quinta-feira, fevereiro 10, 2011

TODA A DAMA CANTADA...


“A ALQUIMIA DO AMOR”

É o que justifica que idênticos epítetos, tirados do mundo secular, se apliquem por exemplo à Virgem Maria: ”arca, torre, porta, jardim, árvore, fonte, casa, espelho, oceano, lua, estrela, aurora, monte”, como em Angelus Silesius. Sendo a Virgem tanta coisa de tão variada proveniência, o que se conclui é que a sua realidade é “outra”, como Silesius acaba por dizer: “Ela é um outro mundo.” A sua dimensão é espiritual e divina, só por aí por ser entendida.

Toda a dama cantada nestes termos - variados, opostos, não conciliáveis à primeira vista - está a ser espiritualizada e projectada numa dimensão que não é a do mundo. A mulher que o poeta sublima em belos e riquíssimos tesouros, com um corpo que se dilui ora em matérias tão subtis como a luz, esta mulher que se “apura” nos poemas, faz esquecer a amante real que se deseja. (...)

de Y.K.Centeno

Sem comentários: