia.

Rosa Leonor disse...

São as mulheres que fazem o homem...primeiro as mães....e depois a amada...e tudo se inverteu neste mundo e todos perdemos o sentido do equilíbrio da paz e do amor...Dise tudo nesta frase..."'Ele me fez mulher' é uma frase comum em romances água-com-açúcar, mas não podia ser mais machista e violadora do Feminino integra"...obrigada minha querida por estar aí...
grande beijinho
rosa leonor

zellangel disse...

Sou um homem que busca entender as coisas. Obrigado por mostrar a visão da senhora. Preciso de mais conhecimento sobre o assunto e seu blog está sendo para mim uma fonte deliciosa dele.