domingo, maio 19, 2019

A DEUSA MÃE E A TERRA

Ontem na Conferência da Deusa em Sintra, momento da minha intervenção.
Falando da cisão da mulher e de Lilith, a Mulher itnegral 








Com Luiza Frazão, um momento privilegiado(para mim) - o da minha apresentação na Conferência, juntas sob a égide da Grande Mãe...

O CORPO SACRIFICADO DA MULHER



O ABUSO DA MULHER COMEÇA NA PORNOGRAFIA...

"A indústria pornográfica é uma aberração, que faz uma verdadeira lavagem cerebral em prol da demolição do ser humano. A mulher é duplamente violentada no corpo a serviço da 'atuação' no filme pornô e em seu inconsciente. Não é e nunca foi entretenimento, mas uma ação grotesca de destruição da mulher ... O Patriarcado odeia as mulheres, pode tolerar que as santas vivam, para procriar seus herdeiros e escravos , mas a "puta" precisa ser abusada e usada ao máximo e descartada depois do "prazer". - Carla Beatriz


O CORPO SACRIFICADO DA MULHER


Durante mais de 2 mil anos a Humanidade retratou-se em nome do Homem…Durante 2 mil anos a Humanidade Mulher foi ocultada da face da Terra e da Arte, suprimida da linguagem erudita e oral, reprimida na sua liberdade individual, controlada pela metade Homem em nome do qual a mulher foi submetida ao macho, primeiro como escrava, depois concubina, totalmente sujeita às leis do Pater, ao rei, ao pai, ao marido e ao Clã… e aprendeu as leis dos homens e falava e agia, como um ser sem autonomia, nem voz activa e assim continuou até há aproximadamente um século, em que pela primeira vez na história dos homens, a mulher ousou erguer a voz para defender os seus direitos, mas no fundo, e em toda a parte do mundo, as condições de vida das mulheres é e continua a ser igualmente precária e aviltante sob todos os pontos de vista até hoje…
Durante centenas e centenas de anos a Mulher foi desautorizada de se exprimir, ser ela mesma e de expressar a sua natureza intrínseca, reprimida na sua força interior instintiva, deixando de ser a representante do pólo feminino da humanidade, deixando de ser a legítima representante da Deusa Mãe, criadora de todas as coisas, impedida de se afirmar e de ter prazer, de ter direito sobre o seu próprio corpo. Ela foi condenada ao descrédito por Apolo, impedida de manifestar o seu dom inato de oráculo, sacerdotisa e vidente, de ser senhora da sua vida em qualquer circunstância.
O corpo da mulher, com o advento da religião patriarcal e o seu domínio social e religioso, tornou-se num corpo objecto, um corpo ao serviço da sociedade e do patriarcado. A mulher foi paulatinamente despojada do seu corpo de sabedoria, do seu ser instintivo e anímico.
E toda a gente hoje pensa que esta mulher sem identidade, esta mulher vazia de interioridade profunda, esvaziada das suas entranhas, do seu sangue e do seu útero, sempre foi assim e que nunca houve a outra Mulher e a Deusa…

A mulher tornou-se no seu próprio inimigo. PORQUE A mulher verdadeira, a mulher inteira deixou de existir.
Há muitos, muitos anos que a verdadeira mulher não existe e em lugar dela temos um sucedâneo de mulher, risível e frágil, doente e histérica…
(...)
rosaleonorpedro
republicado em Mulheres & Deusas Blog

quinta-feira, maio 16, 2019

UM ECO DA NATUREZA MULHER



UM GRITO DE ALMA, A MULHER A ACORDAR…


Passaram mais de dez anos depois deste grito da alma desta mulher, certamente ainda jovem e que passada uma década não sei o que terá sido feito dela… 
Será que ainda lê este Blog… se assim for gostaria tanto de saber de si...

"Sei da luta feminista, mas ainda acho que não é mais uma questão meramente sexista... homens e mulheres temos de nos tornar seres humanos melhores... eu, por cá, decidi fazer algumas coisas... voltar para o campo assim que possivel... criar um partido da Terra e da Mulher... lutar pelo exodo das grandes cidades e incentivar as pessoas a deixar as cidades e viver no campo... todo o trabalho politico deve ser por puro altruismo e voluntariado, nenhum trabalho politico partidario sera remunerado, lugar de aldrabões é na enxada, trabalho forçado, de sol a sol... decretar o fim da era industrial, das pseudo-necessidades fabricadas pela publicidade, do consumismo mais idiota e mais idiotizante do mundo... abolir o uso do dinheiro, das ações, do capital... o unico capital é o trabalho e a generosidade... viver em comunidades, sem nada que não seja util, roupas, moveis... voltar pra tribo indigena de onde a minha bisavo nunca devia ter sido caçada... viver em orgasmo com a natureza... fazer sinal de fumaça para comunicar…

É Rosa, minha querida... eu sou uma eterna sonhadora, uma criança sonhadora nesse corpo de mãe e de mulher... eternamente inconformada com o conformismo... que nos cala, que nos aquece sozinhos em casa... no nosso medinho tacanho, na nossa mediocridadezinha de cada dia... queria ser uma libertária, alguém que pudesse gritar para a rua e escandalizar as sociedades... queria ser uma artista revolucionária, libertina, insubordinada... ser presa, tomar lsd, morrer jovem de overdose ou suicidio... queria vomitar a minha angustia sobre as cabeças baixas que passam em fila por todos os lugares do mundo ao inves de a ter de engolir silenciosamente, sufocando o meu soluço, abortando o meu choro... mas pelo menos aqui eu posso gritar, posso tirar a minha roupa e fazer o meu protesto, posso deixar as minhas lágrimas escorrerem lavando o que resta da minha dignidade de ser vivo, de mulher, e de mãe... pelo menos aqui eu posso dar vazão a essa voz firme de mulher, que só ecoa dentro de mim... quando venho aqui fico assim... "

J. 08-05-2007
(Uma leitora do blog mulheres e deusas)


Minha amiga, quem me dera que cada mulher que aqui viesse ficasse nesse estado de alerta e com vontade de tudo o que você diz... mas sei que depende da consciência de cada uma e neste caso é você particularmente que está tão perto da Natureza Mãe e dessa essência da MULHER TOTAL. Grata pela sua força e coragem em se deixa embalar pelo sonho e estar munida dessa vontade, porque já é o gérmen dessa consciência de mulher inteira que grita em si, e faz eco com essa essência que há-de acordar ainda em cada mulher e nos dará esperança num mundo novo, onde toda a Mulher será respeitada e a sua voz ouvida!

Obrigada pelas suas palavras de sonho de uma humanidade livre e feliz...
rlp

quarta-feira, maio 15, 2019

Quando "o corpo está separado da noção"...


AMIZADES E AMIGOS…
Quando "o corpo está separado da noção"...

(…)
Nós não temos uma capacidade infinita de criar amigos. No nosso conceito, ainda hoje, um amigo é uma coisa. Neste momento, a noção de amigo amplificou-se infinitamente e transforma-se em nada, esvazia-se. Portanto, esvazia-se, e o vazio há-de dar lugar a uma outra coisa, mas essa outra coisa é fictícia, não existe. Nós não temos capacidade de ter o número de relações que nos são dadas hoje.

- Estamos a falar da tecnologia.

Eu costumo dizer às pessoas do Facebook: "isso não são amigos, isso são terminais. Não são amigos, digam lá os nomes dos vossos amigos? Não podem ser vossos amigos, Quando é que foram lanchar com os vossos amigos? Não foram lanchar com os vossos amigos. Quando é que deram um abraço aos amigos? Não deram um abraço aos amigos." Portanto, o corpo está separado da noção. E isso cria rupturas que não são aceites como ruturas. A pessoa vai a cavalgar essa onda, mas a onda está vazia, a onda não tem apoio.

- E cavalga a onda como se fosse uma coisa boa, se calhar.

Como se fosse uma coisa boa, um progresso, mas o nosso corpo não está feito para isso. Como a distância. Nós não temos o corpo programado para omitirmos a percepção da distância. Nós olhamos para determinadas coisas, alcançamos só com o extremo do nosso braço, mas o nosso braço estendido já não alcança nada porque tudo o que alcançámos é com teclas ou com o dedo, e são distâncias infinitas.

- Que parecem próximas.

Que parecem próximas, que são avassaladoras e que não são geríveis. Que não são geríveis pela nossa formação mental, intelectual. Eu acho que as pessoas estão todas num estado de vertigem provocado por essa, eu diria disrupção, mas é mais do que isso, é um desmembramento e é uma alucinação coletiva que se está a viver. O que não significa que não seja esse o caminho, mas o nosso corpo não tem esse caminho. Um dia provavelmente o nosso corpo estará transformado, teremos grandes dedos pelo desenvolvimento do trabalho de mãos que estamos sistematicamente a fazer, teremos com certeza uma cabeça muito maior porque a atividade cerebral neurológica é muito maior, e um corpinho mais pequenino. Portanto, seremos semelhantes à imagem dos extraterrestes. Provavelmente isto vai acontecer porque as pessoas cada vez usam menos o corpo. Neste momento estamos naquele absurdo que é não usar o corpo para as coisas elementares, para a locomoção. A pessoa não caminha, mas depois ainda se apercebe que tem que muscular e então vai para o ginásio fechado, para as máquinas, em vez de pura e simplesmente caminhar. Estamos ainda nesse diálogo. Provavelmente esse diálogo vai acabar, esse tipo de preocupação, e vamos deixar que as pernas se atrofiem porque as pernas não vão mais ser usadas. Mas essa transformação levará anos, provavelmente séculos, e estamos divididos, estamos puxados por coisas que não sabemos gerir.


- E como é que a Hélia pessoalmente lida com este momento que estamos a viver?

Eu digo sempre aos meus amiguinhos: "ainda estamos no poder, ainda temos botões para desligar." E um dos meus pesadelos recorrentes é justamente o botão não funcionar. Pesadelo real, pesadelo de sonho.

- Estar sempre ligada.


É querer desligar o botão e não conseguir. O elevador, o televisor, seja o que for, ganha autonomia e deixa de ser possível desligar. Eu não uso redes sociais justamente por isso, porque não quero ser invadida por informação, por pessoas, por multidões, por textos, por imagens que não fui eu que escolhi ter, não sou eu que procuro. Adoro a tecnologia, resolvo os problemas informáticos de toda a gente à minha volta. É verdade, sou uma técnica informática com provas dadas. (risos) Portanto, não é aquela coisa de recusar a tecnologia. Gosto muito de máquinas, de dialogar e discutir com as máquinas, mas ainda sou eu que tenho o controlo. Portanto, ninguém entra na minha mente sem o meu consentimento.

- Mas se estivesse nas redes sociais, para dar o seu exemplo, a Hélia é que escolheria quem estaria na sua rede social, logo a informação seria limitada a essas pessoas, 10 ou 20 pessoas, as que entendesse.


Mas eu não quero essa gente toda...
(…)

Excerto de entrevista a Helia Correia 

Mãe - Luíza Boê (Clipe oficial)




Muito belo, muito amoroso… o que falta as mulheres compreender … amar a mãe, seja ela qual for...

terça-feira, maio 14, 2019

MÃES MÁS


É PRECISO CORAGEM PARA SE SER MULHER E MÃE neste mundo de homens…

Sim, há mães toxicas e más mães. Há mulheres narcísicas e histéricas que não deviam ter tido filhos e foram obrigadas pela sociedade e a família.

Por isso as mães não são todas Mães… As mães são só partes de mães na divisão e fragmentação do seu ser. As mães que se viram só mães e que tiveram de se virar para fazer face às suas múltiplas dificuldades, não podem ser boas mães. PORQUE AS MÃES NÃO SÃO MULHERES...Ela foram e são ainda  um verbo de encher...


As mulheres que dentro do sistema patriarcal e que estão sujeitas a uma educação secular que as reduz às funções de mães e esposas normalmente não amam as filhas. Sim, principalmente as filhas que lhes reflectem o seu próprio sofrimento, pela repressão que sofreram, pelos traumas que as tolhem...Elas cultuam então e amam descaradamente mais os filhos, o filho homem que a salva, embora  não tendo filhos é natural que sejam mais próximas de alguma das filhas, mas sendo uma que a não confronte com o seu outro lado pois há sempre um outro lado da mulher que ela teme...Seja na filha seja na mãe seja na irmã, a outra pode ser sempre a "rival"...o espelho que devolve o que não gosta…
As mulheres refletectem nas suas relações com outras mulheres a relação que tiveram com as mães, com a mãe boa ou má. Comportam-se e reagem a essas informações subliminares, sem perceber como elas estão registadas no seu inconsciente e as fazem reagir instantaneamente ao que outras mulheres lhes sugerem… e amam ou odeiam as outras mulheres conforme a sua relação com a mãe. Noto isso muito claramente nas mulheres que reagem ao que escrevo ou ao que eu digo...

Por todas essas razões as mulheres tem dificuldade em lidar com as filhas, e consequentemente tem dificuldade em se darem com outras mulheres, tem dificuldade em se reverem nelas e aos seus problemas mal resolvidos. Tem dificuldade em se reverem nos seus medos e ódios, nas suas frustrações e revoltas caladas, preferindo sempre os homens e os filhos homens menos problemáticos e menos sujeitos aos conflitos e dramas e aflições que as mulheres enfrentam como mães ou amantes e até como filhas preteridas…
As mulheres na sua divisão interior entre a mulher séria e a mulher perdida...dominadas pelo arquétipo ou a ideia da santa e da prostituta, torna-se  um pesadelo de vida mesmo que inconscientemente, mesmo que já nem se pense ou ligue a isso, a verdade é que se vive  os seus reflexos...e está lá sempre o estigma a espreitar...na vizinha do lado, nos amigos do Bairro, na família....o medo de ser...Mulher! (...)

Assim, para as mães foi e é mais fácil ter filhos, cuidá-los e superprotege-los… adulá-los: os homens não engravidam, nem são violados...os homens não são acusados de serem putas se não se portarem bem ou não forem virgens para casar...e a não ser que sejam gays não lhes dão grandes problemas. Estas são coisas do passado, dirão algumas pessoas, muitas teorias e muita idealização branqueiam realidades, mas está tudo lá ainda...oculto ou disfarçado, seja  na violência no namoro e em casais muitos jovens que aumenta cada dia mais e não é senão por insegurança dos homens e a luta da mulher que se desenha entre dois mundos sem pertencer a nenhum. A mulher que quer ser livre e igual aos homens...quer dar uma queca ou uma rapidinha, não se querendo prender nem voltar a casar e pensa que não tem consequências mas tem, a curto ou longo prazo… o drama da mulher moderna é que não tem lugar nesta sociedade porque ela não sabe qual é o seu legitimo lugar, não sabe qual é a sua verdadeira identidade...

Ela é uma sobrevivente e sendo-o vive de esquemas, vive insegura, vive contra tudo e contra todos e talvez sonhe ainda com o príncipe encantado embora farta de comer sapos...
Mulheres livres de fazerem tudo o que os homens fazem, mas sem substância, sem essência sem tranquilidade, sem paz interior...sem amor, só em busca de prazer...fugaz...passageiro, sem compromisso, sem nada... e até já pagam se for preciso... depois a angústia, o vazio, o desespero e o mesmo ciclo vicioso, sempre até cair doente...sem saber para onde vai...
Sim, para onde vão essas mulheres sem centro, sem nexo só à procura de um sexo...de um prazer que ás vezes nem têm...

rosaleonor pedro

republicando


A MINHA INTERVENÇÃO NA CONFERÊNCIA DA DEUSA EM SINTRA



Rosa Leonor Pedro


Parecerá estranho que evoque a cisão das mulheres quando queremos celebrar a união e a harmonia entre mulheres em prol da Grande Deusa. A verdade é que me apetecia apagar desde logo toda a desunião vinda de ideias e ideologias que criaram a divisão e a desunião das mulheres no mundo. Fingir que ela não existe e ignorar o que está a acontecer contra as mulheres não é a melhor forma de construir um mundo diferente. E se o digo é porque o meu maior anseio é chegar a esse momento em que as mulheres se darão as mãos de forma verdadeira e inequívoca. Para isso temos de ser inteiras, apelando à nossa força anímica e à Deusa Mãe, para que através da restauração do Princípio Feminino, essa Consciência de si possa acordar em todas as mulheres.

Não há canto, nem união, sem que as mulheres se consciencializem daquilo que as divide antagonizou entre si durante séculos. Por isso o meu trabalho dirige-se exclusivamente para uma tomada de consciência dessa cisão interior da mulher e a sua superação, o que seria impossível sem o amor da Mãe e o meu amor pela Mulher. É sobre isso que escrevo e falo há mais de 30 anos…

Bilhetes

* Valor a partir de 16 Janeiro 2019
    Bilhete Iría-Brígida: 150€

* Valor Bilhete à Porta: 180€

O bilhete inclui todas as actividades da conferência

ESPECIAL:

* Bilhetes diários: 60€
* Bilhetes para eventos pontuais - workshops, palestras e espectáculos: 20€

segunda-feira, maio 13, 2019

A DEUSA E A BRUXAS...



“Na Witch craft, Caminho da Deusa”* nós não cremos na deusa, nós nos religamos a ela através da Lua, das estrelas, do oceano, da terra, através das árvores, dos animais, dos outros seres humanos, através de nós mesmas. Ela está aqui, ela está no coração de todos e de tudo. A deusa existe antes de toda a Terra, ela é o obscuro, a mãe que nutre e que produz toda a vida. Ela é o poder fecundante da vida, o útero, mas também a tumba que nos recebe, o poder da morte. Tudo dela provem, tudo a ela retorna…Ela é o corpo, e o corpo é sagrado. Útero, seios ventre, boca, vagina, pénis, ossos, sangue; nenhuma parte do corpo é impura, nenhum aspecto do processo de vida é manchado pelo pecado. O nascimento, a morte e a dissolução são três partes sagradas do ciclo. Quer comamos, façamos amor ou eliminemos os dejectos de nosso corpo, sempre manifestamos a deusa.
*
Seu culto pode assumir qualquer forma, em qualquer lugar; ele não requer liturgia, nem catedral nem confissão. (…) O desejo é a cimento do universo, ele vincula o electrão e o núcleo, o planeta ao sol, ele cria as formas, ele cria o mundo. Sigam o desejo até ao seu termo, unam-se ao objecto desejado até se tornarem esse objecto, até se tornarem a deusa.”

“Para a mulher, a deusa simboliza o seu ser mais profundo, o poder libertador, nutritivo e benéfico. O cosmo é modelado como um corpo de mulher, que é sagrado. Todas as fases da vida são sagradas. A idade é uma bênção, não uma maldição. A deusa não limita a mulher a ser um mero corpo, ela desperta o espírito, a mente e as emoções. Através dela a mulher pode conhecer o poder da sua cólera, assim como a força do seu amor.”

Star Hawk
*
Citações tiradas de:
Tantra – O Culto da Feminilidade - Outra visão da vida e do sexo
André Van Lysebeth

*


 
* O CAMINHO DA BRUXA 

Witch craft – O autor do livro cita a escritora e ao citá-la optou por não traduzir a palavra “bruxa” certamente pelo sentido pejorativo que a palavra tem, penso eu, mas  tomei a liberdade de traduzir esta expressão por “caminho da deusa”, ou poderia ser de facto o caminho da bruxa, mas vamos optar ainda pelo “trabalho das feiticeiras”, este termo parece-me mais atenuado, mas sinto que entre o caminho da “bruxa” e da feiticeira,  é fundamentalmente o encontro com a Deusa, o caminho da vida e o caminho da Natureza Mãe, o caminho de toda a mulher!

A Bruxa para mim não é mais do que a mulher em pleno poder da sua intuição e consciência do seu poder interior ligada às forças da natureza e do cosmos.

Aquilo que a igreja, os padres e toda a cultura patriarcal difundiram, nomeadamente nos contos de fadas e outros mitos e lendas, que eles deturparam, retratam a bruxa e a feiticeira como uma mulher feia e má que comia criancinhas; era a figura com que se assustava os meninos que não queriam comer e para os mais adultos a mulher que copulava com o diabo, que cometia pecados tremendos e atrocidades tais que os inquisidores não tiveram outro remédio senão as mandar para as fogueiras…esta é a história católica e quanto às bruxas e às videntes do nosso tempo, de que as vizinhas e as comadres ainda há pouco anos falavam, nas aldeias e mesmo nas cidades, eram pobres mulheres ignorantes, sempre ridicularizadas, que faziam mezinhas para os maridos das consulentes abandonarem as amantes ou voltarem para casa e prediziam outras tantas separações e desgostos de amor e liam o futuro nas cartas e a ideia generalizada era de que tudo isso não passava de mentiras e superstições…praticadas por mulheres pobres para gente ignorante…e de quem os intelectuais, os burgueses ou as pessoas sérias se riam, mas que acabavam muitas vezes por consultar às escondidas…
Por isso volto a dizer que precisamos de resgatar a palavra “bruxa” das cinzas das fogueiras e dar-lhe a dignidade que perdeu ao longo dos séculos denegrida pela igreja católica e os seus padres e também resgatá-la da falsa imagem de horror que lhe é atribuída por conceitos estapafúrdios difundidos pelas beatas que tinham medo de pecar, mas sobretudo, mais recentemente, pelos cultos satânicos e outros rituais pretensamente sagrados, que usam o nome da feitiçaria e das bruxas para o crime e a violência. Ou então, no seu oposto, temos na América o Halloween, dia em que toda a gente brinca com abóboras, e se veste de bruxa, até crianças, como se fosse uma espécie de Carnaval…
Precisamos restituir à Mulher Bruxa, ou á Mulher Feiticeira a ideia da sua grandeza e da sua beleza: fazê-la sentir o orgulho de ser representante da deusa cujo poder, magia e sortilégio, assustou tanto os homens e os padres da religião católica e a cultura patriarcal, que tudo fizeram para dizimar esse poder e matar e reduzir essa força da mulher que é a mesma força da natureza.
rlp

O buraco negro



O INCONSCIENTE

"As verdadeiras diferenças do inato estão no inconsciente.
O inconsciente, não é somente o que é reprimido, é também o acesso directo ao nosso duplo (...) e através dele ao continente perdido. Essa fonte viva de energia vibratória foi totalmente inibida. O inato é sobretudo o que está no inconsciente, mesmo biologicamente. Esse ADN foi chamado de ADN-lixo pelos genecistas. Podes imaginar as consequências."

Étienne Guillé - in O Homem entre o céu e a terra



A LINGUAGEM HOJE, uma maneira de nivelar a sociedade por baixo...

"Para nos conhecermos, é preciso ir ao encontro de outros seres. É preciso uma dupla troca. O adquirido pelas trocas afectivas, tal como se apresenta actualmente, se situa ao nível meramente comercial, ou seja, no mais baixo nível vibratório possível, portanto no nível de consciência minimum minimorum.
A linguagem de hoje na comunicação com os nossos semelhantes - salvo entre os poetas - é uma maneira de nivelar a sociedade por baixo, o que eu chamo de democracia nível zero. O exemplo recente das proporções de uma reforma de ortografia é uma bela ilustração disso. O poder no sentido oculto do termo, não necessariamente o poder politico, quer simplificar tudo para que os seres humanos se tornem simples robôs facilmente geráveis por um computador. Se eles conseguirem isso, seremos ainda seres humanos? A parcela divina que cada um de nós supostamente contém terá sido de tal forma diluída pelas reproduções contra a natureza e pelas manipulações genéticas que terminará por desaparecer. A pequena luz que brilha na noite se extinguirá para sempre e não se poderá tornar em luz do dia."


Étienne Guillé
in O homem entre o ceu e a terra

sábado, maio 11, 2019

A CULTURA E A ARTE...




A PROPÓSITO DA RIVALIDADE ENTRE MULHERES

"... elas são todas tão feias que repelem e odeiam todas as mulheres (bonitas). Sabe que são as mulheres as mais virulentas misóginas aqui? As mulheres, meus caros senhores, (...) nunca experimentaram maior odio em relação a si mesmas do que o das outras mulheres face ao seu próprio sexo. Porque é que pensa que elas se esforçam de nos seduzir? Unicamente para desafiar e humilhar as suas iguais. Deus inculcou no seu coração o ódio das outras mulheres porque ele queria que o género humano se multiplicasse." *

*Milan Kundera - La Valse aux adieux



Isto não é apenas o que pensam os homens da literatura, da cultura e das religiões...isto é infelizmente uma realidade vivida entre as mulheres de hoje, igual a sempre, apenas com a diferença de ser muito bem camuflada de boas intenções e teorias e credos e ideologias…
Sim, lamentavelmente as mulheres não resistem a agredir nem a atirar a primeira pedra a outra mulher, as vezes até em defesa das mulheres, mas sobretudo acerca da suas ideias se são diferentes, e isto porque querem contrariar a verdade de que fogem e porque querem continuar a camuflar esses sentimentos atávicos e com que se enganam a si mesmas.

Como NÃO SINTO ESSA RIVALIDADE nem sinto qualquer antagonismo com as mulheres realço aquilo que vejo nos espaços de comunicação e de interajuda… o que é uma contradição. Falar disto, ou apontar os factos menos agradáveis, deixa as mulheres irritadas e revoltadas comigo, nessa altura atacam-me… mesmo não me conhecendo. 
Falo dessa rivalidade porque estou empenhada numa Consciência psicológica e numa inteireza de ser mulher e não porque quero apontar apenas defeitos ou qualidades. Falo desse antagonismo porque vejo que ele impede uma verdadeira união das mulheres e mina a confiança entre si e porque é um enorme obstáculo a uma verdadeira sororidade...

rlp