segunda-feira, dezembro 05, 2016

QUEIRAMOS OU NÃO...

Anónimo
SOMOS MULHERES DESTE MUNDO...

Queria destacar e agradecer os dois comentários de leitoras que se seguem ao meu texto, de   pela sua lucidez e assertividade.
É um facto que me tenho debatido e escrito demasiado sobre os "círculos de mulheres" que vão crescendo e se propagando sem que a meu ver tenham consistência e faltando as bases de ensinamento e de conhecimento fidedigno - fundamentalmente a consciência de si como mulheres a nível individual - mas  ainda porque lhes falta realmente uma consciência geral do grave problema que a mulher enfrenta neste momento no mundo...e que urge compreender e debater e na medida do possível fundamentar objectivamente,  mudando o nosso comportamento individual para que não sejamos sistematicamente prisioneiras ou vitimas do Sistema...ou ainda assimiladas por ele, desviadas de um verdadeiro processo de auto-conhecimento...
Convém ter todos estes aspectos  em conta: ver bem a forma como a violência e o descrédito sobre a mulher avança, cada dia mais,e em todo o mundo,  das formas mais subtis e ela é ameaçada de perder todos os direitos e conquistas de anos de luta e por isso há que ter todo o cuidado na atitude e na abordagem das nossas vivências...

Para mim é um facto de que a maioria das mulheres me parecem alienadas de si e da realidade que as circunda, refugiando-se num mundo imaginário (idealizado) ou mesmo real, mas desfasado desta realidade...Como por exemplo, antes ninguém sabia do Útero, do sangue sagrado ou da importância dos ovários ou das plantas medicinais que curam...ou sequer se tinha a reverência natural pela Terra e pela Natureza e os animais e só se pensava nos direitos e liberdades das mulheres a nível social e económico (as feministas) e agora as mulheres do "sagrado feminino" tomam consciência de aspectos fundamentais do seu ser instintivo e sábio, mas parecem alienar-se da sua condição social e económica e fundamentalmente psicológica e afastam-se assim de um CENTRO nuclear que é a Consciência do Ser Mulher actual e o não perceber quais as consequências da  sua divisão intrínseca...que continua a criar a divisão psíquica e a fragmentação da mulher  e também a gerar a separação entre as mulheres, mesmo dentro desses círculos ditos "sagrados" e para mim isso é que é mais grave.

De qualquer modo quero agradecer a estas amigas - leitoras por me fazerem também  reflectir sobre este meu conflito interior...se bem que eu já andasse um pouco a ressentir-me de insistir tanto na mesma tecla - mas isso aconteceu talvez devido ao facto de eu própria ter passado pessoalmente por essas situações de há um ano a esta parte e me sentir defraudada e até magoada com mulheres em que acreditei e confiei, me sentir traída na minha boa fé, e por isso tenho exagerado a enfase neste problema.
Concordo inteiramente  com os comentários destas amigas. Elas têm toda a razão no que dizem...afinal cada mulher tem de fazer o seu caminho  e cada uma só por si aprenderá a sua lição; além do mais, os actos ficam sempre para quem os pratica.  Tudo o que se constrói sem alicerces, mais tarde ou mais ceda vem a ruir...Sabemos que  a verdade sempre virá ao de cima como o azeite...
Talvez eu tenha ainda acreditado ingenuamente  (apesar de "anciã) que ainda podíamos fazer algo grande e colectivamente umas pelas outras, quando na verdade é sempre individual o caminho e  compete a cada mulher fazê-lo sozinha...pois sem percorrer essa via solitária da noite escura da alma não chegamos a lado nenhum...
Obrigada as duas mais uma vez pelos vossos sábios comentários!
rleonor

1) Anónimo disse...



Eu percebo isto. Andei a saltitar e auscultar certos ambientes de que fala no último ano e pude-me aperceber da superficialidade destas pessoas, da confusão mental, da mistura de assuntos, dos gestos egóticos, as referências básicas (da cultura pop por vezes - o que não teria mal nenhum não fossem ser por vezes as únicas!)... Tudo isto soa a uma certa altivez, a um certo snobismo da minha parte, e se calhar é. Já vinha sentindo um certo mal-estar, todas estas experiência me eram insuficientes, e depois "caiu-me a ficha" aquando das eleições nos EUA com a vitória de Trump e a superficialidade com que esta gente "despachou" o assunto. Agora tanto post que a Rosa tem feito sobre isto ultimamente não acha que há aí qualquer coisa a trabalhar também? Porque a irritam tanto estas mulheres? É deixá-las! É o seu processo, não o nosso. Claramente, por certos testemunhos aqui, há mulheres que são mais exigentes e que, mais tarde ou mais cedo, se apercebem da insuficiência de tudo aquilo e fazem o seu caminho de outra forma. Porque é desejável fazer o caminho sozinha. Atravessar a noite escura consigo mesma. Julgo não haver outra forma. Só assim se pode estar depois (bem) com as outras.

? dezembro 04, 2016
Eliminar
 
2) Anónimo disse...


Observando de fora, diz-me a intuição que algo está a emergir, e que vai manifestar-se, pois, como força natural que é, não pode ser impedida nem bloqueada. As empreendedoras do "espiritual" atentas, não deixaram passar a oportunidade e fizeram o que o patriarcado sempre fez: quer, pode e apodera-se, manipula, desvirtua e destrói, enquanto monetiza e afirma o seu "poder".

É muito importante discernir, quem não estiver atenta facilmente se perde na nuvem densa que se tornou o meio "espiritual"... MAS, por mais que mentirosas se vendam como sendo os portadoras da verdade, a Verdade jamais é afectada (e não é possível enganar toda a gente, o tempo todo). Portanto, há esperança que talvez tenha sido um mau (re)começo em vez de uma oportunidade perdida... acredito que sim.

Um beijinho grande

Sónia


E as lágrimas que choro branca e calma ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim.


florebela espanca

A PALAVRA ESCRITA


"Como toda a gente, só disponho de três meios para avaliar a existência humana: o estudo de nós próprios, o mais difícil e o mais perigoso, mas também o mais fecundo dos métodos; a observação dos homens, que na maior parte dos casos fazem tudo para nos esconder os seus segredos ou para nos convencer de que os têm; os livros, com os erros particulares de perspectiva que nascem entre as suas linhas. Li quase tudo quanto os nossos historiadores, os nossos poetas e mesmo os nossos narradores escreveram, apesar de estes últimos serem considerados frívolos, e devo-lhes talvez mais informações do que as que recebi das situações bastante variadas da minha própria vida. A palavra escrita ensinou-me a escutar a voz humana, assim como as grandes atitudes imóveis das estátuas me ensinaram a apreciar os gestos. Em contrapartida, e posteriormente, a vida fez-me compreender os livros"
(...)
Marguerite Yourcenar in" Memórias de Adriano"

vidas...




- “Você quereria ter outras vidas? Era o meu sonho ter várias. Numa eu seria só mãe, em outra vida eu só escreveria, em outra eu só amava”.

Clarice Lispector

domingo, dezembro 04, 2016

A BELA E O MONSTRO

 


«Todo o cuidado é pouco nestas veredas da vida. Seres que se achegam e nos apartam de nós. São como Duendes da Desatenção. A princípio, charmosos e eloquentes, e logo reviram as moléculas nos afastando do essencial. Da trilha da vida. Da Nossa Trilha. São pequenos sorvedouros de água, Água Anímica.
A Bela tem sempre consigo a figura do Monstro ou da Besta. São quase indissociáveis. É preciso estar alerta para perceber as suas movimentações. Na maior parte do tempo, rouba-nos as faculdades de pensar uma palavra, e de pensá-la com clareza. Agora, imaginemos, se tivéssemos a ousadia de nos estendermos para lá do seu terreno de actuação? Veríamos como, a sua perspicácia, é atordoadora. Diria que: "Come-te, esse lado do hemisfério onde habitam as ciências da escrita, a construção das palavras. Obriga-te a esquecê-las. Anseia por desejá-las todas para si."

Há pessoas que constroem bibliotecas interiores, por meio de aspiração. Limpando cérebros, sorvendo-lhes o pouco que têm. Tornando-te mais inconsciente de Ti e de Pensares e de Evoluíres. Eles não querem a tua Evolução. Eles anseiam a tua ignorância e aspiram assim, o Poder da tua Inteligência. São sagazes nessa construção, e usam quem tu menos esperas para servirem de sorvedouro das tuas mais ricas capacidades.
Eles desejam o açaimo e a burka de toda a tua Alma e Corpo. Eles anseiam que descentralizes o mais que puderes de Ti, e te juntes à imbecilidade. Eles não querem a tua evolução e sim, o teu desastre humano. Eles são mais pobres de espírito, do que a tua pobreza física. Eles são os ávidos de Luz. Anseiam apagar a Luz da Vida. A tua Luz de Vida.

Eles nunca te dirão nada, dos seus reais intentos. Nunca. Nunca! Certifica-te disto, miúda. Mas serão hábeis, a fazer de ti um pião. Eles são egoístas, pensam em favor de si mesmos. Nada mais!!»

NãoSouEuéaOutra  in «Cadernos Escorpiónicos»

A BELEZA


"A beleza não tem causa. É. Quando a perseguimos apaga-se. Quando paramos - permanece"

Emily Dickinson

HÁ PEQUENAS IMPRESSÕES




AS MEMÓRIAS

"Há pequenas impressões finas como um cabelo e que, uma vez desfeitas na nossa mente, não sabemos aonde elas nos podem levar. Hibernam, por assim dizer, nalgum circuito da memória e um dia saltam para fora, como se acabassem de ser recebidos. Só que, por efeito desse período de gestação profunda, alimentada ao calor do sangue e das aquisições da experiência temperada de cálcio e de ferro e de nitratos, elas aparecem já no estado adulto e prontas a procriar. Porque as memórias procriam como se fossem pessoas vivas"

Agustina Bessa-Luís

sexta-feira, dezembro 02, 2016

UM PERIGO



A FALTA DE UM VERDADEIRO FEMININO

ALÉM DA FALTA DE CONSCIÊNCIA DO SER MULHER - E A SUA DIVISÃO SECULAR - HÁ UMA FALTA DE CONHECIMENTO BÁSICO DE SI E DA SUA PSIQUE.

A aculturação da grande maioria das ditas mulheres do dito "feminino sagrado" fez com que um movimento nascente de despertar de consciências das mulheres ligada à Terra se tornasse num palco de banalidades e uma miscelânea de crendices que são um atentado a inteligência e à Psique da Mulher Moderna...
A falta de consciência e de integridade da maioria destas personagens que andam para ai a pregar em nome da Deusa, com  Budas à mistura e Cristo ou Miguel...acaba por destruir a grande possibilidade da mulher resgatar uma memória ancestral, parte essencial da sua história e da sua identidade, muito dela relacionada com a civilização céltica e de origem pagã, e que o cristianismo não só deturpou como aviltou essa memória. A mulher "pagã" a mulher celta, é a mulher que está na origem da nossa estrutura psíquica...a mulher cristã é outro modelo que para nós hoje já não serve...seja ela Eva, seja ela a Virgem santa...ou até a Maria Madalena, "a pecadora" e cujo papel e história foi invertido para tirar o poder a Mulher amante e sacerdotisa. Misturar todas essas "culturas" não me parece ser muito salutar para a mulher ocidental...a mulher moderna.
Esta Matriz de Controlo cristóide que age na base dessa ignorância das mulheres afecta profundamente um desenvolvimento psicológico natural e uma tomada de consciência da Mulher Integral.
rlp

Lilith



A MULHER TEM MEDO DA ENERGIA DE LILITH...
(a velha rivalidade entre mulheres...)

