"O que eu reivindico, é o direito para a mulher, de exprimir o desejo que ela tem mais vivo em si e sem hipocrisias, eventualmente o seu desejo o mais selvagem, sexual ou maternal, sem essa espécie de rendilhados ridículos com a qual a enfeitam e a mistificam. Da mesma maneira que...reivindico o direito do homem assegurar a sua parte feminina, a sua anima."

Joelle de Gravelaine

sexta-feira, Novembro 30, 2007

AS MULHERES EGÍPCIAS



«A civilização faraónica conferiu à mulher do Antigo Egipto um estatuto excepcional, que as sociedades modernas nem sempre conseguiram igualar. Em todos os domínios, do espiritual ao material, a mulher era considerada igual ao homem. Tinha a liberdade de se casar com o homem que escolhesse, de se divorciar com direito a uma pensão, de legar e de herdar. Podia ser chefe de empresa, especialista em finanças, proprietária de terras, administradora de bens ou consagrar-se aos mistérios divinos nos templos e santuários. (...)


As Egípcias são um retrato fascinante e surpreendente de uma das sociedades que mais apelam ao imaginário do nosso mundo moderno»


Christian Jacq


A Civilização faraónica não "conferiu" à mulher um estatuto excepcional que ela por condição não o tivesse já ou, como nós poderiamos achar hoje em dia, a título de favor, uma espécie de paridade política, mas respeitou apenas e correspondeu à necessidade de Equilíbrio dos dois princípios, feminino e masculino, que os egípcios sabiam ser a condição indespensável do equilíbrio humano e social, de amor e paz...E enquanto a Mulher esteve no papel que lhe correspondia naturalmente e na própria representação das suas Deusas, O Egitpo foi uma civilização diferente e pacífica porque sábia. E sem dúvida que esse facto se devia à harmonia e integração das forças opostas e complementares do princípio feminino e masculino. Os igípcios alcançavam a maitrise do Ser através de Maat a Deusa da Justiça e da Verdade que pesava o coração dos vivos e dos mortos...Se estes não fossem puros ou tão leves como uma pena, não viveriam na eternidade. Quando da sua queda depois das invasões bárbaras patriarcais e as suas influências se afirmaram, começaram a minar até à destruição essa Estrutura Sagrada que eram os Templos e que fez do Egipto talvez a civilização mais evoluída do Planeta. A partir dessa altura, como em geral por toda a terra nessa época, esse estatuto e dignidade foi-lhes confiscado e as mulheres começam a ser meros objectos de prazer, prostituídas, concubinas, meras procriadoras ou escravas .


R.L.P.(republicado

Sem comentários: