"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

terça-feira, abril 26, 2011

O AMOR MÁGICO



DESEJAR A ALMA

Refere-se a primeira à necessidade de que o "eros que constitui o instrumento da obra, não seja logo desejo sexual, avidez sexual, mas justamente amor, algo de mais subtil e vasto, sem polarização física, mas cuja intensidade não deverá ser menor. Poderei dizer-te também: tu deves desejar a alma, o ser do outro ser, tanto como se pode desejar o corpo". Partindo deste estado na relação sem contactos físicos "o Eros favorece-te o contacto fluídico e o estado fluídico por sua vez exalta o Eros.

Poderá assim, produzir-se uma intensidade-vertigem quase inconcebível para o homem e a mulher comuns. Amar-se e desejar-se deste modo, sem movimento, de forma contínua aspirando-se recíproca e vampiricamente numa exaltação que progride sem receio das possíveis zonas de vertigem. Experimentarás uma sensação de amalgamento efectivo, sentirás o outro em todo o teu corpo, não através do contacto, mas por meio dum abraço subtil que se sente em cada ponto e fica penetrado por ele como por uma embriaguez que se apodera do sangue do teu sangue. Isto conduzir-te-á ao limite, ao limiar dum estado de êxtase.

in "METAFÍSICA DO SEXO" de Julius Evola


"O amor começa a adquirir um carácter sagrado ao pôr a alma humana em estado de mag* ou de transe. A matéria mais grave e a matéria mais subtil ficam presas ao SER HUMANO * através dum estado de magnetismo tão profundo que começa primeiro a intuição e depois a sensação dum mundo que não é humano, mas que na hipersensibilidade dum estado especial do ser atinge um fundo humano."

(…) em todo o amor diferenciado, se produz por instantes justamente este estado: no entanto, "a dificuldade consiste em fazê-lo durar intensa e definitivamente"; consiste além disso em impedir que desperte o desejo físico, que o paralisaria. (…) Existe o estado de mag* se for activo (êxtase activo) e de transe se for passivo.

Nestes estados o elemento subtil do homem não somente entra em contacto com o da mulher, mas oferece-se também a possibilidade de se relacionar com tudo o que em geral, pertence, quer em forças ou em influências, ao plano hiperfísico.

O AMOR MÁGICO...

Encontramos seguidamente um motivo que é já do nosso conhecimento quando K. afirma que "através desta porta do amor " começa a verdadeira magia, desde que "embora mantendo-se na intensidade mais inverosímel do Pyr, ou fogo mágico", o homem separe na amante que está a ver com os seus olhos físicos uma entidade que pertence ao plano a que se chegou. Através da união com esta entidade começa, porém em simultâneo com a "magia", o risco da loucura. (...)

in "METAFÍSICA DO SEXO" de Julius Evola
* mag – de magia

1 comentário:

telodeassiz disse...

DESEJAR A ALMA

ter a calma e beber da palma da mão,a água da vida da qual nunca ficamos saciadas