"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

segunda-feira, fevereiro 15, 2016

PORQUE NÃO SE SEPARAM AS MULHERES VIOLENTADAS?



A VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA ...


A "confusão" sentida e vivida pela mulher vítima de atrocidades psicológicas reside, na maioria das vezes, no equívoco de "confundir..." os sentimentos. Desvalia, ódio, rejeição. Esta mesma mulher que pensa que ama, pode não amar o marido. Muitos outros motivos podem estar contribuindo para que ela viva o sentimento de "confusão". Medo de encarar outra realidade que ela pensa ser mais difícil, que ela pensa que não vai conseguir alcançar. O medo da separação, do divórcio. O medo de ter "fracassado" no seu casamento e por fim, também a possibilidade de ela confudir-se no sentimento de culpa e perder-se no desconhecimento da auto-punição ou auto-destruição." (...)

in Violência psicológica, Maria da Penha Vieira


UM LONGO COMENTÁRIO DE UMA AMIGO

Hélder Pereira Infelizmente esta situação pode tomar proporções drásticas. De sofrimento extremo. Tudo parte da repressão de uma enorme dor. De um conjunto de sentimentos que são tidos como negativos (raiva, ódio, dor) e que a sociedade não sabe lidar e simplesmente reprime. Acumulamos esses sentimentos porque pensamos que os podemos extinguir, e às vezes resulta, e às vezes conseguimos entrar nessa espiral em direcção ao escuro. Esses sentimentos jamais se extinguirão, esses sentimentos são naturais e devem ser exprimidos na hora, no momento, devem se observados, e deve tornar-se um hábito saber lidar com eles. Enchemos um saco gigantesco de emoções reprimidas, lutamos diariamente para os manter ocultos em nós, procuramos estar ocupados, entretidos em uma espécie de hipnose confortável. Mas somos na verdade bombas relógio prontos a explodir à mínima provocação, de forma desproporcionada que nada tem a ver com o momento. São os fantasmas que não quisemos sentir nem exprimir para não nos sentirmos maus, feios, e horríveis, para não sermos excluídos. Mas apenas alimentamos um monstro maior no nosso subconsciente, um monstro que nos domina e nos ameaça a cada dificuldade. Memória e sentimentos reprimidos, um enredo de subterfúgios que nos permitem, nenhum prazer, apenas um alívio temporário de tensões inconscientemente acumuladas. Fica difícil lidar com nós mesmos e fica difícil manter alguém que nos ama por perto. Somos um imenso inferno de raiva e ódio acumulado e não conseguimos aceitar isso. Ai está um dos motivos que leva ao isolamento e à ausência de relacionamentos espontâneos e saudáveis que nos permitam e todos (homens e mulheres) encontrar o apoio necessário à vida saudável. Lógico que as mulheres vivem mais intensamente este problema, há mais subterfúgios aceitáveis para os homens e estes não sofrem de nem metade dos preconceitos. Mas nesta sociedade da doença, nesta indústria da doença, o remédio está escondido e o veneno se vende em tudo que é lugar (televisão à cabeça). E quem nunca foi excluído por exprimir raiva e ódio?

Há um bloqueio individual que não nos permite a espontaneidade, a abertura. Daí tanta superficialidade e tanto cultivo de ópios (futebol, pornografia, Hollywood, status e consumo). Estamos sendo bloqueados aos poucos, individualmente induzidos a um estado de perdição total. Há um monstro chamado Raiva e ódio que acumulamos por muitos motivos mas o principal é: Não queremos ser excluídos por sentir uma coisa que todos sentimos e todos condenamos, a raiva e o ódio da violência que sofremos na vida. Posso estar errado, é minha análise, mas tenho percebido isto nos meus relacionamentos e observando outros.
É preciso muita coragem para suportar a dor de entrar dentro das pessoas, não fugir nem condenar na primeira violência, para poder entender isso. Não é fácil e eu compreendo que as pessoas prefiram fugir. É uma dura realidade. Oculta e silenciosa. Não vai ser fácil mudar.

Sem comentários: