terça-feira, fevereiro 22, 2011

AS DUAS MULHERES DENTRO DE CADA MULHER


A DICOTOMIA DA MULHER

“Há muito tempo que o homem e a mulher não falam a mesma linguagem. A imagem de um não se sobrepõe ao outro. Anjo ou demónio, Virgem ou Bruxa, Mãe ou Puta, o homem vê a mulher como uma ameaça e como uma necessidade imperiosa numa ambiguidade Ódio-Amor. A mulher vê o homem como um opressor do qual é vítima porque ela esforça-se para o satisfazer, andando à volta dele e das suas necessidades, aliena-se de si mesma tornando-se indispensável pensando que só assim será amada. A negação ou a usurpação dos papéis fez despender uma enorme energia, sofrimentos e erros que continuam a alimentar os jogos. Dois seres cada um deles cego para a sua verdade interior, procurando ao longo de uma vida perceber um pouco deste mistério, caminhando na direcção um do outro pedindo-se mutuamente um pouco de luz...”*

Eu diria antes, que homem e mulher, dois seres cegos um para o outro e em si mesmos, cada um deles incompleto, virando-se para o outro, culpando-o do falhanço mútuo mas sem sombra de dúvida a mulher quase sempre vítima e bode expiatório de todos os males do homem... A mulher contudo não pode escolher senão servir o homem pois de outro modo seria banida ou perseguida...Tem sido assim ao longo de milénios de cristianização do mundo...e levado ao extremo pela Inquisição e o Santo Ofício.

No entanto, ao fim de séculos de negação e perseguição da mulher “A divindade feminina foi introduzida sob a forma de Virgem Maria no reino do Deus-Pai, mas é importante notar o quanto esta figura é dupla: de um lado, ela é castrada da sua sexualidade, sendo um modelo inatingível para a mulher real, pois como é que ela pode ser mãe sem conhecer o homem, não tendo existência senão para o servir e na abnegação absoluta de si mesma. Mas, por outro lado, ela é iluminada de bondade e amor, solar e aparece como figura universal de compaixão.”*

EVA E LILITH

Assim “A mulher vai esforçar-se por se assemelhar a esse modelo de mulher submissa que lhe é proposto (pela Igreja). Mas para isso ela vai perder em parte aquilo que a tornava desejável. A primeira mulher de Adão, segundo o Zohar, não foi Eva, mas Lilith, uma mulher indomável que em vez de se submeter à vontade de Adão, decidiu (deixá-lo) partir sempre. Lilith representa o arquétipo da mulher livre (e com vontade própria) . Todas as mulheres têm uma Eva e uma Lilith dentro de si . Mas as esposas e as mães, à partida, asfixiarão a sua Lilith. O homem patriarcal diz que espera (quer!) da mulher uma Eva, mas para ter consciência integral e poder evoluir a mulher tem necessidade dessa consciência livre que representa Lilith e se a recusar não pode deixar de sonhar com ela. É isto o que explica o famoso trio, marido, esposa e amante.”*
(...)

A MULHER E A “OUTRA”

Nestas circunstâncias temos então o homem na “posse” de duas mulheres que se completam em separado, uma em casa a cuidar dos filhos e outra na rua ou no Bordel, tal como a Igreja e o patriarcado o quis e para isso as dividiu em duas. Neste caso a mulher é fragmentada na sua natureza ontológica e obrigada a viver apenas uma metade de si mesma, uma para cada lado, “ao abrigo” - forçada - pelas leis e pelas convenções sociais de acordo com o sistema de valores do patriarcado. Esta divisão da mulher em duas (ou mais), constitui uma cisão do seu ser integral e leva a conflitos de toda a ordem, seja a nível psicológico - extensivo à família e aos filhos- quer ao nível social mais vasto e que reflecte a sociedade neurótica dos nossos dias de violência e guerra, com “filhos do pai” por um lado, frustrados e castrados por mães oprimidas e divididas e os “filhos da puta”, marginalizados e revoltados contra o sistema que são os criminosos e quiçá os terroristas do nosso tempo...os fundamentalistas de todas as religiões, cada vez mais. Portanto, temos o mundo dividido entre os “filhos do pai” (e mãe anulada) e os “filhos da puta” que eles criaram ao dividir a mulher..
Só os filhos da Mulher-Deusa voltarão a ser Homens e dignos do Nome!

RLP


* Excertos de artigo de Paule Salomon “Femme Solaire”

2 comentários:

Alê Barros disse...

Oi! Gostaria de compartilhar com você esse poema lindo da escritora Brunna Paese.

SER MULHER

Ah, ser mulher!

Ser mulher é ver o mundo com doçura,
É admirar a beleza da vida com romantismo.
É desejar o indesejável.
É buscar o impossível.

O poder de uma mulher está em seu instinto
Porque a mulher tem o dom de ter um filho,
E cuidar de vários outros filhos que não são seus.

Ah, as mulheres!
Ainda que sensíveis
Mulheres conseguem ser extremamente fortes
Mesmo quando todos pensam que não há mais forças.

Mulheres cuidam de feridas e feridos
E sabem que um beijo e um abraço
Podem salvar uma vida,
Ou curar um coração partido.

Mulheres são vaidosas,
Mas não deixam que suas vaidades
Suplantem seus ideais.

Muitas mulheres mudaram o rumo
E a história da humanidade
Transformando o mundo
Em um lugar melhor.

A mulher tem a graça de tornar a vida alegre e colorida,
E ela pode fazer tudo isto quantas vezes quiser
Ser mulher é gostar de ser mulher
E ser indiscutivelmente feliz
E orgulhosa por isso.

- Brunna Paese -

Rosa Leonor disse...

Muito obrigada pela partilha do poema...Alê...Muito bonito.
Eu não conheço a escritora mas vou pesquisar...

muitos beijinhos

rosa leonor