segunda-feira, julho 12, 2004

"CONHECES ALGUMA PROFISSÃO HUMANA ONDE O GÉNERO MASCULINO NÃO PREVALEÇA EM TODOS OS ASPECTOS SOBRE O GÉNERO FEMININO?(...)"Não percamos o nosso tempo a falar de tecelagem ou de confecção de bolos e de guisados, trabalhoa para os quais as mulheres parecem ter algum talento e onde seria completamente ridículo que fossem vencidas" (Sócrates)



O DESEjO E A INVEJA...

A palavra francesa para desejo ENVIE é a meu ver a que melhor exemplifica a duplicidade do sentimento inveja-desejo porque na língua francesa temos a mesma raíz enquanto que em português a dividimos em dois conceitos distintos e separados criando a ilusão de serem diferentes os sentimentos e só em parte o são ou na aparência dos factos porque a censura moral nos impede de desejar o que não podemos possuir e assim achamos que o desejo é legitimado pela permissão social o objecto do nosso desejo - um outro possível - mas repudiamos a ideia da inveja como de um pecado quando os dois conceitos estão interligados e nascem ou fazem parte de uma só emoção inicial:

Ver o outro de dentro e confundi-lo connosco mesmos, o que acontece geralmente no desejo “amoroso” (desejo de posse e de onde deriva ainda o ciúme - medo de perder o que se julga possuir e também uma forma de inveja natural como se de nós mesmos...)
Exemplo: “Envie” _ j’ai envie de toi...je t’envie tes seins...) (desejar-invejar) ; invidere (ver dentro) (invejar: desejar o outro que se vê dentro?)


A VISÃO DO SEMELHANTE

“Ver-se a viver noutro, sentir o outro dentro de si mesmo sem o poder afastar. O invejoso, que parece viver fora de si, é um ensimesmado; invidere já diz pela sua composição, o dentro que há nesse olhar o outro. Olhar e ver o outro não fora, não ali onde o outro realmente está, mas sim num dentro abismal, num dentro alucinatório onde não se encontra o segredo que faz com que cada um se sinta a si próprio, em confundível solidão.
Ver-se a viver noutro ensimesmadamente. O ver viver outro no espaço externo, fora não provoca inveja. Ver objectivamente, isto é, ver cada coisa e cada ser no espaço que lhe for adequado, é próprio daquele que já não pode invejar.Porque só o semelhante pode invejar.
(...)
Ver um semelhante é ver viver alguém que vive como eu, que está na vida à minha maneira. Só ele pode ser sentido nesta implicação da inveja, porque só ele pode estar implicado na minha vida. É que ao ver o semelhante não o vejo objectivamente no espaço físico, sinto a sua vida na minha vida. Ver adequadamente o semelhante é a prova suprema da visão.

(...)
MARIA ZAMBRANO - Filósofa espanhola

Sem comentários: