sexta-feira, outubro 30, 2009

A Mulher em si é a Chave do Mito.


“A Procura do Graal mistura-se com a Procura da Mulher. Aquele que encontra a Mulher, encontra o Graal.
(...)

Mulher que segura a Taça, o Cálice ou a Pedra, essa mulher que é a Sacerdotisa de um culto do qual jamais conheceremos o verdadeiro significado."


J.M.


Que Mulher é essa que se confunde com o Graal?

Uma coisa é certa: mais uma vez, nos encontramos na presença de uma memória do culto da antiga deusa, destronada pelos deuses machos: é o sentido da violação cometida pelo rei Amangon contra uma das donzelas ou fadas do castelo do Graal. Amangon forçou o destino, curvou o poder feminino pela força cega e brutal do macho, derrubando a sua soberania sob a forma simbólica do seu golpe. Com efeito é o Pai que acaba de instaurar a sua autoridade exclusiva. Desde esse tempo, a sociedade anda à procura de um equilíbrio que não poderá instaurar senão quando o Jovem filho da Deusa Mãe, vier matar ou castrar, ou eliminar o Pai, a fim de devolver à Mãe a sua Soberania de antigamente. Assim, idealmente e miticamente, e muito antes da cristianização do mito, a Procura do Graal é, ela, a Glorificação da Eleita, a mulher eterna, divina, de múltiplos aspectos, que reina nos subterrâneos do mundo, e que não espera senão pelo o seu filho mais jovem para reaparecer ao ar livre e retomar o seu título de Grande Rainha equilibrando de novo a sociedade dos seus filhos desunidos e que se reconciliar no amor da Mãe.”
(...)

In “A Mulher Celta” - jean markale
*

Essa Não é ainda certamente a Mulher de hoje que continua perdida de si própria, a que continua submetida às instituições e dominada pelos homens nos mais variados aspectos da sua vida e condicionada como um objecto de uso pessoal e social que nada tem a ver com a Mulher Divina ou a Musa, a mulher essencial porque essa outra mulher era mágica e fada, detentora de sortilégios e poder de curar, aliada da natureza e dos animais! Nem é a mulher violada na sua integridade secularmente pelo poder patriarcal que destitui a mulher do seu poder pessoal e destronou a Deusa Mãe e fez da sacerdotisa uma prostituta e da mulher livre “a casada” e portanto, sujeita às suas leis, nem é a "bruxa" queimada pela Inquisição por usar um dom inato e que fazia perigar o poder dos fanáticos cristãos?
Esse Feminino eterno e parte do princípio que rege o universo é rechaçado e denegrido ao longo dos séculos destituindo a mulher de identidade por predominância exclusiva do princípio masculino da força e do autoritarismo, negando às sociedades esse equilíbrio dos dois princípios em harmonia que a Deusa Mãe impunha como justiça e lei e não a força da Espada!

A mulher moderna, perdida da sua origem, ferida na sua essência, é uma espécie de apátrida sem sentimentos ou consciência própria. Absorve, diz e escreve e sente-se como o homem a fez...é a polícia travesti, é a médica inumana, é a soldado que vai à guerra para matar (ou torturar) a mãe sem coração nem amor pela maternidade, que rejeita a criança!

Esta mulher que conhecemos é uma Atenas saída da cabeça de Zeus ao serviço do patriarcalismo sem consciência nenhuma de si própria em profundidade nem do seu potencial de mulher e deusa. Reflecte-se apenas no homem na sua posse ou possuída e não é senão uma sua extensão, um falo, uma espada em punho, em vez do Cálice. Falar de feminino, pela sua ausência de sentido profundo, é falar apenas de sexo e a confusão inerente estabelece-se. Ou se é feminista ou lésbica...
Mas a mulher não é apenas um sexo, como é considerada! Isso acontece porque ela se desconhece em essência e se sente perdida de si mesma, educada e suportada em sociedades falocráticas, não têm nenhum sentido em si mesma ou centro e enche-se do valor que os homens lhe dão que é o de uma mente racional atulhada de conceitos lógicos onde prevalece tacitamente a superioridade do Homem em nome de quem ela fala. Acontece cpom as mulheres mais inteligentes, as universitárias etc. Elas falam exclusivamente do seu ciclo vicioso As Faces de Eva, descenhecendo a outra Mulher que vive na Sombra e que foi renegada da história e do seu interior...Por essa ignorância a mulher está presa num ciclo vicioso que é o conhecimento adquirido que a sociedade falocrárica lhes impôs e de que elas não conseguem sair sem ir às origem da própria pré-história...onde efectivamente começa a sua história ou o poder da Grande Deusa onde todos os mitos têm origem.

A história da Mulher não é apenas a de uma “lavagem ao cérebro” mas a de uma lavagem às suas entranhas da maneiras como lhe tiraram a Voz de Oráculo da Terra Mãe e agora o Útero sob qualquer pretexto. Anula-se a mulher dos seus valores intrínsecos, da sua intuição e percepção extra-sensorial, da sua sensibilidade tão própria aliada à emoção e reduz-se a sua razão de ser a uma reprodutora com prazo de validade ou a um objecto de luxo e plásticas, o estereótipo do travesti que o homem inventou e que levou a mulher a identificar-se com essa imagem e de que os jornais e revistas e televisão estão cheios até á saturação. A mulher é imbecilizada a cada passo e as próprias mulheres hoje em dia não têm a menos noção ou respeito pelo seu SER Ancestral, por essa Voz secular que lhe foi roubada pelos padres!
A sua cultura ou erudição baseia-se toda nos ideias e nas ideias do princípio masculino que a reduz a um zero à esquerda (e à diree nemita!) e nem lugar tem na sua nomenclatura!
As mulheres eruditas, as académicas falam de si como do "Homem"! E nem se questionam sobre essa condição!

E não tenham esperanças as mulheres
que lhes reste ainda alguma verdade e dignidade própria de que serão aceites se se expuserem nesta sociedade machista e falocrática com uma voz genuína senão for para os servir e fazer de figura de estilo, quer como mulheres, quer como políticas, ministras ou executivas ou mesmo escritoras! Por saberem isso as polícias são brutais como os machos e as ministras duríssimas e inflexíveis nos seus propósitos rígidos, como os homens, sem qualquer sentido profundo, as médicas secas e distantes das mulheres, normalmente tratam mal as pacientes fêmeas. Não é pois, desse “Feminismo”, que é um machismo de saias, de que falamos aqui nem é dessa realização que precisamos. Não é isso o que nos falta a nós mulheres. E muito menos é essa a mulher da Procura do Graal. O que temos de reencontrar é a Mulher que se perdeu nos primórdios dos tempos é essa que tem de se buscar a si mesma dentro de si, ser a Voz do Útero, ser instinto e coração para ser a Taça que dá a beber e não espera beber do outro para ser ela própria porque é a mulher que é O Cálice.
Só depois da Mulher ser Mulher inteira, o verdadeiro Cavaleiro voltará e o Filho da Deusa a respeitará.
A Mulher em si é a Chave do Mito.

Rosa Leonor Pedro
Texto revisto e acrescentado...
(reencontrado na Alta Sacerdotisa...)

1 comentário:

Maria de Lourdes Cabaço disse...

Para mim, que inicio com os primeiros passos nesta consciencialização do SER MULHER, a verdadeira, admito que me é difícil distinguir a minha verdadeira voz, tal é o ruído a minha volta. Mas mesmo humildemente admitindo esta estranheza do meu verdadeiro SEr, sinto a coragem de me pôr a caminho na esperança de resgatar algo de mais valioso e que ainda desconheço do meu ser.
Sou grata por a ter encontrado nesta minha busca.