quarta-feira, julho 24, 2019

CULTOS - As mulheres são particularmente alvos para a exploração



OS CULTOS E A EXPLORAÇÃO DAS MULHERES

"Hoje, existem cultos online, com seguidores estritamente à distância. Alguns cultos consistem em apenas algumas pessoas, que podem ou não conhecer o líder do culto. Um culto pode ter vários tenentes em campo que interagem com os seguidores. Há também experiências semelhantes a cultos que envolvem apenas duas pessoas.

Com a alienação, o estresse e a solidão sendo um elemento importante em nossa sociedade, especialistas em cultos dizem que as pessoas estão cada vez mais suscetíveis a buscar uma solução rápida, encontrar consolo, fornecer respostas às perguntas que têm sobre a vida e suas circunstâncias. Elas podem ser vítimas de indivíduos cujo charme e apelo encobrem comportamentos narcísicos e sociopatas.

Tais predadores são um elemento comum em toda a gama de cultos. Eles exercem controle sobre outros membros de um grupo — ou até mesmo uma pessoa específico. Esse controle pode tomar a forma de ditar o comportamento dos outros, tomar seu dinheiro e/ou usar outros para satisfação sexual. Frequentemente escorrem carisma, definido pelo New Oxford American Dictionary como uma atratividade ou charme irresistível que pode inspirar a devoção nos outros.

“É tudo sobre líderes”, segundo Janja Lalich, pesquisadora, autora e educadora especializada em cultos e grupos extremistas. Ela diz que a maioria das pessoas é recrutada para um culto por amigos, familiares ou colegas de trabalho.

As mulheres são particularmente alvos para a exploração. Elas compõem 70% dos cultos, superando largamente os homens. A pressão social para que elas sejam complacentes é muito mais forte do que para os homens e, por causa disso, é mais fácil recrutar mulheres que irão formar uma ligação a um líder masculino.

“É esperado que as mulheres acompanhem e não acenem, não sejam assertivas”, diz Lalich, professor de sociologia na California State University, em Chico. “As mulheres tendem a não confiar em seu intestino, o que tem mais a ver com nossa cultura e socialização do que com qualquer culpa das mulheres.”

Sem comentários: