"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, maio 27, 2013

A PATERNIDADE FALSEADA...

 
 
OS FILHOS NASCEM DAS MÂES...

Este anúncio é FALACIOSO e além do mais muito PERIGOSO.
As crianças não são melhor tratados por homos do que por heteros...
As crianças não são abandonados por héteros...nem pelas mães...
 
AS CRIANÇAS nascem das mães e SÃO FILHOS/AS de pai e mãe...MAS são as Mães, essas sim,  que são mal tratadas pela sociedade e que quando não têm condições de suportar os filhos  são abandonadas pelo Estado e pelo homens - todos eles, homo ou hetero - irresponsáveis, que tendo a seu cargo a família e a abandonam e às mulheres, muitos por serem gays....
 
As mulheres são abandonadas PELO SISTEMA FALOCRÁTICO ou pela sociedade que não dá qualquer apoio às mulheres sós ou mães solteiras, ou ainda pelos maridos. O Estado prefere roubá-los às mães pobres e desgraçadas (drogadas e desempregadas) para as suas instituições ou dá-los em adopção a quem não os ama, mas faz de conta, do que criar condições para as mulheres manterem os filhos com dignidade.
Esta é que é a verdade.
rlp
 

4 comentários:

Anónimo disse...


O Grafismo, fala de dois homens gays e de uma criança do sexo Masculino. Não há menina nenhuma????? Será que as meninas têm algum problema?? É que é só meninos a serem adotados por casais gays homens!!!

Rosa Leonor disse...

Pois....parece que há uma discriminação dos gays contra as meninas e as mulheres...roubam-lhes os filhos e ignoram as mulheres tornando-as apenas barrigas de aluguer...
rl

Anónimo disse...

Alguns textos , curiosos... a pensar!

Mesmo com todos esses maus tratamentos da mulher por parte de seu parceiro, Heloneida Studuart descreve: "Hitler teve total e unânime apoio das mulheres, na edificação do III Reich. E ele achava que a mulher não devia passar de procriadora, de mães de soldados. Esse ainda é o ideal secreto de muitas sociedades reacionárias. E a cumplicidade que muitas mulheres revelam diante desse programa demonstra o medo que elas têm da liberdade. Pois toda liberdade traz o risco da responsabilidade e da atuação" (Mulher: objeto de cama e mesa. p. 20).


"O homem está orientado para as coisas a mulher para as pessoas". O autor Roque de B. Laraia descreve que "a espécie humana se diferencia anatômica e fisiologicamente através do dimorfismo sexual, mas é falso que as diferenças de comportamento existentes entre pessoas de sexos diferentes sejam determinadas biologicamente. A antropologia tem demonstrado que muitas das atividades atribuídas às mulheres em uma cultura podem ser atribuídas aos homens em outra" (Cultura: um conceito antropológico, p.19.)

"O fato é que só as pessoas que, alguma vez, foram livres, dão valor à liberdade. Também só as pessoas livres respeitam a liberdade dos outros: quando e onde a mulher soube o que é ser livre? Terá havido mesmo uma antropologia matriarcal?" (Mulher: Objeto de cama e mesa. Heloneida Studuart, p.20)

a filósofa alemã Edith Stein dizia que não há profissão ou função que a mulher não possa exercer. A mulher pode exercer qualquer atividade com toda sua capacidade e de igual valor e direito ao homem. "Antes de ser sexo diverso, a mulher é pessoa livre que se projeta a si mesma no mundo. E nisto é radicalmente igual ao homem". (R. Simom. Citado do livro "El problema del hombre". Gevaert. p.110).

Else Schumann disse...

Parabéns mais uma vez!

Poderia aqui acrescentar vários episódios e fatos, mas já foi tudo dito.