domingo, dezembro 07, 2008

TENHO TANTAS VEZES ESTE SONHO..


Tenho tantas vezes este sonho estranho e penetrante
De uma mulher desconhecida que me ama e eu amo
E que nunca é a mesma nem completamente outra,
mas que como ninguém me ama e compreende.

E porque ela me compreende, só para ela o meu coração é transparente.
Para ela apenas infelizmente! eu deixo de ser um problema
Pois só ela alivia esta pesada dor
com as lágrimas que deixa correr sobre a minha fronte...

Se é loura morena ou ruiva ? eu ignoro.
O seu nome ? só me lembro que ele é doce e sonoro,
Como o dos seres amadas que pela vida de nós são exilados.

O seu olhar é parecido com o olhar das estátuas
E, a sua voz, longíqua e calma, e grave, tem
A inflexão das vozes queridas que se calaram para sempre.


Paul Verlaine


(Poèmes saturniens)
*
(livre tradução minha, devia dizer adaptação...e que o poeta lá do além me compreenda, como eu o compreendo...)


4 comentários:

Hierograma disse...

A terra é a sede dus zestraterrestre.

http://sungadecachorro.net76.net/

Sirius disse...

É a voz da alma de quem a decanta...

Anónimo disse...

é lindo este poema e muito especial. Finalmente consegui uma tradução que gostei...

abraço

rosa leonor

Anónimo disse...

pode ser a sede ou a sede?

rleonor