quarta-feira, novembro 23, 2016

UMA NOVA MODA?




SOU MUITO CÉPTICA 

AS NOVAS HIPPIES...

Nos anos sessenta, uma década após a 2ª guerra mundial mal refeitos das feridas e de muita dor e luto, em reação ao consumismo e ao capitalismo, tivemos da parte das gerações mais jovens na Europa e na América a explosão dos movimentos Hippies (mais tarde havia os pobres e os hippies chiques - que eram só ornamentação) por toda a parte. Toda a gente falava de paz e amor, "make love not war" etc. Fumava-se muito, bebia-se de tudo e criaram-se comunidades livres  onde se vivia sem ordem nem regras, "tudo ao molho e fé em deus", com se diz na gíria, por isso foram geradas  muitas crianças e muitas nem sabiam quem... eram os pais e outras eram irmãos sendo filhos de vários pais...era a plena liberdade sexual com qualquer parceiro...Fumava-se charros e tomava-se LSD e a musica levava tudo...Grandes concertos ao ar livre e tendas por todo o lado...Surgiram nomes incontornáveis da musica como os Beatles os Rolling Stones e por ai afora...e depois, não muitos anos depois, veio o fim de tudo isso e a grande desilusão de tudo também, e tudo voltava ao normal, ficaram muitos flipados e loucos e a pedir esmolas nas rua, alguns morreram abandonadas pelas famílias - sim depois  veio o inútil e o vazio, a confusão geral - cresceram entretanto as crianças desses hippies que reagiram aos pais e que se tornaram "wippies" (jovens empresários de fato e gravata computadores, negócios etc.) Entretanto vieram também os Gurus da India, o orientalismo e Buda e Lao Tse´ pegaram moda...Só depois surgiram os ecológicos e uma consciência da Terra...um certo paganismo, bruxaria etc, sem consequências. Depois e muito recentemente então surgem por todo o lado os grupos e círculos de mulheres...em busca da Deusa Perdida nos confins do tempo...e aí também eu entrei, já há mais de 20 anos...quando escrevi o meu 1º livro e depois este blog. 

Isto é uma breve resenha de tempos vividos...e porque o fiz...porque há algo que me diz que estamos de novo diante de uma nova moda que é a mistura disso tudo que eu já vivi só para mulheres - a história dos círculos e do sagrado feminino, as deusas e as sacerdotisas, primeiro as de Avalon e depois mais próximas da nossa cultura celta, mas depois tudo se começou a misturar  - as xamãs e as tendas vermelhas, o Tamazcal...a ayahuasca...os tambores etc.
E o que eu me apercebo  agora é que  nós importamos estas tradições sem ter nada a ver connosco, a nossa psicologia e as nossas vivências de ocidentais e corremos o grave risco dada a ligeireza como tudo isso é encarado, que tudo possa  acabar na mesma como tudo começou com os hippies - um dejá vue - e afinal a única coisa que conta que é a  evolução do ser humano e ter uma verdadeira consciência da mulher perdeu-se mais uma vez, porque a alienação e o lúdico é sempre mais fácil do que o trabalho o esforço e olhar a realidade tal como ela é à nossa volta...e eu não auguro nada de bom para tudo isto, sinceramente.
Sim sou céptica e vejo afinal que tudo não passa de um balão de ar geracional para iludir as pessoas, neste caso mais particularmente as mulheres, e tudo continua na mesma e o mundo um descalabro...porque domina a matriz de controlo...


ONDE NÃO HÁ CONSCIÊNCIA INDIVIDUAL NÃO HÁ RESPONSABILIDADE HUMANA.
rlp


 

6 comentários:

Anónimo disse...

Mas isto faz parte da matriz de controlo. Isto é o que sempre tivemos durante séculos com a igreja católica mas com outras vestes, são essas vestes que dão a ilusão de que há algo novo, mas as mulheres continuam a ser manipuladas e anuladas pelo mesmo! Elas falam em poder mas o único poder é o seu, porque todo o seu trabalho é precisamente usar e desempoderar as outras mulheres!
Temos a líder que afirma ter contacto privilegiado com a deusa, com arcanjos ou com seres de outra galáxia, sem nunca ser questionada (!!!). Líder essa que se comporta em público de forma totalmente diferente de como se comporta em privado, em privado é egomaníaca, em público finge falsa modéstia e humildade, etc., rodeada pelas ovelhinhas obedientes iludidas que se encontram no bom caminho. Quando uma das ovelhinhas se tresmalha por algum motivo (por não suportar que mentirosos ensinem sobre a verdade, por exemplo), é ostracizada pelas restantes ovelhinhas. Temos, também, a comunhão em grupo, cerimónia oca e vazia de significado, porque simplesmente não se apropriam cerimónias alheias, e misturam com outras numa mistela bizarra só porque sim, porque "o ser da outra galáxia, ou os "seres de luz" me estão a dizer que sim e portanto vou fazer, e eu é que sei porque fui a escolhida". Temos as mulheres que buscam "algo" e que se deixam enganar pela manipulação e publicidade enganosa dos facebooks e afins... porque tudo isto é fotografado e apresentado publicamente como se fosse algo extraordinário e uma experiência transcendental, tão mágico que tudo é! (Um perfeito engodo!). Temos, portanto, a doutrina inquestionável, o padre ou bisco hipócritas, os acólitos cegos e obedientes, a ilusão de pertença a uma comunidade com a missa e festividades, e a propaganda para as massas!

Daqui fica a tristeza de mais uma vez o padrão se repetir, a tristeza de ver as mulheres a enganarem-se e a serem enganadas e usadas, de ver que a mentira vende e é o que a maioria quer. Numa nota positiva, para algumas de nós fica a consciência de que o caminho definitivamente NÃO É este! Pode-se estar sozinha mas está-se acompanhada pelos valores maiores, esses que não se vendem nem se compram...

Sónia

rosaleonor disse...

RETRATO detalhado o seu do que eu mesma vivi e presenciei em circunstâncias tais...
Vou, se me permitir, levar o seu lucido e claríssimo comentário para a pagina do blog...há que acordar...
Grata Sónia por tão exemplar testemunho que até parece meu...
grata muito grata por haver mulheres lucidas que não se deixam iludir nem ir na onda...
rosa leonor

Anónimo disse...

De nada Rosa, obrigada nós, e penso que falo em nome de muitas, pelo seu trabalho e fidelidade, esse sim um verdadeiro serviço. Por observar, desmontar e desmascarar (só assim é possível "desmantelar" algo) e, também, muito importante: por dar pistas, pequenos vislumbres do que pode ser...

Beijinho e espero que continue.


Sónia

Anónimo disse...

Esqueci de escrever que sim, que pode publicar.

rosaleonor disse...

já lá está - Obrigada!

Anónimo disse...


Sobre os "enteógenos" também há tanto a dizer... enteógenos entre aspas porque apesar de originalmente (quando usados de forma correcta e no contexto adequado) terem a capacidade de revelar o divino que há em nós, na era do narcisismo parece-me que expandem mais o ego do que a consciência...

Por exemplo (entre tantos possíveis!), as "mulheres medicina" que surgem agora como cogumelos em Portugal. Basta uma irresponsável vir do Brasil munida de "medicinas" e dar um curso, para passados três ou quatro meses termos uma leva de "mulheres medicina". Mais uma vez temos o "condão mágico" da new age: O que antigamente demorava três décadas (ou quatro ou cinco, ou uma vida!) a conhecer e integrar, agora demora três meses! E porquê? Porque estamos na Nova Era, e quem dita o que é verdadeiro ou falso, o certo e o errado, é o comandante da nave estelar, ou arcanjo, ou o ser de "luz". O que os antigos e genuínos guardiões das tradições aconselhavam: calar! estas mulheres decidem arrogantemente ignorar, e anunciar aos quatro ventos no facebook que são "mulheres medicina" (quando não o são!!). E isto tem um nome: charlatanice, fraude espiritual. Movidas pela vaidade, auto-iludem-se, iludem os outros, e tratam com leviandade o que deve ser tratado com extrema seriedade. Torna-se, assim, num perigo para os outros pois estas medicinas são tudo menos inócuas.

Esta mentalidade tornou-se numa epidemia nos últimos anos, e os resultados não tardaram a surgir: Já não é rara a notícia da morte de alguém, ou de abuso sexual por parte do "xamã", ou notícias de pessoas com problemas psíquicos de diversa ordem resultantes da participação nestas cerimónias (mortes e abusos esses abafados pelas autoridades locais na América do Sul enquanto o filão der...).

E assim continuarão... algumas iludidas de que se estão a curar, outras convencidas que ouviram o "chamado" para se tornarem mestres "espirituais", outras ficarão com a vida num caco, e ninguém fará nada... porque buscam sempre fora e porque tudo aceitam sem questionar.


Sónia