segunda-feira, março 09, 2009

QUEM É A "BESTA DO APOCALIPSE"?


Em nome de que consciência e de que VIDA fala a igreja e os seus padres?

AINDA É REAL A IGREJA DA INQUISIÇÃO …
AINDA É REAL O MEDO, AINDA É REAL A PATA NEGRA DOS VELHOS ABUTRES QUE ODEIAM E VITIMIZAM A MULHER E A CRIANÇA EM NOME DA VIDA…

EM TEMPO REAL, BISPOS E ARCEBISPOS, JULGAM E CONDENAM MULHERES E CRIANÇAS NO SEU FANATISMO SECULAR, NA SUA DEMÊNCIA SEXUAL, SEM DESCRIMINAÇÃO, NEM SENSIBILIDADE OU UM JUIZO SIMPLES, MERAMENTE HUMANO…
ELES ACUSAM UMA CRIANÇA VIOLADA PELO PADRASTO DESDE OS SEIS ANOS E GRÁVIDA DE GÉMEOS AOS NOVE E EM RISCO DE VIDA POR TER ABORTADO PARA SE SALVAR …
QUE LHES IMPORTA A MORTE DA MÃE E CRIANÇA VIOLADA, DESTRUÍDA PELA BESTA?
A IGREJA CATÓLICA DIZ QUE: O "ABORTO É UM CRIME MAIS GRAVE DO QUE O ESTUPRO".

A MULHER CRUXIFICADA

QUEM É A MAIOR "BESTA", AQUELE QUE VIOLA OU O QUE CONSENTE E CASTIGA A VÍTIMA?

ELES FAZEM À SUA MANEIRA O MESMO QUE OS MUÇULMANOS QUE PUNEM A MULHER VIOLADA E A MATAM PORQUE FOGE ÀS SUAS LEIS ISNTIGADOS PELO SEU MEDO E O SEU ÓDIO ANCESTRAL À MULHER …

http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/2009/03/06/ult4469u38415.jhtm

“Após criar grande polémica, ao declarar que a mãe da menina de nove anos e a equipe médica responsável pelo aborto da criança, estuprada pelo padrasto e grávida de gémeos, estavam excomungados da Igreja Católica, o arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho, disse nesta sexta-feira (6) que o seu objetivo foi o de despertar a consciência de todos em relação ao pecado do aborto. "A penalidade automática do Direito Canônico é um remédio espiritual para quem está no caminho errado voltar à consciência", afirmou o arcebispo. NOTÍCIAS (BRASIL)

Anna Geralda Vervloet Paim disse...

Rosa, neste dia em que somos homenageadas, eu não poderia deixar de demonstrar o meu protesto contra esta instituição que tanto mal já causou a Humanidade, principalmente as mulheres e crianças, a Igreja Católica; neste momento em que uma menina de 9 anos é estuprada pelo padrasto, ficando grávida de gêmeos, tendo que fazer um aborto por questões de sua própria sobrevivência, a senhora dona Igreja, a dona da verdade, afirma, através de seus bispos, que abortar é um pecado mais grave do que o estupro, e que todos os responsáveis pelo aborto, desde a equipe médica, estão excomungados pela Igreja!
Sem mais comentários, deixo aqui registrada a minha revolta.
+

1 comentário:

amigo de Hipacia disse...

A palavra mal dita é maldita

Não acho necessário dizer porque é importante que haja coerência entre o que dizemos e como dizemos.
Felizmente alguns termos já estão sendo abolidos do nosso sistema de comunicação pessoal. O verbo denegrir, que desqualifica em comparação à raça negra.
Direitos do homem, por direitos da humanidade ou humanos. Mas vai levar muito tempo para trocarmos totalmente o Homem pela Humanidade na nossa cultura. Se bem que em alguns termos é melhor que fique só com os homens mesmo.Por ex: O Homem até hoje não atingiu sua capacidade máxima de... neste caso não cabe dizer: A Humanidade. Também quanto ao gênero feminino existem mudanças a serem feitas. Li num depoimento nesse blog a expressão : a senhora dona Igreja, a dona da verdade, e então percebi que aqui também temos que aprender. Por que dona? Por que senhora? Por que expressão no gênero feminino para qualificar instituições masculinas até o ultimo fio de cabelo. Nada de feminino deve ser relacionado a essas instituições, que transformaram Cirilo ( o assassino de Hipácia) num santo. Onde as únicas mulheres que existem são as Santas, que já morreram e então não oferecem risco, e foram em vida absurdamente submissas. Como posso glorificar uma Santa, se ela foi feita santa, não por suas atitudes, mas pela igreja. Por suas atitudes talvez eu possa glorifica-las como Deusas. Mas se esse troço chamado Igreja, (pra não usar o feminino), viu em suas ações coisas interessantes o suficientes para canoniza-las, merece de mim toda a suspeita possível. Aprendi hoje a não chamar coisas como a igreja católica de dona, de senhora, como fiz muitas vezes no passado.