“No princípio era Lilith. Digam o que disserem, na origem era o Andrógino. E depois do seu exílio, senão mesmo do seu desterro, o Éden nunca mais voltou a ser o que era antes.” - Joelle de Garavelaine

Sem dúvida que a energia de Lilth é desestabilizadora ou desencadeia emoções fortes e subversivas... A mulher que não estiver minimamente preparada para a olhar nos olhos e sentir a sua falsa segurança interior abalada, e porque Lilith mexe nas entranhas mais profundas da mulher e dos seus medos, é capaz de se sentir muito mal na sua pele e até possuída do "diabo" e a breve trecho vai até associá...-la a um demónio e ao vampirismo...ao medo da sua sombra e fugir para a "Luz"...


Se Lilith porém se revelar à própria mulher em sonhos ou de forma numinosa, ou de uma forma consciente, na busca de si mesma, é mais fácil integrá-la, mas se ela se manifestar através de outra mulher como uma força alheia a si, e isso pode acontecer nas relações comuns das mulheres de forma inesperada, e se neste caso se manifestar de forma intensa na relação com a "outra" mulher que é ainda a potencial rival ou inimiga, a que lhe espelha-revela esse poder, torna-se a seus olhos efectivamente uma força demoníaca... E então temos duas vítimas...a que espelha e a que se sente espelhada que passa a agredir a primeira...como culpada do mal que se sente, da desordem dos seus sentimentos e emoções profundas que vem a superfície de forma caótica, o que a leva a condenar a outra mulher - como toda a história o indica - a vampira e demónio...Isso ainda acontece no nosso tempo, nos nossos dias, apesar de tantos séculos e numa cultura que se pretende moderna e civilizada. A mulher comum continua a reflectir sobre “a outra” mulher as mais arcaicas impressões de inveja e ciúme, raiva e ódio, quando se sente ameaçada perante aquela que lhe sugere ou espelha o que ela não tem consciencializado, seja a nível da sua sexualidade seja a nível das suas ambições ou do seu ego…
rlp
(excerto de texto já publicado)



A LILITH HISTÓRICA E AS POUCAS FONTES FIDEDIGNAS QUE TEMOS NÃO CORRESPONDEM À VERDADEIRA LILITH QUE NINGUÉM CONHECE OU SABE. AS RELIGIÕES ADULTERARAM NÃO SÓ O SEU TESTEMUNHO COMO O SEU PAPEL E SIGNIFICADO...no entanto é o que nos resta do ponto de vista intelectual até que se faça consciente em cada mulher a sua energia - e a sua missão...
rlp

quinta-feira, dezembro 01, 2016

UMA UTOPIA OU UMA FARSA?


ALGUÉM FALOU EM UNIR AS MULHERES?

"Não há nenhuma escola onde possas aprender a ser tu mesma; não existe nenhum mestre que pacientemente te encoraje a encontrares a resposta correta. És tu a parteira de ti mesma e vais ter de te dar à luz a ti mesma, vezes sem conta, sozinha, no escuro..."  - Caitlin Moran,


Céptica e talvez mesmo profundamente decepcionada verifico que as mulheres não se conseguem unir em lado nenhum, nem mesmo as mulheres que se afirmam ou buscam grupos de mulheres com um certo propósito, ou "afinidades" dizem, de se unirem e trabalharem em conjunto por um objectivo comum. Infelizmente o que eu verifico de facto ao longo dos anos é que as mulheres mesmo que esse seja o seu objectivo a priori, elas acabam sempre divididas e em conflito. Elas não conseguem unir-se...acabam sempre por se antagonizar...e a culpa é da Eva...ou da "outra", as vezes Lilith ...
Eu que tanto sonhei com a união das mulheres no mundo assisto agora a estas situações que são o reverso do que sonhei e parecia possível há duas décadas atrás, por isso o que eu mais lamento é que elas estejam a desperdiçar essa energia de esperança - que à partida era um enorme potencial de união entre as mulheres - , e que agora, em vez de unir esforços e criar sinergias em conjunto, criam fossos de separatividade e antagonismo através de preconceitos, rivalidades, alimentando intrigas e conceitos mesquinhos e julgamento das outras mulheres...

Para mim é muito clara a razão de isso continuar a acontecer. A mulher não fez um trabalho de base consigo mesma,  e por isso não tem uma consciência psicológica que lhe permita perceber esses conflitos entre mulheres.  Ficou presa aos seus próprios complexos e medos e por isso cada mulher busca sobretudo e ainda  o seu protagonismo, através da afirmação do seu ego - busca quase sempre e na maioria dos casos, ganhar ascendência  sobre as outras mulheres  e assim se isolar à frente (a líder).  Cada mulher em geral, neste estadio, e isto é  um drama que vem de longe, busca a sua projecção pessoal, servindo-se das outras mulheres mais do que quer efectivamente contribuir para uma causa comum, UMA CONSCIÊNCIA DE VERDADE. Elas acabam por trabalhar mais em beneficio de si próprias do que de uma verdadeira causa ou do grupo. 
A verdade é que, as mulheres, continuam presas à mesma rivalidade de sempre, aos mesmos conceitos e preconceitos. É mais forte do que elas. No que elas fazem, para além das situações comuns e sociais de empenhamento profissional ou sucesso de uma carreira, predomina principalmente o interesse económico, e a afirmação egoica ou a vaidade e o interesse pessoal, (às vezes dito "transpessoal"). Assim, o que a mulher imatura e impreparada (aculturada) quando se afirma "curadora, animadora, terapeuta ou facilitadora" disto e daquilo é porque se quer afirmar a "dona do pedaço"...e a sua sigla é: "aqui mando eu, aqui é o meu circulo sagrado e só eu é que sei".  
O que elas fazem na prática é tentar subir por cima das outras, das que dominam e das que se submetem, e essa atitude continua a ser a mesma que antes tinham no trabalho ou nos empregos e agora em situações cujo pressuposto seria um trabalho ou uma actividade desinteressada de mulheres em prol do "sagrado feminino" ou da deusa e das outras mulheres.

E este exemplo nefasto propaga-se cada dia mais  com mentoras sem escrúpulos, inseguras e caprichosas, que fazem carreira seguindo a mestra e buscam a sua aprovação...ou que a reprovam mas emitam e competem com o seu poder, aliciando outras mulheres e fazendo o mesmo que lhes fizeram a elas  onde reina a mesma ignorância e tabus e medos. É evidente que a propaganda e os discursos confusos são mascarados de uma extrema "sabedoria e bondade", de humildade e amor e de grande abnegação, a contrastar violentamente com as suas práticas...que acabam na agressão e  calunia das  mulheres "diferentes" que as colocam em questão ou que se afastam por não estar de acordo com os "métodos". Estas são sempre condenadas e enxovalhadas pelos seus pecados...

Tudo isto é incontornável, eu sei...pois vivemos num mundo individualista, numa sociedade e dentro de um Paradigma que alimenta isso e as mulheres continuam num nível muito baixo de consciência  e por isso o que domina nas relações é o egoísmo e o interesse pessoal, tantas vezes camuflado de "altruísmo", mas em que o mais importante é ser-se o centro das atenções, pela necessidade de brilhar, de se mostrar que é capaz, de ser qualquer coisa - quando se ganha o prazer do pódio...é uma droga...e nestes casos é quase legitima a "bebedeira", a exaltação, o inflacionamento do ego. Sim, eu compreendo essa exaltação, mas assim não vai nunca haver união das mulheres.

Não. Definitivamente não haverá união das mulheres nem trabalho algum em conjunto enquanto cada uma optar por fazer apenas o seu grupinho aqui e ali e a competir com as outras e a ver quem consegue mais clientes e seguidoras... e aí temos todos esses pequenos grupúsculos para satisfação pessoal e diversão da líder e que não passa de folclore, repetição, de mentalização através do lúdico, em vez de juntar efectivamente AS MULHERES num propósito comum que as una a todas dentro e as ajude a encontrar essa Mulher Deusa de que todas falam e nenhuma consegue ser...
rlp