quinta-feira, junho 29, 2017

Todos nós nascemos da Mãe e a Mãe vive dentro de nós


Por Guru Rattana


"O arquétipo do Caranguejo representa a Grande Mãe, a doadora da vida. Todos nós nascemos da Mãe e a Mãe vive dentro de nós, sustentando cada um de nós ao longo das nossas vidas.
Para imaginar o mundo em que desejamos viver e criar, devemos mergulhar profundamente nos nossos sentimentos e no nosso mundo interior, onde a criação começa. Para mudar o que e como nos manifestamos nas nossas vidas, temos que começar com o nosso subconsciente e a programação que rege a nossa realidade interior. O nosso subconsciente é programado pelas nossas primeiras experiências com a nossa mãe e como fomos criados. A medida em que nos sentimos nutridas/os e incondicionalmente amadas/os determina a forma como as impressões da nossa mãe se traduzem numa sensação de proteção, segurança e confiança no ser, na vida e em poderes superiores, ou não.


Quase todos carregam feridas relacionadas com as suas impressões de maternidade precoce. Nós experimentamos essas feridas como pessoais, mas de facto são geracionais e culturais. A nossa mãe passou para nós o que foi passado para ela, e assim por diante por um longo, longo tempo. Essas impressões dizem respeito à programação cultural em relação ao valor e ao poder de ser mulher. A nossa cura, neste momento, não é a culpa das nossas mães ou de nós mesmos, mas percebermos que temos a oportunidade de libertar a programação baseada no medo que suprimiu o feminino, as mulheres, as emoções e, de facto, toda a humanidade por muito tempo.

Vivemos um momento que nos pode despertar para a cura, a possibilidade de despertar para a realidade universal, onde transcendemos a nossa dor e sofrimento humanos e encontramos a nossa máxima segurança na consciência cósmica. Somente quando a nossa realidade interior está imbuída de amor transcendental universal, temos um lugar dentro de nós, onde nos podemos sentir protegidas/os, seguras/os e incondicionalmente aceites e amadas/os. Quando sentimos que a Grande Mãe nutre o nosso mundo interior, podemos libertar o velho condicionamento de não nos sentirmos dignas/os e de não podermos atender as nossas necessidades, não importando o que fazemos ou o quão difícil seja. Parte da nossa cura é perceber que não precisamos nos defender ou usar a manipulação emocional para tentar obter o que queremos ou provar o nosso valor. A necessidade de nos afirmarmos e o medo de fazê-lo é substituída pela nossa vontade de sermos vulneráveis ​​dentro de nós mesmos e de encontrar refúgio e consolo invocando a Mãe Divina para nos apoiar nos nossos esforços terrenos."

Sem comentários: