"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

quinta-feira, março 17, 2016

Vivemos "nesse miasma cancerígeno da supremacia masculina"...



TEXTO DE UMA LEITORA ANÓNIMA...

Olá Bom Dia!
Adoro seu blog 'Rosa Matter'! Seu blog é um oásis no meio dos blogs místicos da rede! É incrível! Você é uma mulher incrível!

Então... eu sempre tive muito interesse por ocultismo/hermetismo/xamanismo embora eu nunca tenha participado de grupos físicos de estudos dessas "correntes filosóficas". Isso por um motivo muito básico...o patriarcalismo é algo tão antigo e arraigado a tudo que até mesmo o misticismo, a espiritualidade e todo o conjunto transcendental de escolas filosóficas do oriente até o ocidente fora dos padrões declaradamente patriarcais como as religiões comuns (catolicismo, protestantismo etc...) estão envoltos nesse miasma cancerígeno da supremacia masculina. E eu não aceito mais mestres homens.

 A partir disso, eu me pergunto como as mulheres podem entender o que é ser mulher na vertente espiritual e mística se há pouquíssimas instrutoras, mestras, xamãs no campo daquilo que mais domina a sociedade e a maneira como essa sociedade deve ser construída e vivida que é a religião e a fé?  Não há representação sacra do feminino que se equipare ao arcabouço produzido pelo pensamento tipicamente masculino do sagrado! E frisando...o mundo hoje pode sim ter muitos ateus e agnósticos mas as grandes autoridades de poder que governam o mundo ainda o fazem com cerne nas tradições espirituais masculinas antigas...ou pelo menos com base nas 'versões' patriarcais dos cultos e ritos antigos resgatados das sociedades egípcia, greco-romana, chinesa, viking, judaica (a mais desgraçada de todas) da qual surgiu a kabbalah hermética (que pra mim é uma forma mais elegante e convincente de demonstrar que " a revelação celeste" é de que a mulher veio da costela do homem (binah- chokmah); inclusive do hinduísmo védico o qual a maioria de seus adeptos dá pouco ou quase nenhuma importância para a corrente do "shaktismo para os Shaktas" que afirma ser Shakti o supremo  Brahman da qual todas as outras divindades são seus aspectos.... além disso até mesmo o tarot dito pelos hermetistas se tratar de o antigo Livro de Thoth, a carta " The fool" muda as interpretações de acordo com a perspectiva apresentada básica, em pouquíssimas vezes "the fool" é considerado inferior pelos 'grandes estudiosos' e é feminino nesse caso, mas, na maioria das vezes e na interpretação da maioria dos autores, ele é interpretado como superior e masculino gerador de todas os outros arcanos enquanto a primeira carta o Mago é feminino....um contrassenso na minha opinião, mas é calro que a opinião das mulheres não é relevante porquê os homens é que sabem o que as mulheres são e devem fazer (Ridículo!) ... Enfim...se tem algo que eu entendi lendo os livros dos grandes sábios, filósofos, hermetistas, e cientistas ( Freud , Jung) etc... é que quase tudo o que já foi produzido pelo pensamento linguístico humano afirma a inferioridade da mulher sem mais delongas. Enfim, respiro bom ar quando leio coisas escritas por mulheres lúcidas... o coração enche de alegria quando leio alguma coisa tolteca escrita por alguma mulher xamã sobre o seu próprio útero.... e Tiamat sobrevive quando eu medito sentada na areia olhando para o oceano.

Que a grande teia cósmica teça mais mulheres lúcidas e integradas...e que elas não temam TECER no seu amplo aspecto. Escrever, falar, cantar as coisas da complexa alma feminina.

 Abraços!
Nota:

Guardei este comentário e encontrei-o hoje por "acaso" - o comentário é anónimo mas gostaria de pedir à autora que me dissesse se não se importou que a publicasse (na altura nem sei se lhe respondi ou se o publiquei) pois este texto além de oportuno,  insere-se perfeitamente dentro do espírito deste blog. Grata pelas suas palavras e por se ter exprimido de forma tão clara!

Sem comentários: