segunda-feira, julho 08, 2013

EM NOME DA MÃE...


VAMOS ANALISAR AQUI ESTA QUADRA POPULAR DE UM DOS POETAS SATÍRICOS MAIS CONHECIDOS DE PORTUGAL...
 
"A vida é filha da puta
A puta, é filha da vida
Nunca vi tanto filho da puta
Na puta da minha vida"
 
(Bocage)
...
Ora aqui está uma quadra popular para ilustrar bem o pensamento marialva, conservador e atrasado mental do português  e para que não me confundam mais, olhem bem para ela e reflitam nas suas palavras, leiam e releiam como fazem os alquimistas, e digam-me se este não é o fulcro da nossa religião, tradição e cultura portuguesa?
Ora analisem como é que com quatro pequenas frases apenas toda a filosofia de um povo e de uma religião está explícita nesta quadra! E ela reflecte o pensamento português por excelência...cada português tem debaixo da língua uma delas  pronta para a qualquer momento a disparar...
E quem paga as favas desta filosofia, digam lá, quem é a culpada e a má da fita...senão a "puta que nos pariu" e tornou a vida igual? Mas como é que tal destino foi acontecer?
Mas vejam mais, sim, porquê puta, meu deus? Quem é afinal essa puta? Onde é que ela nasceu e quem foi que a criou? Não foi deus...pela certa...E como é que ela afinal em vez da Nossa MÃE simplesmente se tornou na p... que nos pariu?
Porque meus senhores e senhoras...a religião dividiu assim a Mulher em duas,...a santa mãe de que se não fala porque é santa ou então a puta que paga as favas todas daquilo que tão mal pariu, com ou sem culpa... Todos os homens são sempre "filhos da mãe"...a quem alguém...por razões religiosas ou de propriedade resolveu apelidar de pu...se não tiver o  nome do pai...
Mas porquê???
Sim, digam-me lá...
PORQUÊ?

rlp
 


Quadro: venda de mulheres...
 

2 comentários:

Anónimo disse...

Veja esta noticia... as coisas estão a mudar!!! a inverter...
http://www.publico.pt/desporto/noticia/jogo-de-futebol-termina-com-homicidio-e-decapitacao-1599628



Else Schumann disse...

Nunca gostei de ler literatura brasileira e me condenava por possuir tão poucos livros na minha língua materna.
Depois de algum tempo comecei a refletir o porquê disto. A maioria dos clássicos, tão louvados, a mulher é sempre uma adúltera, sem escrúpulos. Os enredos tornam-se repetitivos, machistas, ignorantes.
Que adianta escrever "bem" e só escrever porcaria?
Queremos beleza.