segunda-feira, novembro 14, 2011

DESCULPEM A ORDINARICE...MAS...É ILUSTRATIVA...

Este significativo texto de escrita criativa...ilustra na perfeiçaõ a linguagem FALOCRÁTICA, o domínio da linguagem e do FALO não só na nossa sociedade como obviamente na linguagem falada e escrita. É a literatura que as mulheres lêem:

"Nesta perspectiva, a própria forma do modo de discurso dominante revela a marca do domínio da ideologia masculina. Assim, quando uma mulher escreve ou fala, é forçada a falar como que numa língua estrangeira, uma língua com a qual ela se pode não sentir pessoalmente à vontade."

Este é um autor digno da nossa "geração rasca", alguém que só escreve nesta linguagem, e como poderemos averiguar não varia muito. Fez dessa linguagem um sucesso garantido e tem uma vasta audiências de mulheres que o seguem. Não imagino o que sejam os seus livros, nunca li nenhum. Pelo pouco que li solto, como esta frase e outras que são divulgadas no facebook, às vezes diz umas coisas quase poeticas...de resto é só a asneirada em grande estilo! E tem seguidores/as em barda. Mas o mais constrangedor é de facto haver mulheres que ficam fascinadas com essa linguagem... eu até compreendo...mas na verdade isso nada tem a ver com AMOR e é caso de se perguntar se esta criatura desabrida alguma vez amou ou foi amada, ou se teve uma Mãe que respeitasse profundamente..
E mais uma vez, comprovamos uma linguagem sexista e falocrática; mais um exemplo disso como publicarei mais a frente, o que aconteceu a uma amiga numa reunião de trabalho há dois anos, conforme ela me contava ontem ainda estupefacta: a forma como 50 mulheres, nessa reunião com  o chefe, se submeteram a um tratamento de "cadelas" porque obedientes e fiéis ao dono no seu dizer, conforme ela narra:
 
"Há dois anos atrás, na reunião anual o meu "querido" patrão perguntou-nos a todas, éramos 50 mulheres na sala... se entre uma gata e uma cadela, com qual destes animais nos identificávamos.
50 mulheres, Rosa! Adivinhe quantas gatas puseram a mão no ar... o meu estomago até se embrulhou e ia vomitando nesse mesmo minuto. E no fim, ainda fez um discurso... que naquela empresa, precisam de cadelas... porque as cadelas são fiéis e persistentes, enquanto as gatas são preguiçosas e desligadas.
Rosa, eu fui a única que escolhi a gata. A única entre 50 mulheres.... e o desprezo e asco que senti no momento foi tal que lhe levantei a voz e disse que ele queria as cadelas porque gosta de mulheres submissas! Está a imaginar no novelo em que me meti???"

(S.D.)
Este episódio é bem ilustrativo de como as mulheres em geral aceitam esta ignominiosa forma de tratamento. Elas não só aderem como a promovem e a  mulher que seja diferente é logo esmagada por elas...Assim não é de estranhar que elas sigam e adorem ou adulem escritores como estes...quase todos falocráticos, mas este claramente só falocrático...O império do Falo, logo eu sou...
Como poderemos constatar também hoje em dia a linguagem dos rapazes é uma permanente repitação da palavra c...em cada frase que dizem...e até as raparigas também já o dizem...os adolescentes não falam de outra maneira na rua nos cafés nos transportes, ao telemóvel ...sem qualquer consideração por senhoras mais velhas nem por inguém...Daí agora terem um escritor a altura...
rlp

3 comentários:

isis morgana disse...

"Enquanto a mulher não for senhora de si mesma, o mundo nunca espelhará o universo" - RLP

Talvez agora, finalmente... nestes tempos sombrios e luminosos, em que a mudança se obriga a si própria a emergir, a Mulher acorde e dê finalmente conta, que tem estado afastada do seu centro. E que de uma vez por todas, assuma a sua divindade e reivindique a essência que sempre foi sua por direito, aquela que o homem lhe escondeu e a formatou para que se esquecesse que existe!

Não existem palavras, para descrever o abraço que demos Rosa. Ficará para sempre guardado no meu coração! Foi como um eco, como se não tivesse sido o primeiro!!! :)

Um grande beijinho com a benção da Deusa, que encaminha sempre as suas filhas para as Mães e Irmãs da Alma!

Elton Sipião O Anjo das Letras. disse...

Eu costumo dizer que escrevo para as “mulheres”, também sou um escritor que ama a literatura erótica, e costumo separar muito bem separado a literatura erótica da pornográfica. Em meus textos falo sim do falo, pois assim como sem a presença da vagina como haverá sexo sem o falo estar presente?Um homem para mim não se resume pelo seu falo assim como uma mulher não se resume pela sua vagina. Somos mais que isso. Falo e vagina são só dois dos muitos mistérios sagrados que habitam as almas masculinas e femininas. Meu falo é o falo de Cernunnos, assim como a vagina de uma namorada minha se eu a tivesse é a vagina da Deusa, meu falo sendo assim é sagrado, assim como a vagina de toda mulher é sagrada. Por que se envergonhar de nossas genitálias então?Agora no caso deste escritor amigo e companheiro, ele não tem a mínima noção do que seja sagrado, e muito menos como falar a alma doce, sensual, delicada, forte, selvagem e divina de uma mulher. Ele não conhece nem ao Grande Deus Cernunnos e nem a Grande Deusa Gaia, e muito menos as suas leitoras os conhecem. Já descrevi o órgão sexual masculino como lança fálica e o órgão sexual feminino repetidas vezes como pirâmide de delicias misteriosas, ou pirâmide de mistérios orgásticos de Isis ou algo parecido. Pois tento levar o sexo ao patamar do que é poético, lírico e, sobretudo sagrado. Afinal o homem é símbolo do Deus e a mulher símbolo da Deusa, ambos,repito,são sagrados, sacros, filhos do Divino. Co-relação à história de sua amiga e as 50 companheiras de trabalho dela e seu chefe porco-chauvinista, bom, essa teoria fétida de espírito patriarcal é a doutrina das mulheres sadomasoquistas também. Tanto é que tais mulheres chamam seus dominadores de “donos” no fetiche Sado, estes por sua vez as chamam de “cadelas” e quando um “dono” tem várias escravas sexuais, ele diz ser dono de um “canil”. E porque tais donos sadomasoquistas preferem cadelas a gatas?Bom o chefe da sua amiga em seu post já nos respondeu, ou melhor, vomitou em cima de nós com sua resposta desprovida de conteúdo humano e de inteligência. E se procurarmos bem na web, há muitas mulheres que tem uma literatura pornográfica falocrática vindo de sua pena autoral também, então isso não é um “privilégio” só dos autores homens. Quanto a mim querida irmã na amada Deusa, se sou um escritor falocrático e sexista ou não, só o tempo e o juízo justo de Gaia dirão. Espero ser considerado um escritor amante da maravilhosa alma feminina.

guiomar disse...

As mulheres precisam ser donas de se, falar o que quer na hora em que elas acharem que deve ser. Precisam estarem sempre prontas para darem a partida, Precisam ser severas concigo e com os demais, saber falar e saber responder o que for preciso. É muito fácil deswcrever uma mulher e escrever para elas, é só saber respeitá-las e indentificá-las como merecem, porque é isso que as mulheres precisam do respeito de todos.