quinta-feira, maio 07, 2009

HOJE ESCREVO

Meditando…ou reflectindo?

As vezes tenho tendência para ficar presa muito tempo entre a vontade de escrever…e ir andar a pé, sair por aí, caminhar pela praia, neste caso. Fico tão hesitante que acabo por não fazer uma coisa nem outra. É o caso de hoje…
É verdade que sou demasiado contemplativa e gosto de ficar quieta a olhar as coisas a aprimorar os pormenores, a compor os meus altares, a fazer os meus rituais…de entrega e oração a cada coisa que exponho é em adoração interior, não é exagero. Tenho imensos altares na casa, ergo um em cada canto…uma homenagem aos pontos cardinais, às forças telúricas e aos elementais…e tenho muitas vezes de contrariar esta tendência, ou memória de outra vida, quem sabe? Fui "sacerdotisa no Egipto"…disseram-me...Vem daí este pendor místico, esta exacerbação do divino e da Deusa?

Gosto das mais pequenas coisas e tenho tendência também para encher a casa demasiado… não colecciono nada de importante ou de valor social, mas guardo as coisas que têm um valor estimativo, um valor subjectivo, embora tenha imensas nossas senhoras, anjos e gatos…mas isso são referências maiores, exorcismos, protecções…são talvez os meus afectos projectados; os arquétipos ainda predominam na minha vida… apesar das emoções já gastas.
Todos nós vivemos a fazer projecções a inflamar as nossas aspirações e sonhos…mas no mundo hoje urge outra realidade. Uma realidade interior, de paz e amor sem idealismos nem religiões…Precisamos de uma realidade de irmandade de facto, de verdade e sinceridade entre as pessoas, de actos de abnegação e quem sabe algum sacrifício de nós mesmos em vez do egoísmo e de só pensar no nosso drama ou satisfação pessoal. Estamos saturados de mediocridade, mesquinhez, de ódio e de raiva, de ambição e poder e paradoxalmente de tantas ideias de cura e caridade e de “realização” espiritual sem a menor humanidade, sem a mais indispensável fraternidade. Confundimos tudo e aproveitamos o budismo e o yoga para sermos egoístas e fechados sem olhar realmente para os que sofrem como nós…
Há mais desumanidade hoje em dia em que tanto se fala de caminhos espirituais, nunca houve tanto Ego espiritual diga-se de passagm, e meditações e métodos salvíficos do que quando éramos apenas católicos ou comunistas… quando éramos apenas idealistas e sonhávamos um mundo melhor…à pauta de me tornar melhor eu mesma e cada um por si, e do caminho ser “individual”, esquecemos que vivemos em comunidade e precisamos uns dos outros e não é só para ganhar dinheiro a curá-los…
Só há um remédio e uma cura…só há um conhecimento e uma experiência válida nesta vida e que é amar…amar incondicionalmente, amar sem razão, amar por amar…porque finalmente percebemos que a vida é amor e tudo o resto é mentira e manipulação…
E para mim amar é sacrifício (sacrifício do ego?)...no sentido do sagrado, no sentido etimológico do termo – sacrun far - e não da ideia profana e desgarrada do medo da dor de doar e de se dar…

Sim é no dar, apenas no dar que se recebe!
Para mim este é o único Conhecimento que me interessa!

rlp
(roubei a imagem à Anna Paim: http://wwwjaneladaalma.blogspot.com/ )


(agora vou dar uma volta... )

7 comentários:

NEANDERTHAL disse...

no Egito não existiam sacerdotisas.
não que Akenaton me tenha avisado...

Anónimo disse...

- e freiras houve?
será que eram as tais prostitutas "sagradas"?

Eu fui iniciada na india e no egipto a questão é saber se era homem ou mulher ou hermafrodita...
isto disse-me Maat...ou Bastit, já não me lembro...


rl

Nana Odara disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
outra vez?

ai moloi, tá muito calor por aqui...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

quero a Rosinha descansada pra domingo, nada de stresses hein...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

Nana Odara disse...

E afinal, fizeste as duas coisas...
a postagem e a caminhada na beira da praia...

Essa é q é essa...

NEANDERTHAL disse...

NANA ODARA reina suprema acima de todas as minhas blasfêmias!

Anónimo disse...

Pois é...
bom mesmo é blas-femear...
kkkkkkkkkkkkkkkkk...

NANA ODARA...

Anónimo disse...

vocês os dois, conterrâneos, passando pelas terra de portugal...um cá e um lá...indo e vindo, estão muito bem no samba como no fado...Não?

abraço
rleonor