terça-feira, março 20, 2007

ONDE A MULHER EMERGENTE?...

"Chamo mulher àquela parte oculta que não é entendida pela razão masculina. Ser esposa, mãe já não satisfaz a uma mulher nos dias actuais, e ainda que tenha um emprego bem renumerado há um vácuo a pairar no coração das mulheres. Há qualquer coisa que falta e a verdade é que nenhum homem/sociedade pode dar isso e muito menos a maioria das mulheres, porque submetidas à ordem estabelecida."


Aquilo que no texto em baixo refere é aquilo que as mulheres portuguesas não exigem...
As políticas, presas aos partidos, as deputadas presas à Assembleia, as intelectuais presas aos estereótipos (das inteligentes e estúpidas) e as demais presas aos maridos, namorados e às "outras" e a todo o tipo de repressões, invejas e interesses mediocres.
Nem as feministas em Portugal têm consciência de uma essência feminina para já não falar sequer do que nem sonham ser o Princípio feminino ou o aspecto sagrado do ser, que se confunde com religiosidade, nem o aspecto mediunidade reduzido a 6º- sentido, nem sequer a força interior da mulher! Tudo se resume e confude nas igualdades de direitos sem acesso à verdadeira natureza ontológica da Mulher.
Alguém se atreve em Portugal a defender uma mulher diferente sem obedecer a algum estereótipo destes???

Sem comentários: