quinta-feira, agosto 11, 2016

A FALTA DO FEMININO E A PSICOLOGIA FEMININA



VIVEMOS E ALIMENTAMOS AS NOSSAS MENTIRAS

"Toda a psicologia dedica-se a uma só coisa: ao estudo da mentira em suas várias formas. Se houvesse verdade, clareza não haveria psicologia, inconsciente e nem divã. A psicologia é um um estudo da lua (arcano 18), do louco (arcano zero) e da sombra (arcano 15), sendo ela própria um elemento da escuridão, ela própria como mentira fadada a desaparecer, pois ciência da ilusão, da mente que mente. Toda a crise humana nasce da mentira que não se sabe e a própria psicologia é a expressão dessa crise. Ela é também um amortecedor do impacto causado por uma verdade de difícil digestão, assim a psicologia é uma mentira e uma anti-peia. No caminho da individuação vamos além da mentira e além da psicologia em nós mesmos - "

F. AUGUSTO.


QUE PSICANÁLISE, QUE PSICOLOGIA?

Estava a pensar - tenho pensado nisto já há muito tempo - em como a psicologia e a psicanálise analisou e viu a mulher e o homem de forma igual e a partir dos mesmos parâmetros e pressupostos. Erro crasso. Cada dia que passa mais me convenço de que a psicologia para a mulher e a Psique da mulher é completamente diferente da do homem. Consciente e inconsciente e até o supra consciente, ou seja a Psique feminina é com certeza diferente da psique masculina  e diria até que homem e mulher são seres completamente distintos intrinsecamente, quase diria mesmo se isso não fosse um anátema, homem e mulher são de espécies diferentes ...
Mas o drama desta visão parcial não é só grave em si mas pela confusão gerada sobre os sexos tal como a ideia de género, a análise em geral dos seres homo  e dos hétero  e dos transexuais, provocada por esta abordagem masculina da mulher e da sexualidade em geral. Como dizia, isso não só teve consequências de uma gravidade extrema para a mulher, como para a leitura de outras manifestações bipolares ou ambivalentes comum a todos os seres humanos. E não se poderá calcular os erros brutais que se cometeram em nome dessa psicanálise com  terapias invasivas e menos ainda o sofrimento que isso acarretou para a mulher especialmente no principio do século XX.
Nem mesmo as mulheres psicanalistas ou psicólogas Junguianas saíram desse registo que é a visão masculina da Mulher e os seus mestre e percursores.
Não me restam duvidas algumas das causas de tantos distúrbios e desvios baseados nessa tremenda parcialidade e falta de conhecimento do ser mulher em si - isto ao longo dos séculos - dado que o conhecimento em geral todo ele é baseado na visão masculino da historia, da cultura e da filosofia, e da sexualidade dominantes e portanto da psicanálise também sofrem da mesma abordagem  na perspectiva do Homem....e pior ainda, ela é falocrática - daí apontar-se a inveja do pénis e o pénis ser a abcessão máxima do homem e da mulher nas sociedades modernas e consumistas - tendo a pornografia e prostituição como seus expoentes - e aparecer em destaque nos manuais, em vez de se mencionar a inveja do útero e dos seios da mulher pelos homens além das roupas e dos adereços...a prova dessa inveja que o homem tem da mulher está no travestiamento do homem em grande escala e em menor grau o da mulher. A forma como os homens imitaram e copiaram as sacerdotisas de antigamente e como o estão já hoje a fazer inventando um poder masculino...o qual sabemos sempre foi o mesmo: o falo e a guerra.
Mesmo nesta estéril mudança de sexos com essa patética noção de género...se revela a visão masculino da Mulher.
Isto é uma coisa banal e estúpida que ninguém "politicamente correcto" quer ver e uma forma de continuar a branquear a psique da mulher...
A reflectir. E a desenvolver.

A PSICOLOGIA OCIDENTAL, não se interessa pelos processos da ConSciência em si e a sua elevação, mas com os efeitos perniciosos da falta de ConSciênica dos indivíduos, a que chamam doença...
(...)
"A psicologia ocidental em quase sua totalidade só se interessa pelos estados outros de consciência que não o usual quando estes são patológicos, isto é, não integrados no indivíduo. Esquizofrenia, psicoses, neuroses, este é o campo que tais escolas lidam. Escolas como a junguiana e a transpessoal são exceções importantes, que embora de forma tímida, dão os primeiros passos no estudo dos níveis alterados de consciência nos quais ela não se fragmenta ou descompensa, mas se amplia. De uma forma primária ainda chamam tais estados de transe, muitas vezes considerando-os ocorrência fugidias , como acessos que vem e vão.

Mas outras escolas de psicologia mais sofisticadas como a budhista, tanto o ramo Chan e Zen, como o Tibetano, a Taoista, compreendem que existem outros estados de consciência e podemos não apenas incidir neles mas ampliar a tal ponto nossa percepção que um novo mundo se descortina aos nossos olhos, ampliado por podermos perceber mais. Um desses estados é conhecido como o estado de Arhat. Após um trabalho disciplinado o ser passa a interagir de forma mais consciente com o meio e assim ao invés de estados ilusórios passa a perceber o mundo como ele de fato é, com seus fluxos e mutações. Costuma-se dizer que o Arhat vê a essência das coisas e não apenas a superfície. Todo trabalho é realizado em etapas."
(..)
Nuvem que Passa
( em pistas do caminho)

1 comentário:

Ana Nazaré disse...

MENTIRAS!!!! SOH MENTIRAS! OOH ROSA, ESSA DOR Q ME AGONIZA...ESQUEÇO E ME PERCO NELAS. FEMININO E MASCULINO, SERÁ????? "PATRIARCADO"...MAS PODEMOS CHAMAR DE PAI QM É CEGO????? (TENHO PENSADO NISSO). A MENTIRA COMEÇA NA LINGUAGEM E TERMINA EM NOSSOS CORAÇÕES APUNHALANDO-Os