domingo, dezembro 20, 2015

O MEU NATAL...

 

O MEU PRESÉPIO - Á GRANDE MÃE...

"Nenhum homem deveria sentar-se em paz à mesa farta, sabendo que em algum lugar no mundo há um irmão seu passando fome..."

Augusto Branco

QUERIA VOS DESEJAR UNS DIAS SERENOS

Não gosto do Natal, como todas as minhas amigas já sabem; não gosto de toda esta farsa secular e comercial...e custa-me entrar nestas simulações festivas sociais e familiares em que apenas se come e come e dizem lugares comuns - quanto mais envelheço menos consigo conviver com estas tradições já sem qualquer fundamento - porque não expressam de forma alguma uma verdade ou uma sinceridade humana e portanto estas supostas festas a contrastar com o caos do mundo, a miséria, a fome e a guerra,  nada significam em si...porque não são mais do que  uma manifestação da alienação global no mundo patriarcal em que vivemos...

Todavia não queria deixar de vos deixar aqui uma mensagem de Paz interior possível a par de uma coerência pessoal e fidelidade a um propósito que para mim é a única coisa que me faz sentido e que é a Consciência da Mulher em si, o despertar dessa consciência como única forma de equilibrar o mundo de hoje. Mas para isso precisamos e é URGENTE ter a consciência de tudo o que nos rodeia e da realidade das coisas que nos rodeiam...pois ter consciência de nós como mulheres e não ter coerência e ser fiel à nossa verdade, fingir ou simular que estamos num caminho e depois desviarmo-nos ou querer agradar a gregos e a troianos ou servir dois mestres  não nos leva a nenhum lado...às vezes vale mais perder tudo do que ter um pássaro na mão e outro a voar...
 

Sou velha e rezingona, implacável e dura...sim!
Meiga por excelência, assim eu seja - mas como tenho dito não tenho nada a perder nem estou aqui nem na vida para ganhar louros ou adeptas. Não sinto que tenha uma missão nem um propósito de salvar ninguém. Apenas ser fiel a mim mesma, TAL COMO CADA UMA DE VOCÊS, e àquilo que para mim é a verdade. A verdade de ser verdadeira comigo própria e não para servir quem quer que seja...ou a "vender " o que quer que seja...
Estou habituada a pagar o preço da minha independência e seja ele qual for não deixarei de o pagar - como sabem não tenho seguidoras nem discípulas e se calhar nem amigas - a Consciência de que falo é inerente à mulher e faz-me sozinha e na solidão quase sempre...

Não, não ando aqui a vender produto nenhum...nem a promover-me à custa de não sei o quê...

Penso que a mulher primeiro acorda por si e em e si ou não acorda - não há ninguém que nos acorde sem que façamos o nosso trabalho de consciência individualmente ...e nem é seguindo alguém ou imitando padrões e rituais que nos manteremos acordadas...
Tal como acreditámos durante séculos que era o Príncipe que nos acordava com um beijo...não vamos agora remeter para as mestras e os mestres ou para os rituais ancestrais o papel do Príncipe encantado, que nos acordava por sua obra e graça divina...
Podemos quando muito ser exemplo de vida e estimular as almas adormecidas mas não somos salvadoras de ninguém...ser parteira não é ser o mesmo que a gestante dessa consciência ...Porque a Consciência da Mulher é como algo (fruto) que por patogénese nela nasce e cresce e se forma in Útero - a consciência do poder Útero - e nós outras só podemos ser como as Doulas dando-lhe assistência quando ela se manifesta por si...Nós somos as parteiras das almas umas das outras mas não as fecundadoras...


Como dizia F. Pessoa, direi no feminino:

Não há mulheres salvadoras. Não há Mestras. O máximo que uma grande mulher pode ser é uma estimuladora de almas, uma despertadora de energias alheias".
Neste momento como noutro qualquer só vos posso desejar muita consciência e um belo despertar em si mesmas!

Rosa Leonor Pedro

2 comentários:

vania jones disse...

reparei à pouco nesse gatinho de madeira enroladinho pq tenho cá um na estante dos livros. e foi me oferecido pela minha mãe. presépio n faço. apenas coloco uma arvore dourada em miniatura aos pés de uma imagem de nossa senhora. beijinho.

Ana Nazaré disse...

Que lindo q ficou !