"NÃO SOU FEMINISTA, SOU ANTROPOLOGICAMENTE LÚCIDA" Ana Hatherly

domingo, maio 29, 2016

O PRINCÍPIO DOS RELACIONAMENTOS

(…)
"Na Antigüidade, o princípio feminino na imagem da Deusa simbolizava o princípio do relacionamento - a conexão oculta existente entre todas as coisas.

Em segundo lugar, simbolizava a justiça, a sabedoria e a compaixão. Em terceiro, e principalmente, o princípio feminino era identificado com a dimensão invisível que existe para além do mundo conhecido - uma dimensão que pode ser vista como uma vasta e invisível matriz ou teia, ligando o espírito não-manifesto à matéria manifesta. A palavra então usada para identificar essa matriz era Grande Mãe ou Deusa; posteriormente, passou a ser chamada de Alma. O princípio feminino oferece uma imagem da integração, sacralidade e inviolabilidade de toda a vida; o mundo dos fenômenos (natureza, matéria, corpo) era visto como sagrado por ser a teofania ou manifestação do espírito cósmico.
A grande falha da civilização patriarcal tem sido sua ênfase excessiva do arquétipo masculino (identificado com o espírito) e a desvalorização do feminino (identificado com a natureza). Isto se reflete no fato de que a figura divina não possui uma dimensão feminina, e também no desprezo pela alma e na misoginia responsável pela repressão e pelo sofrimento das mulheres.

A história dos últimos 4000 anos foi forjada pelos homens, determinada pelas perspectivas masculinas e direcionada aos objetivos estabelecidos pelos homens - especialmente os objetivos de conquista (em nenhuma hipótese estas palavras devem ser lidas como crítica; no contexto dos sistemas de crença e no nível geral de consciência, não havia como ser diferente)."*


*Excerto de “O Mito da Deusa” de Anne Baring

1 comentário:

olind g disse...

Outro que guardei... e serve de guia. A espiritualidade feminina em conexão com a natureza, com a Terra, e não com o espírito, ou o espírito altíssimo lá tão longe e ausente.