domingo, março 26, 2017

ADORAR MARIA...


"Quando o feminino divino, a deusa, deixa de ser reverenciado, estruturas sociais e psíquicas tornam-se super mecanizadas, super politizadas e super militarizadas. O pensamento, o julgamento e a racionalidade tornam-se os fatores dominantes. Necessidades de relacionamento, afeto, carinho e respeito pela natureza permanecem negligenciadas. Não há equilíbrio nem harmonia, seja dentro de si mesmo, seja no mundo externo. Com o desprezo pela imagem arquetípica tão relacionada no amor apaixonado, ocorre na mente divisão de valores, unilateralidade. Como resultado, ficamos tristemente mutilados em nossa busca da integridade e da saúde. "*


"Os homens, na verdade, decidem se suas divindades supremas devem ser femininas ou masculinas; o lugar da mulher na sociedade é sempre aquele que lhe foi designado pelo homem; ela jamais, em tempo algum, impôs sua própria lei". Frazer 

FALTA AO MUNDO O AMOR MÁGICO

As mulheres de hoje são apenas um pálido reflexo das mulheres de outrora…As mulheres matriarcas e as sacerdotisas do amor desapareceram da face da Terra e ninguém sabe hoje o que é o Amor Mágico. Porque as mulheres deixaram de ser mágicas…deixaram de  ter magia e poder.
Elas estão cada vez mais longe das Musas inspiradoras, das Sacerdotisas da Deusa, longe das Feiticeiras, das Mulheres de alma, das mulheres plenas e fecundas, das mulheres autênticas, das mulheres selvagens... que exprimiam a sua sensualidade sem medo nem artifícios...
Por tudo isso não há, na sociedade actual e neste mundo globalizado, feito de plástico e falso, lugar para o verdadeiro amor e ele é cada vez mais raro, tal como a mulher original....
Tudo o que neste mundo devassado pelo consumo e o comércio se vive é conectado sexualmente, com a mais baixa sexualidade, o instinto primário, em que se confunde genitalidade com sensualidade, mas mesmo a sexualidade mais séria, a dos manuais médicos?...ou a do kamasutra e do tantra, está cada vez mais longe da sua essência e o que temos é pornografia, sado-masoquismo, vampirismo, em vez de erotismo.
Não damos espaço ao  amor verdadeiro e apenas nunca é só sexual...que é sempre outra coisa mais além, uma corrente de vida, um fluxo de energia, uma ressonância do ser que abrange outro ser à partida; não, não vimos que o amor vem da alma, e que pode e deve expressar-se sexualmente se houver reciprocidade, integridade e respeito humano, seja em que situação for, e tal como dizia Fernando Pessoa, “no amor o sexo é um acidente”, não é factor determinante, nem um fim em si.
Mas as mulheres de hoje e que se pretendem modernas e emancipadas vivem o sexo mesmo sem amor…sem mistério sem emoção sem nada...quase sempre…por desprezo de si, alienadas da alma e do espirito, por isso tanta violência, tanta assassínio em nome ..do amor...
Hoje em dia já não há sentimentos, nem emoções, nem respeito - ninguém deixa sequer o Amor acontecer, nem no namoro...a sedução, o conhecer o outro/a...antecipam-se as experiências sexuais, pela mecânica do acto, só pelo “prazer” do sexo bruto pelo dinheiro…

in mulheres e deusas - 2012
rlp

COMO TUDO COMEÇOU...

"Os homens fazem os deuses: as mulheres os veneram"
Simone de Beauvoir, in The Second Sex, p. 87

"Com o surgimento da política, do militarismo e do comércio gerou estratificação social. A mulher tornou-se subordinada porque seus papéis deixaram de ser importantes para os novos valores. À medida que se desenvolviam estradas de comércio e que tribos guerreiras conquistavam partes de outras civilizações, as culturas de diferentes povos começaram a se mesclar. As divindades de uma cultura incorporavam-se às da outra. O número de deuses e deusas a serem cultuados alcançava proporções impossíveis, e novo problema se apresentava: e se algum fosse esquecido? E um Deus Supremo, portanto, veio a ser reconhecido.

Do ponto de vista da sociedade patriarcal dominante, Ele era um ser masculino. O homem criou Deus à sua imagem. O homem estabeleceu novas doutrinas religiosas e novos cânones, de acordo com suas crenças na supremacia masculina. Com o passar do tempo, os templos do amor deram lugar à casa do Senhor, deslocando radicalmente os papéis da mulher nos ritos religiosos. No culto à deusa, como vimos anteriormente, o sexo era trazido de maneira aberta e reverencial ao altar da divindade. A seu templo homens e mulheres vinham para encontrar vida, e tudo oque lhes era oferecido era prazer sensual e deleite. Mas com a mudança nos valores culturais, e com a institucionalização do monoteísmo e do patriarcado, o indivíduo passou a vir à casa do Senhor para preparar-se para a morte, com a promessa da felicidade eterna mediante o simples cumprimento das leis. Sob a nova tradição, a mulher tornou-se Eva, a encarnação da sedução sensual, a razão da ruína do homem; ela
fora tentada por forças demoníacas e, por sua vez, tentou o homem. Sua simples existência era advertência para os desejos físicos, aos quais era necessário resistir mediante o medo da punição eterna. A prostituição profana continuava a florescer, e a natureza sexual da mulher era associada a ela ou por ela julgada. Tendo deixado de ser vista como dádiva do divino, a sensualidade da mulher passo a ser rebaixada e explorada. As mesmas qualidades pelas quais a mulher fora outrora considerada sagrada, agora vieram a ser a razão pela qual era degradada. Em nome do Senhor o homem começou a destruir todos os vestígios da deusa e de sua defesa da felicidade sexual. O amor passou a ser dissociado do corpo para que os seres humanos pudessem alcançar união puramente espiritual com Deus. Os primeiros Padres da Igreja cristã, a fim de não comprometerem a segurança de uma religião masculina e monoteísta, reprimiam fortemente qualquer associação coma deusa em doutrinas da Igreja. A Trindade era a do patriarcado; Maria pode ser cultuada, mas não adorada, para evitar que ela se torne canal pelo qual a veneração da deusa seja restabelecida. Epifânio ordenou: "Deixe que o Pai, o Filho e o Espírito Santo sejam adorados, mas não deixe que ninguém adore Maria".

Deixou de haver uma imagem do feminino divino. O feminino deixou de ser visto como fonte de prazer físico e êxtase espiritual- um sentimento global de harmonia interior. São Paulo falou em muitas ocasiões dos demônios do sexo e da posição subordinada da mulher. Ele exortava seus ouvintes: "É bom para todo homem não tocar as mulheres. Todavia, para evitar fornicação, que todo homem tenha sua própria mulher".
O celibato era o estado ideal, mas o casamento era permitido por ser a carne muito fraca. "Mas se eles não têm continência, deixe que se casem, pois é melhor casar do que arder."•

•O casamento acarretava também injunções; sua finalidade não era o prazer sexual, mas a criação de novas almas para adorar a Deus. Homem e mulher não deveriam cruzar a fronteira do amor e do relacionamento físico para satisfazer seu bem-estar espiritual. A adesão à lei canônica significava que o relacionamento sexual só deveria servir ao propósito da procriação.
O maior dos méritos, então, era negar a natureza humana e abster-se de tudo oque fosse fonte de prazer. Uma vez que a mais acalentada das felicidades era o relacionamento sexual, homens ascéticos renunciavam completamente a ele e reprimiam o desejo através do jejum, da autopunição e de todos os tipos de privação pessoal. São Francisco de Assis ordenou que um companheiro seu oarrastasse pelas ruas a fim demortificar seu corpo. Outros ainda inventavam todos os dispositivos imagináveis para se afligirem comdor física e agonia, em suas tentativas de dominar ocorpo e atingir oestado de espiritualidade pura. Se tais medidas não alcançassem êxito no sentido de matar todo o desejo, então às vezes recorria-se à castração. "*

**Nancy Qualls-Corbett

A mulher dos homens...


AS MULHERES DOS HOMENS...

O patriarcado afastou a mulher de toda a interioridade, de toda a afectividade que não fosse relacionada com o homem e o filho. O pai e o ...filho! A relação com as outras mulheres seria sempre um perigo para esse império do domínio do homem sobre a mulher. Assim, além da divisão da mulher em duas – a eterna divisão da santa e da prostituta que continua a pairar sobre a cabeça de todas as mulheres, mesmo dizendo que não – criou-se a divisão entre a Mãe e a filha. A filha raramente tem mãe…ou sente na mãe esse afecto, esse amor, essa união, essa cumplicidade de mulheres, porque é na educação das meninas que as mulheres se tornam rivais e antagónicas e começa quase sempre com as mães (luta pela atenção do pai) …aí começa a raiva, a inveja, a luta psicológica por vencer a “outra” entre mulheres…por isso qualquer entendimento amoroso entre mulheres pode ser pejorativamente classificado de “homossexual” ou de anormal…Mesmo entre irmãs a guerra é instalada ou pelo amor do pai ou mais tarde na luta por namorados, assim desde pequeninas…onde elas podem ver a negação da mulher no olhar do pai…o desprezo do pai pela mãe ou até a violência doméstica e por isso ela faz tudo para lhe agradar e ser diferente da mãe. Ela sente-se culpada pois da mãe herdou a ideia/sentimento (ou complexo) de que tudo o que é da mulher em si, é sujo, é inferior, é insignificante e o seu amor-próprio é ridículo. Com as mães as meninas aprendem a ter nojo do sangue e da menstruação, do seu corpo e do seu sexo claro…porque isso é o que quase sempre as mães passam para elas…Medo e nojo. Medo e raiva. Medo e frustração. E assim elas estão cada vez mais longe de si como mulheres e tornam-se “as meninas do papa” ou as eternas meninas, submetidas e feitas para agradar aos homens. São as Atenas, saidas da cabeça do Pai (Zeus, senhor do Olimpo onde as mulheres são engolidas como Métis)...as mulheres que negam a sua feminilidade essencial e se tornam ou mulheres fatais, lolitas ou executivas ou dominadoras ou bem sucedidas na vida...
Quanto às mães, é evidente que sempre houve e há grandes excepções…Há e houve grandes mulheres e Mães que conseguiram, apesar do peso da sua vida e das suas lutas, passar coragem e amor para as filhas, dar-lhes dignidade…ninguém põe em dúvida isso, mas a nós interessa-nos apontar os casos comuns e os mais dolorosos…
Assim, não é de estranhar que muitas mulheres sintam esse nojo ou repulsa pelas outras mulheres, mas esse é o nojo e a repulsa que tem de si mesmas pelo facto de serem mulheres e é em geral inconsciente. Passa por instintivo, mas é apenas uma defesa...
Como nunca foram amadas pelas mães, elas não suportam esse sentimento vindo de outra mulher e isso reflecte-se no espelho de outra mulher que lhe seja próxima, na amizade, por exemplo...e comummente ficam angustiadas pelo carinho dessa amiga, se ele for manifesto, independentemente de ser ou não um interesse sexual, mas é quase sempre interpretado como aberrante, a ternura entre mulheres. Repare como a amizade das mulheres em geral (e como se vê nos filmes) é tão exterior, tão fútil, tão brejeira, tão apenas a falar dos homens e nas experiências sexuais com eles e na competição e jogos em que apenas os homens são o foco e a intriga e a competição…Que outros assuntos tratam as mulheres senão de homens e maneiras de os seduzir, ou ter filhos, etc? Casas e decorações, cosméticos, roupas, modas?
Não, elas não sabem de si mesmas, nem de si como Mulheres verdadeiras porque as mulheres se perderam delas mesmas e da sua alma…As mulheres perderam a sua essência e não são cúmplices entre si nem da natureza Terra Mãe…

rosaleonorpedro in Mulheres e Deusas

(REPUBLICANDO)


EM CONSEQUÊNCIA DISTO "A BARBÁRIE MACHISTA mantem todas as mulheres, sacrificando algumas, sob a força implacável e cega da violência em estado bruto. Sob a influência do medo. Medo de morrer. Diz-se muitas vezes que as mulheres aceitam a sua condição, embora nada as obrigue a fazê-lo. NADA? "*

*Isabelle alonso
in todos os homens são iguais...mesmo as mulheres

sábado, março 25, 2017

O RETORNO DA DEUSA


O retorno da Deusa no dia da Anunciação

Festa da anunciação, 25 de março, dia em que o arcanjo Gabriel desceu ao mundo dos Homens  para "fecundar", por via do Verbo, Maria com a semente de Deus, que nasceria dentro de nove meses, precisamente a 25 de dezembro - outra data especial no calendário de Outros Tempos. O deste dia é um marco primordial para as convicções cristãs, que para prevalecer por entre um arraigado culto banido, mascarou-se com o significado da maternidade divina, poucos dias depois do equinócio da primavera.

Hoje, celebra-se, com menos pompa e circunstância, o Retorno da Deusa, montada no seu felino ou nos alvos gansos, a soprar do seu corno a abundância pelos solos que começam a regenerar-se do frio. Ela traz também no seu ventre o filho que tornará a primavera na estação germinativa.  

Se é tempo de celebrar o mistério da Encarnação, que conferiu à Virgem o estatuto de "Mãe de Deus", também é o de saudar a portadora da energia crescente da luz e da vida. O seu espírito, outrora percionado por belas e cristalinas epifanias de Virgens envoltas por um véu de luz, e dotadas de poderes mágicos de cura, são reminiscências de Deusas como Birgit, Holda e Cíbele, Portadoras de Luminescência. 

Os romanos escolheram este mês para as  festividades de Hilarias, em honra de Cíbele, com ponto alto a 25 de março. A Deusa frígia que acolheram pela vitória concedida pela Mãe dos Deuses, a Magna Mater, na batalhas Púnicas. A grande deusa da fertilidade das Montanhas da velha Anatólia, progenitora e consorte de Átis, cultuada nas civilizações clássicas. A Ela, os romanos ergueram um templo no monte Palatino (de Palas, deusa original desse lugar) e promoviam o taurobolo (sacríficio do touro- ritual comum nas celebrações a Mitra, a 25 de dezembro). Março está carregado de simbolismo feminino, que atinge o seu apogeu em maio, agora  pela devoção popular ao culto mariano, sempre, embora não explicitamente, em estreita relação entre a fertilidade ecológica e a gestação de Maria. Os santuários da Virgem foram erguidos em locais de grande beleza natural, altaneiros -próximos do cerúleo, ou junto a nascentes de água com propriedades medicinais, ou em lendas de fecundidade da terra, salvando-a de pragas.

Sentem-se nestas antigas devoções, que se transferiam com outro tipo de carga emocional para a Virgem Maria, o respeito pelo cariz protetor, auxiliar e promotor das divindades femininas: pela consciência e respeito pelos ciclos naturais, pela fonte de vida. A Deusa é apenas o paroxismo da relevância da Mulher nos contextos mundanos e igualmente determinante para o desenvolvimento humano. A Astrologia Tradicional dá-nos nota dessa relevância de uma mãe próxima, zeladora, pedagoga e mistagoga, ao priveligiar a Casa X, o Meio Céu, o zénite numa carta astrológica, como domínio materno. Neste lugar de culimanação dos astros, não vislumbramos somente o poder temporal, as figuras de autoridade e as ações com impacto social, que tipo de projetos ou objetivos que um indivíduo seguirá ao longo da sua existência, ou mesmo a sua vocação e carreira: a Casa X é a dignidade Mãe. É sobre a mãe que recai a responsabilidade maior de orientar os filhos, de lhe prestar uma educação positiva, de lhe oferecer amplas oportunidades de crescimento físico, cognitivo e sócio-emocional. 
Os processos proximais, postulados na Psicologia de Desenvolvimento, afiançam esta certeza de senso-comum dos povos antigos e dos sábios da Antiguidade. A qualidade da responsavidade da mãe aos comportamentos oferece à criança um campo profícuo na capacidade de regulação dos mecanismos que lhe garantirão, mais tarde, a sobrevivência. A falta de uma resposta ou a negligência expõe a criança a níveis de stress que lhe causarão danos prejudiciais na arquitetura do Sistema Nervoso. A interação da criança com a mãe é determinante para o seu futuro como adulto: a resiliência, autoestima, confiança e vontade na escolha de uma vocação ou caminho a seguir ao longo do seu desenvolvimento até à velhice. A Mãe é, pois, a nossa maior autoridade na transmissão de valores, por isso merece estar no ponto soberano da roda zodiacal - como as Deusas, nos lugares altos da nossa natureza interna.

CRISTINA AGUIAR - autora do livro AS Máscaras da Grande Deusa


A MORTE DA MÃE





"E perante a dor das filhas a Mãe dissera:
- Não há paraísos perdidos, nem quedas, nem pecados:
todas as coisas se resumem nas duas faces do mesmo princípio."

In "A Morte da Mãe" de Maria Isabel Barreno



MAIS PATRISTAS QUE O PATER



"As mulheres têm o hábito ancestral de ficar em segundo lugar.
(...)
Talvez por essa razão, "a igualdade é um principio mal compreendido. As mulheres tentam desesperadamente entrar no Sistema, sem modifica-lo. Gastam as suas forças para fazer o mesmo que os homens, mas continuando a fazer o mesmo que a suas mães. Isto é impossível. Conservar as estruturas que excluem as mulheres é uma denegação de justiça. O dia de trabalho duplo, ou até triplo, não é nenhum mito, e todo o sistema social continua a ser adaptado pelos homens para os homens. Enquanto as mulheres não consideram como legitima a adaptação do mundo as suas próprias exigências, continuando a perder o seu tempo e a sua liberdade no stresse quotidiano inenarrável, que representa bem a sua vida actual."*

Eu acho muito curioso e sintomático - para não dizer uma desgraça - como as mulheres em geral, nomeadamente as políticas e intelectuais portuguesas, não tem a menor noção de como a ideia de "igualdade" não corresponde a nada do que se pretendia e que a razão disso tem toda a ver com o machismo das mulheres, pela a adopção da cultura e do ego masculino - tirando uma ou outra excepção -, ou mesmo as vanguardistas da cultura patriarcal, na verdade as activistas feministas e as intelectuais  são quase todas Atenas saídas da cabeça do Pai, já para não falar das mulheres do entretenimento televisivo, cuja cultura é nula,  e que têm um desprezo impercetível pelas outras mulheres, todas elas de uma maneira ou outra são Marionetas do Sistema e dos homens...e não se apercebem sequer como se reduzem a esse segundo lugar...subalterno e muitas vezes até ignominioso.

Eu vejo  mesmo muitas  mulheres que buscam uma verdadeira identidade e sairam dos padrões das feministas que continuam a ser patristas (às vezes mais patristas que o pater), como diria a Natália Correia, uma das poucas e raras escritoras portuguesas que teve consciência de si como mulher e do Paradigma da Deusa e que no seu discurso fazia toda a diferença, raramente  estas mulheres têm plena consciência do seu feminino integrado.  Elas continuam a ser cúmplices do sistema embora se digam participantes de uma nova consciência do mundo enquanto MULHERES, tentando serem fiéis ao Princípio Feminino e a uma Ecologia da Natureza e da Terra,  procurando agir no sentido de o modificar para dar um novo rumo às sociedades e as revitalizar,  e no entanto  em vez disso dedicam-se à politica do vício e do tráfico de influências, a política do medo, aos partidos corruptos, ao esquemas viciados ou escrevem memórias de mulheres frustradas, filhas do papá...obcecadas com os traumas e o sexo, as histéricas dos estudos de Freud e Lacan...e com os quais elas tanto se identificam...

 rosaleonorpedro

"O que sabemos é que, nestes últimos três mil anos, a civilização ocidental e suas precursoras, assim como a maioria das outras grandes culturas, basearam-se em sistemas filosóficos, sociais e políticos 'em que os homens
– pela força, pressão direta, ou através do ritual, da tradição, lei e linguagem, costumes, etiqueta, educação e divisão do trabalho – determinam que papel as mulheres devem ou não desempenhar, e no qual a fêmea está em toda parte submetida ao macho'." (p. 27)


"A noção do homem como dominador da natureza e da mulher e a crença no papel superior da mente racional foram apoiadas e encorajadas pela tradição judaico-cristã, que adere à imagem de um deus masculino, personificação da razão suprema e fonte do poder último, que governa o mundo a partir do alto e lhe impõe sua lei divina." (p. 38)

"Fritjof Capra explica muito bem a queda desse paradigma. Depois de passarmos pela era e queda dos combustíveis fosseis, com a troca de nossa matriz energética arcaica e cara pelo Sol, dai sim a civilização terá amadurecimento e clareza possíveis para essa quebra de paradigma, que pelo jeito esta ai a mais 10.000. Dentro de um milénio se a civilização não acabar (muito por culpa do patriarcado) teremos a chance de vermos um mundo de paz através do matriarcado."** C.L.


*Isabelle Alonso  in todos os homens são iguais ...mesmo as mulheres
**Fritjof Capra, O ponto de mutação. A Ciência, a Sociedade e a Cultura emergente, São Paulo, 26ª Reimpr., Editora Cultrix, 2006, 447 p.

quinta-feira, março 23, 2017

AGUSTINA BESSA-LUIS

"A Babel retirou os livros da escritora e diz à SÁBADO que não pode continuar a pagar tanto a uma escritora que vende tão pouco."

UMA GRANDE ESCRITORA PORTUGUESA
É RETIRADA DA BABEL. Dizem os responsáveis que não tem dinheiro para lhe pagar 1.500 euros mensais...


LEMBREMOS A ESCRITA FABULOSA DE AGUSTINA, A UM TEMPO REGIONALISTA E UNIVERSAL


"Falava muito, sempre de coisas da sua juventude, e não compreendia que o marido tivesse morrido (...) Nestes momentos, Germa cravava nas duas os olhos atemorizados e duvidosos; era como se o espaço extensíssimo duma época que não vivera se lhe colocasse diante sem que ela deixasse de sentir-se expulsa, mais do que distante, desse tempo morto, porém inesgotável. Nas ceias de Natal, quando todos ficavam reunidos na lareira (...) Germa ia deitar-se no quarto, onde Maria dormia já. Aquele sono agitado, que era como uma vivência entrecortada do passado, em que a avó se debatia, se erguia e pronunciava frases que eram o eco doutras
recebido o calor duma réplica, fazia-lhe medo (...) aqueles lábios murchos, aquele cérebro cansado, tinham para si o sortilégio dos velhos móveis, nos quais se auscultavam segredos, e se rondam, e se contemplam, como na obcecação dum mistério que resta insolúvel e acaso se pode encontrar. Apavora-se junto daquele ente encarquilhado e já tão débil.
(...)
Como esses faquires que se sepultam vivos numa cova profunda, ordenando um hiato de vida no seu organismo, assim a cor e o estuante processo da sua infância, com as suas emoções e personagens, jaziam soterrados dentro de si, não mortos, mas suspensos, não destituídos, mas conservados até nas particularidades que só o tempo e a experiência fariam compreender e notar.
(...)
Ficou na sua memória, como alguma coisa de dantesco, porém sem esse estertorar espasmódico das cenas infernais, mas antes extraordinariamente discreto, reservado, abafado como um atroador clamor que choca com uma superfície intransponível e ali se prende e ameaça e ruge, mais terrível do que se explodisse na ampliação dos ares, o dia em que a louca desapareceu e não pôde ser encontrada.
(...)
Germa sentiu uma saudade imensa da casa da Vessada, de todas as coisas recolhidas lá sem concurso do espírito, e cujo encanto, originalidade, perfume e graça se lhe revelavam agora, como aconteceria com uma matéria fóssil, morta, carvões sepultados na terra e que um dia surgem transmudados em condensações de raridade e beleza.
(...)
E as matanças, o cheiro de chamusco entrando pelas janelas, aquele agoniento odor de casco queimado na manhã límpida (...) o cheiro quente das vísceras empestava a casa, penetrava-a toda, estava na própria roupa, na pele, nos cabelos, no carcomido das caldeiras de cobre onde, na banha doirada, boiavam os rojões floreados de formas hepáticas ou cogumelos cinzentos (...) sobre a aldeia inteira parecia pairar o cheiro de entranhas quentes, ainda vivas, arrancadas a facão; vinha no vento, subia no fumo este fartum espesso, nauseante.
(...)
Este traço de seu caráter transmitiu-se a quase todos os filhos, e podia definir-se pelo ‘estilo hamletiano’, o choco de indecisão, a cobardia da violência, que se resgatam de súbito com um acto que transcende toda a razão.
(...)
Naquela casa, donde o homem ficava ausente largos dias e onde o pulso dele parecia indeciso e sem vontade, sentia-se sobrecarregada com um grande fardo que talvez a sua vida inteira fosse impotente para carregar.
(...)
Mais uma vez as mulheres ficaram sós. Acabara-se o turbilhão de visitas, convites, almoços (...) Abel tudo pagava, pois era perdulário mais do que generoso, mas daquela sua temporada na casa da Vessada ficou uma recordação pesabunda, de escravidão, que nenhuma fartura e nenhum oiro poderiam resgatar. O regresso à frugalidade foi uma libertação."


AGUSTINA BESSA-LUÌS, in "A Sibila", 1954

terça-feira, março 21, 2017

A MULHER ESVAZIADA...


UM MANIFESTO ARRASADOR...


"A individualidade feminina, da qual o homem é intensamente consciente, mas com a qual ele é incapaz de relacionar-se, de compreender ou alcançar emocionalmente, o assusta, o perturba e enche-o de pavor e de inveja. Assim, ele nega a individualidade das mulheres, e se dispõe a definir todo mundo, ele ou ela, em termos de função ou de uso, assegurando logicamente para si as funções mais importantes – médico, presidente, cientista – a fim de dar-se uma identidade, se não uma individualidade, e convencer, a si mesmo e às mulheres (teve melhor êxito convencendo as mulheres) que a função feminina é conceber e criar os filhos e relaxar, confortar e elevar o ego do homem; que sua função é, em suma, tornar-se trocável por qualquer outra fêmea."

"O efeito da paternidade nos meninos, particularmente, é transformá-los em “Homens”, ou seja, desenvolver um duro sistema de defesa contra todas suas tendências à passividade, à bichice, e aos seus desejos de ser mulheres. Todo menino quer imitar sua mãe, ser sua mãe, fundir-se com ela, mas o pai o proíbe. Ele é a mãe, ele se funde com ela; assim, ordena ao menino, às vezes directamente e outras indirectamente, que não seja um mariquinhas, e aja como um “Homem”. O menino, que se caga nas calças com medo de seu pai, que – dizendo de outro modo – lhe “respeita”, obedece e chega a se tornar como o pai, esse modelo de “Virilidade”, o ideal americano: o cretino heterossexual bem-comportado."

"O efeito da paternidade nas meninas é transformá-las em homens: dependentes, passivas, domésticas, bestiais, inseguras, ávidas por aprovação e segurança, covardes, humildes, “respeitosas” das autoridades e dos homens, fechadas, carentes de reacções, meio mortas, triviais, estúpidas, convencionais, insípidas e completamente desprezíveis. A Menina do pai, sempre tensa e temerosa, intranquila, sem capacidade analítica, sem objectividade, valoriza com medo (“respeito”) o pai e, consequentemente, os outros homens. Incapaz de descobrir o vazio por trás da fachada indiferente, aceita a definição machista do homem como ser superior, como mulher, e a definição da mulher, e de si mesma, como ser inferior, ou seja, como homem, o que, graças ao pai ela realmente é. "


IN MANIFESTO SCUM – VALERIE SOLANAS

OS FUNDAMENTALISMOS...



Islão a Miséria do desejo:
Sexo fora do casamento = posta em causa da paternidade


"O Islão e o neo-feminismo puritano judaico-Protestante têm em comum a castração dos machos para impedir o acesso às mulheres, o que tem por consequência uma certa forma de homossexualidade onde se resolve entre homens" - dixit Alain Soral.

"O sexo é um tabu complexo. Em países como a Argélia, a Tunísia, a Síria ou o iémen, ele é produto da cultura patriarcal do conservadorismo ambiental, dos novos códigos intransigência dos islamitas e puritanismos disc...retos dos diversos socialismos da região. Uma boa mistura para bloquear o desejo, fazer o culpado e o empurrar às margens e à clandestinidade...
O orgasmo não é aceite que após o casamento - mas sujeito a códigos religioso que o esvaziam de desejo - ou após a morte. O Paraíso e as suas virgens é um tema fetiche dos pregadores, que apresentam essas delicias de além-túmulo como uma recompensa aos habitantes das terras de miséria sexual. O Kamikaze em sonho e se submete a um raciocínio terrível e surreal: o orgasmo passa pela morte, não por amor."



O OCIDENTE

O Poder, Opressão e Dependência na Construção da Subjetividade

"A sexualidade, como manifestação biopsicossocial do ser humano, sofreu através da história, to...da a sorte de controlo por interesses diversos. Negada ou incentivada, a Igreja, o Estado e o poder económico sempre se valeram deste meio profundo do relacionamento humano (onde a afectividade e o prazer formam a base motivacional), para dominar, corromper, atemorizar ou lucrar. Actualmente a exploração comercial da sexualidade feminina, oferece uma ideia superficial, desvinculada do afecto, sustentada em modelos descartáveis, consumista, estereotipados e preconceituosos, com a imposição da estética e como prerrogativa exclusiva da juventude.(...)
Com o prazer vinculado a um corpo que engravida, que gera, que culpa e martiriza, as mulheres protegem-se num contrato social definido por leis, que longe de garantir-lhe este almejado prazer, obriga-lhes após tantas expectativas frustradas, à manutenção da relação dependente, neurótica, sadomasoquista para fugir, da categoria pejorativa criada culturalmente para as mulheres que estariam desprotegidas destas leis. Seriam as "descasadas", "mães solteiras", "largadas do marido", "as que estão em falta"."

Por Maria Alice Moreira Bampi

A BARBÁRIE MACHISTA


A PSEUDO EMANCIPAÇÃO DA MULHER...

"Num período de trinta anos, com a liberdade de contracepção e de aborto, o corpo das mulheres passou de zona ocupada a zona livre. Livre sob vigilância. dentro da gaiola. Sob o domínio do principal perigo: o ocupante. O homem. O predador: Aquele que estabelece os limites. Que dispõe. Que controla: O sexo dos homens pode ser uma arma. O cérebro deles pode conter o inimigo mortal. Todas nós o sabemos. Isto devia manter-nos atentas..
(...)
Os homens exercem colectivamente um controlo permanente sobre a mulher. O trabalho sujo cabe aos menos escrupulosos, que fazem com que algumas infelizes paguem caro. E o seu destino acaba de ser aviso a todas as outras.
(...)
Este assunto só é pontualmente mediático, nunca é tratado com a devida profundidade. Não é entendido como uma calamidade evitável, não suscita nenhuma mobilização especial. Para que o tema seja propagada pelos Media, mais vale escolher causas com a sida (ou o cancro*). As primeiras têm direito a toda a atenção, a serões televisivos e pequenas fitas vermelhas (ou cor-de-rosa*) de solidariedade. Para as ultimas, só existe o silêncio, a condescendência voyeurista e o olhar vazio da indiferença.

A BARBÁRIE MACHISTA mantem todas as mulheres, sacrificando algumas, sob a força implacável e cega da violência em estado bruto. Sob a influência do medo. Medo de morrer. Diz-se muitas vezes que as mulheres aceitam a sua condição, embora nada as obrigue a fazê-lo. NADA? "

Isabelle alonso
in todos os homens são iguais...mesmo as mulheres

segunda-feira, março 20, 2017

A PRIMAVERA...


A ENERGIA DO MOMENTO



" ... existem vários tipos de Fogo, sendo o mais óbvio o Fogo da matéria, aquele que produz a luz e o calor de que necessitamos para a nossa sobrevivência, para... cozinhar os alimentos e para nos aquecermos e termos conforto. De outro tipo é o Fogo emocional que aquece os nossos corações, transbordando no caloroso abraço curador, o Fogo do entusiasmo que em Grego significa "en" + "theos", que possivelmente terá sido "en" + "thea", literalmente " na Deusa". Tal como o Fogo físico, o Fogo emocional, pode ser devastador nos seus excessos, quando se manifesta como impaciência, frustração, ódio, raiva ou fúria.
Sobre Agni, o Fogo do espírito, é referido nos antigos textos védicos que ele é o mensageiro entre a divindade e o ser humano. Igual ao Fogo do Sol, ele estabelece um vínculo entre a consciência humana e a consciência cósmica.
Essa energia espiritual existe em nós como o Fogo da Kundalini, que permanece adormecido na base da coluna vertebral, podendo despertar e passar através dos chacras, do da base até ao da coroa, permitindo experiências místicas que designamos por Iluminação."
(...)

" Ostara é o festival da Mãe do Fogo e da Luz, direcção Este, onde nasce o Sol. O nome Ostara tem origem em Eostre, Deusa da fertilidade da m...itologia nórdica e germânica. O culto desta Deusa, entretanto, foi tão importante que em inglês é do Seu nome que provém a palavra que designa Páscoa, " Easter". Também o estrogénio, conjunto das hormonas relacionadas com o controlo da ovulação e o desenvolvimento de características femininas, toma desta divindade a sua designação.
Este é o festival do Equinócio da Primavera, que no Hemisfério Norte ocorre por volta de 21 de Março, marcando o fim do inverno e o início da nova estação. Como nos diz a própria palavra Equinócio, o dia e a noite têm neste momento a mesma duração, mas os dias vão agora progressivamente tornar-se maiores e mais quentes e as noites mais curtas. Trata-se duma época do ano muito auspiciosa, porquanto todas as forças da Natureza se põem em acção para o renascimento da vida.
(...)
Se tivermos sorte, será possível regalar a vista com o vislumbre duma dessas maravilhas da arquitetura natural, abrindo ovinhos das mais deliciosas tonalidades e diferentes tamanhos, que enchem a terra de promessas de abundância e de renovação na forma de pequeninas criaturas cujo chilreio é o próprio som da Primavera.
De todos os momentos do ano, este é daqueles que mais nos arrebatam pelo novo alento que sentimos, porque a vida definitivamente retorna, e tal como acontece com a Natureza, também nós nos sentimos renascer, energizadas pela luz e pelo calor do sol, cada dia mais intenso.
(...)
Neste festival honramos Cale do Fogo, a Mãe do Fogo, Aurora, Trebaruna, Drusuna, Artemis, Sul, a Grande Mãe Ursa, Murça, e honramos ainda a Hespéride Marciana, a Senhora da Aveleira.

IN " A DEUSA DO JARDIM DAS HESPÉRIDES"
De Luiza Frazao