segunda-feira, fevereiro 09, 2009

O NOSSO KA OU O NAWAL...

OS PUROS DE CORAÇÃO...
*
"Aquele que souber, como uma criança ou ser original, deixar-se envadir pelo sopro vivificante e concentrá-lo no seu coração como um sábio, terá encontrado o segredo de uma fonte de vida. A alegria é um tesouro de força incalculável. A alegria, multiplicada pelo Reconhecimento, torna-se um centro de atracção para as forças anímicas benfeitoras; as suas ondas de natureza quente e altruísta, atraiem as ondas da mesma natureza; da mesma maneira que a tristeza atrai ondas maléficas e influências malsãs."

(...)

O VERDADEIRO SENTIDO DA DÁDIVA:

"A Dádiva, no sentido humano mais alto, é um gesto de abnegação do Eu em favor de outro; a Dádiva, no sentido sobre-humano, é a fusão do Eu no Si."

IN "A ABERTURA DO CAMINHO" - Isha Schwaller de Lubickz




O NOSSO VERDADEIRO EU

(...)
"O “eu” é o portador do nome que assiste, impotente, ao julgamento do seu coração. O Nome é o verbo aparente da personalidade humana terrestre; ele devia ser a expressão do seu Ka e da sua natureza, se ele estivesse correctamente atribuído. Ele é sempre a fórmula mágica que conserva a sua imagem na memória dos seres. Ele é a veste do eu egoísta; é por isso, que quando este eu egoísta se apaga diante do homem consciente do seu fim altruísta, nós modificamos o seu nome para o pôr em harmonia com o seu Ser e a sua função verdadeira. - Porquê que é que a alma - pássaro (BA) fica à parte na cena do julgamento? - A alma divina é neutra, impassível e indiferente a esta história pessoal. Se o homem não cultivou a afinidade do seu KA por esta alma, se ele não estabeleceu, por um apelo constante ao seu ser espiritual, a relação que é a sua consciência recíproca, a alma volta para a sua pátria, e o seu ser unificado não se poderá realizar."

In HER-BAK “Disciple”, de Schwaller de Lubicz.

Sem comentários: