terça-feira, maio 28, 2013

NÃO HÁ SANTOS NEM SALVADORES DE CRIANÇAS

 
 
"A família materna era a única transição possível da etapa do matrimónio de grupo nas tribos mais recentes e melhorada nas casas das famílias paternas polígamas e monogâmicas. A família materna era natural e biológica; a família paterna é social, económica e política." 
 
in pag. 933 Livro de Urantia
 
 
NÃO HÁ SANTOS NEM SALVADORES DE CRIANÇAS...
O ódio à mulher, a violência doméstica, os abusos e os desvios sexuais de toda a ordem assim como a pedofilia...têm as mesmas raízes...a falocracia. É o poder falocrático, o poder patriarcal, cujo sistema de valores se baseou sempre no controlo do mais fraco e considerou a mulher e as crianças propriedades suas...
A família e o casamento foram sempre um meio de controlo da organização das sociedades patristas e o Homem foi sempre o dominador-predador.
A Democracia, nem nenhuma sistema político económico,  não alterou nunca o Sistema de domínio dos mais fracos ou mais pobres, apenas simulou as leis de igualdade e fraternidade entre homens - e chegámos aos "Direitos do Homem" dentro do mesmo espírito da lei...mas que não se cumprem.
Não me venham agora dizer que há "santos e salvadores" gays e outros, de crianças...comecemos então pelos padres...que são de há muito os pedófilos quase por inerência...
O drama essencial das sociedades patristas e falocráticas reside no ódio e no medo da MULHER-MÃE! São sociedades sem Feminino, sem dimensão do Sagrado Feminino.
Só a Mãe e a Mulher poderão dar à criança a dimensão do verdadeiramente humano - homem ou mulher, quando não houver o domínio ou a supremacia de um sexo sobre o outro.
rlp 

2 comentários:

Else Schumann disse...

Não precisa publicar meu comentário, só queria aqui lhe perguntar se já conhece o Bechdel Test que fala do papel da mulher nos filmes. Nunca havia reparado nisto nos filmes. Os filmes são feito de homens para homens, mesmo!

http://www.filmschoolrejects.com/features/10-famous-films-that-surprisingly-fail-the-bechdel-test.php

Como disse Bourdier, a dominação masculina está tão instaurado no inconsciente coletivo que nem percebemos.

bjs

Rosa Leonor disse...

Isso é absolutamente óbvio. Os produtores de cinemas e as suas indústrias são as principais responsáveis pela alienação da mulher e do homem em relação a mulher e fomentador dos estereótipos degradantes de mulheres. Além de que as cenas de violência sobre as mulheres tanto como as cenas "eróticas" são sempre uma forma de uso, abuso e aviltamento da mulher.