terça-feira, janeiro 27, 2009

" HAVIA DOIS TIPOS DE MULHERES"...


Cristãos e muçulmanos em Portugal, quando não havia "eles" e "nós"
“Público”, 17.01.2009, Alexandra Prado Coelho

Casar com um muçulmano pode ser "um monte de sarilhos" disse o cardeal-patriarca de Lisboa. O arqueólogo Cláudio Torres diz que no século XI era difícil distinguir uns dos outros.
(...)

Casamentos e negócios

Se passarmos para as classes mais altas, as diferenças também não são fundamentais. Os muçulmanos fazem tal como os cristãos. "Os nossos aristocratas iam buscar a mulher a outra casa nobre, onde pudessem enriquecer a sua estirpe. Isso não impedia que, de repente, se surgia mais um negócio, mais uma guerra, essa mulher fosse repudiada e se fosse buscar outra. Era tudo em função de interesses políticos. E o Papa sempre sancionou essas expulsões, chamadas 'divórcios'."
(...)
O casamento era, acima de tudo, um acordo. "São negócios, acordos familiares, de clãs. As casas comerciais que dominam o Mediterrâneo são familiares." E, tal como na sociedade grega clássica – "aquela que é habitualmente endeusada" –, havia na sociedade do Al-Andaluz (a Península Ibérica no período do domínio islâmico) dois tipos de mulheres: "As que tinham os filhos, e que estavam em casa, não podiam sequer sair à rua; e as outras, as intelectuais, que iam às festas, sabiam tocar, dançar, faziam poemas." Estas eram mulheres livres, mas "ninguém arriscava casar com elas". Mais uma vez era o pragmatismo que dominava. "A continuidade do clã tem que ser garantida. Não se pode deixar a mulher que será mãe dos filhos fora de casa porque é perigoso, o gene da família pode ser modificado."

Aliás, sublinha o arqueólogo, "o nosso cristianismo primitivo era tão ou mais repressivo com a mulher como o islão nessa altura". No mundo cristão medieval, por exemplo, "a mulher estava mais do que confinada". Islão e cristianismo são "religiões que vêm das mesmas origens, dos mesmos princípios", por isso é natural que tenham práticas semelhantes. "(...)
(FIM DE CITAÇÃO)

À PARTE O NEGÓCIO, "UM MONTE DE SARILHOS" É CASAR SEJA COM UM CRISTÃO SEJA COM UM MUÇULMANO...E DEPOIS NÃO PERCEBO PORQUÊ É QUE ESTES VELHOS CELIBATÁRIOS TÊM DE DAR CONSELHOS ÀS RAPARIGAS NOVAS...

DE QUALQUER MODO AFINAL NÃO MUDOU MUITO EM RELAÇÃO À MULHER, EMBORA SE PENSE QUE SIM, MAS...HOUVE SEMPRE DOIS TIPOS DE MULHERES...

Agora é o Exército que em Portugal procura aliciar as mulheres para a vida militar...as delícias da guerra...enquanto em Israel há mulheres soldados à força que se recusam a envadir e a matar outros seres humanos e são presas...

Sem comentários: