terça-feira, novembro 30, 2021

a alma também é exterior...



OS PORTUGUESES e a sua falta de sensualidade...


Li há dias algures uma crónica, em que se dizia que os escritores e realizadores portugueses são tão maus nas descrições das cenas eróticas ou amorosas que passam directamente do patético ao grotesco, do mecânico ao animalesco…pelo menos foi assim que o entendi e de facto nunca li em nenhum escritor português uma cena amorosa que fosse elevada e realmente sensual… (Abro uma excepção para ADORAÇÃO, de Leonardo Coimbra…muito mal visto pelos académicos do seu tempo)
Com efeito, de um modo geral, entre nós não há grande sensualidade, digamos uma sensibilidade erótica, espiritualizada, vivida no sentido amoroso mais lato, que seja transversal aos sexos e às idades…Uma sensualidade que esteja na origem de uma atracção natural não só entre mulheres e homens mas que se baseie na inteligência e na emoção pura, na cumplicidade, no encanto, no charme e na expressão natural do amor entre as pessoas independentemente do género e de haver ou não desejo sexual. Os portugueses em geral confundem tudo com sexualidade (digo genitalidade) sem ver que a sensualidade dos afectos ou dos gestos nem sempre significam sexualidade. Com isso perdem um certo prazer de viver e a motivação ou a criatividade que deixa de existir sem esse elan!
As pessoas em Portugal, penso, passaram por cima de tudo o que implicaria uma tradição cultural de sedução porque lhes faltou uma educação sensual livre baseada no respeito pelo próximo, nomeadamente da mulher, e do conhecimento de si mesmo, para se fixarem numa abordagem genital, exterior a si, numa agressividade verbal que fica a um passo da violência sexual. 
Porque a liberdade brusca, essa falsa liberdade que se criou depois do 25 de Abril, a seguir aos longos anos de opressão social e religiosa, com muitos preconceitos de cariz sexual e atavismos religiosos, aconteceu abruptamente e superficialmente, sem haver a transição para uma verdadeira liberdade baseada numa educação do SER e portanto sem fundamento ético nem uma sensibilidade estética das pessoas. Passou-se de uma sexualidade reprimida e oculta, a uma sexualidade básica, objectiva e muitas vezes abjecta e os machos já não perdem tempo “com cantigas”…vão directamente ao “assunto”.
Há uma castração da sensibilidade-sensualidade em Portugal...

ESCRITO EM 2010
rlp
IN M.&D.

FALTA A DIMENSÃO DA ALMA

"A alma, ao contrário do que tu supões, a alma é exterior: envolve e impregna o corpo como um fluido envolve a matéria. Em certos seres humanos a alma chega a ser visível, a atmosfera que os rodeia tomar cor. Há seres cuja alma é uma contínua exalação: arrastam-na como um cometa ao oiro esparralhado da cauda - imensa, dorida, frenética. Há-os cuja alma é de uma sensibilidade extrema: sentem em si todo o universo. Daí também simpatias e antipatias súbitas quando duas almas se tocam, mesmo antes da matéria comunicar. O amor não é senão a impregnação desses fluidos, formando uma só alma, como o ódio é a repulsão dessa névoa sensível. Assim é que o ser humano faz parte da estrela e a estrela de Deus."

Raul Brandão

4 comentários:

Raissa disse...

Aqui no Brasil, é igual.

rosaleonor disse...

Raissa leia um texto publicado aqui no blog : uma mulher é sempre uma mulher - pesquise aqui no blog, foi publicado em junho de 2019

Raissa disse...

Tá bom

Raissa disse...

Li, muito bom