sexta-feira, julho 09, 2010

FEMINISMO INTEGRAL


NA MULHER...


"Há um nível de sofrimento a que se não consegue responder, uma realidade sentida no corpo correspondente a algo que não foi ouvido, algo que não torna presente a consciência que em tempos existiu."




Qualquer debate sobre o Princípio Feminino acaba sempre por embater com o facto de o valor da nossa linguagem advir de uma perspectiva masculina, utilizada por homens e mulheres. Masculino significa penetrativo, funcional – “Faz alguma coisa sobre isso”, enquanto Princípio Feminino é o ser em si mesmo - literalmente a força nutritiva da existência, porque ele é a própria existência. Actualmente, existe uma preferência pelas formas masculinas de comunicação e estamos a tentar intervir aí com a sensibilidade feminina. A minha motivação pessoal para isso está de facto afectada. Há um nível de sofrimento a que se não consegue responder, uma realidade sentida no corpo correspondente a algo que não foi ouvido, algo que não torna presente a consciência que em tempos existiu.


Isto está relacionado com a prioridade dada à informação em detrimento da saúde emocional e psíquica da encarnação. Queremos ajudar as mulheres a cultivar uma confiança profunda no bem, na verdade e na beleza inerentes ao seu coração, a fim de trazer à superfície a nossa parte vulnerável de onde é originária toda a nossa energia.


Assim, estamos a falar de algo que é invisível por estar sempre presente. E é importante estabelecer-se a diferença entre os termos feminino, mulher e fêmea. O Feminino é um aspecto da existência que é independente das mulheres. Uma definição mais absoluta seria a de que, relativamente ao princípio Masculino de infinito absoluto, o Principio Feminino seria tudo o que aparece, tudo o que é observado, incluindo o próprio observador(a). Contudo, em termos da encarnação, é expresso através de um corpo de mulher, porque o Feminino é o princípio receptivo e o masculino é o princípio penetrativo. O nosso relacionamento com o Feminino é o nosso relacionamento com a encarnação.


SOFIA DIAZ

(tradução M. Inverno)

7 comentários:

Crônicas do Cotidiano disse...

Feminino há em todos... Que seja assim para sempre! Para que sejamos belos por assim dizer...
Bjaumm

Gaia Lil disse...

Eu entendo...E quanto ao sofrimento...Você também compreende, e creio que me compreende melhor que a mim mesma, mas como pode um ser que mergulha dentro de si não se conceber, ter apenas aspirações de si e certeza de como são os outros e as realidades?

Deve haver em algum lugar uma forma de se conceber totalmente.Já senti isso quando fui tocada epla Deusa mais de uma vez. Será está então, a busca de uma total compreensão de si mesma, a busca do Sagrado Feminino?

Trunfinhas disse...

É a resposta a esse sofrimento, talvez a cura para ele que tento encontrar insaciavelmente há anos, através de livros, pesquisas, blogs, através do meu interior, do meu corpo... Do sagrado feminino, da Deusa em tudo o que me rodeia!! E mesmo assim, cada vez mais, sinto que estou cansada da batalha, apesar da frase muitas vezes entoada por mim nos momentos difíceis "Valeu a pena pois vi coisas tão belas e preciosas que apesar de pequenas e num tão pequeno espaço de tempo glorificaram toda a amargura de uma vida". Mas muitas vezes essa frase é esquecida e sou mais vezes encontrada perdida a navegar na escuridão do meu ser, deprimindo-me e oprimindo-me na minha solidão pacata.
Tento lutar e lutar... mas infelizmente sou tão fraca que quando dou por mim, na maioria das vezes estou sempre no chão, em vez de estar erguida! E mesmo assim, estado no chão, apenas me sei humilhar a mim mesma, quando o mais correcto seria, já que estando em contacto com o solo sagrado da Terra Mãe, honra-lo, senti-lo, ungir o meu corpo dessa fértil terra e erguer-me em nome da Deusa...

simonelar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
simonelar disse...

Rosa

Veja o que vc acha desta matéria publicada neste jornal brasileiro de grande circulação
http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,patriarcado-da-violencia,579311,0.htm

Este caso está sendo muito comentado aqui no Brasil, como sempre, pq envolve famosos... Qdo são anônimos ninguém se importa...

Hoje, caminhando pelas ruas da minha cidade ouvi 3 homens comentando o caso e um deles dizia "E quem é que nunca bateu em mulher? Isto é normal..." Senti muita raiva. Tive ímpeto de dizer alguma coisa, mas me contive...

A noite li este artigo. Parece que finalmente, no meio de tantas análises bestas que somos obrigadas a ouvir (na tv, jornais, rádio e nas ruas!!!), alguém finalmente chegou ao ponto.

Rosa, desculpe se não estou postando no local adequado. Procurei um e-mail seu para enviar esta mensagem, mas não encontrei.

bjs da amiga que sempre continua com vc

Simone

simonelar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosa Leonor disse...

espero que me desculpem todos o não responder as vossas questões, mas eu agradeço no fundo do coração cada palavra que aqui deixam...
- prometo que irei respondendo e ter a maior atenção aos vossos comentários.

abraço-os/as a todos/as

com carinho rleonor