"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

terça-feira, janeiro 20, 2015

ONDE A MULHER AUTÊNTICA?






 AS MULHERES "MODERNAS"  - materialistas, mentais (ou intelectuais) e falocráticas, na sua grande maioria, traem-se na sua essência feminina que ignoram e estão cada vez mais longe se saber quem são...por isso hoje em dia elas são um perigo iminente para as mulheres que  ainda conseguem ter intuição e estar perto da sua natureza primordial. 
Na verdade eu, tal como o autor refere..."temo que as mulheres que se mantiveram intactas (autênticas) à sua maneira sejam postas em perigo por (essas) outras mulheres. É que já não se tratará apenas de se defenderem dos homens, como também daquelas mulheres que adoptaram a concepção masculina da liberdade...." in “A TRAIÇÃO DO EU “ ARNO GRUEN autor do livro “A LOUCURA DA NORMALIDADE”



...Assim a mulher que vemos a actuar nos nossos dias e depois de duas a três décadas se expressa e se impõe no mercado de trabalho e nas instituições públicas e privadas, é uma mulher que não se afirma na sua verdadeira feminilidade, mas actua apenas como uma réplica do macho, exibindo uma sexualidade deformada pelo conceito que o homem tem da mulher e desvirtuada da sua essência - porque sem alma - impelida pela força do imaginário masculino que a transforma num seu travesti…de mil faces, todas fictícias...Como as mulheres que vemos nos filmes e as modelos dos estilistas gays que são sem dúvida as mulheres que eles sonhavam ser …e que nada têm a ver com a verdadeira mulher. É essa mulher estereotipada e masculina feita à imagem e semelhança do homem que as mulheres fazem esforços desesperados para se tornaram e poucas ou raras souberam ou puderam desenvolver as suas qualidades intrínsecas de um verdadeiro feminino.
 

É justamente aqui que se torna imperativo para a mulher tomar Consciência da Deusa dentro de si, da grandeza da sua ALMA, do seu poder interior e ancestral, que é um poder inato em cada mulher, e que se pode tornar numa manifestação de poder de amor nas sociedades, através de valores reais do feminino essencial, o que significaria uma nova relação com o seu corpo e o seu sexo e o seu sangue, criando uma nova dinâmica com a Natureza viva, as árvores, as plantas, as flores, em suma, toda a flora e a fauna. Sendo a Mulher de novo livre como amante e mãe, poderia organizar a vida de forma mais equitativa e justa e distribuir as riquezas do Planeta sem olhar o lucro e a posse e fazer prevalecer o amor e o afecto, paz duradoira que só pode acontecer quando a mulher a tiver dentro de si assim como o homem e por isso mesmo se respeitarem mutuamente.
A Deusa é o Princípio Feminino e os seus aspectos de harmonização e inteligência que faltam desenvolver e fazer actuar no Planeta para que possamos sair do caos actual.
Sem estabelecer o equilíbrio dos polos opostos complementares dentro de cada indivíduo não haverá Obra realizada, nem Humanidade verdadeira!



Rosa Leonor Pedro In Mulheres & Deusas
(excerto)

1 comentário:

Ana Nazaré disse...

❤ Gostaria de compartilhar algumas músicas...

https://www.youtube.com/watch?v=SVSp4rmC3xg

https://www.youtube.com/watch?v=Q0P0I9Ejx9A

https://www.youtube.com/watch?v=-9eFdx6pmas